Conecte-se conosco

Notícias

Startup desenvolve solução para combater o jabá na música

A startup Divulguei visa revitalizar a indústria musical brasileira, combatendo o “jabá” em plataformas de streaming, ao conectar artistas independentes a curadores musicais, priorizando a qualidade e a autenticidade artísticas. A plataforma propõe uma alternativa de promoção musical, possibilitando a artistas sem grandes recursos a oportunidade de alcançar novos públicos e formadores de opinião relevantes no Brasil sem pagar por espaço.

Publicado

em

Brasília, DF 19/10/2023 – Nossa plataforma funciona como um hub, uma forma de encontrar em um só lugar diversos curadores da indústria brasileira, facilitando a busca do artista.

A startup Divulguei visa revitalizar a indústria musical brasileira, combatendo o “jabá” em plataformas de streaming, ao conectar artistas independentes a curadores musicais, priorizando a qualidade e a autenticidade artísticas. A plataforma propõe uma alternativa de promoção musical, possibilitando a artistas sem grandes recursos a oportunidade de alcançar novos públicos e formadores de opinião relevantes no Brasil sem pagar por espaço.

No cenário atual da música independente brasileira, têm surgido soluções digitais inovadoras, exemplificadas pelos “hubs de curadoria musical”. Essas plataformas digitais servem como espaços estratégicos de interação entre artistas e profissionais da curadoria musical. Esses hubs são apontados como potenciais contribuintes para a redução do fenômeno conhecido como “jabá” na indústria musical, devido à sua natureza mais acessível.

O processo de utilização dessas plataformas inicia-se com o registro de artistas e curadores, possibilitando o compartilhamento de informações musicais. Isso viabiliza o envio de músicas por parte dos artistas aos curadores profissionais, que, por sua vez, têm a possibilidade de avaliar e, quando pertinente, promover as novas músicas em seus meios de divulgação.

Mas o que é o “jabá”?

A prática conhecida como “jabá” tem sido há muito tempo um tema de debate. Esta prática envolve a promoção de músicas em rádios e plataformas de streaming mediante pagamento, visando garantir maior visibilidade e reprodução para determinadas músicas. Questões sobre autenticidade artística e diversidade no cenário musical frequentemente surgem, dado que as escolhas são muitas vezes influenciadas por interesses financeiros. 

Nos últimos anos, essa prática ganhou nova versão com a chegada das plataformas de streaming. Agora, os usuários compram espaços em playlists para obter um grande número de streamings. Segundo matéria veiculada pelo site G1, Sucesso fake: Músicos Fraudam Números de Streaming Usando Robôs e Jabá 2.0, após denúncias nos Estados Unidos, em 2015, o Spotify proibiu os usuários de aceitarem dinheiro ou qualquer outra compensação para incluir músicas em playlists. Ainda nesta matéria, o Spotify declarou que passou a investir pesadamente em tecnologia de detecção de fraude aprimorando o monitoramento para detectar atividades fraudulentas que vão contra as diretrizes da plataforma. 


O papel dos hubs de curadoria musical: inovação digital para fugir do jabá 2.0

Uma iniciativa brasileira criou um ecossistema musical onde artistas independentes têm a oportunidade de se conectar com uma variedade de curadores da indústria musical brasileira. Esse sistema visa promover o reconhecimento e a promoção do talento artístico com base na qualidade, em vez de recursos financeiros, segundo seus fundadores. Essa abordagem está causando impacto na indústria e gerando expectativas em relação ao futuro dos artistas independentes.

O fundador do Divulguei, Paulo Nepomuceno, explica que “a plataforma funciona como um hub, uma forma de encontrar curadores, facilitando a busca do artista que, muitas vezes, não tem grana para contratar um assessor de imprensa. A ideia é dar independência para o artista escolher o curador que tem a ver com o seu som, permitindo o envio da sua música”. Ele afirma, ainda, que “a plataforma foi concebida para dar a oportunidade dos artistas realizarem divulgações sem o acréscimo do famoso jabá”. 

