Conecte-se conosco

Notícias

Em apenas dois anos, Cadastro Positivo reduz, em média, 10,4% nas taxas cobradas no crédito pessoal não consignado para novos tomadores de crédito

Nesse período, os birôs gerenciadores do banco de dados do CP já contabilizam a inclusão de cerca de 100 milhões de consumidores e empresas

Publicado

em

14/5/2021 –

Nesse período, os birôs gerenciadores do banco de dados do CP já contabilizam a inclusão de cerca de 100 milhões de consumidores e empresas

O novo Cadastro Positivo com adesão automática de consumidores está completando dois anos desde a sanção pela Presidência da República, e já confirma alguns dos benefícios previstos em sua implementação. Entre eles sua capacidade de promover a inclusão financeira, a expansão do crédito, a competição no mercado de crédito e a redução na taxa de juros praticada em operações de crédito.

Esse último resultado foi o mais esperado pelo mercado, e é o principal destaque do relatório “Análise dos Efeitos do Cadastro Positivo”, que o Banco Central enviou recentemente ao Congresso Nacional. 

Segundo o relatório, novos tomadores de crédito com pontuação no Cadastro Positivo tiveram, em média, uma redução de 10,4% na taxa de juros cobrada no crédito pessoal excluindo consignado, o equivalente a uma queda de 31 pontos percentuais na taxa de juros anual. Já os tomadores de crédito que tiveram melhora na pontuação de crédito (escore) com a entrada do Cadastro Positivo, tiveram redução que chegou a 15,9%, equivalentes a uma queda de 40 pontos percentuais na taxa de juros anual.

“Desde que começamos a buscar a aprovação do Cadastro Positivo com adesão automática, tínhamos a convicção de que a redução dos riscos na oferta de crédito possibilitada pela nota de crédito e o aumento da competição resultariam em juros mais baixos ao tomador de crédito, e o relatório comprova isso, no prazo de apenas dois anos.” Ao fazer essa avaliação, Elias Sfeir, presidente da Associação Nacional dos Birôs de Crédito (ANBC), pondera que esse benefício deve ser ainda maior daqui para a frente. 

Além disso, as empresas do setor constataram, com dados de dezembro de 2020, que a proporção de pessoas físicas que melhoraram sua classificação de risco de crédito com o ingresso no Cadastro Positivo foi superior à proporção das que pioraram. Segundo os birôs, 41% dos consumidores conseguiram melhor classificação de risco, outros 33% permaneceram na mesma faixa, enquanto 26% tiveram piora na classificação. 

Ainda segundo o levantamento do setor, entre as empresas, 30% se beneficiaram com a migração para faixas de menor risco, 50% se manteve na mesma faixa e 20% passaram a faixas de maior risco. Essa constatação confirma outro benefício esperado: a possibilidade de um maior número de pessoas físicas e jurídicas terem acesso a crédito a partir de sua inclusão no banco de dados. 

Desde a entrada em vigor do Cadastro Positivo com adesão automática, cerca de 100 milhões de consumidores e empresas já foram incluídos no banco de dados do CP, um crescimento também relatado pelo BC. “Sempre dissemos que a inclusão de mais pessoas e empresas, a melhor avaliação do crédito e maior competição derivada do novo modelo de Cadastro Positivo tinham potencial de baixar os juros dos empréstimos e financiamentos, e o relatório do BC veio confirmar essas previsões”, conclui Sfeir.

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Pesquisa aponta que 94% das empresas escolhem o Marketing Digital como estratégia de crescimento

O Marketing Digital é um dos grandes propulsores de negócios que gera aumento de receitas, de credibilidade e de visibilidade.

Publicado

em

por

Fortaleza, CE 18/6/2021 – Se uma empresa for realmente relevante para o público, ela prestará atenção no possível cliente.

O Marketing Digital é um dos grandes propulsores de negócios que gera aumento de receitas, de credibilidade e de visibilidade.

O Marketing Digital surgiu em 1960 junto com a Internet. Atualmente, pode-se dizer que é comum realizar uma pesquisa de produtos, comprar ou procurar resolver um problema através da Internet.

De acordo com a Pesquisa Maturidade do Marketing Digital e Vendas no Brasil, iniciativa que reuniu Resultados Digitais, Mundo do Marketing, Rock Content e Vendas B2B, 94% das empresas escolheram o Marketing Digital como estratégia de crescimento. A pesquisa mostra que o Marketing Digital de fato está disseminado no mercado brasileiro e vem ganhando consistência ano a ano. Apenas 5,5% das empresas entrevistadas afirmam divulgar suas marcas apenas por meio de ações de publicidade tradicional e eventos.

