Conecte-se conosco

Notícias

A importância do Ransomware para as empresas de telecomunicações

Os ataques com ransomware estão se tornando frequentes. Como as empresas de telecom podem se proteger do risco?

Publicado

em

São Paulo- SP 13/5/2022 – As ameaças digitais crescem dia a dia e, entre elas, uma tem ganhado força e preocupado as empresas de telecomunicações: os ransomwares

Os ataques com ransomware estão se tornando frequentes. Como as empresas de telecom podem se proteger do risco?

As ameaças digitais crescem dia a dia e, entre elas, uma tem ganhado força e preocupado as empresas de telecomunicações: os ransomwares.  

Eles promovem danosos ataques cibernéticos, que causam uma série de prejuízos para a organização, indo desde roubo de informações, até a destruição efetiva de dados. 

Esse malware ganhou ainda mais notoriedade após ter sido usado em um ataque contra o sistema de comunicação ucraniano, no início da guerra do país contra a Rússia. Mais de 30 mil dispositivos, entre modems e sistemas de internet, precisaram ser substituídos. 

O ataque realizado por ucraniano teve o intuito de apagar informações que poderiam interferir no andamento dos conflitos. Porém, nem sempre os ransomwares são usados para esse fim. Na maioria das vezes, eles são usados para travar arquivos e sistemas, visando o resgate das informações. Como aconteceu em dezembro de 2021 no Brasil, quando os aplicativos e site do Ministério da Saúde foram retirados do ar, e os criminosos digitais exigiram resgate. 

Segundo a Syhunt, uma empresa especializada em segurança cibernética, os sequestros de dados de empresas aconteceram, no mínimo, 2.843 vezes em 3 anos. O mapeamento abrangeu de janeiro de 2019 até janeiro de 2022 e concluiu que cerca de 100 novos malwares em formato de ransomware foram colocados na rede. O Brasil aparece com enorme relevância no ranking de países que mais sofrem esse tipo de ataque cibernético, tendo empresas como foco principal. Por aqui, foram 36 vítimas afetadas. 

Os ataques nas empresas de telecomunicações 

O setor de telecom é um dos que mais enfrentam desafios na luta contra os malwares. Isso porque, além da grande quantidade de dados que obtém, ele também é um dos mais rentáveis, financeiramente falando. De acordo com a projeção técnica da Anatel, divulgada em seu portal, em 2022 o investimento no setor será de mais de R$ 33 bilhões. 

Logo, é um alvo certeiro para os criminosos digitais usarem o recurso do ransomware: o sequestro de dados trará retornos efetivos, já que essas companhias possuem capital o suficiente para subsidiar a chantagem. E, considerando a obrigatoriedade da LGPD, que responsabiliza as empresas de telecom pela proteção e garantia de sigilo das informações de seus clientes, elas são obrigadas a pagar pelo resgate, a fim de evitar o vazamento de dados. 

Em 2021, até mesmo o Instituto Nacional de Telecomunicações, o Inatel, sofreu um ataque hacker, com uso de ransomware. Parte de seu backup foi deletado e parte teve as informações criptografadas.  

Os funcionários da Inatel conseguiram conter a ameaça e eliminaram o risco antes que ele se instalasse permanentemente e se tornasse ainda mais problemático. Entretanto, o que havia sido comprometido ficou em suspenso, já que a cópia das informações pode gerar problemas que ainda poderão aparecer.  

Seguindo as orientações propostas pela LGPD, o instituto informou a todos os indivíduos cujos dados foram interceptados, para que se preparassem para possíveis práticas suspeitas. Esse é o exemplo de como os malwares podem prejudicar até mesmo pessoas que, efetivamente, não têm nenhuma ligação com o setor de telecom. Como, por exemplo, o cliente tem as informações em risco de comprometimento. 

O que pode ser feito para que elas se protejam? 

Reconhecendo que são alvos de criminosos cibernéticos, as empresas de telecomunicações podem investir em meios de aumentar a sua segurança digital. E a maneira mais eficiente de se manter longe deles, é realizando ações preventivas. 

