Conecte-se conosco

Notícias

Ferring recebe aprovação da FDA dos EUA para REBYOTA® (microbiota fecal, live-jslm) – um novo e inovador produto bioterapêutico vivo baseado em microbiota

O novo e inovador REBYOTA da Ferring é indicado para prevenir a recorrência de infecção por Clostridioides difficile (ICD) em pessoas acima de 18 anos após tratamento antibiótico para ICD recorrente A segurança e eficácia do REBYOTA foi estudada no maior programa de ensaios clínicos no campo da terapêutica baseada em microbioma, incluindo cinco ensaios clínicos com mais de 1.000 participantes A ICD recorrente representa um ônus significativo para os pacientes, cuidadores e sistema de saúde

Publicado

em

A Ferring Pharmaceuticals anunciou hoje que a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, Food and Drug Administration) aprovou o REBYOTA® (microbiota fecal, live-jslm), um novo e inovador produto bioterapêutico vivo baseado em microbiota para a prevenção da recorrência da infecção por Clostridioides difficile (ICD) em pessoas acima de 18 anos após tratamento com antibióticos para ICD recorrente.

Este comunicado de imprensa inclui multimédia. Veja o comunicado completo aqui: https://www.businesswire.com/news/home/20221130006161/pt/

“Até agora, os pacientes que vivem com o ciclo devastador de infecção por C. difficile recorrente tiveram limitadas opções de tratamento aprovadas pela FDA, fazendo com que sofram longos períodos de tempo com sintomas debilitantes que os impedem de sair de suas casas e até mesmo os separam dos familiares imediatos”, afirmou Paul Feuerstadt, médico, membro do Colégio Americano de Gastrenterologia (F.A.C.G.) e da Associação Americana de Gastrenterologia (A.G.A.F.), Faculdade de Medicina da Yale University.

“O REBYOTA é um novo tratamento muito necessário que dá esperança a milhares de pessoas que sofrem de infecção por C. difficile recorrente todos os anos”, afirmou Brent Ragans, presidente da Ferring Pharmaceuticals dos EUA. “O REBYOTA tem o potencial de impactar não apenas pacientes e cuidadores, mas também o sistema de saúde.”

A aprovação do REBYOTA pela FDA é baseada nos resultados do programa clínico, incluindo o estudo randomizado, duplo-cego e controlado por placebo de Fase 3 PUNCH™ CD3, no qual uma dose única de REBYOTA demonstrou superioridade ao placebo como tratamento para reduzir a recorrência de ICD após tratamento padrão com antibióticos. Duzentos e sessenta e dois (262) participantes do estudo receberam tratamento cego (n=177, REBYOTA; n=85, placebo) e o desfecho primário foi o sucesso do tratamento, definido como a ausência de diarreia por ICD por oito semanas após a conclusão do tratamento do estudo. A taxa de sucesso do tratamento estimada pelo modelo bayesiano de oito semanas para o REBYOTA foi de 70,6% contra 57,5% para o placebo, com uma probabilidade posterior de 99,1% de que o REBYOTA fosse superior ao placebo na redução de ICD recorrente após o tratamento padrão com antibióticos.1 Mais de 90% dos participantes do estudo que obtiveram sucesso no tratamento permaneceram livres de recorrência de ICD durante seis meses.2

No estudo, os eventos adversos (EAs) foram principalmente eventos adversos leves a moderados e não houve eventos adversos graves (EAGs) relacionados ao tratamento. A incidência de eventos adversos decorrentes do tratamento (EADT) foi maior nos receptores de REBYOTA em comparação aos participantes que receberam placebo (55,6%, n=100/180, REBYOTA; 44,8%, n=39/87, placebo), em sua maioria devido a uma maior incidência de eventos gastrintestinais leves.2

“Acreditamos que este é um grande avanço no aproveitamento do poder do microbioma humano para abordar importantes necessidades médicas não atendidas. Essa é a primeira aprovação da FDA de um produto bioterapêutico vivo e o auge de décadas de pesquisa e desenvolvimento clínico”, declarou Per Falk, presidente da Ferring Pharmaceuticals. “O anúncio de hoje não é apenas um marco para as pessoas que têm infecções por C. difficile recorrentes, mas também representa um passo significativo que promete melhor compreensão, diagnóstico, prevenção e tratamento de muitas outras doenças com o uso dos nossos conhecimentos em rápida evolução sobre o papel do microbioma na saúde humana e nas doenças”.

