Conecte-se conosco

notícias

Experiência digital confiável pode ser obtida através do Edge Computing

A experiência do usuário sempre é afetada, direta ou indiretamente, por erros, pequenos ou devastadores, que ocorrem quando um sistema se mostra inoperante diante de um comando. O que pode ser considerada falha crítica dentro de determinada operação? Uma máquina com defeito? Falhas humanas?

Publicado

em

São Paulo, SP 6/11/2020 –

A experiência do usuário sempre é afetada, direta ou indiretamente, por erros, pequenos ou devastadores, que ocorrem quando um sistema se mostra inoperante diante de um comando. O que pode ser considerada falha crítica dentro de determinada operação? Uma máquina com defeito? Falhas humanas?

Termos contemporâneos como customer experience (CX), internet das coisas (IoT) e transformação digital estão cada vez mais em evidência, por serem recursos intimamente relacionados à experiência digital dos consumidores e ao aumento de disponibilidade das operações. Isso resulta em mais incremento de faturamento ou receita para as companhias que atuam neste ramo. 

“Nos últimos meses, inúmeras transformações ocorreram nas companhias tanto nas relações com os funcionários, quanto com os consumidores”, diz Kenia Paim, diretora de vendas de Secure Power da Schneider Electric. “Muitas dessas mudanças já eram previstas, entretanto não se imaginava a rapidez com que ocorreriam. Em meio a esse cenário foi possível perceber que alguns mercados já estão avançados o suficiente, enquanto, outros, necessitam de melhorias”.

Alguns exemplos marcantes dessa transição do analógico para o digital podem ser observados na relação do consumidor com o fornecedor a partir de seus canais de atendimento. O aprendizado de máquina está presente nos chatbots que utilizam inteligência artificial para criar uma comunicação efetiva em canais de relacionamento com o cliente, de forma cada vez mais aperfeiçoada e personalizada. 

A telemedicina também já se concretiza como modalidade que envolve uma série de processos médicos realizados a distância, como telediagnóstico, teleconsulta e teleassistência.

Os sites de vendas estão cada vez mais “inteligentes”, com utilização dos mapas de calor, também conhecidos como mapas flutuantes ou mapas de cliques, que rastreiam os movimentos do mouse do cliente e, dessa forma, provêm informações precisas ao fornecedor sobre os produtos e serviços que atraem mais os clientes.

Edge computing

No início desta década, o tema “salvar dados na nuvem” estava em alta, era o boom de grandes data centers. Previa-se que, a partir de então, toda e qualquer aplicação seria processada num conjunto de servidores remotos, e a despesa desse armazenamento na cloud computing seria prevista como uma verba Opex para as empresas.

Cada um dos bilhões de dispositivos existentes gera grande quantidade de dados para ser processados, analisados e, por fim, utilizados para diversas finalidades. Então surge a questão: será que realmente todas as aplicações do mundo devem ser enviadas à nuvem?

“Problemas como limitações com largura de banda, latência, segurança e confiabilidade impedem que as decisões sejam tomadas de forma tão rápida quanto se espera nesse ambiente tecnológico”, diz Kenia. “Dependendo do tipo de informação gerada, as empresas não podem ter esses dados levados à nuvem sem um controle rígido, como regula a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)”, explica.

Diante dessa realidade, houve a percepção de que parte das aplicações precisaria ter seu processamento mais próximo do local de geração desses dados, ou na borda/beira (edge) – surge, então, a definição e o conceito de edge computing.

Essa tendência de descentralização no processamento das informações não é nada se for comparada ao que havia nos anos 1990 ou início dos anos 2000, em que todas as empresas possuíam data centers próprios com inúmeros servidores.  Agora, porém, um processamento de informações de forma híbrida se torna uma opção mais viável. Existem já alguns produtos no mercado que resolvem essas questões e garantem disponibilidade e eficiência para a aplicação, por menor que ela seja.

