Conecte-se conosco

Notícias

Enxaqueca afeta mais de 30M, mas ainda é pouco compreendida

No Maio Bordô, mês de conscientização sobre a enxaqueca, Abraces e TEVA Brasil falam sobre a necessidade de desestigmatizar a doença e alertam “não é só uma dor de cabeça”

Publicado

em

São Paulo SP 28/5/2024 – Enfrentamos um problema grande de estigmatização da doença que ainda não reconhecida pelas pessoas como uma doença importante que deve ser cuidada.

No Maio Bordô, mês de conscientização sobre a enxaqueca, Abraces e TEVA Brasil falam sobre a necessidade de desestigmatizar a doença e alertam “não é só uma dor de cabeça”

Uma das doenças mais incapacitantes do mundo, a enxaqueca ainda enfrenta muito estigma e falta de compreensão na sociedade, apesar de afetar ao menos 15% da população brasileira: cerca de 32,3 milhões de pessoas. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a doença acomete mais de 1 bilhão de pessoas no mundo, sendo um dos motivos mais frequentes de consultas médicas¹. A campanha Maio Bordô tem por objetivo esclarecer o impacto da enxaqueca na vida das pessoas e o que deve ser feito para combatê-las.

A enxaqueca é uma condição crônica que se caracteriza por crises de dor de cabeça autolimitadas, resultantes de uma disfunção transitória no cérebro. A dor é tipicamente pulsátil, frequentemente localizada em um dos lados da cabeça, acompanhada por sensibilidade a luz e sons, náuseas e ocasionalmente vômito.

O médico neurologista e presidente da Associação Brasileira de Cefaleia em Salvas e Enxaqueca (Abraces), Dr. Mario Peres, explica que a doença é uma das formas mais comuns de cefaleia na população em geral. “A enxaqueca é a primeira doença na faixa etária entre 5 anos e 19 anos e a segunda entre a população adulta, de 20 anos a 59 anos”, destaca.

O especialista explica que a doença está entre as 20 mais incapacitantes do mundo² e, em média, os indivíduos que sofrem desta condição perdem cerca de quatro dias de trabalho por ano. “Enfrentamos um problema grande de estigmatização da doença que, mesmo apresentando números importantes e acometendo parcela significativa da população, ainda não é reconhecida pelas pessoas como uma doença importante que deve ser cuidada”, alerta. “É comum ouvir relatos de pacientes que têm vergonha de avisar no trabalho que estão com enxaqueca ou que tem a vida social completamente afetada pelas crises”, ressalta.

Peres explica que o diagnóstico é feito a partir dos sintomas e com base na percepção dos pacientes, não existe um exame de imagem ou um dado que constate a enxaqueca e isso é um dos motivos pelo qual a sociedade tem mais dificuldade de entender a doença. São cinco itens que determinam se o paciente tem ou não enxaqueca: mais de cinco crises na vida, com duração de 4h a 72h; Dor latejante ou pulsante, com intensidade moderada a forte apenas de um lado da cabeça; sensibilidade com a luz; incômodo com barulho; e, náusea.

O tratamento é individualizado de acordo com as principais queixas e sintomas de cada paciente. Encaminhamento à psicoterapia, utilização de fitoterápicos, vitaminas, toxina botulínica ou remédios como antidepressivos, anti-hipertensivos, antiepiléticos e outros, desde que prescritos por médico, podem fazer parte do tratamento. “Menos da metade das pessoas que têm dores de cabeça sabem que podem ter enxaqueca, porque não procuram um médico e se automedicam com analgésicos. Já quem tem o diagnóstico, pouco procura o especialista para fazer a prevenção. O mais importante é que o paciente vá ao médico para entender qual medida deve ser tomada a partir de seu histórico individual”, conclui Dr. Mario Peres.

A respeito da Campanha Maio Bordô, a Diretora Médica da Teva Brasil, Arcangela Valle comenta: “Nosso principal objetivo desde o início da nossa trajetória é ter as pessoas no centro de tudo. Além de incentivar o conhecimento sobre a enxaqueca, procuramos dar o exemplo e criar um ambiente inclusivo para nossos colaboradores que enfrentam a doença, pensando na iluminação do ambiente de trabalho, uso de produtos de limpeza sem cheiro, criação de salas especiais para repouso durante as crises e muito mais”.

 

Referências

1 Steiner TJ, Stovner LJ, Vos T, Jensen R, Katsarava Z. Migraine is first cause of disability in under 50s: will health politicians now take notice? J Headache Pain. 2018 Feb 21; 19(1):17.