Consulte as importantes informações de segurança abaixo, e, para informações completas sobre prescrição, acesse: https://www.ferringusa.com/pi/rebyota.

Sobre a infecção por C. difficile (ICD)

A ICD é uma doença grave e potencialmente mortal que afeta pessoas em todo o mundo. A bactéria C. difficile causa sintomas debilitantes, como diarreia grave, febre, sensibilidade ou dor no estômago, perda de apetite, náusea e colite (inflamação do cólon).3 A ICD pode ser o início de um ciclo vicioso de recorrência, gerando um ônus significativo para os pacientes e o sistema de saúde.4,5 Estima-se que até 35% dos casos de ICD se repetem após o diagnóstico inicial e as pessoas que tiveram uma recorrência correm um risco significativamente maior de novas infecções.6,7,8,9 Após a primeira recorrência, estima-se que até 65% dos pacientes podem desenvolver uma recorrência subsequente.8,9 Os antibióticos (o padrão atual de cuidados para o tratamento da ICD) tratam a doença, mas também podem ser um fator que contribui para um ciclo vicioso de recorrência, gerando um ônus significativo para os pacientes que sofrem desta doença debilitante e potencialmente mortal.3,10

SOBRE O REBYOTA

O REBYOTA é indicado para prevenir a recorrência da infecção por Clostridioides difficile (ICD) em indivíduos acima de 18 anos após tratamento com antibióticos para ICD recorrente. O REBYOTA é um produto pré-embalado de dose única (150 ml) com administração retal para suspensão da microbiota. O REBYOTA é obtido de doadores qualificados e testado para um painel de patógenos transmissíveis.

INDICAÇÕES

O REBYOTA é indicado para a prevenção da recorrência de infecção por Clostridioides difficile (C. diff) em pessoas acima de 18 anos após tratamento com antibióticos para C. diff recorrente.

Limitações de uso:

O REBYOTA não é indicado para a primeira ocorrência de C. diff.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

  • Você não deve tomar REBYOTA se tiver um histórico de reação alérgica grave (por ex., anafilaxia) ao REBYOTA ou a qualquer um de seus componentes.
  • Você deve informar ao seu médico sobre qualquer infecção que acha que possa ter adquirido após a administração.
  • Antes do tratamento com REBYOTA, converse com seu médico sobre a possibilidade de uma reação alérgica súbita após a administração.
  • Converse com seu médico sobre qualquer alergia alimentar conhecida.
  • Entre os efeitos colaterais mais comuns estão dor de estômago (8,9%), diarreia (7,2%), inchaço (3,9%), gases (3,3%) e náusea (3,3%).
  • O REBYOTA não foi estudado em pacientes com menos de 18 anos de idade.
  • Os estudos clínicos não determinaram se adultos acima de 65 anos responderam de forma diferente dos adultos mais jovens.

Recomendamos informaràFDA os efeitos colaterais negativos dos medicamentos prescritos. Acesse www.FDA.gov/medwatch ou ligue para 1-800-332-1088.

Clique para ver todas as informações de prescrição.

Sobre a Ferring Pharmaceuticals

A Ferring Pharmaceuticals é um grupo biofarmacêutico especializado e impulsionado por pesquisas, comprometido em ajudar pessoas em todo o mundo a construir famílias e viver uma vida melhor. Com sede em Saint-Prex, Suíça, a Ferring é líder em medicina reprodutiva e saúde da mulher, e em áreas de especialidade dentro da gastrenterologia e urologia. A Ferring desenvolve tratamentos para mães e bebês há mais de 50 anos e possui um portfólio que abrange tratamentos desde a concepção até o nascimento. Fundada em 1950, a Ferring, de propriedade privada, emprega atualmente cerca de 6.000 pessoas em todo o mundo, tem suas próprias subsidiárias operacionais em mais de 50 países e comercializa seus produtos em 110 países.