Ao se cadastrar na plataforma, o artista encontrará curadores de playlists, influenciadores digitais, blogueiros, jornalistas, rádios e curadores de festivais. Para a artista Bárbara Silva, os hubs de curadoria musical “oferecem a oportunidade de ampliar seu alcance e conquistar novos públicos, pois concede ao artista independente, que não tem muitos recursos financeiros, nem patrocínio de grandes empresários, a oportunidade de terem sua música compartilhada”. 

 

Autonomia para os curadores

Essas plataformas concedem autonomia para que seus curadores possam decidir se desejam ou não divulgar uma música. Essa autonomia se destaca como uma das características principais desse tipo de serviço, já que, nesse cenário, as músicas são avaliadas e promovidas com base, segundo seus criadores, em critérios como qualidade da produção, da composição musical, arranjo e performance. Além disso, os artistas recebem feedbacks desses profissionais, orientando-os em sua carreira artística. 

Na opinião dos curadores da Vitrola Play, “todos só se beneficiam dessas novas tecnologias. É muito importante que os curadores e artistas entendam que realizar uma circulação musical de forma justa e dentro das diretrizes das plataformas digitais é a maneira mais eficaz de não ter problemas futuros” e afirmam, ainda, “ter autonomia de podermos escolher o que iremos divulgar nas nossos listas é de extrema importância para não caracterizar jabá ou para não ir contra as diretrizes do Spotify, além de manter a qualidade das listas”. 

Já sobre a prática de pagar por usuários falsos, os curadores afirmam que “hoje há muitas formas das playlists crescerem sem precisar recorrer a compra de usuários falsos. É o caso do tráfego pago, por exemplo, que utilizado da forma correta, pode trazer muitos seguidores para suas playlists, dando ao artista a possibilidade de realmente ser ouvido por público real”. 

À medida que novas alternativas ganham força no cenário musical brasileiro, a esperança é que práticas consideradas controversas na música possam ser combatidas. Ao passo que músicos e curadores adotam novas soluções e os ouvintes descobrem novos talentos de forma mais orgânica, a indústria da música se afasta gradualmente de práticas de pagamento por visibilidade. 

Website: https://divulguei.art

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Transplante de barba cresce no mercado masculino

Na busca pela barba perfeita, a técnica de transplante capilar se destaca como uma técnica inovadora e eficiente.

Publicado

em

por

São Paulo 29/11/2023 –

Na busca pela barba perfeita, a técnica de transplante capilar se destaca como uma técnica inovadora e eficiente.

Segundo artigo publicado pela Revista Brasileira de Cirurgia Plástica (SBPC) o transplante de barba é um procedimento cirúrgico minucioso que tem ganhado popularidade nos últimos anos. Sendo indicado para homens que desejam melhorar ou restaurar a densidade da barba, preencher áreas com falhas ou corrigir imperfeições na região facial. Este procedimento é realizado por cirurgiões experientes e envolve a transferência de folículos capilares de uma área doadora, geralmente da região posterior da couro cabeludo, para a área facial tendo como objetivo promover o crescimento dos pelos faciais, proporcionando um visual mais cheio e espesso.

 De acordo com os  dados da International Society of Hair Restoration Surgery (ISHRS),  o transplante de barba representou  1,5% de todos os transplantes capilares realizados em 2012.

A cirurgia é realizada em centro cirúrgico sem a necessidade de anestesia e dura em média de seis a sete horas. Em um único procedimento é possível transplantar até 10.000 fios, quantidade suficiente para cobrir completamente a área calva. 

Especialista na técnica FUE e transplante de barba, o Dr. Álvaro Tulio Fortes, cita que muito de seus pacientes buscam o transplante de barba como recurso para sanar problemas de autoestima e sociabilidade.