“Dentro de casa”

A capacidade de armazenamento e processamento dos equipamentos de TI pode ser considerada baixa, mas são essas instalações de tecnologia, vistas como de menor criticidade, que assumem a missão crítica de conservar e administrar os dados com segurança “dentro de casa”. 

Ou seja, a minimização das falhas citadas acima que ocasionam má experiência do cliente passa a ser mais evidente quando se entende que a tecnologia está diretamente ligada ao negócio, ao meio de captação de receita, ao aumento da disponibilidade, tudo em prol da otimização da experiência do cliente.

Website: https://www.se.com/br/pt/

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

notícias

Empresas estrangeiras apostam em expansão para o Brasil

Com o reaquecimento do mercado em diversos setores e o avanço de tecnologias que propõem a transformação da vida do brasileiro, avalia-se que empresas estrangeiras vão continuar se interessando pelo Brasil.

Publicado

em

São Paulo, SP 5/3/2021 – Com um cenário que favorece os avanços tecnológicos no país, espera-se ver a disseminação de tecnologias que pretendem transformar a vida do brasileiro.

Com o reaquecimento do mercado em diversos setores e o avanço de tecnologias que propõem a transformação da vida do brasileiro, avalia-se que empresas estrangeiras vão continuar se interessando pelo Brasil.

Mesmo com um cenário instável a nível mundial, empresas estrangeiras continuam apostando na expansão para o Brasil. Em 2020, o país voltou a fazer parte da lista dos 25 países mais confiáveis para o investimento estrangeiro direto (IED), com base em um indicador produzido anualmente pela consultoria norte-americana A.T.Kearney. Na pesquisa realizada com 500 executivos de grandes corporações ao redor do mundo, o Brasil figura na posição 22, sendo a única nação da América Latina a fazer parte do grupo. O índice da Kearney calcula a probabilidade de as empresas entrevistadas fazerem investimentos em um mercado específico nos próximos três anos.

Sendo assim, alguns dos fatores citados para impulsionar os investimentos seriam a aprovação da reforma da previdência e a ampliação das privatizações, que podem estimular o crescimento da economia.

Para além do relatório, há ainda mais aspectos que favorecem a expansão para o Brasil. Entre eles, o comportamento do consumidor brasileiro e o crescente avanço do uso de tecnologias no país.

Vários fatores estão favorecendo a inovação no Brasil, e muitos passam pelos hábitos dos consumidores. De acordo com um relatório publicado pela consultoria McKinsey, no país:

– 70% da população está conectada à internet;
– em média, o brasileiro passa mais de 9h por dia on-line;
– em 2018, 78% dos brasileiros conectados à internet utilizavam serviços como Netflix pelo menos uma vez na semana;
– 39% da população foi classificada como “early adopters” em apps digitais em um relatório de 2015.

Lar de fintechs como Nubank e PagSeguro, o país também viu, em 2020, a implementação do PIX, um sistema instantâneo de transferências bancárias, pelo Banco Central. Com a perspectiva de disseminação do open banking, permitindo a integração de informações entre instituições financeiras, o setor pode se expandir ainda mais.

Ao longo do processo de expansão para o Brasil, uma empresa pode optar por alguns caminhos, como abrir uma filial no país ou se tornar sócia de uma empresa brasileira. Desse modo, a escolha vai depender dos objetivos quanto à atuação no país e o futuro do empreendimento.

Dois exemplos de empresas que recentemente começaram a operar no Brasil são a Belvo e a Bitso. A primeira é uma startup espanhola que tem o objetivo de ajudar fintechs a compreender os dados sobre as finanças de seus clientes, para melhorar a experiência em sites e aplicativos. Em meio à disseminação do conceito de open banking, esta e outras empresas do setor são atraídas em meio aos avanços tecnológicos recentes no país.

A plataforma mexicana de criptomoedas Bitso, por sua vez, pretende fazer do Brasil o seu maior mercado. Em 2020, já havia conquistado mais de 1 milhão de usuários, principalmente no México e Argentina. Dessa forma, a empresa pretende tornar as criptomoedas úteis para transações financeiras, ampliando a sua função principal para além dos investimentos.

