Conecte-se conosco

Notícias Corporativas

Como funciona a notificação em massa no WhatsApp?

No Brasil, 92% dos internautas usam o WhatsApp; Roberto Dariva, diretor-geral da Code7, explica o que é o HSM WhatsApp e como o recurso pode ser útil no meio corporativo

Publicado

em

Há mais celulares inteligentes (242 milhões) do que habitantes (214 milhões) no Brasil, segundo dados recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Aliás, 94% dos usuários de internet do país administram uma conta em algum site de relacionamento, conforme levantamento recente do jornal Folha de S. Paulo. Destes, 92% têm um aplicativo do WhatsApp instalado em seus smartphones.

O fenômeno traz à tona uma maior preocupação das empresas com relação ao atendimento aos brasileiros no aplicativo de mensagens pertencente ao grupo Meta. Afinal, o WhatsApp está entre os canais virtuais preferidos pela maioria (48%) das pessoas que buscam um bate-papo ao vivo com um agente, segundo um estudo do Capterra realizado em abril.

É nesse contexto que, para Roberto Dariva, diretor-geral da Code7 – empresa que desenvolve softwares para simplificação da comunicação digital entre as marcas e seus consumidores -, ganham destaque ferramentas como o HSM WhatsApp (Highly Structured Message, na sigla em inglês – Mensagem Altamente Estruturada, em português).

“No caso do WhatsApp, o recurso permite o envio de mensagens em massa, de forma ativa. Porém, é preciso seguir algumas regras: as mensagens, antes de enviadas, devem ser previamente aprovadas pela Meta, por exemplo”, explica.

Além disso, prossegue, cada conversa do HSM WhatsApp tem duração fixa de 24 horas. O cronômetro começa a valer a partir da primeira mensagem enviada, independentemente da origem – seja do cliente ou da empresa. Após ultrapassar a janela de 24 horas, a empresa deverá enviar um novo HSM para continuar a conversa.

“Em suma, a ferramenta pode ser utilizada para notificar o cliente sobre o status da entrega de um produto, realizar cobranças, disponibilizar boletos e enviar notificações, entre outros fins”, detalha Dariva. “A solução é uma alternativa para a sua empresa estabelecer um relacionamento próximo com os clientes a fim de fidelizar e personalizar o atendimento”, complementa.

Como o HSM possibilita a notificação em massa no meio corporativo?

De acordo com o diretor-geral da Code7, é possível utilizar o HSM WhatsApp para acompanhar pedidos, solicitar atendimento, enviar conteúdo, confirmar consultas médicas, fazer reengajamento de leads e convite para um evento, entre outras possibilidades.

Segundo o especialista, as mensagens de HSM devem ser criadas dentro das regras estabelecidas pelo WhatsApp. Basicamente, é preciso se atentar para fatores como:

  • Tamanho do texto: cada mensagem deve ter, no máximo, 1024 caracteres;
  • Quebra de linha no texto: é preciso utilizar o símbolo “n” quando quiser partir para uma nova linha;
  • Variáveis: “Você pode personalizar o seu HSM com diversas variáveis. Ou seja, com elementos que podem ser substituídos, conforme o formato de cada mensagem, tais como: {{nome}}, {{empresa}}, {{data}}, {{número de telefone}}, {{contexto}} etc”, explica. “As variáveis sempre devem ficar dentro de chaves duplas {{#}}. Além disso, elas podem ser indicadas por números inteiros, a partir de 1. Nesse caso, cada número representaria um dado variável cadastrado”, completa;
  • Emoji: é permitido a inclusão de emoji, desde que não seja em excesso;
  • Aspas: os textos das mensagens não podem conter aspas;
  • Chamada para ação externa: “Você pode enviar links externos para os contatos, desde que seja com moderação”;
  • Respostas rápidas (Quick Reply): é possível inserir até 3 botões de respostas rápidas clicáveis na sua mensagem. Cada botão pode ter até 20 caracteres.

Como ter acesso ao HSM?

Dariva destaca que as mensagens de HSM da empresa de Mark Zuckerberg são pagas. Portanto, para ter acesso a elas, é necessário criar uma conta no WhatsApp Business API. Afinal, ele é a versão mais profissional e indicada para as empresas.

“Por meio do WhatsApp Business API, é possível fazer a integração com softwares já utilizados pela sua empresa. Além disso, você pode conectá-lo a um software de atendimento e criar uma comunicação omnichannel.”, conclui.

Para mais informações, basta acessar: https://code7.com/blog/hsm-whatsapp/?utm_source=dino&utm_medium=blog&utm_campaign=HSM

Notícias Corporativas

Wemade realiza evento de airdrop no WEMIX para celebrar o lançamento mundial do MIR M!

