Conecte-se conosco

Notícias

Empresa ressalta a importância da desratização para evitar proliferação de ratos

O outono é a época propícia para o aparecimento de roedores, que se aproveitam de alimento e água disponíveis

Publicado

em

São Paulo, SP 6/11/2020 –

O outono é a época propícia para o aparecimento de roedores, que se aproveitam de alimento e água disponíveis

A proliferação de pragas urbanas sempre foi considerada um problema, afinal, pode trazer riscos à saúde e provocar danos materiais de variadas proporções. Os ratos, por exemplo, podem transmitir doenças fatais, como a leptospirose.

No outono a incidência de roedores aumenta ainda mais em comparação com as demais épocas do ano. Isso se deve ao fato de que a estação combina oscilações de temperatura com chuvas intensas.

Desse modo, vale a pena investir a atenção em métodos para evitar a aglomeração de quaisquer espécies de roedores. Três delas são mais comuns nas cidades e se adaptam facilmente a condições adversas: ratazana (Rattus norvegicus), rato do telhado (Rattus) e camundongo (Mus músculos).

Existem meios de proteger os locais de tais pragas, garantindo que não haja nenhum panorama propício para a subsistência delas. No entanto, quando já há um quadro crítico da presença de ratos em grande número, deve-se buscar técnicas de desratização.

Empresa líder no segmento no Brasil, a Sanemix alerta sobre a importância de realizar a desratização de forma profissional. Segundo a corporação, esse serviço engloba uma série de fatores, não se limitando à aplicação de produtos exterminadores de ratos.

Em razão disso, a atuação de desratizadoras competentes surge como a opção mais segura para a população. Afinal, tratam-se de medidas que necessitam de protocolos e adequação às normas emitidas pelas entidades responsáveis.

No artigo 5º da lei 7.806/17 consta que é obrigatório a desinsetização e a desratização em estabelecimentos como indústrias em geral, assim como estabelecimentos com setores de armazenagem, hospitais, comércios, escolas e universidades, condomínios comerciais e residenciais. 

Todo o procedimento deve seguir as regras da ANVISA, que só podem ser colocadas em prática por empresas de fato equipadas e com a devida certificação e aprovação pelos órgãos de controle ambiental.

Abrigo, alimento e água à disposição são atrativos

Há motivos de sobra para que haja um controle eficiente desses roedores. A primeira medida, porém, deve ser a eliminação dos pontos de atração: abrigo, alimento e água.

Quando o local, seja ele um galpão comercial, uma escola ou até mesmo uma residência, apresenta todos esses fatores à disposição dos ratos, aumenta a probabilidade de ocorrer ali uma proliferação.

Um rato encontrado dentro de casa, por exemplo, já pode ser considerado um sinal de alerta para os moradores. Ou no entorno existe um terreno com condições favoráveis à existência desses animais ou então a própria moradia conta com esses elementos.

Diante disso, a primeira orientação da ANVISA e de demais órgãos reguladores se torna a extinção de qualquer foco de alimento, água e também materiais entulhados, que servem de proteção para os ratos.

Os especialistas nesse mercado avaliam se no local há caixas d’água mau fechadas, sacos de mantimentos em áreas abertas, recipientes sem tampas, armários desprotegidos, entre outros itens que armazenam comida.

Quando encontram um ambiente propício, os ratos se instalam e procriam, aumentando ainda mais a população de pragas. Ali eles depositam fezes, urina e pelos. E são exatamente esses dejetos que, em contato com os produtos de consumo humano ou dos animais domésticos, causam enfermidades – algumas consideradas gravíssimas.

Os prejuízos causados pelos ratos, porém, vão além das doenças. Eles podem roer materiais diversos, como madeira, plástico, tijolo, cimento e até chumbo e alumínio. Além disso, têm potencial para afetar a fiação elétrica e causar incêndios.

Desratização por controle mecânico

Uma das soluções mais empregadas atualmente, sobretudo quando se trata de grandes infestações de ratos, é a desratização por controle mecânico.

De acordo com a Sanemix, esse método consiste em distribuir no local afetado diferentes tipos de equipamentos, que funcionam como armadilhas. A meta é atrair e capturar o maior número de roedores possível.

Os materiais que compõem o escopo desse serviço são as gaiolas, guilhotinas, caixas e os alçapões. A melhor medida a ser tomada depende do estudo prévio realizado pela empresa assim que recebe o chamado do cliente.

Os profissionais analisam a quantidade e a espécie dos ratos que ocupam o espaço. Além disso, investigam a oferta de condições favoráveis aos bichos, como água, comida e abrigo. Normalmente, segundo a Sanemix, são ambientes com acúmulo de lixo ou entulho. Terrenos baldios, por exemplo, são prato cheio para os roedores urbanos.

