Conecte-se conosco

notícias

Durante a pandemia Day Trade se firma como novo modelo de negócios no Brasil

Profissão atrai jovens e apresenta riscos para os inexperientes

Publicado

em

Rio de Janeiro 9/11/2020 – Não existe resultado sem dedicação. Atualmente não é possível trabalhar dessa forma sem estudar muito.

Profissão atrai jovens e apresenta riscos para os inexperientes

Com a queda e incerteza na economia brasileira, além do aumento do desemprego, o número de pessoas interessadas no mercado financeiro e na chance de complementação da renda com investimentos na Bolsa de Valores e mercado de opções saltou exponencialmente. Atualmente, o número de CPFs cadastrados na Bolsa já supera 2,5 milhões. Quase 2 milhões a mais do que há dois anos.

Entre os modelos de negócio que mais se destacam está o Day Trade, que consiste na compra e venda de ações e contratos futuros ou de opções no mesmo dia. O profissional pode trabalhar com o celular ou computador da onde quiser e como quiser, despertando o interesse sobretudo dos mais jovens. Essa área também está em alta para os próximos anos. Recentemente um estudo do LinkedIn apresentou as 10 profissões mais procuradas em 2020 e o Day Trader já aparece em nono lugar.

Segundo Dayvison Casal, considerado o melhor Day Trader do Rio de Janeiro e um dos melhores do Brasil, foi graças a essas estratégias que sua vida mudou durante a pandemia.

“Eu era motorista do exército e tive a chance de trabalhar em grandes empresas, porém, ainda não estava feliz. Morava em um lugar chamado KM 32, perdia horas no trânsito, e sentia que poderia estar lucrando mais com o Day Trade do que com meu trabalho tradicional.”

O jovem, de apenas 24 anos, conseguiu consolidar sua vida durante a crise da COVID-19 graças aos esforços nesse campo.

“Com a pandemia e o isolamento pude me dedicar a estudar e aprender mais sobre essa área e hoje vivo integralmente disso. Meus resultados cresceram 400% e pude me mudar para o Recreio, de frente para o mar, o que antes era apenas um sonho.”

Porém, o crescimento de investidores também liga o alerta vermelho para um grande problema desse modelo de negócios: a falta de experiência. Recentemente uma pesquisa da FGV mostrou que a imensa maioria dos brasileiros que realizam Day Trade acabam tendo prejuízo.

Entre as quase 20 mil pessoas que começaram a prática entre 2012 e 2017, apenas 13 tiveram lucro médio diário acima de R$ 300, um valor baixo pelo potencial de risco que essa metodologia oferece para quem não domina o assunto.

O estudo também apontou que 99% desse total não persistiu na atividade ou realizou tão poucas transações que foram desconsiderados. A pesquisa também considerou dados do mesmo período de análise para tentar responder a pergunta: é possível viver de Day Trade?

Ao fim, foi apontado que 91% dos investidores que seguiram por esse caminho por mais de 300 pregões seguidos tiveram prejuízo. Indicando que, com falta de experiência e acompanhamento, é praticamente impossível viver com esse estilo de investimento.

Ainda para Dayvison, a dedicação em aprender mais sobre essa profissão foi o diferencial para que ele pudesse colher os resultados.

“Passei de três a quatro meses estudando 12 horas ou mais por dia até me destacar entre os melhores. Hoje tenho o privilégio de passar para outras pessoas aquilo que aprendi com objetivo de mudar outras vidas como a minha. Não existe resultado sem dedicação. Atualmente não é possível trabalhar dessa forma sem estudar muito.”

Website: https://www.instagram.com/dayvisoncasal/?hl=pt-br

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

notícias

Empresas estrangeiras apostam em expansão para o Brasil

Com o reaquecimento do mercado em diversos setores e o avanço de tecnologias que propõem a transformação da vida do brasileiro, avalia-se que empresas estrangeiras vão continuar se interessando pelo Brasil.

Publicado

em

São Paulo, SP 5/3/2021 – Com um cenário que favorece os avanços tecnológicos no país, espera-se ver a disseminação de tecnologias que pretendem transformar a vida do brasileiro.

Com o reaquecimento do mercado em diversos setores e o avanço de tecnologias que propõem a transformação da vida do brasileiro, avalia-se que empresas estrangeiras vão continuar se interessando pelo Brasil.

Mesmo com um cenário instável a nível mundial, empresas estrangeiras continuam apostando na expansão para o Brasil. Em 2020, o país voltou a fazer parte da lista dos 25 países mais confiáveis para o investimento estrangeiro direto (IED), com base em um indicador produzido anualmente pela consultoria norte-americana A.T.Kearney. Na pesquisa realizada com 500 executivos de grandes corporações ao redor do mundo, o Brasil figura na posição 22, sendo a única nação da América Latina a fazer parte do grupo. O índice da Kearney calcula a probabilidade de as empresas entrevistadas fazerem investimentos em um mercado específico nos próximos três anos.

Sendo assim, alguns dos fatores citados para impulsionar os investimentos seriam a aprovação da reforma da previdência e a ampliação das privatizações, que podem estimular o crescimento da economia.

