Conecte-se conosco

Notícias

Como as empresas podem diminuir os altos reajustes em seus planos de saúde?

Muitas empresas não sabem, mas é possível reduzir os reajuste anuais de seus planos de saúde. O RH pode ajudar na conscientização dos funcionários quanto ao bom uso do plano e uma corretora de benefícios pode auxiliar no monitoramento e controle de custos plano de saúde visando à redução dos reajustes anuais.

Publicado

em

Rio de Janeiro, RJ 18/6/2024 – As empresas que oferecem o benefício do plano de saúde aos seus funcionários precisam estar assessoradas por uma corretora especializada no assunto.

Muitas empresas não sabem, mas é possível reduzir os reajuste anuais de seus planos de saúde. O RH pode ajudar na conscientização dos funcionários quanto ao bom uso do plano e uma corretora de benefícios pode auxiliar no monitoramento e controle de custos plano de saúde visando à redução dos reajustes anuais.

Toda pessoa que paga por um plano de saúde empresarial já deve ter notado os altos reajustes, em especial nos últimos 3 anos. Em alguns casos, os reajustes superaram 30%. Sabe-se que a utilização dos planos aumentou muito após a pandemia da Covid-19. Outro fator, oculto e silencioso, também é um grande responsável por estes aumentos: a enorme quantidade de fraudes no uso dos planos de saúde. Neste contexto desafiador, o que as empresas podem fazer para reduzir seus custos com o plano de saúde empresarial?

O que determina os reajustes dos planos de saúde?

Entender os fatores que determinam os reajustes dos planos de saúde é fundamental para compreender o que as empresas podem fazer proativamente para reduzir seus custos dos seus planos de saúde. Há 2 fatores por trás da equação do aumento dos planos:

  • A Variação dos Custos Médicos Hospitalares (VCMH), índice mais conhecido como inflação médica;
  • A taxa de sinistralidade da operadora, que é o quanto a operadora gastou com a prestação dos serviços médicos dividido por quanto ela arrecadou com as mensalidades.

O VCMH é um fator sobre o qual temos menos controle, mas uma coisa é certa: com o avanço da tecnologia na área médica e tratamentos mais modernos, sua tendência é de alta. A inflação médica tende a ser sempre mais alta que o IPCA.

Sobre sinistralidade, tipicamente, as operadoras têm como meta alcançar uma razão de pelo menos 70% entre o que gastou e o que recebeu. Este número, que seria o máximo aceitável pela operadora de saúde, é conhecido como breakeven do plano. Se a sinistralidade ficar acima do breakeven, pode-se esperar um grande aumento do plano no próximo exercício.

O impacto das fraudes

Segundo o Instituto de Estudos da Saúde Suplementar, IESS, em 2022, estima-se que as fraudes tenham gerado perdas de até R$ 34 bilhões aos planos de saúde no Brasil. Entre as fraudes mais comuns, encontram-se:

  • Fracionamento de recibos, para maiores reembolsos
  • Notas fiscais falsas
  • Solicitação de reembolso de procedimentos não realizados
  • Cobranças por procedimentos ou exames não realizados
  • Empréstimo da carteirinha para outra pessoa
  • Adulteração do tipo de atendimento, declarando procedimentos não cobertos, principalmente estéticos, como outro tipo, coberto.

As fraudes aumentam muito o índice de sinistralidade das operadoras, resultando em maiores reajustes e aumento geral nos preços.

Neste contexto desafiador, há algumas iniciativas que as empresas podem fazer para que seus planos de saúde reajustem menos.

  1. Orientar sobre o uso racional do plano de saúde

As empresas devem orientar os funcionários sobre a importância de se utilizar o plano de saúde com parcimônia. Por exemplo: não correr para o pronto-socorro ao primeiro mal-estar ou febre. Muitas vezes, a teleconsulta, já disponível na maioria dos planos de saúde, pode ajudar o usuário a determinar a gravidade do problema.