A principal delas consiste em treinar a própria equipe para evitar, ao máximo, brechas no sistema. Desde realizar orientações, até fiscalizar a atividade cotidiana, tudo isso serve para minimizar as portas de entrada de hackers. Além disso, desenvolver uma política da empresa a respeito da troca de informações também pode contribuir para reduzir o repasse externo. 

Atualmente, há opções de anti-ransomware disponíveis no mercado. São tecnologias voltadas, exclusivamente, para reduzir a incidência de ataques com esses malwares e prevenir contra a imobilização de dados. Algumas empresas já vêm apostando no uso de ferramentas como essa.  

A proteção dos anti-ransomwares 

Esses sistemas de proteção também têm sido disponibilizados pelas companhias do setor de telecom como um diferencial competitivo que, além de garantir mais interesse de empresas, também oferecem maior segurança digital. 

Um exemplo é a empresa regional de telecomunicações, Master Internet, que visando proteger os clientes,  oferece a solução do anti-ransomware para empresas, para manter maior proteção contra sequestro de dados estratégicos da companhia e dos consumidores. Assim como é um possível diferencial na hora da contratação dos planos da empresa, o que tem sido muito positivo quando analisado o número de ligações no 0800 Master. Essa é apenas mais uma das muitas empresas que vem se movimentando para oferecer diferenciais aos seus clientes.

Isso mostrs que apesar de ter uma infraestrutura menor, as empresas regionais de telecomunicações podem ser uma alternativa mais viável em termos de segurança. Por possuírem um banco de dados menor, são menos propensas a ataques com intuito tão destrutivo quanto as maiores.  

Entretanto, é fundamental que elas também invistam em proteção digital, para manter seguras as informações de todos os seus clientes, além de garantir que a sua rede estará livre de invasões mal-intencionadas. 

 

Website: https://televendasmaster.com.br/

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias

Usuários têm papel decisivo nas inovações voltadas para comunicação visual

Roland DG ouve opinião de clientes de diversas partes do mundo com o intuito de atender as necessidades do mercado

Publicado

em

por

São Paulo 24/5/2022 – A opinião dos usuários foi crucial para buscar o aperfeiçoamento

Coletar feedbacks dos clientes é uma maneira de avaliar o nível de satisfação em relação a determinado serviço ou produto oferecido pela empresa. Assim, é possível alinhar processos com base nessas respostas obtidas, além de ser uma medida essencial quando se deseja buscar inovações. Para se ter uma ideia, um estudo da PwC aponta que mais de 30% dos clientes entrevistados abandonariam uma empresa depois de ter uma experiência negativa.

Valorizando esse olhar voltado para os anseios do consumidor, a Roland DG, fabricante de impressoras jato de tinta de grandes formatos, vem desenvolvendo inovações em seus equipamentos a partir do feedback dos clientes de diversas partes do mundo, a exemplo do que aconteceu recentemente na terceira geração da linha TrueVis (VG3-640/540 e SG3-540/300 ).

Desde 2016, quando chegou ao mercado a primeira versão, foram comercializadas mais de 23 mil unidades no mundo. “A opinião dos usuários foi crucial para buscar o aperfeiçoamento”, afirma Anderson Clayton, presidente da Roland DG no Brasil.

Das solicitações incluem mudanças para operação intuitiva, visando atender inclusive quem não possui muito conhecimento prévio e técnico, ajustes para economia de material e trabalho autônomo. “As inovações tiveram o intuito de trazer para o presente o futuro do mercado gráfico e ao mesmo tempo confirmar o que está no DNA da empresa, que é atender a demanda dos clientes”, finaliza o executivo.

Website: https://www.rolanddg.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Efeito estufa ou aquecimento global? Qual a diferença?

Empresa de energia solar listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa

Publicado

em

por

24/5/2022 –

Empresa de energia solar listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa

As mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global podem prejudicar muito o planeta, por isso, a hora de se movimentar é agora. Usando energia solar é possível diminuir a utilização de gases produzidos pelas usinas termoelétricas. Consequentemente, amenizam-se os efeitos do aquecimento global. Sendo assim, a energia solar é uma solução sustentável, pois vem de uma fonte renovável, limpa e não poluente

A SOL Copérnico, empresa cujo propósito é democratizar a energia solar e sustentável no Brasil, oferecendo soluções para a geração de energia fotovoltaica, listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa:  

— A manutenção da vida na Terra depende de diversos fatores que precisam ser equilibrados, entre eles a temperatura.

