Conecte-se conosco

Notícias

Setor de eventos e turismo prevê forte retomada para 2022

Para quem atua nos ramos, o último ano foi de adaptabilidade e crise econômica, mas a previsão é animadora

Publicado

em

São Paulo, SP 22/10/2021 – “Há uma grata melhora nos setores dos eventos e turismo, hospedagem e setor aéreo” Rafael Diedrich

Para quem atua nos ramos, o último ano foi de adaptabilidade e crise econômica, mas a previsão é animadora

Em todo o mundo, as indústrias do turismo e de eventos foram de longe as mais atingidas durante a pandemia de COVID-19. E, ao contrário do varejo e serviços, os efeitos da adaptabilidade devem persistir por algum tempo. Em 2020, as empresas de turismo e eventos lutaram desesperadamente para encontrar maneiras de minimizar suas perdas e sobreviver ao inverno rigoroso da pandemia. De acordo com os números mais recentes da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) a retomada aparente ser animadora, segundo a CNC, a projeção de crescimento para as atividades turísticas aumentou em 2021. Saiu de uma alta de 18,2%, em 2020, para 19,1%, em 2021, no volume prestado de serviços turísticos. Sendo assim, a previsão é de um acréscimo de 0.9% na comparação entre este ano e o ano passado.

A queda no turismo internacional devido à pandemia do coronavírus pode causar uma perda de mais de US $ 4 trilhões no PIB global para os anos de 2020 e 2021, de acordo com um relatório da UNCTAD publicado em 30 de junho. A perda estimada foi causada pelo impacto direto da pandemia no turismo e seu efeito cascata em outros setores intimamente ligados a ela. “O mundo precisa de um esforço global de vacinação que proteja os trabalhadores, mitigue os efeitos sociais adversos e tome decisões estratégicas em relação ao turismo, levando em consideração as possíveis mudanças estruturais”, disse a secretária-geral em exercício da UNCTAD, Isabelle Durant no último relatório da UNCTAD em junho 2021.

Uma tendência apontada pelo site de pesquisa de hotéis Booking.com, explica em parte essa tentativa de recuperação do setor de turismo. De acordo com a pesquisa “O Futuro das Viagens”, 44% dos brasileiros pretendem fazer viagens domésticas nos próximos sete a doze meses. Além disso, 55 por cento gostariam de visitar novos destinos em sua própria região. “Há uma grata melhora nos setores dos eventos e turismo, hospedagem e setor aéreo”, afirma Rafael Diedrich, neurocientista CEO da produtora slives.co e idealizador do primeiro TEDx Talks drive in do mundo.

Embora a digitalização e os eventos virtuais tenham servido de “tábua de salvação” para a indústria de eventos durante a pandemia, os especialistas da indústria acreditam que os eventos presenciais prevalecerão após a pandemia. De agências de eventos boutique a gigantes da indústria, a pandemia levou o setor de eventos a repensar suas ofertas tradicionais e encontrar maneiras de utilizar melhor seus recursos digitais, isso está fortalecendo o mercado nesta retomada. Enquanto o mercado de eventos e turismo está a caminho de alcançar uma recuperação total, os especialistas do setor acreditam que a pandemia sem precedentes foi o sinal de alerta necessário para ajudar a revolucionar e rejuvenescer o turismo em longo prazo.

“O ano de 2020 foi duro para todo setor, a produtora slives.co precisou se adaptar produzindo 20 sessões drive in no Allianz Parque, lives de artistas e palestrantes renomados como Thiago Nigro, Luiza Helena Trajano Appolinário e realities shows como La Casa Digital com premiação de um milhão de reais”, afirma Rafael Diedrich. Um dos setores do turismo que sofreu grande impacto foi o de intercâmbios estudantis e estágio, universidade voltaram a reabrir para estudantes internacionais apenas em 2021.Na esteira do surto do coronavírus, as viagens ao exterior foram suspensas ou totalmente adiadas, pois o vírus colocou o mundo em quarentena. Mas agora, graças à crescente distribuição de vacinas e à reabertura das fronteiras – mesmo em meio à disseminação da variante delta – muitos estudantes estão reconsiderando as possibilidades de viagem. Segundo Rafael Diedrich que cursou presencialmente em Harvard, Stanford, MIT, Oxford e Cambridge, estudar fora é um dos grandes benefícios que a globalização trouxe para a modernidade e ver a retomada em 2021 tem sido um alívio.