Ainda segundo o Dr. Álvaro, o processo de transplante de barba segue os seguintes passos:

  1.  Avaliação: antes do procedimento, o paciente passa por uma avaliação médica completa, na qual o cirurgião analisa a qualidade e a quantidade de cabelo na área da doadora e determina a melhor abordagem para alcançar os resultados desejados.

  2. Anestesia: o paciente é anestesiado localmente para garantir conforto durante a cirurgia.

  3. Extração de folículos: os folículos capilares são retirados da área da doadora com uma técnica especial chamada FUE (Extração de Unidade Folicular) ou FUT (Transplante de Unidade Folicular). A escolha entre essas técnicas depende das necessidades individuais do paciente e da avaliação do instrumento.

  4. Preparação dos folículos: após a remoção, os folículos são cuidadosamente preparados para o transplante, garantindo que estejam saudáveis ​​e intactos.

  5. Implantação dos folículos: os folículos capilares preparados são implantados na área da barba, seguindo o desenho e a densidade desejada. O uso realiza pequenos cortes na pele e insere os folículos um por um, criando uma barba natural e simétrica.

  6. Recuperação: após a cirurgia, o paciente pode experimentar desconforto, desconforto e desconforto temporário na área tratada. O tempo de recuperação varia de pessoa para pessoa, mas a maioria dos pacientes pode retomar suas atividades normais dentro de alguns dias por semana.

Ainda segundo o especialista Dr. Álvaro Fortes, o transplante de barba é uma solução eficaz para aqueles que desejam uma barba mais completa e densa, mas que apresentam dificuldades genéticas ou imperfeições naturais na região facial. Vale ressaltar que os resultados finais podem levar meses para se tornarem totalmente visíveis, à medida que os folículos transplantados crescem e se estabelecem.

É importante discutir suas expectativas e opções com um cirurgião experiente antes de optar pelo transplante de barba, para que vse possa entender completamente o procedimento e tomar uma decisão informada.

 

 

 

 

 

Website: https://tuliohairtransplant.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Plano de expansão leva cartão de benefícios a 200 mil vidas

Ação da empresa CS Saúde busca reverter o cenário nacional no qual a insatisfação dos brasileiros com o sistema de saúde chega a 35%

Publicado

em

por

29/11/2023 –

Ação da empresa CS Saúde busca reverter o cenário nacional no qual a insatisfação dos brasileiros com o sistema de saúde chega a 35%

O CS Saúde, empresa que atua com cartão de benefícios, anunciou recentemente que a companhia bateu a marca de 200 mil vidas atendidas. A corporação nasceu em 2018, em São Lourenço (MG), e investiu em um plano de expansão que levou o negócio a nove estados do Brasil, fornecendo uma rede de benefícios de saúde e um clube de vantagens para os assinantes. 

O cartão de benefícios permite que o cidadão tenha acesso a consultas, exames, soluções odontológicas e diversos serviços da área da saúde. Além disso, com o uso cotidiano, o cliente pode consumir itens com descontos em lugares como quintas, açougues, revendedoras de gás de cozinha, postos de gasolina e padarias. O CS Saúde também atua em parceria com diversos e-commerces de grande porte como Netshoes, Polishop, Cacau Show, entre outros e ainda trabalha com o comércio local das cidades onde está presente.  

A solução surge em um panorama em que mais brasileiros têm uma opinião negativa (35%) do que positiva (31%) sobre o sistema de saúde no geral, como demonstra a pesquisa “Global Health Service Monitor 2023”, realizada pelo Instituto Ipsos.

“Ao atingir a marca de 200 mil pessoas, o CS Saúde comemora com um sentimento de gratidão e compromisso em cada passo percorrido ao longo de sua existência”, afirma Rodrigo Mancilha Pivato, sócio-fundador do CS Saúde.

Ele conta que, desde o início de sua trajetória, a missão da empresa é fornecer serviços de saúde acessíveis a todos que buscam assistência. “A equipe trabalhou para garantir que essa missão se tornasse uma realidade. Hoje, a instituição agradece não apenas à equipe que possui, mas também aos profissionais de saúde e a todos os parceiros que fazem parte desse time”, diz Pivato.