Para além do relatório, há ainda mais aspectos que favorecem a expansão para o Brasil. Entre eles, o comportamento do consumidor brasileiro e o crescente avanço do uso de tecnologias no país.

Vários fatores estão favorecendo a inovação no Brasil, e muitos passam pelos hábitos dos consumidores. De acordo com um relatório publicado pela consultoria McKinsey, no país:

– 70% da população está conectada à internet;
– em média, o brasileiro passa mais de 9h por dia on-line;
– em 2018, 78% dos brasileiros conectados à internet utilizavam serviços como Netflix pelo menos uma vez na semana;
– 39% da população foi classificada como “early adopters” em apps digitais em um relatório de 2015.

Lar de fintechs como Nubank e PagSeguro, o país também viu, em 2020, a implementação do PIX, um sistema instantâneo de transferências bancárias, pelo Banco Central. Com a perspectiva de disseminação do open banking, permitindo a integração de informações entre instituições financeiras, o setor pode se expandir ainda mais.

Ao longo do processo de expansão para o Brasil, uma empresa pode optar por alguns caminhos, como abrir uma filial no país ou se tornar sócia de uma empresa brasileira. Desse modo, a escolha vai depender dos objetivos quanto à atuação no país e o futuro do empreendimento.

Dois exemplos de empresas que recentemente começaram a operar no Brasil são a Belvo e a Bitso. A primeira é uma startup espanhola que tem o objetivo de ajudar fintechs a compreender os dados sobre as finanças de seus clientes, para melhorar a experiência em sites e aplicativos. Em meio à disseminação do conceito de open banking, esta e outras empresas do setor são atraídas em meio aos avanços tecnológicos recentes no país.

A plataforma mexicana de criptomoedas Bitso, por sua vez, pretende fazer do Brasil o seu maior mercado. Em 2020, já havia conquistado mais de 1 milhão de usuários, principalmente no México e Argentina. Dessa forma, a empresa pretende tornar as criptomoedas úteis para transações financeiras, ampliando a sua função principal para além dos investimentos.

Apesar de a expansão para o Brasil parecer um terreno fértil, a abertura de uma filial também compreende alguns desafios. Empresas como a TRIZ atendem a estes clientes suprindo a demanda de pesquisa de mercado para a compreensão do consumidor brasileiro, assim como a Grebler atua com os procedimentos jurídicos necessários para a representação legal de empresas estrangeiras no Brasil.

Sendo assim, com um cenário que favorece os avanços tecnológicos no país, espera-se ver a disseminação de tecnologias que pretendem transformar a vida do brasileiro. O sucesso dessas iniciativas vai depender, entre outros fatores, do conhecimento do consumidor e da propensão do negócio ao alinhamento com a legislação brasileira.

Website: https://www.trizpar.com.br/

Continuar Lendo

notícias

Com benefícios ao corpo e a mente, chás funcionais conquistam brasileiros

Empresa brasileira de dermocosméticos lança linha de chás funcionais que, além do sabor, tem propriedades que regulam a digestão, acalmam e queimam gordura

Publicado

em

por

BRASIL 5/3/2021 – A nossa missão é oferecer bem-estar geral aos clientes e foi pensando nos momentos de relaxamento que inovamos ao lançar a linha de chás funcionais +Saúde

Empresa brasileira de dermocosméticos lança linha de chás funcionais que, além do sabor, tem propriedades que regulam a digestão, acalmam e queimam gordura

O brasileiro é famoso pelo hábito de tomar um cafezinho, mas os chás, formulados para proporcionar relaxamento, energizar o dia a dia ou aliviar o estresse, têm conquistado cada vez mais o país. Segundo uma pesquisa da Europass Monitor, o consumo nacional per capita de chás cresceu 53% entre 2010 e 2019. Além disso, especialistas avaliam que o mercado dessa bebida da cultura asiática e popularizada em todo o mundo esteja crescendo 12,3% ao ano no Brasil.

Isso não deveria ser uma surpresa, dada a história desse líquido milenar. “O chá começou como um medicamento e se tornou uma bebida”, disse o estudioso japonês do século 19, Okakura Kakuzo. Pesquisas sobre a história do consumo de chá em todo o mundo confirmam que a bebida era, inicialmente, consumida para auxiliar na saúde e não pelo prazer.

Atualmente, além da preocupação com a saúde, a busca por sabor e qualidade tem atraído consumidores para o chá. E foi pensando nisso que a empresa brasileira de dermocosméticos Anne Caroline Global, que integra o Grupo Ideal Trends, lançou uma linha de chás que é reflexo dessa tendência. A bebida possui propriedades funcionais que são responsáveis pelo bem-estar do corpo e da mente, e oferecem benefícios à saúde, que regulam a digestão, controlam a ansiedade e a qualidade do sono, e auxiliam no processo da queima de gordura.