Outro exemplo de uso racional seria priorizar a rede credenciada em vez da rede particular, que, quando usada com reembolso, é mais custosa. Este cuidado deve ser ainda maior na parte de exames já que, na maioria dos casos, principalmente nos planos bons, que possuem reembolso, há ótimos laboratórios credenciados.

  1. Focar na prevenção de doenças

A prevenção de doenças, principalmente as graves, é sempre mais barato que o tratamento tardio delas. Por isso, os exames preventivos de doenças como câncer de mama, de cólon de útero e de próstata devem ser feitos regularmente pela população onde estes são recomendados. O RH das empresas deve estimular os exames preventivos, aproveitando as campanhas já existentes, como Outubro Rosa e Novembro Azul, ou criando comunicações específicas e adicionais sobre o tema.

  1. Ter dados sobre o perfil dos colaboradores

Para o RH trazer comunicações e ações eficazes é fundamental entender o perfil dos colaboradores da empresa. Por exemplo: em uma população composta majoritariamente de homens, talvez não valha a pena gastar muito tempo falando da importância do pré-natal bem feito. No entanto, se o RH souber que estão ocorrendo muitos atendimentos ortopédicos, sobretudo por dores de coluna, talvez seja necessário rever a ergonomia de mesas e cadeiras do escritório ou promover algum tipo de ação in-company, como ginástica laboral ou quick massage.

  1. Auditoria, análise e controle da utilização

Educar é bom, mas controlar é ainda melhor. Se a empresa souber, por exemplo, que o uso do reembolso aumentou consideravelmente, o que é péssimo para a sinistralidade do plano, ela pode chegar à conclusão que ou há um problema de rede credenciada em alguns locais ou os funcionários estão cometendo abusos ou até fraudes.

Pode-se também verificar os top prestadores, para entender onde o plano tem sido usado com mais frequência e, eventualmente, detectar algum padrão suspeito, como por exemplo, clínicas de estéticas disfarçadas de clínicas dermatológicas. E, como último exemplo, com um bom monitoramento, pode-se ver como está o uso da telemedicina e como estão os exames preventivos entre a população indicada para tais, e estimular comportamentos desejados.

Implementar estes 4 pontos nas empresas não é trivial, mas fica mais fácil se elas utilizarem um sistema de Business Intelligence (BI) em Saúde. As empresas podem contratar um BI de Saúde através de corretoras de benefícios especializadas.

O diretor da unidade de Benefícios Corporativos da Garantia Corretora de Seguros, Marcelo Pinto, comenta: “As empresas que oferecem plano de saúde aos seus funcionários precisam estar assessoradas por uma corretora especializada no assunto. Na Garantia, implementamos, sem custo algum para o cliente, um sistema de BI de Saúde em todos os nossos clientes com mais de 100 vidas, treinamos o RH para sua utilização, e entregamos relatórios mensalmente sobre a utilização. E, principalmente: quando se aproxima o reajuste anual, utilizamos os dados obtidos como argumentos de negociação para reduzir o custo para nossos clientes.”

Comunicar e orientar sobre a correta utilização dos planos de saúde é importante para os RHs, mas monitorar é mais efetivo. Neste sentido, ter o suporte de uma corretora especializada no assunto faz toda a diferença.

 

Website: http://www.garantiaseg.com.br

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Exposição excessiva a telas aumenta riscos oculares

A onipresença das telas na rotina moderna é inegável, com impactos significativos na saúde ocular. Crianças que passam mais de duas horas diárias em frente a dispositivos eletrônicos têm maior risco de desenvolver miopia, uma condição que, segundo a OMS, está se tornando uma epidemia global.

Publicado

em

por

São Paulo 19/7/2024 – As crianças que passam mais de duas horas diárias em frente a telas têm maiores chances de desenvolver problemas oculares, como a miopia.