Além disso, o CS Saúde oferece produtos de diferentes segmentos como o CS Farma, CS Telemedicina, CS Energy, CS Bem Estar, CS Bank, entre outras modalidades que fazem parte do CS Grupo.

“Entre os planos para o futuro, o CS Saúde quer chegar a cada vez mais pessoas e continuar fornecendo saúde, bem-estar e economia para todos”, afirma o empresário. “Nossa meta é atingir 1 milhão de pessoas até 2030”, revela.

Para mais informações, basta acessar: https://www.conveniosocialsaude.com.br/

Website: https://www.conveniosocialsaude.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Restor garante concessão de US$ 1,9 milhão pelo Google

Recentes avanços científicos revelam que 61% da captura de carbono pelas florestas pode
ser alcançada por meio da proteção das florestas existentes, com o Brasil tendo o potencial
de contribuir com quase 12% da redução global de carbono por florestas.
Restor recebe doação de US$ 1,9 milhão do Google.org, reforçando sua capacidade de transformar a ciência em ação, capacitando governos, incluindo o do Brasil

Publicado

em

por

São Paulo – SP 29/11/2023 –

Recentes avanços científicos revelam que 61% da captura de carbono pelas florestas pode
ser alcançada por meio da proteção das florestas existentes, com o Brasil tendo o potencial
de contribuir com quase 12% da redução global de carbono por florestas.
Restor recebe doação de US$ 1,9 milhão do Google.org, reforçando sua capacidade de transformar a ciência em ação, capacitando governos, incluindo o do Brasil

Um novo estudo do laboratório de pesquisas que fundou o Restor, o Crowther Lab da ETH Zürich, reforça que florestas nativas biodiversas têm papel chave no cumprimento das metas globais de clima e de biodiversidade. O estudo revelou que as florestas nativas biodiversas têm o surpreendente potencial de capturar aproximadamente 226 Gt de carbono, equivalente a 30% das metas de redução de carbono globais. A maior parte desse potencial, 61%, pode ser efetivada por meio de iniciativas lideradas pela comunidade para proteger as florestas naturais existentes. Os restantes 88 Gt (39%) podem ser alcançados por meio de iniciativas lideradas pelas comunidades para reconectar florestas fragmentadas e restaurar áreas florestais degradadas.

O Restor foi desenvolvido para facilitar milhões de iniciativas de biodiversidade lideradas por comunidades em todo o mundo. Atualmente, o Restor oferece visibilidade e conectividade a 130.000 projetos em mais de 140 países. Ele fornece dados científicos para acompanhar o progresso em relação a carbono, água e biodiversidade, além de imagens de satélite de alta resolução que mostram mudanças ao longo do tempo.

A iniciativa do Restor oferece uma solução viável, capacitando governos, como o do Brasil, a frear e reverter a perda de biodiversidade até 2030. O Restor transforma ciência em ação, tendendo iniciativas lideradas pela comunidade, governos, organizações comunitárias e empresas. Para reforçar a capacidade da plataforma, o Restor recebeu uma doação adicional de US$1,9 milhão do Google.org para fortalecer sua capacidade de monitorar e acompanhar o progresso em relação às metas globais de biodiversidade.

Apesar de as paisagens florestais representarem 59,4% da cobertura da terra do Brasil, o país enfrentou uma realidade impactante em 2022, representando 43% do desmatamento tropical global. Isso resultou na perda de quase 2 milhões de hectares na Floresta Amazônica, sendo a maior perda não relacionada a incêndios desde 2005, representando uma ameaça significativa à rica biodiversidade da região, que abriga mais de 50.000 plantas, 1.300 aves, 2.700 peixes e inúmeros insetos, colocando espécies únicas em risco.