Saiba mais em www.ferring.com ou conecte-se conosco no Twitter, Facebook, Instagram, LinkedIn e YouTube.

A Ferring está empenhada em explorar a ligação crucial entre o microbioma e a saúde humana, começando com a ameaça de infecção recorrente por C. difficile. A Ferring está trabalhando para desenvolver novas terapias baseadas em microbiomas para atender a importantes necessidades não atendidas e ajudar as pessoas a viver uma vida melhor. Conecte-se conosco em nossos canais dedicados ao desenvolvimento de terapias para o microbioma no Twitter e LinkedIn.

Referências:

  1. REBYOTA. Prescribing information. Parsippany, NJ: Ferring Pharmaceuticals Inc; 2022.
  2. Khanna, S, Assi, M, Lee, C, et al. Efficacy and safety of RBX2660 in PUNCH CD3, a Phase III, randomized, double-blind, placebo-controlled trial with a Bayesian primary analysis for the prevention of recurrent Clostridioides difficile infection. Drugs (2022). Disponível em: https://doi.org/10.1007/s40265-022-01797-x.
  3. Centers for Disease Control and Prevention. What Is C. Diff? 17 de dezembro de 2018. Disponível em: https://www.cdc.gov/cdiff/what-is.html.
  4. Centers for Disease Control and Prevention. 24 de junho de 2020. Disponível em: https://www.cdc.gov/drugresistance/pdf/threats-report/clostridioides-difficile-508.pdf.
  5. Feuerstadt P, et al. J Med Econ. 2020;23(6):603-609.
  6. Riddle DJ, Dubberke ER. Clostridium difficile infection in the intensive care unit. Infect Dis Clin North Am. 2009;23(3):727-743.
  7. Nelson WW, et al. Health care resource utilization and costs of recurrent Clostridioides difficile infection in the elderly: a real-world claims analysis. J Manag Care Spec Pharm. 2021;27(7):828-838. doi: 10.18553/jmcp.2021.20395. Epub 11 de março de 2021.
  8. Kelly, CP. Can we identify patients at high risk of recurrent Clostridium difficile infection?Clin Microbiol Infect. 2012;18(suppl 6):21–27.
  9. Smits WK, et al. Clostridium difficile infection. Nat Rev Dis Primers. 2016;2:16020. doi: 10.1038/nrdp.2016.20.
  10. Lessa FC, Mu Y, Bamberg WM, et al. Burden of Clostridium difficile infection in the United States. N Engl J Med. 2015;372(9):825-834.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Lisa Ellen

Diretora de comunicações da marca

+1-862-286-5696 (direto)

lisa.ellen@ferring.com

Matt Worrall

Diretor de comunicações corporativas e assuntos públicos

+44-7442-271-811

matthew.worrall@ferring.com

Fonte: BUSINESS WIRE

Notícias

Sul-Sudeste têm mais liberdade para trabalhar que Nordeste

Empreendedores no Sul e Sudeste possuem maior liberdade para trabalhar enquanto empreendedores no Norte e Nordeste enfrentam maior burocracia. Em todo o país, 77,9% dos municípios ainda não adotaram a Lei de Liberdade Econômica como mostra a versão 2024 do projeto Liberdade para Trabalhar do ILISP (Instituto Liberal de São Paulo)

Publicado

em

São Paulo, SP 20/2/2024 – “Quanto mais Liberdade para Trabalhar os pequenos empreendedores possuem, mais empregos e renda são gerados” Marcelo Faria, presidente do ILISP

Empreendedores no Sul e Sudeste possuem maior liberdade para trabalhar enquanto empreendedores no Norte e Nordeste enfrentam maior burocracia. Em todo o país, 77,9% dos municípios ainda não adotaram a Lei de Liberdade Econômica como mostra a versão 2024 do projeto Liberdade para Trabalhar do ILISP (Instituto Liberal de São Paulo)

Criada para reduzir a burocracia nas atividades econômicas e facilitar a abertura e o funcionamento de empresas, a adoção da Lei de Liberdade Econômica tem avançado mais nas Regiões Sul e Sudeste, enquanto a adoção tem sido lenta no Norte e Nordeste.