2 Atlas of Headache Disorders and Resources in the World 2011. Geneva: WHO; 2011.

Website: https://www.tevabrasil.com.br/privacy-policy/

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Franquias em alta: feira traz investimentos variados

Na 31ª edição da feira de franquias, o evento novidades de 400 marcas expositoras e espera visitação de mais de 60 mil pessoas

Publicado

em

por

São Paulo 19/6/2024 – Os empreendedores interessados em conhecer mais o setor poderão participar da ABF Franchising Expo, considerada uma das maiores feiras de franquias do mundo

Na 31ª edição da feira de franquias, o evento novidades de 400 marcas expositoras e espera visitação de mais de 60 mil pessoas

Segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o mercado de franquias no 1º trimestre registrou um crescimento nominal de 19,1% na comparação com o mesmo período de 2023. O faturamento geral do setor no período de 12 meses já ultrapassou os R$ 250 bilhões. A entidade avalia que esse resultado foi alavancado por fatores sazonais e o forte desempenho dos segmentos de Alimentação e Serviços e Outros Negócios.

O franchising oferece opções de investimento nos mais variados segmentos como alimentação, estética, educação, moda, aluguel de materiais de construção e piscinas com um modelo de negócio e produto ou serviço formatado e testado

Os empreendedores interessados em conhecer mais desse setor poderão participar da ABF Franchising Expo, considerada uma das maiores feiras de franquias do mundo. O evento ocorre de 26 de junho a 29 de junho no Expo Center Norte, em São Paulo, e contará com mais de 400 marcas expositoras, do Brasil e outros países. 

No evento, as marcas costumam apresentar as novidades e diferenciais. Dentre as quais estão: 

Calçados Bibi: Com 75 anos de história, duas plantas fabris e 150 operações, a marca visa ampliar a presença em estados brasileiros e no exterior, em países da Europa e da América Latina, com 10 novas lojas nacionais e 10 internacionais. Tendo as vendas digitais como uma frente de atuação, a Bibi consegue oferecer diversas possibilidades aos clientes que desejam comprar calçados para crianças de 0 a 9 anos, seja por meio da internet, no aplicativo de smartphone, nos pontos de venda físicos ou até mesmo no conforto da sua própria casa. O investimento inicial é a partir de R$ 400 mil, com lucro médio mensal que varia de 12% a 15%, e prazo de retorno de 36 meses.

Casa do Construtor: A  Rede leva à ABF Franchising Expo seu plano de expansão focado em cidades de pequeno porte, distantes de grandes centros.  Com mais de 700 operações, sendo cinco no Paraguai e duas no Uruguai, atua na locação de equipamentos para construção civil, limpeza, pintura e jardinagem. Em 2023, a Casa do Construtor cresceu 20%, com faturamento de R$ 834 milhões e abertura de 140 operações. Para 2024, as metas são chegar a R$ 980 milhões e 150 novas unidades; para 2025, o faturamento deve chegar a R$ 1 bilhão, totalizando mil operações.

Milon: Pertencente ao Grupo Kyly, a Milon visa apresentar a marca aos que desejam investir no próprio negócio e aumentar o mix de operações com foco em vestuário infantil em diferentes shopping centers. Para este ano, a rede, que oferece peças com inspiração europeia que vão do recém-nascido ao tamanho 14, planeja 15 novas unidades, com foco no Nordeste, Sudeste e Sul, além de seguir com a estratégia de conversão de lojas próprias para franquias, de pelo menos 15 pontos ao longo deste ano. Em 2023, a Milon teve um crescimento de 24%, alcançando mais de R$ 150 milhões em faturamento, além de um Same Stores Sales de 10%. Para 2024, a projeção é de um incremento de 20% no faturamento anual. Para se tornar um franqueado o investimento é a partir de R$ 350 mil, com faturamento médio mensal de R$ 130 mil e prazo de retorno a partir de 24 meses.

MoveEdu: Com franquias de capacitação, desenvolvimento e formação de jovens para o mercado de trabalho, o Grupo MoveEdu é detentor das marcas Microlins, Prepara Cursos e Ensina Mais Turma da Mônica, que juntas já formaram mais de 6 milhões de alunos em cursos livres, profissionalizantes e de idiomas em mil escolas em todo o País. Recentemente, o grupo lançou as faculdades focando no conceito de educação continuada. Para expandir a presença no Brasil, a empresa estará na ABF Franchising Expo. Na ocasião, apresentará o conceito dos modelos de negócios de baixo investimento, se comparado a outras áreas, com receita recorrente, fácil gestão e boa rentabilidade de, em média, 40%. Há oportunidades para todos os estados brasileiros, com investimento inicial a partir de R$ 150 mil e prazo de retorno a partir de 12 meses. Em 2023, a MoveEdu registrou um faturamento de R$ 600 milhões e espera obter um crescimento de 20% neste ano.