A onipresença das telas na rotina moderna é inegável, com impactos significativos na saúde ocular. Crianças que passam mais de duas horas diárias em frente a dispositivos eletrônicos têm maior risco de desenvolver miopia, uma condição que, segundo a OMS, está se tornando uma epidemia global.

A presença onipresente das telas em nossa rotina moderna é inegável. Seja no trabalho, nas escolas, universidades ou momentos de lazer, a tecnologia se faz presente por meio de computadores, celulares, tablets, televisores e outros dispositivos eletrônicos. No entanto, essa exposição contínua à iluminação artificial desses aparelhos traz consigo riscos para a saúde ocular, especialmente no que diz respeito à progressão da miopia em crianças e adolescentes.

Verifica-se que crianças que passam duas ou mais horas diárias em frente a essas telas têm maiores chances de desenvolver problemas oculares. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a miopia está se tornando uma epidemia global, com altos índices em vários países. A estimativa é que, até 2050, metade da população mundial seja afetada pela condição.

Adiel Fares, CEO da Clínica Fares, alerta: “As crianças que passam mais de duas horas diárias em frente a telas têm maiores chances de desenvolver problemas oculares, como a miopia.” Ele acrescenta que a exposição excessiva à luz azul emitida por esses dispositivos pode causar fadiga ocular e, em longo prazo, contribuir para o desenvolvimento de outras complicações visuais.

Estudos apontam que não são apenas as crianças que estão em risco. Adultos que passam horas trabalhando em computadores ou navegando em smartphones também estão suscetíveis a uma série de problemas visuais. O uso prolongado desses dispositivos pode levar à síndrome do olho seco, cuja prevalência tem aumentado significativamente nos últimos anos.

A adoção de medidas preventivas é crucial para mitigar esses riscos. Especialistas recomendam a regra 20-20-20, que consiste em, a cada 20 minutos de uso de tela, olhar para um objeto a 20 pés de distância (aproximadamente 6 metros) por 20 segundos. Além disso, é aconselhável promover atividades ao ar livre, especialmente entre crianças, para desacelerar a progressão da miopia.

Em conclusão, o equilíbrio entre a utilização da tecnologia e o cuidado com a saúde ocular deve ser prioridade tanto para pais quanto para educadores e profissionais. Monitorar e limitar o tempo de tela pode ser decisivo para a prevenção de problemas visuais futuros.

Website: http://www.clinicafares.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Durante o inverno, os picos de hipertensão podem se agravar

A entrada do inverno e suas baixas temperaturas estão associadas ao aumento de casos de hipertensão e outras doenças cardiovasculares. Especialistas destacam cuidados necessários durante a estação.

Publicado

em

por

São Paulo 19/7/2024 – O frio contrai vasos sanguíneos, eleva pressão arterial e frequência cardíaca, sobrecarregando o coração. Também aumenta cortisol e a formação de coágulos.

A entrada do inverno e suas baixas temperaturas estão associadas ao aumento de casos de hipertensão e outras doenças cardiovasculares. Especialistas destacam cuidados necessários durante a estação.

A chegada do inverno traz consigo um aumento na preocupação com a saúde cardiovascular. De acordo com o Instituto Nacional de Cardiologia, as temperaturas abaixo de 14°C podem provocar um aumento de até 30% nos casos de infarto. Além disso, a incidência de Acidente Vascular Cerebral (AVC) cresce em 20% durante essa estação.

As pessoas mais afetadas pelas baixas temperaturas são aquelas com idades entre 75 e 84 anos, além de indivíduos que já possuem doenças cardíacas. Esse fenômeno ocorre devido a um mecanismo natural do corpo: a vasoconstrição dos vasos sanguíneos em resposta ao frio, que visa conservar calor, mas acaba sobrecarregando o coração e elevando a pressão arterial.

Adiel Fares, cardiologista CEO da Clínica Fares comenta: “O frio contrai vasos sanguíneos, eleva pressão arterial e frequência cardíaca, sobrecarregando o coração. Também aumenta o cortisol e a formação de coágulos.”