É o que mostra a versão 2024 do projeto Liberdade para Trabalhar do ILISP (Instituto Liberal de São Paulo) que mapeia, presta consultoria e apoia – sem custos para os cofres públicos – a adoção da lei nos estados e municípios brasileiros.

O principal benefício da lei para os empreendedores é a dispensa de alvarás para atividades de baixo risco. A regulação federal prevê que 298 atividades econômicas (os “CNAEs” definidos ao abrir uma empresa) são dispensadas de alvarás, mas estados e municípios também precisam regular a lei para que os alvarás sejam realmente dispensados por todos os órgãos (bombeiros, fazenda, meio ambiente, vigilância sanitária, entre outros). Estados e municípios são livres para dispensar um número maior de atividades do que a regulação federal.

De acordo com os novos dados do projeto Liberdade para Trabalhar, que pela primeira vez alcança todos os 5.570 municípios brasileiros, somente 1.236 cidades aprovaram uma Lei ou Decreto de Liberdade Econômica, o que equivale a 22,2% dos municípios.

Oito governos estaduais (Amazonas, Ceará, Goiás, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rondônia, Sergipe e Tocantins) sequer aprovaram uma lei ou decreto de Liberdade Econômica, enquanto outros 5 governos estaduais (Alagoas, Amapá, Bahia, Maranhão e Roraima) adotaram a lei parcialmente, sem definir a lista de atividades de baixo risco dispensadas para todos os órgãos da administração pública estadual.

Há grande disparidade na adoção da lei pelo país. Enquanto a lei avança em estados como Espírito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, com regulação estadual e adoção da lei por boa parte dos municípios, no Estado de São Paulo e nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste a adoção pelos municípios tem sido bastante lenta.

Sul e Sudeste têm mais Liberdade para Trabalhar

Nas regiões Sul e Sudeste estão os estados com maior índice de adoção da Lei de Liberdade Econômica (LLE): Espírito Santo (62,8%), Santa Catarina (55,9%), Minas Gerais (49,7%) e Rio Grande do Sul (42,9%).

Em números absolutos, o maior destaque é o estado de Minas Gerais. Dos 853 municípios mineiros, 424 aprovaram a LLE. Já no segundo estado com mais municípios (645), São Paulo, a LLE foi aprovada em apenas 63 cidades (9,8%).

Por outro lado, o Governo do Estado de São Paulo recentemente regulou a Lei de Liberdade Econômica definido 900 atividades econômicas como de baixo risco, o segundo maior índice do país atrás do Piauí (908). Logo atrás vêm Paraná (771) e Rio Grande do Sul (770).

Analisando as capitais, temos como destaques Porto Alegre com 830 atividades dispensadas de alvarás e Curitiba (606). Como destaque negativo, Belo Horizonte / MG prevê somente 275 atividades dispensadas, um nível muito inferior ao do Estado de Minas Gerais (701).

A lei avança no Centro-Oeste, mas falta Goiás

Das 4 unidades federativas (contando o Distrito Federal) na região, o Estado de Goiás é o único que ainda não regulou a LLE e tem o pior desempenho na região em número de municípios que adotaram a lei: 20 de 246, um índice de 8,1%.

O destaque da região é o Estado do Mato Grosso do Sul, com aprovação em 25 dos 79 municípios (31,6%). No nível estadual, a regulação sul-mato-grossense é a única no país que não foi feita com um único decreto para todos os órgãos – vigilância sanitária, bombeiros e meio ambiente possuem listas de atividades dispensadas diferentes – o que dificulta a adoção pelos municípios.