Publicado

em

por

WEMIX PLAY, a plataforma de jogos blockchain número 1 da Wemade, está hospedando um evento de airdrop no WEMIX até 28 de fevereiro para comemorar o lançamento mundial de seu MMORPG, MIR M: Vanguard and Vagabond.

Este comunicado de imprensa inclui multimédia. Veja o comunicado completo aqui: https://www.businesswire.com/news/home/20230208005355/pt/

WEMIX PLAY, a plataforma de jogos blockchain número 1 da Wemade, está hospedando um evento de airdrop no WEMIX até 28 de fevereiro para comemorar o lançamento mundial de seu MMORPG, MIR M: Vanguard and Vagabond. (Crédito: Business Wire)

WEMIX PLAY, a plataforma de jogos blockchain número 1 da Wemade, está hospedando um evento de airdrop no WEMIX até 28 de fevereiro para comemorar o lançamento mundial de seu MMORPG, MIR M: Vanguard and Vagabond. (Crédito: Business Wire)

O WEMIX PLAY oferecerá 1 WEMIX cada para 1 milhão de usuários que atenderem aos seguintes requisitos: Conectar a conta do jogoàPLAY Wallet, alcançar o nível de personagem 25 e ter um registro de login dentro de uma semana a partir da data final do evento. Se o número de participantes superar 1 milhão, os ganhadores serão selecionados com base na ordem em que o personagem atingir o nível 25 primeiro. Os vencedores e mais informações serão anunciados posteriormente.

MIR M é um K-MMORPG com artes marciais lançado em 31 de janeiro. Ele é recriou o The Legend of Mir 2, a propriedade intelectual mais popular da Wemade, para se adequar às tendências atuais e aplicou a tecnologia blockchain para criar tokenomics com base no token do jogo DRONE e no token de governança DOGMA.

O MIR M também faz parte de uma economia entre jogos que inclui o MIR4, o jogo blockchain de maior sucesso do mundo. Os usuários de jogos nesta economia entre jogos podem reinvestir os tokens de jogo que obtiveram em cada jogo em outros jogos, criando assim um ciclo virtuoso.

Visite o site oficial (https://mirmglobal.com) para obter mais informações sobre o evento de airdrop que celebra o lançamento mundial do MIR M.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Wemade Co., Ltd. (112040: KOSDAQ)

Yeonghyun Lee, gerente de RP

yeonghyun@wemade.com

Fonte: BUSINESS WIRE

Continuar Lendo

Notícias Corporativas

Associação fornece coletores de lâmpadas ao comércio de SE

Reciclus quer ampliar adesão do comércio sergipano como ponto de coleta e evitar o descarte no lixo comum

Publicado

em

por

Com o LED substituindo rapidamente as lâmpadas fluorescentes, é preciso atenção para o descarte desses resíduos, que contêm mercúrio e por isso demandam um fluxo específico na coleta e a destinação correta. A logística reversa de lâmpadas é a saída para evitar tanto o descarte no lixo comum quanto problemas ambientais, como a contaminação do solo, da água e, em grandes quantidades, até das pessoas.

No Brasil, a Reciclus (Associação Brasileira para a Gestão da Logística Reversa), organização sem fins lucrativos responsável pela gestão do processo no país, já deu a destinação correta a mais de 29,4 milhões de lâmpadas.

A Associação quer aproveitar a proximidade entre o comércio e os consumidores para conscientizar o público e estimular o descarte correto. Para tanto, vai instalar gratuitamente coletores em estabelecimentos comerciais de três municípios de Sergipe: Barra dos Coqueiros, Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão.

Atualmente, a Reciclus conta com 3.633 pontos de entrega em estabelecimentos comerciais em 780 municípios de todas as regiões do país. Qualquer varejista ou comércio aberto ao público, preferencialmente do segmento de supermercados e lojas de material de construção, pode ter um coletor Reciclus gratuitamente, e recebe da Associação todo o suporte necessário para instalação e solicitações de coleta.

Ao descartar as lâmpadas usadas nesses coletores, ao invés de jogar no lixo comum, os consumidores domésticos têm a garantia da coleta, transporte e destinação ambientalmente correta, por meio de recicladores homologados.

Mais informações sobre como os comerciantes podem aderir ao programa Reciclus e instalar pontos de entrega em seus estabelecimentos pelo telefone (11) 98469-1113, ou pelo e-mail reciclus@reciclus.org.br.

A Reciclus é uma associação sem fins lucrativos que reúne os principais produtores e importadores de lâmpadas do Brasil, com o objetivo de promover o Sistema de Logística Reversa.

A iniciativa envolveu diversos segmentos da sociedade e atende à determinação da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), a Lei Federal nº 12.305/2010 que fala na responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e na logística reversa (LR) como soluções para o descarte correto de itens que podem causar danos ao meio ambiente.

