Conecte-se conosco

Notícias

Programa vai capacitar MPES para entrarem no mercado de exportação

A iniciativa pretende ampliar a participação das Micro e Pequenas Empresas nas exportações brasileiras. Segundo o Sebrae, hoje, essa participação, em relação a valores negociados, é de apenas 1%. Especialista aconselha as empresas de menor porte a melhorar suas operações de logística para não terem problemas com as negociações com compradores internacionais.

Publicado

em

São Paulo, SP 13/5/2022 – É importante que a empresa faça um layout de armazenagem de insumos e produtos prontos ou opte por alocar galpões de armazenagem que possam atender sua demanda.

A iniciativa pretende ampliar a participação das Micro e Pequenas Empresas nas exportações brasileiras. Segundo o Sebrae, hoje, essa participação, em relação a valores negociados, é de apenas 1%. Especialista aconselha as empresas de menor porte a melhorar suas operações de logística para não terem problemas com as negociações com compradores internacionais.

Das 25 mil empresas brasileiras exportadoras, 8,4 mil são de pequeno porte, segundo o Sebrae. Apesar desse número representar uma em cada três empresas exportadoras, as micro e pequenas empresas (MPEs) têm participação de apenas 1% no total de valores negociados. Para ampliar a participação delas no mercado exportador, a Apex Brasil, do governo federal, em parceria com o Sebrae e Ministério das Relações Exteriores, lançaram neste mês o programa MPE Global.

A ideia da iniciativa é promover no exterior, visando a realização de negócios, de empresas das cadeias de alimentos, bebidas e moda. Serão selecionadas 100 empresas de pequeno porte interessadas e habilitadas a exportar. Elas serão avaliadas e, caso não estejam totalmente aptas a comercializarem seus produtos no exterior, passarão por capacitação. Além disso, a equipe do programa fará a identificação de potenciais compradores nos mercados da América do Sul, Europa e Oriente Médio e a intermediação de contatos que possibilitem a negociação entre as partes.

De acordo com a Apex Brasil, para participar do Programa, as MPEs terão que disponibilizar material promocional em idioma estrangeiro, ter registro no Sistema Radar Sicomex, elaborar lista de preços internacionais e possuir em seu quadro de funcionários um profissional com fluência em idioma estrangeiro.

Na experiência da especialista em Gestão de Operações Logísticas e Supply Chain, Daiane de Lira Camilo, as empresas de pequeno porte que pretendem entrar no mercado de exportações precisam fazer um bom planejamento de logística para não terem problema com falta de espaço físico na fábrica ou dificuldade com transporte e custos de enviar a mercadoria até o comprador.

“Empresas de pequeno porte podem sofrer com a falta de espaço físico para armazenar ou manusear suas cargas. A localização, organização dos materiais, arranjo das prateleiras, etiquetagem, divisão de espaço impactam diretamente no andamento do processo logístico. Por isto é importante que a empresa faça um layout de armazenagem de insumos e produtos prontos ou opte por alocar galpões de armazenagem que possam atender a demanda da empresa”, aconselha. 

Sobre a logística de transporte, Daiane Camilo aconselha que se verifiquem alguns requisitos antes de contratar uma empresa terceirizada, que cuidará dessa etapa. Para não haver erros com a entrega dos produtos até o porto de embarque para o exterior, é preciso fazer um planejamento de transporte, com todas as informações devidamente alinhadas entre a exportadora e a empresa de transporte.

“Antes de contratar uma transportadora, é importante que a empresa contratante saiba qual é a capacidade e/ou disponibilidade diária de veículos, e se ela a atenderá, pois caso toda a frota esteja em uso ao mesmo tempo, o recebimento ou envio de materiais sofrerá atrasos consideráveis, prejudicando outras operações”, ressalta a profissional, que tem mais de 10 anos de experiência na área.