Já no Estado do Mato Grosso, 26 dos 142 municípios mapeados regularam a lei (18,3%).

Das três capitais na região, somente Cuiabá (MT) regulou a Lei de Liberdade Econômica, enquanto Campo Grande (MS) e Goiânia (GO) ainda não regularam a lei.

Norte e Nordeste possuem destaques pontuais, mas adoção geral muito baixa

A situação na Região Nordeste é pior. Dos nove estados da região, somente Pernambuco e Piauí regularam plenamente a Lei de Liberdade Econômica, e somente Alagoas (18,6%), Pernambuco (11,4%) e Ceará (10,3%) têm mais de 10% dos municípios com a lei.

No único estado da Região Nordeste em que a LLE não foi regulada em sua capital (São Luís), o Maranhão, somente 9,2% dos municípios aprovaram a lei. Completam a Região Nordeste os Estados da Bahia (7,2% dos municípios), Sergipe (5,3%), Paraíba (4,9%), Rio Grande do Norte (1,8%) e Piauí (0,9%).

No nível do governo estadual, o destaque positivo no Nordeste é o Estado do Piauí com 908 CNAEs dispensados, o primeiro colocado do país neste índice. Por outro lado, o estado possui o menor índice (0,9%) no país em adoção pelos municípios.

No Nordeste também está a cidade que mais dispensa atividades de baixo risco no país: Jaboatão dos Guararapes (PE) com 1282 CNAEs.

A Região Norte também possui desempenho abaixo da média, sendo que somente 2 dos seus 7 estados adotaram plenamente a Lei de Liberdade Econômica: Acre e Pará. Ainda assim, poucos municípios nesses estados aderiram à lei: 13,7% no Acre e 10,4% no Pará. O estado de Roraima aprovou a LLE, mas ainda não publicou decreto regulando a lista de atividades dispensadas, e 20% dos seus municípios regularam a lei.

Completam a lista da Região Norte: Rondônia (13,5% dos municípios), Amapá (12,5%), Tocantins (2,9%) e Amazonas (1,6%).

Em relação às capitais, o maior destaque no Norte é Boa Vista-RR onde há a dispensa de alvarás para 802 atividades.

Mais empregos e mais empresas abertas após a Lei de Liberdade Econômica

Dois estudos realizados pelo ILISP em parceria com o Instituto Millenium mostram os impactos positivos da lei nos municípios que a adotaram.

O primeiro estudo mostrou um aumento de 40% no número médio de contratações em comparação ao período anterior à lei. E o segundo estudo mostrou um aumento de 88,9% na média anual de novas empresas abertas após a adoção da Lei de Liberdade Econômica.

Segundo Marcelo Faria, presidente do ILISP: “Quanto mais Liberdade para Trabalhar os pequenos empreendedores possuem, mais empregos e renda são gerados. Por isso é fundamental que todos os estados e municípios adotem a Lei de Liberdade Econômica e dispensem alvarás para atividades de baixo risco”.

Website: https://liberdadeparatrabalhar.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Franquia de fast food seleciona master franqueados no Brasil

A marca Poppys já presente em várias localidades pelo Brasil e também no exterior quer ampliar a rede com enfoque em crescimento sustentável por estados brasileiros

Publicado

em

por

São Paulo, SP 20/2/2024 – O master franqueado não é apenas um investidor, ele possui participação de ganhos da franqueadora, mas também atua com suporte e manutenção das unidades

A marca Poppys já presente em várias localidades pelo Brasil e também no exterior quer ampliar a rede com enfoque em crescimento sustentável por estados brasileiros

Em 2023, o mercado de franquias no Brasil experimentou um crescimento robusto de 13,8%, atingindo uma receita de R$ 240,6 bilhões. Esse avanço foi liderado pelos setores de Alimentação Food Service, seguido por Saúde, Beleza e Bem-Estar e Hotelaria e Turismo. A revelação desses dados foi feita pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) em um comunicado na quinta-feira, 8 de fevereiro.