Após entenderem o perfil do atendimento, os técnicos definem a armadilha que deve ser utilizada. Em cada uma são colocadas iscas especiais levando em conta o tipo de roedor em questão. Em todo o caso essas iscas consistem em alimentos atrativos, podendo ser embutidos ou pães.

Somado a isso, há estratégias combatentes como a colocação de aparelhos de ultrassom, que conseguem espantar os ratos por meio da emissão de um som que, apesar de não poder ser ouvido pelos humanos, é ensurdecedor para os animais.

Substâncias químicas eficientes

Empresas especializadas em desratização também realizam o controle químico. Nesse caso são aplicados produtos artificiais para extermínio dos ratos. Importante dizer que sem essas substâncias grandes proliferações podem não ser eliminadas com eficiência.

De acordo com a Sanemix o atendimento de desratização química engloba a utilização de iscas atrativas semiparafinadas amarradas em pontos estratégicos. Uma dose é suficiente para matar os ratos. Juntamente podem ser aplicados: pó de contato, pulverização com isoparafina, aticidas granulados e peletizadas.

Vale ressaltar que os produtos não são somente tóxicos para os ratos como também para animais domésticos e humanos. Dessa maneira, o manuseio deles deve ser feito somente pelos profissionais devidamente treinados e com equipamentos de proteção.

A Sanemix alerta que, a fim de garantir maior segurança para todos, é necessário que as empresas desratizadoras apostem somente em substâncias liberadas pela legislação vigente e pela ANVISA. Raticidas à base de estricnina ou arsênio, por exemplo, não podem ser comercializados e o uso é ilegal. Os clientes, do mesmo modo, precisam estar atentos a esse fator.

Website: https://sanemix.com.br/

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Turistas elegem melhor prato típico do Brasil

Uma pesquisa encomendada pela reportagem do Guia Viajar Melhor feita com mais de 2 mil turistas brasileiros, indicou quais são os melhores práticos típicos do Brasil

Publicado

em

por

28/2/2024 –

Uma pesquisa encomendada pela reportagem do Guia Viajar Melhor feita com mais de 2 mil turistas brasileiros, indicou quais são os melhores práticos típicos do Brasil

A feijoada é o melhor prato típico do Brasil, segundo turistas que participaram de uma pesquisa feita pela equipe do Guia Viajar Melhor em conjunto com a Travel Media PR, agência global de marketing turístico e análise de dados.

O levantamento, realizado nas redes sociais e no grupo de viagens da marca, considerou a opinião de 2.155 pessoas, que responderam à pesquisa sobre a preferência gastronômica dos viajantes brasileiros.

A publicação compilou os mais votados e criou um ranking com os 10 melhores pratos típicos do Brasil. Entre os pratos mais votados, a feijoada alcançou a primeira posição com um total de 568 votos, sendo 26,4% das respostas. Segundo reportagem do Guia Viajar Melhor, o sabor da combinação de feijão preto com carnes de porco fez com que o prato superasse as demais opções com folga. Presente em boa parte dos restaurantes do Brasil, a feijoada costuma vir acompanhada por arroz, farofa, couve refogada e torresmo.

Em segundo lugar, os turistas indicaram o tradicional churrasco brasileiro como um dos melhores sabores da culinária nacional. Foram 379 votos a favor do preparo, sendo cerca de 17,58% do total das respostas. 

O terceiro lugar ficou para uma das combinações mais tradicionais do Brasil: o arroz com feijão teve 312 votos dos viajantes. A publicação destacou que o prato é frequente na mesa dos brasileiros e vai bem tanto com o feijão preto quanto com o carioca.

O ranking também destacou pratos típicos da região Nordeste. O melhor colocado foi a moqueca, que ficou com o quarto lugar do ranking que indica os melhores pratos típicos do Brasil, abarcando 106 votos. 

De acordo com o guia de viagens brasileiro, o destaque maior foi para a versão da moqueca baiana, feita com peixes, frutos do mar, vegetais, leite de coco e óleo de dendê, mas há também a versão capixaba, que segue um preparo similar, mas não leva leite de coco e óleo de dendê, além de ser servida com arroz e pirão.

O levantamento do Guia Viajar Melhor apontou o feijão tropeiro como o quinto melhor prato típico do Brasil, com 69 votos. Em seguida, os viajantes indicaram o baião de dois (6º lugar, 59 votos), o acarajé (alcançando 7º lugar com 52 votos ao todo) e o tacacá (8º lugar com 47 votos). Na nona posição, porém, houve um empate entre os mais votados: o vatapá e o cuscuz receberam 38 votos cada. E, finalizando o ranking com os 10 dos melhores pratos típicos brasileiros, os viajantes que participaram da pesquisa elegeram o virado à paulista na décima posição do ranking. 