O cumprimento dos compromissos do Acordo de Paris exige um investimento substancial de R$228 bilhões de fontes públicas e privadas, com o objetivo de restaurar 12 milhões de hectares de vegetação nativa até 2030. No entanto, conservando, restaurando e gerenciando de forma sustentável suas florestas, o Brasil pode contribuir com 11,2% (25,4 Gt de carbono) da redução global de carbono por florestas, conforme demonstrado na pesquisa mais recente do Crowther Lab.

O estudo ainda enfatiza que esse potencial florestal não pode ser alcançado por meio de plantações de monoculturas de árvores. Na verdade, requer um desenvolvimento equitativo, incluindo políticas de gestão de terras que priorizem os direitos e o bem-estar das comunidades locais, dos povos indígenas e de produtores rurais que promovam a biodiversidade em todo o mundo.

Empresas:

Ao apoiar iniciativas locais em todo o mundo, o Restor também ajuda empresas e instituições financeiras a acompanhar compromissos de conservação e a demonstrar seu impacto na natureza. Para um impacto positivo na natureza, as organizações devem primeiro analisar suas próprias cadeias de suprimentos para acabar com o desmatamento dentro delas. O Restor pode auxiliar nesse processo ao exibir taxas de desmatamento nas regiões de fornecimento. Além disso, pode favorecer o desenvolvimento equitativo ao investir em portfólios de esforços liderados pelas comunidades que promovam a biodiversidade, milhares dos quais podem ser encontrados na rede Restor.

Governos:

O Restor também é capaz de apoiar os governos no acompanhamento e em relatos de progresso de seus compromissos de biodiversidade. Com dados provenientes de sua rede de iniciativas lideradas localmente, o Restor pode rastrear metas climáticas e de biodiversidade delineadas em compromissos como o Acordo de Paris, a Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso da Terra e o Quadro Global de Biodiversidade Kunming-Montreal. Ele fornece aos formuladores de políticas os dados necessários para tomar decisões, acompanhar o progresso e acelerar os esforços.

Com uma frente de união entre comunidades, governos e empresas para frear a perda de biodiversidade, esses objetivos podem ser alcançados.

“Os povos indígenas guardam 22% das florestas do mundo e protegem 80% da biodiversidade da Terra”, diz Thomas Crowther, fundador do Restor e autor sênior da pesquisa. “Os sistemas políticos e financeiros devem promover e capacitar esses guardiões da natureza, os quais nos protegem contra as ameaças da perda de biodiversidade e das mudanças climáticas.”

“Com o Restor, qualquer pessoa pode explorar as implicações deste novo estudo para sua empresa, país ou ambiente local”, diz Thomas Elliott, CEO do Restor. “Nossa missão é conectar os guardiões da natureza a uma rede global de atores que podem facilitar a proteção e restauração da biodiversidade em todo o mundo”.

“Essa ciência reafirma como um clima futuro seguro para todos exige a proteção e a restauração de nossas florestas, juntamente com reduções acentuadas nas emissões de combustíveis fósseis”, diz a Dra. Susan Cook-Patton, cientista sênior de restauração florestal da The Nature Conservancy. “Para trabalhar em direção a um futuro equitativo, precisamos reduzir nossas emissões e investir na natureza”.

“Embora as florestas não possam substituir as reduções de emissões, nossos resultados apoiam a ideia de que a conservação, a recuperação e o manejo sustentável de diversas florestas oferecem contribuições valiosas para atingir as metas globais de clima e biodiversidade”, enfatiza o Dr. Pedro Brancalion, professor da Universidade de São Paulo e coautor do estudo. “A perda de florestas no Brasil mais do que dobrou desde 2015, passando de 8.288 km² naquele naquele ano para 17.726 km² em 2022, um salto de 113,8%. Precisamos de uma frente unida para evitar as piores consequências da perda de biodiversidade e das mudanças climáticas, além de todos os impactos sociais negativos que elas têm causado”.

Website: http://www.restor.eco

Continuar Lendo

Em Alta

...