Há também posições mais cautelosas, pois gerenciar as expectativas dos alunos fez com que outras universidades, incluindo o Spelman College em Atlanta, adotassem uma abordagem diferente. Em 2019, 77 por cento da turma de graduação de Spelman vinham do exterior. Mas, por enquanto, ‘Dimeji R. Togunde, vice-reitor da Spelman para educação global e professor de estudos internacionais, diz que a faculdade não reabrirá sua programação de estudos no exterior até a próxima primavera 2021.

A lenta retomada das viagens, eventos e intercâmbio e o adiamento da suspensão das proibições de viagens de alguns países têm sido uma das principais fontes de pressão sobre a recuperação. “Cada país terá um tempo de retorno, pois se reestruturar em tempos de pandemia também é complexo devido a todos os protocolos envolvidos” aposta Rafael e Lídia Diedrich que já visitaram 206 países com o projeto @diedrich. Para saber mais sobre os eventos da retomada, basta acessar @diedrich e @slives.co no Instagram ou no site das empresas.

Website: https://www.rafaeldiedrich.com/

Notícias

Usuários têm papel decisivo nas inovações voltadas para comunicação visual

Roland DG ouve opinião de clientes de diversas partes do mundo com o intuito de atender as necessidades do mercado

Publicado

em

por

São Paulo 24/5/2022 – A opinião dos usuários foi crucial para buscar o aperfeiçoamento

Coletar feedbacks dos clientes é uma maneira de avaliar o nível de satisfação em relação a determinado serviço ou produto oferecido pela empresa. Assim, é possível alinhar processos com base nessas respostas obtidas, além de ser uma medida essencial quando se deseja buscar inovações. Para se ter uma ideia, um estudo da PwC aponta que mais de 30% dos clientes entrevistados abandonariam uma empresa depois de ter uma experiência negativa.

Valorizando esse olhar voltado para os anseios do consumidor, a Roland DG, fabricante de impressoras jato de tinta de grandes formatos, vem desenvolvendo inovações em seus equipamentos a partir do feedback dos clientes de diversas partes do mundo, a exemplo do que aconteceu recentemente na terceira geração da linha TrueVis (VG3-640/540 e SG3-540/300 ).

Desde 2016, quando chegou ao mercado a primeira versão, foram comercializadas mais de 23 mil unidades no mundo. “A opinião dos usuários foi crucial para buscar o aperfeiçoamento”, afirma Anderson Clayton, presidente da Roland DG no Brasil.

Das solicitações incluem mudanças para operação intuitiva, visando atender inclusive quem não possui muito conhecimento prévio e técnico, ajustes para economia de material e trabalho autônomo. “As inovações tiveram o intuito de trazer para o presente o futuro do mercado gráfico e ao mesmo tempo confirmar o que está no DNA da empresa, que é atender a demanda dos clientes”, finaliza o executivo.

Website: https://www.rolanddg.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Efeito estufa ou aquecimento global? Qual a diferença?

Empresa de energia solar listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa

Publicado

em

por

24/5/2022 –

Empresa de energia solar listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa

As mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global podem prejudicar muito o planeta, por isso, a hora de se movimentar é agora. Usando energia solar é possível diminuir a utilização de gases produzidos pelas usinas termoelétricas. Consequentemente, amenizam-se os efeitos do aquecimento global. Sendo assim, a energia solar é uma solução sustentável, pois vem de uma fonte renovável, limpa e não poluente

A SOL Copérnico, empresa cujo propósito é democratizar a energia solar e sustentável no Brasil, oferecendo soluções para a geração de energia fotovoltaica, listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa:  

— A manutenção da vida na Terra depende de diversos fatores que precisam ser equilibrados, entre eles a temperatura.