E para amenizar os custos do transporte, que vêm aumentando devido aos últimos reajustes de combustíveis, a gestora de logística recomenda a utilização de diferentes tipos de modais de transporte, negociando melhores tarifas junto aos prestadores de serviço. “É uma opção para tentar driblar estes altos custos que encarecem a operação. Assim as empresas que iniciarão suas atividades de exportação conseguirão manter seus produtos com preços atrativos para o mercado internacional e, também, reduzirão as despesas para adquirir insumos de outros países”, conclui.

Dados da CNI mostram melhor desempenho das MPEs no primeiro trimestre de 2022

O desempenho das micro e pequenas indústrias no primeiro trimestre de 2022 foi o melhor desde 2012, segundo indicadores da Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador registrou 43,3 pontos, em janeiro de 2022, resultado abaixo da média histórica (43,5 pontos), porém nos meses seguintes o desempenho melhorou. Na passagem para fevereiro, o índice aumentou 1,8 ponto e, em março, cresceu mais 2,9 pontos.

Apesar do resultado positivo, o índice de Situação Financeira das pequenas indústrias recuou para 41,0 pontos no primeiro trimestre de 2022. Na comparação com o quarto trimestre de 2021, o índice mostra queda de 1,0 ponto, ou seja, revela uma piora da situação financeira.

Outra preocupação dos micros e pequenos empresários foi a falta ou alto custo da matéria-prima, que continua atrapalhando as operações de empresas, especialmente as dos segmentos de extração, transformação e construção. Mesmo assim, o índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) para as pequenas indústrias alcançou 56,4 pontos em abril neste ano, um aumento de 5,1 pontos na comparação com o mesmo mês em 2021. De acordo com a CNI, esse resultado significa que o empresário está otimista e confiante em 2022.

Website: https://www.linkedin.com/in/daiane-d-02503853/

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias

Usuários têm papel decisivo nas inovações voltadas para comunicação visual

Roland DG ouve opinião de clientes de diversas partes do mundo com o intuito de atender as necessidades do mercado

Publicado

em

por

São Paulo 24/5/2022 – A opinião dos usuários foi crucial para buscar o aperfeiçoamento

Coletar feedbacks dos clientes é uma maneira de avaliar o nível de satisfação em relação a determinado serviço ou produto oferecido pela empresa. Assim, é possível alinhar processos com base nessas respostas obtidas, além de ser uma medida essencial quando se deseja buscar inovações. Para se ter uma ideia, um estudo da PwC aponta que mais de 30% dos clientes entrevistados abandonariam uma empresa depois de ter uma experiência negativa.

Valorizando esse olhar voltado para os anseios do consumidor, a Roland DG, fabricante de impressoras jato de tinta de grandes formatos, vem desenvolvendo inovações em seus equipamentos a partir do feedback dos clientes de diversas partes do mundo, a exemplo do que aconteceu recentemente na terceira geração da linha TrueVis (VG3-640/540 e SG3-540/300 ).

Desde 2016, quando chegou ao mercado a primeira versão, foram comercializadas mais de 23 mil unidades no mundo. “A opinião dos usuários foi crucial para buscar o aperfeiçoamento”, afirma Anderson Clayton, presidente da Roland DG no Brasil.

Das solicitações incluem mudanças para operação intuitiva, visando atender inclusive quem não possui muito conhecimento prévio e técnico, ajustes para economia de material e trabalho autônomo. “As inovações tiveram o intuito de trazer para o presente o futuro do mercado gráfico e ao mesmo tempo confirmar o que está no DNA da empresa, que é atender a demanda dos clientes”, finaliza o executivo.

Website: https://www.rolanddg.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Efeito estufa ou aquecimento global? Qual a diferença?

Empresa de energia solar listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa

Publicado

em

por

24/5/2022 –

Empresa de energia solar listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa

As mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global podem prejudicar muito o planeta, por isso, a hora de se movimentar é agora. Usando energia solar é possível diminuir a utilização de gases produzidos pelas usinas termoelétricas. Consequentemente, amenizam-se os efeitos do aquecimento global. Sendo assim, a energia solar é uma solução sustentável, pois vem de uma fonte renovável, limpa e não poluente

A SOL Copérnico, empresa cujo propósito é democratizar a energia solar e sustentável no Brasil, oferecendo soluções para a geração de energia fotovoltaica, listou as diferenças entre aquecimento global e efeito estufa:  

— A manutenção da vida na Terra depende de diversos fatores que precisam ser equilibrados, entre eles a temperatura.