Peça Rara Brechó – Fundada há 17 anos em Brasília, a marca é uma das principais do segmento second hand (uso de segunda mão) e economia circular. Atualmente com 180 lojas comercializadas pelo país e previsão de fechar 2024 com 300 unidades vendidas em seu plano de expansão. Uma das estratégias da marca para dobrar o número de unidades do ano passado será o lançamento da versão pocket da franquia. As novas lojas poderão ser implantadas em pequenos municípios ou bairros em grandes cidades ainda sem unidades do Peça Rara Brechó. Com espaço a partir de 100m² e setores feminino e infantil, o investimento total é de R$ 150 a 200 mil, já com taxa de franquia incluída. O plano de expansão também se estende pelas capitais do país que ainda não têm lojas da rede – Rio Branco, Boa Vista e Macapá.

Rede iGUi: A iGUi, apresenta os negócios da TRATABEM e da Splash com foco em sustentabilidade e satisfação dos franqueados e clientes. A grande atração será uma piscina instalada, e em pleno funcionamento, com uma particularidade três laterais transparentes.  Considerada pela Rede a “porta de entrada” em franquias, os visitantes poderão conhecer a microfranquia TRATABEM, criada em 2012, a marca é uma das pioneiras no oferecimento de serviços de limpeza, manutenção, assistência técnica e tratamento de água de todos os tipos de piscinas, além de soluções e serviços de reparo em piscinas de fibra, alvenaria e vinil. Com condição especial para a ABF Expo, o investimento inicial é de R$ 75 mil.

Royal Face: A rede participa desta edição da ABF Franchising Expo, buscando investidores para impulsionar sua expansão também no segmento de estética corporal, fortalecendo assim seu portfólio para um espectro maior de consumidores. Com mais de 270 clínicas em operação em todo o País, a rede atua com dois modelos de negócio, o Slim e o Premium e prevê o crescimento de 22 a 25% até o fim de 2024.  

 

Website: http://www.abf.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Saúde suplementar é tema de treinamento jurídico

A saúde suplementar é um setor complexo e em constante evolução, que exige um conhecimento especializado para acompanhar sua regulamentação, inovações e práticas em contínua transformação. Com o objetivo de capacitar profissionais nesse campo, o escritório M3BS Advogados criou sua própria escola de aperfeiçoamento profissional

Publicado

em

por

São Paulo 19/6/2024 – Com o objetivo de capacitar seus profissionais nesse campo, o escritório M3BS Advogados passou a formatar sua própria escola de aperfeiçoamento profissional.  

A saúde suplementar é um setor complexo e em constante evolução, que exige um conhecimento especializado para acompanhar sua regulamentação, inovações e práticas em contínua transformação. Com o objetivo de capacitar profissionais nesse campo, o escritório M3BS Advogados criou sua própria escola de aperfeiçoamento profissional

A saúde suplementar é um setor complexo e em constante evolução, exigindo um conhecimento especializado para acompanhar a regulamentação, inovações e práticas em contínua transformação. Com o objetivo de capacitar seus profissionais nesse campo, o escritório M3BS Advogados passou a formatar sua própria escola de aperfeiçoamento profissional.  

A evolução dessa iniciativa transbordou para profissionais da área da saúde suplementar dos times corporativos de clientes, levando ainda mais contribuições técnicas.  

A Academia M3BS é a consolidação de treinamentos acadêmicos e práticos, assim como do resultado de mesas redondas, discussão de análise de mercado, dinâmicas e de um programa interno de desenvolvimento de novos talentos, reciclagem e aperfeiçoamento, em ambiente de fomento de discussões e inovações da legislação jurídica e regulatória da saúde suplementar.  

Embora seja criada pelo escritório, a academia não se limita aos advogados do escritório. Pelo contrário, seu objetivo é abrir as portas para uma ampla gama de participantes interessados em aprofundar seus conhecimentos.    