— O Sol é grande fornecedor de energia do planeta e o calor emitido por ele nos aquece durante o dia e faz com que as plantas e plânctons produzam oxigênio.

— Calor de mais ou de menos coloca o planeta em risco. É por isso que a natureza atua de forma brilhante, emitindo gases que criam uma camada de proteção ao redor da Terra.

— Contudo, muitas atividades humanas aumentam a emissão de gases, fazendo com que a temperatura média do planeta se eleve.

— A luz entra, é absorvida e aquece o ambiente, por isso o nome efeito estufa. A consequência do efeito estufa é que conhecemos de como aquecimento global que, com o próprio nome diz, gera um aumento progressivo da temperatura da Terra. A temperatura da Terra fica bagunçada, fazendo com que o calor e frio extremos sejam vivenciados com mais frequência, prejudicando a agricultura, aumentando o nível do mar e colocando em risco diversas espécies.

Website: https://www.solcopernico.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Câmeras em uniformes de policiais são vistas como aliadas na segurança pública

Aliadas na redução de 87% dos confrontos em SP, câmeras em uniformes policiais também ajudam na coleta de provas

Publicado

em

por

São Paulo 24/5/2022 – Hoje, as imagens e áudios captados servem como meio probatório para processos penais

Aliadas na redução de 87% dos confrontos em SP, câmeras em uniformes policiais também ajudam na coleta de provas

A redução de 87% nas ocorrências de confrontos em São Paulo com o uso de câmeras operacionais portáteis é uma das comprovações da eficácia desta tecnologia como aliada da segurança pública. O levantamento da Polícia Militar do Estado de São Paulo analisou dados entre junho e outubro, de 2019 até 2021, e concluiu que as ocorrências de resistência a abordagens policiais também caíram (32,7%).

Em São Paulo, o governo pretende encerrar 2022 com mais de 10 mil bodycams instaladas nos uniformes de policiais. Em Santa Catarina, onde elas também são usadas, houve uma redução de 61,2% no uso da força (como contatos físicos e uso de algemas) pelos agentes. Na região Centro-Oeste, o Grupo Brako pretende levar a tecnologia a uma das capitais da região ainda neste ano.

“As câmeras corporais estão sendo uma ferramenta de coleta de dados para melhoria das ações dos agentes de segurança pública e vêm demonstrando grande capacidade de servirem como mais um elemento das garantias individuais, tanto para inibir abusos dos agentes em suas ações como para garantir sua defesa. Hoje, as imagens e áudios captados servem como meio probatório para processos penais”, explica o diretor de Engenharia do Grupo Brako, Gustavo Marchiori.

Há, ainda, a disponibilidade de câmeras embarcadas nas viaturas, que filmam dentro e fora do veículo, monitorando o comportamento do policial. Seja no uniforme ou na viatura, os benefícios associados ao uso desta solução são amplos:

• Aumento da transparência das ações policiais;

• Efeito civilizador, resultando em um melhor comportamento entre os agentes e os cidadãos;

• Diminuição das queixas dos cidadãos e rapidez na resolução de ocorrências, pois melhoram as provas;

• Comunicação mais rápida e eficaz entre os agentes e seus superiores, fornecendo subsídios visuais para o planejamento das ações e a transmissão de ordens;

• Acompanhamento em tempo real das ocorrências;

• Identificação de pontos fracos e desenvolvimento de melhorias, tais como oferecer novos programas de treinamento ou revisão de procedimentos e protocolos de ação.

Empresa de soluções tecnológicas customizadas, o Grupo Brako, oferece o equipamento usado por policiais e agentes da segurança. A câmera individual no uniforme tem capacidade de gravação e transmissão de áudio e vídeo, além de disponibilizar a localização geográfica. Com isso, há a possibilidade de acompanhamento remoto por uma central de monitoramento.

Website: http://www.grupobrako.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...