O Marketing é, antes de tudo, um conjunto de informações que são feitas através dos meios digitais com intuito de alavancar empresas, marcas e produtos. Nas décadas anteriores, a população não tinha fácil acesso à Internet. Assim, as empresas e marcas divulgavam produtos e serviços através da televisão, rádio, revistas e jornais.

Da mesma forma, com o passar dos anos, ocorreu uma mudança no processo de realizar compras, embora, no passado, as informações sobre produtos e serviços estivessem nas mãos das empresas e elas mesmas oferecessem soluções. Para ter conhecimento dos produtos ou serviços, era necessário que a pessoa se deslocasse até o vendedor para buscar maiores informações. Hoje em dia, a Internet possibilita que o comprador tenha um papel mais presente nesse processo.

No período atual é quase improvável viver sem estar conectado com todo o aparato que a Web oferta. O Marketing Digital analisou essa questão trazendo imensa vantagem para a empresa desenvolver sua marca e multiplicar oportunidades de negócio. É difícil encontrar pessoas que não estejam conectadas em seus aparelhos, fazendo uso dessa tecnologia. Deste modo, as empresas criam conteúdos que sejam a melhor resposta para o que elas procuram.

Como aumentar as vendas digitais?

Uma empresa relevante para o público sempre presta atenção no possível cliente. Por isso, o intuito do Marketing Digital é criar uma necessidade de compra para o que a empresa oferta.

Além disso, nada influencia mais a decisão de compra que a recomendação de um amigo confiável. Se algo deixar os clientes insatisfeitos no mundo real, eles vão contar para os amigos e conhecidos. No entanto, se for feita a mesma coisa no mundo digital, cada um deles vai contar para uma rede muito maior de contatos.

Por isso, é muito importante que negócios e empresas contem com uma equipe qualificada que realize pesquisa de mercado, trace o perfil do cliente, o modo de vida dele, os desejos e como ele consome os produtos e serviços. Um bom conteúdo é a melhor ferramenta de vendas do mundo, pois constrói relacionamento.

Contudo, relacionamentos são baseados em confiança, e confiança gera receita. Ou seja, é importante ter profissionais cada vez mais qualificados e atualizados para gerir esse processo, criando campanhas criativas, projetos mais atrativos, rentáveis e potentes.

Por fim,  para se conectar com compradores, a empresa precisa parar de empurrar a mensagem e começar a atrair clientes. Então, uma agência que disponha de alta tecnologia e vise um crescente no número de clientes, prezando por uma comunicação transparente, é de extrema importância. 

Website: https://www.360zeal.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Estudo comprova que vacinas são eficazes contra variantes do Coronavírus

O controle da transmissão do Coronavírus é importante para evitar outras mutações no vírus, “novas cepas do Coronavírus estão em circulação no Brasil e podem dificultar o controle da pandemia”, afirma Dr. Edimilson Migowski, infectologista e consultor da Bioxxi.

Publicado

em

Rio de Janeiro, RJ. 18/6/2021 –

O controle da transmissão do Coronavírus é importante para evitar outras mutações no vírus, “novas cepas do Coronavírus estão em circulação no Brasil e podem dificultar o controle da pandemia”, afirma Dr. Edimilson Migowski, infectologista e consultor da Bioxxi.

Em vídeo, Matt Hancock, Secretário de Saúde do Reino Unido afirma que a variante indiana é 40% mais contagiosa, mas que as vacinas usadas no Reino Unido são eficazes contra a variante indiana.

Desde dezembro de 2019, o mundo presenciou duas grandes ondas da COVID-19. No Brasil, 474 mil mortes e 17 milhões de casos de COVID-19 foram notificados. O vacinômetro da COVID-19 informa que mais de 109 milhões de doses foram distribuídas e mais de 75 milhões de doses foram aplicadas em todo território nacional. Os dados são do Ministério da Saúde.

As variantes preocupam os especialistas que temem uma terceira onda da COVID-19, de acordo com o Dr. Edimilson Migowski, infectologista e consultor da Bioxxi, “a cepa indiana me preocupa muito, pois houve uma alteração na parte do RNA que sintetiza a proteína S, essa proteína é responsável pelo aspecto de coroa do vírus e pela conexão na célula do hospedeiro. Uma mutação dessa proteína pode resultar na perda ou diminuição da eficácia das vacinas, pois os anticorpos produzidos pelas vacinas anteriores podem não reconhecer a proteína S da cepa mutante”.