O setor viu um impulso significativo, principalmente, no 4º trimestre de 2023 e esse crescimento reflete uma tendência ascendente geral, evidenciada pelo aumento no número total de operações para 195.862 e a expansão do número de redes de franquia para 3.311, um aumento de 7,6%. A expansão também gerou um recorde de 1.701.726 empregos diretos, demonstrando a vitalidade e o potencial de crescimento do setor.

Nesta recente onda de globalização que tem caracterizado o segmento, uma franquia de fast food está lançando um processo seletivo para master franqueados em estados brasileiros. Segundo a diretora de expansão da ATNZO Franchise, Gislene Camacho, “A Poppys é brasileira, apesar de já estar presente em Portugal e, iniciando, embrionariamente em mais três países da Europa. Este movimento estratégico é destinado a reforçar a presença da marca no mercado nacional, visando capitalizar sobre o crescente interesse de consumidores por um novo player e, é claro, oferecer oportunidades a empresários”.

A busca por master franqueados faz parte de uma estratégia do mercado de escala e, segundo o site da ABF, este sistema é oferecido apenas por franqueadores de grande porte e com operações globais. Segundo Gislene, a busca por master franqueados no país é parte de uma estratégia mais ampla para adaptar a marca às especificidades culturais e econômicas de forma regional, assegurando não apenas a expansão, mas também sua sustentabilidade e sucesso a longo prazo. “A iniciativa sublinha a importância do papel do master franqueado como um catalisador para o crescimento, facilitando a integração da franquia de forma intensa e sólida no mercado, através de gestão adaptada e compreensão profunda das necessidades dos consumidores”, explica.

Lucas Atanazio Vetorasso, CEO da ATNZO Franchise, explica a dinâmica e a relevância do papel do master franqueado nesse contexto. “O master franqueado, na prática, detém a marca em uma região específica em parceria com a franqueadora. Existem vários formatos de atuação com master franquias, podendo ir desde a exclusividade até, no modelo em que operamos, a participação nos resultados da escala. Esta abordagem permite uma expansão rápida e eficiente da marca, ao mesmo tempo que garante uma operação adaptada às particularidades do mercado local”, explica Lucas Atanazio Vetorasso, CEO da ATNZO Franchise sobre a dinâmica e a relevância do papel do master franqueado nesse contexto.

Atanazio destaca ainda a importância da gestão compartilhada neste modelo de escala, que não se limita apenas ao aporte financeiro, mas se estende à gestão ativa das franquias sob sua responsabilidade. “O master franqueado não é apenas um investidor. O capital inicial de investimento é significativo, mas é igualmente importante que participe na gestão juntamente com os franqueados da área. Em resumo, o master possui uma parte dos lucros da franqueadora, mas também atua no suporte e na manutenção das unidades de sua região”, esclarece.

Ainda segundo o líder, a implementação deste modelo no Brasil segue a tendência de outras grandes marcas que, ao enfrentarem os desafios de expansão em novos territórios, optam por esta estratégia. “Esta abordagem não apenas facilita a gestão e a adaptação das marcas aos mercados locais, mas também oferece uma estrutura de suporte robusta aos franqueados, essencial para o sucesso e a sustentabilidade da expansão”, explica Lucas.

Segundo Gislene Camacho, a seleção de um master franqueado para operar em determinados estados brasileiros reflete uma estratégia cuidadosamente planejada. “Há uma demanda grande a ser preenchida e, considerando um país continental como o Brasil, é importante ter apoio regional”, ressalta a diretora sobre a importância de selecionar parceiros com capacidade de gestão e visão alinhada.

O processo de seleção vai além da análise financeira, buscando identificar candidatos que possam contribuir para o crescimento da marca com conhecimento local, habilidades de gestão e uma compreensão clara das dinâmicas do mercado de fast food no Brasil. “São vários detalhes que diferenciam de um contrato padrão. O capital para se tornar master franqueado da Poppys, especificamente, está na faixa de 1.5 milhões e o parceiro possui participação em várias receitas”, detalha o CEO.