Além dos advogados, a academia busca envolver profissionais de áreas relacionadas à saúde suplementar, como gestores de saúde, profissionais de planos de saúde, acadêmicos e pesquisadores. A ideia é promover um ambiente de aprendizado colaborativo e multidisciplinar, no qual diferentes perspectivas e experiências enriqueçam o conhecimento compartilhado.   

“O M3BS é reconhecido por sua trajetória de pioneirismo e inovação no setor da saúde suplementar. Nossa abordagem diferenciada e nossas soluções criativas têm sido cruciais para enfrentar os desafios complexos que surgem a cada dia. A Academia M3BS está intrinsecamente ligada a esse espírito pioneiro, buscando não apenas acompanhar, mas também antecipar as tendências e necessidades do mercado”, diz Lucas Miglioli, sócio do M3BS.   

Os treinamentos são oferecidos no formato híbrido, mesclando aulas presenciais e online. Entre os tópicos já abordados, estão “Mecanismos de Regulação”, “Direção Técnica e Direção Fiscal”, “Ressarcimento ao SUS”, “Elegibilidade, Vigência e Contratação dos Planos de Saúde” e Judicialização na Saúde. “Por meio desse programa de capacitação, queremos promover um aprendizado contínuo e especializado sobre os desafios e oportunidades no cenário da saúde suplementar, seja para nossos clientes, seja para profissionais de áreas específicas de saúde suplementar conectados a eles”, diz Fernando Bianchi, sócio do M3BS.   

 

Agenda de alguns dos treinamentos previstos para os próximos meses: 

  • 26/06: Reajuste – Abordagem sobre os critérios e processos de reajuste de preços dos planos de saúde, incluindo aspectos legais e econômicos. 
  • 10/07: Ouvidoria – Função e importância das ouvidorias nas operadoras de saúde suplementar, garantindo a qualidade do atendimento e a resolução de conflitos. 

 

Website: https://m3bs.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Como as empresas podem diminuir os altos reajustes em seus planos de saúde?

Muitas empresas não sabem, mas é possível reduzir os reajuste anuais de seus planos de saúde. O RH pode ajudar na conscientização dos funcionários quanto ao bom uso do plano e uma corretora de benefícios pode auxiliar no monitoramento e controle de custos plano de saúde visando à redução dos reajustes anuais.

Publicado

em

por

Rio de Janeiro, RJ 18/6/2024 – As empresas que oferecem o benefício do plano de saúde aos seus funcionários precisam estar assessoradas por uma corretora especializada no assunto.

Muitas empresas não sabem, mas é possível reduzir os reajuste anuais de seus planos de saúde. O RH pode ajudar na conscientização dos funcionários quanto ao bom uso do plano e uma corretora de benefícios pode auxiliar no monitoramento e controle de custos plano de saúde visando à redução dos reajustes anuais.

Toda pessoa que paga por um plano de saúde empresarial já deve ter notado os altos reajustes, em especial nos últimos 3 anos. Em alguns casos, os reajustes superaram 30%. Sabe-se que a utilização dos planos aumentou muito após a pandemia da Covid-19. Outro fator, oculto e silencioso, também é um grande responsável por estes aumentos: a enorme quantidade de fraudes no uso dos planos de saúde. Neste contexto desafiador, o que as empresas podem fazer para reduzir seus custos com o plano de saúde empresarial?

O que determina os reajustes dos planos de saúde?

Entender os fatores que determinam os reajustes dos planos de saúde é fundamental para compreender o que as empresas podem fazer proativamente para reduzir seus custos dos seus planos de saúde. Há 2 fatores por trás da equação do aumento dos planos:

  • A Variação dos Custos Médicos Hospitalares (VCMH), índice mais conhecido como inflação médica;
  • A taxa de sinistralidade da operadora, que é o quanto a operadora gastou com a prestação dos serviços médicos dividido por quanto ela arrecadou com as mensalidades.

O VCMH é um fator sobre o qual temos menos controle, mas uma coisa é certa: com o avanço da tecnologia na área médica e tratamentos mais modernos, sua tendência é de alta. A inflação médica tende a ser sempre mais alta que o IPCA.

Sobre sinistralidade, tipicamente, as operadoras têm como meta alcançar uma razão de pelo menos 70% entre o que gastou e o que recebeu. Este número, que seria o máximo aceitável pela operadora de saúde, é conhecido como breakeven do plano. Se a sinistralidade ficar acima do breakeven, pode-se esperar um grande aumento do plano no próximo exercício.