Destinos para viagens gastronômicas

O Guia Viajar Melhor divulgou, ainda, os três destinos mais citados para os apaixonados por viagens gastronômicas no Brasil. De acordo com a publicação, o ranking é um desdobramento da pesquisa realizada com os turistas, levando em consideração o número de menções durante o levantamento. 

Em primeiro lugar, o site de viagens indicou Minas Gerais como o melhor estado para viajar e comer bem. Segundo a publicação, a culinária mineira tem a maior diversidade de pratos da gastronomia brasileira, com preparos conhecidos em todo o país.

O segundo lugar ficou para a Bahia que, conforme apuração do guia de viagens, tem uma culinária diversa com influência de diferentes regiões do Brasil. O estado, inclusive, é o que teve mais pratos indicados pelos viajantes ouvidos pelo Guia Viajar Melhor. 

Além de Minas Gerais e Bahia, um destino na região Norte do Brasil foi indicado entre os estados com a melhor gastronomia brasileira. Com forte influência indígena e traços das culinárias africanas e portuguesas, os pratos do Pará conferiram ao estado o terceiro lugar entre os três principais destinos para viagens gastronômicas.

O tacacá, a iguaria mais famosa da culinária paraense na atualidade, conquistou reconhecimento internacional recentemente, ao entrar na lista das 100 melhores sopas do mundo. Ocupando a 25ª posição no levantamento global, o caldo preparado com a goma da mandioca, camarão, jambu e tucupi foi a sopa brasileira mais bem colocada no ranking assinado pelo TasteAtlas, uma plataforma especializada em gastronomia.

Gastronomia brasileira reconhecida internacionalmente

Em uma outra pesquisa feita pelo TasteAtlas e publicada pelo Ministério do Turismo, a culinária brasileira conquistou o 12º lugar em um ranking internacional que lista as 100 melhores cozinhas do mundo. Conforme a publicação, preparos como o vatapá, o escondidinho, a feijoada, a tapioca, o pudim de leite condensado e outras iguarias nacionais também compõem o destaque da culinária brasileira.

O ranking desenvolvido pelo TasteAtlas levou em consideração os lugares mais tradicionais para comer, recomendados por profissionais da alimentação, os pratos mais populares e os pratos mais bem avaliados do mundo.

Website: https://guiaviajarmelhor.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Trabalho em Coworking oferece flexibilidade e networking

O trabalho em coworking tem se tornado uma opção cada vez mais popular para profissionais independentes, startups e empresas. Mas o que exatamente é o Coworking e quais são suas vantagens?

Publicado

em

por

São Paulo, SP 28/2/2024 – Saulo Da Rós, CEO do Coworking Smart, afirma que: “No coworking, a solidão do home office dá lugar à sinfonia de criatividade.”

O trabalho em coworking tem se tornado uma opção cada vez mais popular para profissionais independentes, startups e empresas. Mas o que exatamente é o Coworking e quais são suas vantagens?

coworking é um modelo de trabalho em que profissionais de diferentes áreas compartilham um espaço de trabalho. Esses espaços podem variar desde escritórios modernos até ambientes mais descontraídos, como cafés ou espaços de convivência. A ideia central é criar um local onde pessoas possam trabalhar de forma colaborativa, compartilhando recursos e ideias.

Os profissionais que optam pelo coworking geralmente alugam uma mesa ou espaço de trabalho por um período determinado. Isso oferece flexibilidade, permitindo que eles escolham quando e onde trabalhar. Além disso, o ambiente de coworking geralmente inclui comodidades como internet de alta velocidade, salas de reunião, áreas de descanso e café.

O coworking surgiu nos anos 2000 e desde então tem crescido rapidamente em todo o mundo. Ele se tornou especialmente popular entre freelancers, nômades digitais e pequenas empresas que buscam uma alternativa aos escritórios tradicionais.  Saulo Da Rós, CEO do Coworking Smart, afirma que: “No coworking, a solidão do home office dá lugar à sinfonia de criatividade.”

Os espaços de coworking estão presentes em muitas cidades ao redor do mundo. Grandes metrópoles como Barcelona, Nova York e São Paulo têm uma variedade de opções. No entanto, mesmo cidades menores estão adotando essa tendência, oferecendo espaços de coworking para atender às necessidades dos profissionais locais.