Segundo o Portal do Franchising, site da ABF, a distinção entre os modelos de franquia e master franquia ressalta-se, por definição e formato. O franqueado opera sua própria unidade com a marca, produtos, sistemas e suporte estabelecidos e o master franqueado recebe direitos exclusivos para subfranquear e desenvolver a marca em sua área. Esse modelo envolve não apenas a gestão da própria franquia, mas também a responsabilidade de recrutar novos franqueados, oferecer suporte e assegurar a manutenção dos padrões da marca com responsabilidades e ganhos em escala.

No perfil subfranqueador, investidores locais têm a chance de integrar a expansão de marcas em expansão reconhecida, contribuindo para sua adaptação e crescimento no mercado brasileiro que, demonstra estar extremamente aquecido, ainda segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF). Essa tendência ascendente desempenha positivamente e é atribuída a diversos fatores, como o avanço da digitalização, omnicanalidade e a adoção de novos formatos de negócio.

Atanazio destaca a importância de escolher parceiros com experiência, habilidades de gestão e visão de negócios alinhada aos objetivos da franquia, sublinhando que “a expansão bem-sucedida de uma franquia depende significativamente da capacidade da marca em se adaptar às particularidades culturais e de mercado locais, garantindo assim um crescimento sustentável, estratégico e, é claro, rentável para todos”. Os interessados em participarem da seleção para master franquia devem procurar os canais oficiais da marca ou do grupo que a detém no Brasil.

Website: https://poppys.global/seja-franqueado/

Continuar Lendo

Notícias

ABIMAQ realiza curso de Técnicas de Vendas

O curso será realizado de forma presencial, no dia 29 de fevereiro

Publicado

em

por

São Paulo 20/2/2024 –

O curso será realizado de forma presencial, no dia 29 de fevereiro

Com o objetivo de ampliar a percepção negocial dos participantes, melhorando o desempenho e as habilidades profissionais através da utilização de técnicas comportamentais facilitadoras do processo de negociação, a fim de melhorar o fechamento de vendas, a ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos) realizará no dia 29 de fevereiro (quinta-feira), o curso Técnicas de vendas e fechamento comercial na indústria de máquinas e equipamentos.

O conteúdo ministrado pelo administrador de empresas e diretor da TCA – Tozzini Consultores Associados, Fábio Tozzini, destinado para vendedores e todos os colaboradores da área comercial da empresa, abordará os seguintes temas:

A importância da percepção na negociação:

– Expressão corporal: A fala do corpo e seus significados;

– Como traduzir os sinais do cliente em afirmativas de compra;

– Negociando com 3 ou mais pessoas ao mesmo tempo.

Conduzindo uma negociação com foco em resultados:

– Habilidades de relacionamento em negociação: Conhecendo os limites do cliente;

– Erros a evitar em uma negociação comercial;

– Os 8 passos para uma negociação de sucesso em indústria de máquinas.

Técnicas de venda e fechamento comercial:

– Sondagem comercial: Levantamento das expectativas do cliente;

– Abertura e condução do processo comercial: Perguntas abertas e perguntas fechadas;

– Objeções: Como entender, contornar e superá-las;

– Fechamento comercial e o “Momento mágico”: Quando ele ocorre?

Relacionamento comercial e prospecção de mercado:

– Principais conceitos de marketing de relacionamento e como utilizá-los;

– Desenvolvimento da carteira de clientes (Inativos e ativos);

– Competitividade empresarial e a importância da manutenção de clientes.

Serviço – Curso: Técnicas de vendas e fechamento comercial na indústria de máquinas e equipamentos:

Data: 29 de fevereiro (quinta-feira)

Horário: 9h às 17h

Carga horária: 6h

Local: online, via plataforma zoom

Mais informações: (11) 5582-6321/6326 ou https://abimaq.org.br/cursos/257/tecnicas-de-vendas-fechamento-comercial-na-industria-de-maquinas-e-equipamentos

Continuar Lendo

Em Alta

...