“A nossa missão é oferecer bem-estar geral aos nossos clientes e foi pensando nos momentos de relaxamento que inovamos ao lançar a linha de chás funcionais +Saúde. Eles possuem ervas antioxidantes e anti-inflamatórias que ajudam na manutenção da boa forma, além de eliminar toxinas, reduzir o estresse e ainda cuidar da beleza. É uma linha completa que proporciona experiência de liberdade, leveza e felicidade”, afirma Liliane Oliveira, química e diretora técnica da Anne Caroline Global.

Informações da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) publicadas pela IISD preveem que, até 2024, o setor de chá cresça a uma taxa anual de cerca de 4 a 5,5% e alcance 73 bilhões de dólares. Para promover essa indústria, de forma sustentável, saudável e eficiente, a Anne Caroline Global está por dentro das tendências de mercado. “Estamos atentos para desenvolver produtos funcionais que façam a diferença no mercado. Queremos oferecer todos os benefícios em nossos chás e produtos, além de nos preocuparmos com o seu impacto no meio ambiente”, diz José Paulo Pereira Silva, CEO e fundador do Grupo Ideal Trends.

Com ativos que ajudam a fortalecer o organismo e dar um boost na saúde da pele e do corpo, a linha +Saúde da Anne Caroline Global é dividida em três fases: “Seja Livre”, “Seja Leve” e “Seja Feliz”. Os chás são feitos de ervas com propriedades calmantes, energéticas e diuréticas. As fórmulas são zero açúcar, não contém glúten, lactose, conservantes ou corantes artificiais. Os potes são de 150g e rendem até 30 porções. Além disso, o consumidor tem a opção de beber o chá quente ou frio. Mais informações em: http://brz.annecarolineglobal.com/ 

Anne Caroline Global

A Anne Caroline Global é uma empresa do ramo de dermocosméticos, que visa o empreendedorismo e a construção do negócio próprio. O canal de distribuição é por meio da venda direta e disponibiliza aos seus empresários todo o suporte e treinamento para garantir o sucesso de seu negócio.

A Anne tem produtos de nanotecnologia e oferece suporte aos vendedores para o uso do marketing de relacionamento e ferramentas digitais, que alavancam o sucesso do empreendedor.

A empresa trabalha com marketing multinível, e é associada à Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), entidade que regulamenta o setor.

 

Redes Sociais:

Instagram: @anneglobaloficial.bra
Site: http://brz.annecarolineglobal.com/

Website: https://josepaulogit.com/

Continuar Lendo

notícias

Na contramão da crise, empresas de tecnologia oferecem alternativa ao desemprego

Proporção de negócios que vendem por delivery aumentou puxada pela tecnologia; setor cresceu mesmo com as crises econômicas

Publicado

em

por

São Paulo, SP 5/3/2021 –

Proporção de negócios que vendem por delivery aumentou puxada pela tecnologia; setor cresceu mesmo com as crises econômicas

O mercado de tecnologia segue crescendo não só no mundo, mas no Brasil também apesar da crise. De acordo com dados do Empresômetro, empresa de inteligência de negócios, a média de crescimento deste setor no Brasil ultrapassa a marca de 118% em dez anos.

E a crise causada pelo Coronavírus, de certa forma, favoreceu a tecnologia como um todo. Por conta da necessidade de distanciamento, empresas adotaram o trabalho remoto e muitos consumidores passaram a consumir pela internet.

O delivery, por exemplo, vivenciou um verdadeiro “boom” em 2020. Dados do Instituto Locomotiva, encomendados pela VR Benefícios, mostram que a proporção de restaurantes, lanchonetes, padarias e mercados brasileiros que fazem delivery passou de 49% para 81% depois do início da pandemia.

A startup Alfred Delivery, que trabalha com entregas de todos os tipos de produtos (comida pronta, supermercado, materiais de construção e até mesmo pipoca de cinema), registrou um crescimento de 1487% no ano passado.

De acordo com Myrko Micali, CEO e fundador da plataforma, o aumento se deve a dois fatores. “A pandemia é um deles. De fato ela acelerou o mercado de tecnologia e delivery. Porém, este foi um movimento já iniciado há alguns anos no Brasil, mas que levaria muito tempo para se desenvolver se não fosse essa necessidade sanitária”, explica.

Em 2021, a meta da empresa é multiplicar o faturamento por cinco e aumentar ainda mais a capilaridade das franquias pelo país.

Para Nelson Júnior, CEO da plataforma Sem Patrão, que conecta profissionais de serviços a clientes, a pandemia contribuiu para o crescimento do mercado, mas não foi fator decisivo.

“O mercado de tecnologia cresceu absurdamente desde 2010. É um caminho sem volta. Antigamente, quando alguém queria um serviço ou emprego, batia de porta em porta entregando cartões ou currículos. Hoje é possível fazer isso por meio de um aplicativo como o nosso sem precisar sair de casa”, comenta o fundador da empresa que cresceu mais de 40% em 2020.  

Para 2021, as perspectivas são animadoras apesar da pandemia. Segundo o empresário, a empresa quer dobrar o número de solicitações de serviços na plataforma.

 

Website: https://www.agenciasucellus.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...