Apesar de a expansão para o Brasil parecer um terreno fértil, a abertura de uma filial também compreende alguns desafios. Empresas como a TRIZ atendem a estes clientes suprindo a demanda de pesquisa de mercado para a compreensão do consumidor brasileiro, assim como a Grebler atua com os procedimentos jurídicos necessários para a representação legal de empresas estrangeiras no Brasil.

Sendo assim, com um cenário que favorece os avanços tecnológicos no país, espera-se ver a disseminação de tecnologias que pretendem transformar a vida do brasileiro. O sucesso dessas iniciativas vai depender, entre outros fatores, do conhecimento do consumidor e da propensão do negócio ao alinhamento com a legislação brasileira.

Website: https://www.trizpar.com.br/

Continuar Lendo

notícias

Com benefícios ao corpo e a mente, chás funcionais conquistam brasileiros

Empresa brasileira de dermocosméticos lança linha de chás funcionais que, além do sabor, tem propriedades que regulam a digestão, acalmam e queimam gordura

Publicado

em

por

BRASIL 5/3/2021 – A nossa missão é oferecer bem-estar geral aos clientes e foi pensando nos momentos de relaxamento que inovamos ao lançar a linha de chás funcionais +Saúde

Empresa brasileira de dermocosméticos lança linha de chás funcionais que, além do sabor, tem propriedades que regulam a digestão, acalmam e queimam gordura

O brasileiro é famoso pelo hábito de tomar um cafezinho, mas os chás, formulados para proporcionar relaxamento, energizar o dia a dia ou aliviar o estresse, têm conquistado cada vez mais o país. Segundo uma pesquisa da Europass Monitor, o consumo nacional per capita de chás cresceu 53% entre 2010 e 2019. Além disso, especialistas avaliam que o mercado dessa bebida da cultura asiática e popularizada em todo o mundo esteja crescendo 12,3% ao ano no Brasil.

Isso não deveria ser uma surpresa, dada a história desse líquido milenar. “O chá começou como um medicamento e se tornou uma bebida”, disse o estudioso japonês do século 19, Okakura Kakuzo. Pesquisas sobre a história do consumo de chá em todo o mundo confirmam que a bebida era, inicialmente, consumida para auxiliar na saúde e não pelo prazer.

Atualmente, além da preocupação com a saúde, a busca por sabor e qualidade tem atraído consumidores para o chá. E foi pensando nisso que a empresa brasileira de dermocosméticos Anne Caroline Global, que integra o Grupo Ideal Trends, lançou uma linha de chás que é reflexo dessa tendência. A bebida possui propriedades funcionais que são responsáveis pelo bem-estar do corpo e da mente, e oferecem benefícios à saúde, que regulam a digestão, controlam a ansiedade e a qualidade do sono, e auxiliam no processo da queima de gordura.

“A nossa missão é oferecer bem-estar geral aos nossos clientes e foi pensando nos momentos de relaxamento que inovamos ao lançar a linha de chás funcionais +Saúde. Eles possuem ervas antioxidantes e anti-inflamatórias que ajudam na manutenção da boa forma, além de eliminar toxinas, reduzir o estresse e ainda cuidar da beleza. É uma linha completa que proporciona experiência de liberdade, leveza e felicidade”, afirma Liliane Oliveira, química e diretora técnica da Anne Caroline Global.

Informações da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) publicadas pela IISD preveem que, até 2024, o setor de chá cresça a uma taxa anual de cerca de 4 a 5,5% e alcance 73 bilhões de dólares. Para promover essa indústria, de forma sustentável, saudável e eficiente, a Anne Caroline Global está por dentro das tendências de mercado. “Estamos atentos para desenvolver produtos funcionais que façam a diferença no mercado. Queremos oferecer todos os benefícios em nossos chás e produtos, além de nos preocuparmos com o seu impacto no meio ambiente”, diz José Paulo Pereira Silva, CEO e fundador do Grupo Ideal Trends.