— O Sol é grande fornecedor de energia do planeta e o calor emitido por ele nos aquece durante o dia e faz com que as plantas e plânctons produzam oxigênio.

— Calor de mais ou de menos coloca o planeta em risco. É por isso que a natureza atua de forma brilhante, emitindo gases que criam uma camada de proteção ao redor da Terra.

— Contudo, muitas atividades humanas aumentam a emissão de gases, fazendo com que a temperatura média do planeta se eleve.

— A luz entra, é absorvida e aquece o ambiente, por isso o nome efeito estufa. A consequência do efeito estufa é que conhecemos de como aquecimento global que, com o próprio nome diz, gera um aumento progressivo da temperatura da Terra. A temperatura da Terra fica bagunçada, fazendo com que o calor e frio extremos sejam vivenciados com mais frequência, prejudicando a agricultura, aumentando o nível do mar e colocando em risco diversas espécies.

Website: https://www.solcopernico.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Câmeras em uniformes de policiais são vistas como aliadas na segurança pública

Aliadas na redução de 87% dos confrontos em SP, câmeras em uniformes policiais também ajudam na coleta de provas

Publicado

em

por

São Paulo 24/5/2022 – Hoje, as imagens e áudios captados servem como meio probatório para processos penais

Aliadas na redução de 87% dos confrontos em SP, câmeras em uniformes policiais também ajudam na coleta de provas

A redução de 87% nas ocorrências de confrontos em São Paulo com o uso de câmeras operacionais portáteis é uma das comprovações da eficácia desta tecnologia como aliada da segurança pública. O levantamento da Polícia Militar do Estado de São Paulo analisou dados entre junho e outubro, de 2019 até 2021, e concluiu que as ocorrências de resistência a abordagens policiais também caíram (32,7%).

Em São Paulo, o governo pretende encerrar 2022 com mais de 10 mil bodycams instaladas nos uniformes de policiais. Em Santa Catarina, onde elas também são usadas, houve uma redução de 61,2% no uso da força (como contatos físicos e uso de algemas) pelos agentes. Na região Centro-Oeste, o Grupo Brako pretende levar a tecnologia a uma das capitais da região ainda neste ano.

“As câmeras corporais estão sendo uma ferramenta de coleta de dados para melhoria das ações dos agentes de segurança pública e vêm demonstrando grande capacidade de servirem como mais um elemento das garantias individuais, tanto para inibir abusos dos agentes em suas ações como para garantir sua defesa. Hoje, as imagens e áudios captados servem como meio probatório para processos penais”, explica o diretor de Engenharia do Grupo Brako, Gustavo Marchiori.

Há, ainda, a disponibilidade de câmeras embarcadas nas viaturas, que filmam dentro e fora do veículo, monitorando o comportamento do policial. Seja no uniforme ou na viatura, os benefícios associados ao uso desta solução são amplos:

• Aumento da transparência das ações policiais;

• Efeito civilizador, resultando em um melhor comportamento entre os agentes e os cidadãos;

• Diminuição das queixas dos cidadãos e rapidez na resolução de ocorrências, pois melhoram as provas;

• Comunicação mais rápida e eficaz entre os agentes e seus superiores, fornecendo subsídios visuais para o planejamento das ações e a transmissão de ordens;

• Acompanhamento em tempo real das ocorrências;

• Identificação de pontos fracos e desenvolvimento de melhorias, tais como oferecer novos programas de treinamento ou revisão de procedimentos e protocolos de ação.

Empresa de soluções tecnológicas customizadas, o Grupo Brako, oferece o equipamento usado por policiais e agentes da segurança. A câmera individual no uniforme tem capacidade de gravação e transmissão de áudio e vídeo, além de disponibilizar a localização geográfica. Com isso, há a possibilidade de acompanhamento remoto por uma central de monitoramento.

Website: http://www.grupobrako.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...