— O Sol é grande fornecedor de energia do planeta e o calor emitido por ele nos aquece durante o dia e faz com que as plantas e plânctons produzam oxigênio.

— Calor de mais ou de menos coloca o planeta em risco. É por isso que a natureza atua de forma brilhante, emitindo gases que criam uma camada de proteção ao redor da Terra.

— Contudo, muitas atividades humanas aumentam a emissão de gases, fazendo com que a temperatura média do planeta se eleve.

— A luz entra, é absorvida e aquece o ambiente, por isso o nome efeito estufa. A consequência do efeito estufa é que conhecemos de como aquecimento global que, com o próprio nome diz, gera um aumento progressivo da temperatura da Terra. A temperatura da Terra fica bagunçada, fazendo com que o calor e frio extremos sejam vivenciados com mais frequência, prejudicando a agricultura, aumentando o nível do mar e colocando em risco diversas espécies.

Website: https://www.solcopernico.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Câmeras em uniformes de policiais são vistas como aliadas na segurança pública

Aliadas na redução de 87% dos confrontos em SP, câmeras em uniformes policiais também ajudam na coleta de provas

Publicado

em

por

São Paulo 24/5/2022 – Hoje, as imagens e áudios captados servem como meio probatório para processos penais

Aliadas na redução de 87% dos confrontos em SP, câmeras em uniformes policiais também ajudam na coleta de provas

A redução de 87% nas ocorrências de confrontos em São Paulo com o uso de câmeras operacionais portáteis é uma das comprovações da eficácia desta tecnologia como aliada da segurança pública. O levantamento da Polícia Militar do Estado de São Paulo analisou dados entre junho e outubro, de 2019 até 2021, e concluiu que as ocorrências de resistência a abordagens policiais também caíram (32,7%).

Em São Paulo, o governo pretende encerrar 2022 com mais de 10 mil bodycams instaladas nos uniformes de policiais. Em Santa Catarina, onde elas também são usadas, houve uma redução de 61,2% no uso da força (como contatos físicos e uso de algemas) pelos agentes. Na região Centro-Oeste, o Grupo Brako pretende levar a tecnologia a uma das capitais da região ainda neste ano.

“As câmeras corporais estão sendo uma ferramenta de coleta de dados para melhoria das ações dos agentes de segurança pública e vêm demonstrando grande capacidade de servirem como mais um elemento das garantias individuais, tanto para inibir abusos dos agentes em suas ações como para garantir sua defesa. Hoje, as imagens e áudios captados servem como meio probatório para processos penais”, explica o diretor de Engenharia do Grupo Brako, Gustavo Marchiori.

Há, ainda, a disponibilidade de câmeras embarcadas nas viaturas, que filmam dentro e fora do veículo, monitorando o comportamento do policial. Seja no uniforme ou na viatura, os benefícios associados ao uso desta solução são amplos:

• Aumento da transparência das ações policiais;

• Efeito civilizador, resultando em um melhor comportamento entre os agentes e os cidadãos;

• Diminuição das queixas dos cidadãos e rapidez na resolução de ocorrências, pois melhoram as provas;

• Comunicação mais rápida e eficaz entre os agentes e seus superiores, fornecendo subsídios visuais para o planejamento das ações e a transmissão de ordens;

• Acompanhamento em tempo real das ocorrências;

• Identificação de pontos fracos e desenvolvimento de melhorias, tais como oferecer novos programas de treinamento ou revisão de procedimentos e protocolos de ação.

Empresa de soluções tecnológicas customizadas, o Grupo Brako, oferece o equipamento usado por policiais e agentes da segurança. A câmera individual no uniforme tem capacidade de gravação e transmissão de áudio e vídeo, além de disponibilizar a localização geográfica. Com isso, há a possibilidade de acompanhamento remoto por uma central de monitoramento.

Website: http://www.grupobrako.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...