O impacto das fraudes

Segundo o Instituto de Estudos da Saúde Suplementar, IESS, em 2022, estima-se que as fraudes tenham gerado perdas de até R$ 34 bilhões aos planos de saúde no Brasil. Entre as fraudes mais comuns, encontram-se:

  • Fracionamento de recibos, para maiores reembolsos
  • Notas fiscais falsas
  • Solicitação de reembolso de procedimentos não realizados
  • Cobranças por procedimentos ou exames não realizados
  • Empréstimo da carteirinha para outra pessoa
  • Adulteração do tipo de atendimento, declarando procedimentos não cobertos, principalmente estéticos, como outro tipo, coberto.

As fraudes aumentam muito o índice de sinistralidade das operadoras, resultando em maiores reajustes e aumento geral nos preços.

Neste contexto desafiador, há algumas iniciativas que as empresas podem fazer para que seus planos de saúde reajustem menos.

  1. Orientar sobre o uso racional do plano de saúde

As empresas devem orientar os funcionários sobre a importância de se utilizar o plano de saúde com parcimônia. Por exemplo: não correr para o pronto-socorro ao primeiro mal-estar ou febre. Muitas vezes, a teleconsulta, já disponível na maioria dos planos de saúde, pode ajudar o usuário a determinar a gravidade do problema.

Outro exemplo de uso racional seria priorizar a rede credenciada em vez da rede particular, que, quando usada com reembolso, é mais custosa. Este cuidado deve ser ainda maior na parte de exames já que, na maioria dos casos, principalmente nos planos bons, que possuem reembolso, há ótimos laboratórios credenciados.

  1. Focar na prevenção de doenças

A prevenção de doenças, principalmente as graves, é sempre mais barato que o tratamento tardio delas. Por isso, os exames preventivos de doenças como câncer de mama, de cólon de útero e de próstata devem ser feitos regularmente pela população onde estes são recomendados. O RH das empresas deve estimular os exames preventivos, aproveitando as campanhas já existentes, como Outubro Rosa e Novembro Azul, ou criando comunicações específicas e adicionais sobre o tema.

  1. Ter dados sobre o perfil dos colaboradores

Para o RH trazer comunicações e ações eficazes é fundamental entender o perfil dos colaboradores da empresa. Por exemplo: em uma população composta majoritariamente de homens, talvez não valha a pena gastar muito tempo falando da importância do pré-natal bem feito. No entanto, se o RH souber que estão ocorrendo muitos atendimentos ortopédicos, sobretudo por dores de coluna, talvez seja necessário rever a ergonomia de mesas e cadeiras do escritório ou promover algum tipo de ação in-company, como ginástica laboral ou quick massage.

  1. Auditoria, análise e controle da utilização

Educar é bom, mas controlar é ainda melhor. Se a empresa souber, por exemplo, que o uso do reembolso aumentou consideravelmente, o que é péssimo para a sinistralidade do plano, ela pode chegar à conclusão que ou há um problema de rede credenciada em alguns locais ou os funcionários estão cometendo abusos ou até fraudes.

Pode-se também verificar os top prestadores, para entender onde o plano tem sido usado com mais frequência e, eventualmente, detectar algum padrão suspeito, como por exemplo, clínicas de estéticas disfarçadas de clínicas dermatológicas. E, como último exemplo, com um bom monitoramento, pode-se ver como está o uso da telemedicina e como estão os exames preventivos entre a população indicada para tais, e estimular comportamentos desejados.

Implementar estes 4 pontos nas empresas não é trivial, mas fica mais fácil se elas utilizarem um sistema de Business Intelligence (BI) em Saúde. As empresas podem contratar um BI de Saúde através de corretoras de benefícios especializadas.

O diretor da unidade de Benefícios Corporativos da Garantia Corretora de Seguros, Marcelo Pinto, comenta: “As empresas que oferecem plano de saúde aos seus funcionários precisam estar assessoradas por uma corretora especializada no assunto. Na Garantia, implementamos, sem custo algum para o cliente, um sistema de BI de Saúde em todos os nossos clientes com mais de 100 vidas, treinamos o RH para sua utilização, e entregamos relatórios mensalmente sobre a utilização. E, principalmente: quando se aproxima o reajuste anual, utilizamos os dados obtidos como argumentos de negociação para reduzir o custo para nossos clientes.”

Comunicar e orientar sobre a correta utilização dos planos de saúde é importante para os RHs, mas monitorar é mais efetivo. Neste sentido, ter o suporte de uma corretora especializada no assunto faz toda a diferença.

 

Website: http://www.garantiaseg.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...