Com ativos que ajudam a fortalecer o organismo e dar um boost na saúde da pele e do corpo, a linha +Saúde da Anne Caroline Global é dividida em três fases: “Seja Livre”, “Seja Leve” e “Seja Feliz”. Os chás são feitos de ervas com propriedades calmantes, energéticas e diuréticas. As fórmulas são zero açúcar, não contém glúten, lactose, conservantes ou corantes artificiais. Os potes são de 150g e rendem até 30 porções. Além disso, o consumidor tem a opção de beber o chá quente ou frio. Mais informações em: http://brz.annecarolineglobal.com/ 

Anne Caroline Global

A Anne Caroline Global é uma empresa do ramo de dermocosméticos, que visa o empreendedorismo e a construção do negócio próprio. O canal de distribuição é por meio da venda direta e disponibiliza aos seus empresários todo o suporte e treinamento para garantir o sucesso de seu negócio.

A Anne tem produtos de nanotecnologia e oferece suporte aos vendedores para o uso do marketing de relacionamento e ferramentas digitais, que alavancam o sucesso do empreendedor.

A empresa trabalha com marketing multinível, e é associada à Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), entidade que regulamenta o setor.

 

Redes Sociais:

Instagram: @anneglobaloficial.bra
Site: http://brz.annecarolineglobal.com/

Website: https://josepaulogit.com/

Continuar Lendo

notícias

Na contramão da crise, empresas de tecnologia oferecem alternativa ao desemprego

Proporção de negócios que vendem por delivery aumentou puxada pela tecnologia; setor cresceu mesmo com as crises econômicas

Publicado

em

por

São Paulo, SP 5/3/2021 –

Proporção de negócios que vendem por delivery aumentou puxada pela tecnologia; setor cresceu mesmo com as crises econômicas

O mercado de tecnologia segue crescendo não só no mundo, mas no Brasil também apesar da crise. De acordo com dados do Empresômetro, empresa de inteligência de negócios, a média de crescimento deste setor no Brasil ultrapassa a marca de 118% em dez anos.

E a crise causada pelo Coronavírus, de certa forma, favoreceu a tecnologia como um todo. Por conta da necessidade de distanciamento, empresas adotaram o trabalho remoto e muitos consumidores passaram a consumir pela internet.

O delivery, por exemplo, vivenciou um verdadeiro “boom” em 2020. Dados do Instituto Locomotiva, encomendados pela VR Benefícios, mostram que a proporção de restaurantes, lanchonetes, padarias e mercados brasileiros que fazem delivery passou de 49% para 81% depois do início da pandemia.

A startup Alfred Delivery, que trabalha com entregas de todos os tipos de produtos (comida pronta, supermercado, materiais de construção e até mesmo pipoca de cinema), registrou um crescimento de 1487% no ano passado.

De acordo com Myrko Micali, CEO e fundador da plataforma, o aumento se deve a dois fatores. “A pandemia é um deles. De fato ela acelerou o mercado de tecnologia e delivery. Porém, este foi um movimento já iniciado há alguns anos no Brasil, mas que levaria muito tempo para se desenvolver se não fosse essa necessidade sanitária”, explica.

Em 2021, a meta da empresa é multiplicar o faturamento por cinco e aumentar ainda mais a capilaridade das franquias pelo país.

Para Nelson Júnior, CEO da plataforma Sem Patrão, que conecta profissionais de serviços a clientes, a pandemia contribuiu para o crescimento do mercado, mas não foi fator decisivo.

“O mercado de tecnologia cresceu absurdamente desde 2010. É um caminho sem volta. Antigamente, quando alguém queria um serviço ou emprego, batia de porta em porta entregando cartões ou currículos. Hoje é possível fazer isso por meio de um aplicativo como o nosso sem precisar sair de casa”, comenta o fundador da empresa que cresceu mais de 40% em 2020.  

Para 2021, as perspectivas são animadoras apesar da pandemia. Segundo o empresário, a empresa quer dobrar o número de solicitações de serviços na plataforma.

 

Website: https://www.agenciasucellus.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...