O estudo Effectiveness of COVID-19 vaccines against the B.1.617.2 variant conclui que após a primeira dose, a eficácia das vacinas AstraZeneca e Pfizer é baixa. No entanto, as duas doses das vacinas AstraZeneca e Pfizer fornecem a imunidade ideal. A vacina Coronavac não foi objeto do estudo. Portanto, não há como medir a eficácia da Coronavac através desse estudo.

O Brasil fez a compra de 562 milhões de doses contra a COVID-19, 38 milhões são da vacina contra COVID-19 da Janssen. “A vacina da Janssen é vantajosa, pois é dose única e fornece imunidade contra o Coronavírus“, afirma Rose Macário, responsável pelos assuntos regulatórios na Bioxxi.

Segundo a farmacêutica Janssen, “No Brasil, a Janssen e o Ministério da Saúde assinaram um Acordo de Compra Antecipada para fornecer milhões de doses de sua vacina de dose única ao país. Neste momento, o fornecimento será exclusivo para o governo federal, por meio do Programa Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a COVID-19.”

Website: https://bioxxi.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Cresce no Brasil demanda por mentoria de negócios

Com tantas mudanças no mercado, as quais acontecem em um ritmo cada vez mais frenético, grande parte dos empreendedores já não consegue acompanhar tantas inovações e mudanças na forma de consumir dos clientes.

Publicado

em

por

Belo Horizonte / MG 18/6/2021 – Somente com bagagem de vida e um portfólio de soluções podemos ajudar os negócios de forma estratégica.

Com tantas mudanças no mercado, as quais acontecem em um ritmo cada vez mais frenético, grande parte dos empreendedores já não consegue acompanhar tantas inovações e mudanças na forma de consumir dos clientes.

O aumento da contratação por serviços de mentoria é um sinal claro de que os empreendedores brasileiros estão abertos à aprendizagem. No entanto, será que essa abertura ao conhecimento está relacionada a uma atitude totalmente voluntária e dedicada ao saber? Com tantas mudanças no mercado, as quais acontecem em um ritmo cada vez mais frenético, grande parte dos empreendedores já não consegue acompanhar tantas inovações e mudanças na forma de consumir dos clientes.

Por tudo isso, contar com a ajuda de um profissional experiente e superantenado às tendências do mercado tornou-se quase uma exigência para o mundo dos negócios. Necessitado de evidenciar e criar novas vantagens competitivas, o empreendedor precisa sempre inovar, criando novos processos, produtos/serviços e principalmente novas formas de relacionar com seus clientes.

De acordo com a ABMEM – Associação Brasileira dos Mentores de Negócios, nos anos 2019 e 2020 o número de mentores de negócios disparou 78% em comparação ao ano de 2016, saindo de uma amostragem de oito mil para 35 mil mentores. A média de crescimento é de 19,5% ao ano, com expectativas de expansão em longo prazo, segundo visão da associação.

No entanto, diante dessa vasta oferta de mentores, como o empreendedor pode identificar o profissional certo para o seu tipo de negócio? A recorrência dessa dúvida é extremamente importante para elucidar a função do mentor, tendo em vista que ela trata justamente da sua essência, ou seja, a mentoria somente poderá ser útil para uma determinada empresa ou profissional se o histórico do mentor demonstrar experiência na área de negócios para a qual está sendo contratado.

De acordo com definição especificada pela ABMEN, a mentoria de negócios, “é um processo que inclui apoiar, subsidiar com dados e informações, levar à reflexão e estimular a aprendizagem organizacional, valendo-se, para isso, de uma metodologia que a subsidie”. Portanto, como se observa, não existe mentoria sem experiência de mercado. Ao contratar um mentor, o empreendedor deve ficar atento ao seu currículo, pois o mesmo deve estar atrelado a experiências significativas e reais no campo dos negócios.

No ramo de consultoria há mais de 20 anos, o mentor e palestrante Jonas Pires afirma que a experiência é crucial quando se trata de resolver, com eficácia e durabilidade, as questões dos empreendedores. Tendo já atendido centenas de empresas como os Correios, Universidade Federal de Viçosa, Sebrae, CDL e diversas microempresas, o mentor de negócios comenta que os clientes precisam de mentorias que lhes ofereçam soluções práticas e não discursos eloquentes e respostas teorizadas. “Somente com bagagem de vida e um portfólio de soluções podemos ajudar os negócios de forma estratégica. Eu convivo diretamente e cotidianamente com as dores de vários empreendedores, por isso eu sei onde exatamente estão os gargalos dos negócios. Conheço de perto onde estão os problemas, por isso tenho condições reais e sustentáveis de oferecer soluções que vão aumentar resultados e corrigir problemas.”, afirma Jonas Pires.

Website: https://jonaspires.com.br/

Continuar Lendo

Em Alta

...