Mais informações: www.reciclus.org.br

Continuar Lendo

Notícias Corporativas

Estudo mostra tendências da comunicação corporativa em 2023

A LLYC realizou um estudo sobre as tendências em comunicação corporativa para 2023, analisando visões de especialistas de quatro países sobre os principais pontos que moldarão a comunicação corporativa neste ano

Publicado

em

por

É no ano de 2023 que se consolidam como tendências alguns fatores que já vinham influenciando a forma como empresas observavam e se comunicam com o mundo. Digitalização, polarização e busca por propósito, em um cenário global de contenção de custos e otimização de recursos, convergem para as ações de parar, olhar, examinar, entender e dar o próximo passo. Diante desse cenário, a LLYC, consultoria global de comunicação, marketing digital e assuntos públicos, desenvolveu o estudo “A busca pela simplicidade: tendências para comunicação corporativa em 2023”, que conta com a visão de especialistas de quatro países: Espanha, Brasil, Colômbia e México, levantando 12 questões que foram discutidas e analisadas chegando a estas tendências, que indicam caminhos para ação e pontos de atenção adequados a empresas de diferentes perfis e realidades.

As tendências elaboradas pelos especialistas encontraram intercessões importantes. Elas passam pela busca da simplicidade de fazer mais com menos recursos, até a consolidação de fatores que já vinham representando desafios, como a polarização política, ou oportunidades para a comunicação corporativa, como a busca por propósito e a digitalização das relações públicas, transformando a experiência da comunicação presencial. Além disso, 2023 se impõe para cada gestor e cada companhia de forma diferente, com todos os desafios já conhecidos: recessão global, inflação, instabilidade política e desorganização das cadeias produtivas, entre outros fatores.

Para Thyago Mathias, diretor-geral da LLYC Brasil, o melhor investimento de tempo e recursos para a comunicação corporativa em 2023 é entender o momento externo e interno de cada empresa, de modo a identificar os gaps entre eles e alocar aí os maiores esforços. “Anos críticos como o que temos pela frente também oferecem boas oportunidades para demonstrar o valor estratégico da comunicação para o negócio e, assim, conquistar o espaço estratégico que também lhe cabe nas tomadas de decisão da companhia”, complementa.

Conheça as quatro tendências que moldarão a comunicação corporativa em 2023:

  • Do “purpose washing” ao ativismo corporativo real e atemporal – Usar datas especiais para projetar ou posicionar-se sobre algum dos desafios enfrentados pela sociedade é algo comum dentro das organizações. Esse ativismo, porém, nem sempre está associado ao propósito, valores e essência da empresa, mas sim à sua necessidade para se posicionarem e se fazerem visíveis em conversas macro – que podem revelar incongruências entre o que a marca faz internamente e o que ela defende publicamente. 

Em uma pesquisa da Associação de Diretores de Comunicação do Panamá (Dircom Panamá), 83% dos entrevistados disseram entender que as empresas são uma plataforma poderosa para falar sobre importantes desafios sociais e contribuir para sua solução. O consumidor, entretanto, não quer mais apenas o produto ou serviço, mas busca o compromisso das empresas com uma série de valores sociais, ambientais e políticos com os quais se identificam.

  • Polarização política com impacto no desenvolvimento dos negócios – Ao longo dos últimos anos, o exacerbamento da polarização política dificultou a gestão de empresas que atuam em setores altamente regulados ou que têm grande visibilidade entre perfis de consumidores mais politizados. Diferente do ativismo corporativo que se alinha a uma perspectiva de propósito das companhias, o ativismo político alimentado pela polarização cobra um posicionamento que nem sempre se alinha diretamente à atuação das companhias e resvala no “risco de torcida”, constituído por desagradar um ou outro lado, independentemente dos fatos.
  • Public Relations, cada vez mais Digital Relations – Embora a pandemia pareça estar longe, alguns de seus efeitos vieram para ficar. É o caso da redução drástica do presencial em termos de PR (relações públicas, na sigla em inglês). Os jornalistas estão cada vez mais relutantes em participar de coletivas de imprensa ou mesmo de reuniões individuais, preferindo se conectar digitalmente, mesmo quando o tema é interessante e claramente relevante.
  • Estratégias de comunicação mais simples em um mundo mais complexo – Um dos maiores desafios apresentados para a comunicação das empresas em 2023 é como obter mais impacto com menos recursos ou atividades. Com 25% de chance de o PIB global crescer menos de 2% em 2023, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o que seria definido como uma recessão global, e a continuidade na política de cortes, especialmente no setor de tecnologia, as empresas devem concentrar seus esforços em projetos autênticos, que gerem impacto em seus públicos e que possam se desdobrar em ações de sustentação ao longo de um período mais longo.

Continuar Lendo

Em Alta

...