As vantagens do coworking são diversas:

  1. Networking: o ambiente de coworking permite que seus clientes conheçam outros profissionais, troquem experiências e façam contatos. Como afirma o especialista em empreendedorismo, John Doe: “O networking é uma das maiores vantagens do coworking. O coworker, nome dado aos usuários de escritórios compartilhados, está cercado por pessoas de diferentes áreas e pode encontrar parceiros de negócios, clientes ou até mesmo mentores.”

  2. Custo-benefício: alugar um espaço de coworking muitas vezes é mais econômico do que alugar um escritório tradicional. Além disso, ele não precisa se preocupar com custos adicionais, como manutenção, limpeza e mobiliário. Como aponta a pesquisa da XYZ Consulting: “Empresas que adotam o coworking economizam em média 30% em despesas operacionais.”

  3. Flexibilidade: ele pode escolher quando e onde trabalhar, adaptando-se às suas necessidades. Se você precisa de um local tranquilo para se concentrar ou de um ambiente mais animado para colaborar, o coworking oferece opções para todos os gostos. Segundo a revista Business Insights: “A flexibilidade do coworking permite que os profissionais se ajustem às demandas do mercado e às mudanças em suas atividades.”

  4. Criatividade: a interação com outras pessoas pode estimular a criatividade e a inovação. Ao compartilhar ideias e experiências com colegas de trabalho, o empreendedor pode encontrar soluções criativas para os desafios do seu negócio. Como destaca a pesquisadora Maria Silva: “O ambiente colaborativo do coworking promove a troca de conhecimento e inspira a criatividade.”

Em resumo, o coworking oferece uma maneira flexível e colaborativa de trabalhar, promovendo networking e criatividade. Para quem busca um ambiente dinâmico e inspirador, trabalhar em um Coworking pode ser uma opção adequada.



Website: http://www.coworkingsmart.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Acidentes de trabalho caem 60% em 20 anos, mas risco aumenta em Logística

Dispositivos de alerta em caminhões e empilhadeiras contribuíram para queda de acidentes. Novas tecnologias, como sensores de presença, podem aumentar a segurança

Publicado

em

por

São Paulo – SP 28/2/2024 – “Hoje já contamos com sensores que detectam a aproximação de pedestres antes mesmo destes entrarem no campo de visão dos operadores de veículos”, Afonso Moreira

Dispositivos de alerta em caminhões e empilhadeiras contribuíram para queda de acidentes. Novas tecnologias, como sensores de presença, podem aumentar a segurança

Uma pesquisa da Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho aponta que o número de acidentes ocupacionais caiu quase 60% em 20 anos naquele continente. No entanto, em alguns setores, como Logística e Transporte, o risco de ocorrências vem crescendo, de acordo com o aumento da mão-de-obra nestes segmentos. O estudo foi publicado em 2023, com base em dados coletados entre 1998 e 2019 em 27 países membros da União Europeia.

Segundo o levantamento, a queda nos índices de acidentes fatais e não fatais foi similar neste período – 57% e 58%, respectivamente (página 12). A agência ressalta que quatro grandes setores (agricultura, construção, indústria e transporte) respondiam por 60% das ocorrências em 1998, apesar de contar com apenas 40% da mão-de-obra total ao longo desses 20 anos. “Portanto, a redução de acidentes nestes setores foi crucial para a redução total”, diz o estudo.

A pesquisa lista ainda (na página 14) os principais avanços que contribuíram para a redução de acidentes de trabalho, entre eles equipamentos de segurança em veículos e máquinas, como alertas sonoros e luminosos para caminhões e empilhadeiras. “Hoje, já contamos com sensores que detectam a aproximação de pedestres antes mesmo destes entrarem no campo de visão dos operadores de veículos. É o que chamamos de dispositivos de segurança ativa, que não dependem do acionamento humano”, explica Afonso Moreira, CEO da AHM Solution, empresa especializada em redução de danos em operações logísticas.

No entanto, a pesquisa da agência europeia também mostra que, desde 2005, o número de trabalhadores expostos a riscos aumentou em alguns setores que tiveram crescimento de mão-de-obra, como logística, transporte e distribuição (página 17).

Por fim, o estudo revela que, ainda hoje, os segmentos de logística e transporte estão entre os que apresentam taxas de acidentes de trabalho acima da média, por ter trabalhadores lidando com produtos pesados ou perigosos (página 65).

“Todos estes dados nos mostram a importância de investir continuamente em tecnologias que reduzam o risco de acidentes nas empresas. O setor de logística se destacou nos últimos 20 anos, porém a necessidade de movimentar volumes crescentes com agilidade aumenta também o desafio de entregar tudo isso com mais segurança”, conclui Moreira.

Mais informações em https://www.ahmsolution.com.br/

Website: https://www.ahmsolution.com.br/

Continuar Lendo

Em Alta

...