Outro fator que eleva o risco de doenças cardiovasculares no inverno é a maior ocorrência de infecções respiratórias, que sobrecarregam o sistema circulatório. Idosos e pessoas com múltiplas comorbidades são mais vulneráveis devido à menor capacidade funcional de órgãos vitais como rins, fígado e vasos sanguíneos.

Além dessas questões, outros elementos do estilo de vida no inverno agravam o problema. Entre eles estão a desidratação, a alimentação inadequada e o sedentarismo. “No inverno, há um risco maior de desidratação, pois as pessoas sentem menos sede e tendem a beber menos água. Isso torna o sangue mais espesso e dificulta a circulação, aumentando a pressão arterial,” alerta Adiel Fares, CEO do Grupo Fares.

Para proteger a saúde durante o inverno, é fundamental monitorar a pressão arterial, manter uma alimentação equilibrada e realizar atividades físicas regularmente. Além disso, pessoas com doenças cardíacas e outras comorbidades devem seguir rigorosamente as orientações médicas.

A melhor abordagem inclui evitar a exposição excessiva ao frio, hidratação constante e uma dieta saudável, que pode ajudar a minimizar os riscos associados às baixas temperaturas.

Website: http://www.clinicafares.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Empresas de apostas no Brasil devem reportar suspeitas

Empresas de apostas brasileiras serão obrigadas a implementar novas normas que incluem a verificação da identidade dos apostadores e a notificação de transações suspeitas às autoridades competentes

Publicado

em

por

São Paulo 19/7/2024 –

Empresas de apostas brasileiras serão obrigadas a implementar novas normas que incluem a verificação da identidade dos apostadores e a notificação de transações suspeitas às autoridades competentes

A partir de janeiro de 2025, as empresas de apostas no Brasil enfrentarão novas regulamentações que exigem validação da identidade dos apostadores, classificação de riscos para clientes, colaboradores e fornecedores, e comunicação de transações suspeitas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF). As novas diretrizes, publicadas pela Secretaria de Prêmios e Apostas do Ministério da Fazenda, têm como objetivo combater a lavagem de dinheiro e garantir a integridade do mercado de apostas no país. 

Essas regras estabelecem que as empresas devem monitorar de perto apostas com sinais de irregularidade, incluindo aquelas sem fundamento econômico ou legal, incompatíveis com as práticas de mercado, ou com indícios de lavagem de dinheiro. Apostas na modalidade bolsa de apostas (bet exchange) e movimentações financeiras atípicas também serão objeto de atenção especial. As informações coletadas devem ser mantidas por pelo menos cinco anos, destacando a importância do registro e manutenção de dados detalhados para futuras análises e auditorias. 

Rodolpho Takahashi, CEO do Grupo IAUDIT, empresa especializada em auditorias, Background Check e Canais de Denúncias, ressalta a importância dessas medidas: “A realização de Background Check é crucial para garantir a segurança e integridade das operações. Estas verificações permitem identificar e mitigar riscos potenciais, protegendo não apenas as empresas, mas também os próprios apostadores e o mercado como um todo.” 

O foco na implementação do Background Check e na comunicação de transações suspeitas ao COAF reflete um esforço significativo para aumentar a transparência e a segurança no mercado de apostas brasileiro. As novas regulamentações não apenas ajudam a prevenir a lavagem de dinheiro, mas também visam a proteger a integridade financeira do mercado, assegurando que as práticas de apostas estejam em conformidade com os padrões legais e éticos. 

A expectativa é que essas medidas resultem em um mercado de apostas mais seguro e transparente, onde todos os participantes, desde apostadores até empresas e reguladores, possam operar com maior confiança. A implementação rigorosa dessas diretrizes estabelece um novo patamar para o setor de apostas no Brasil, alinhando-se às melhores práticas internacionais e promovendo um ambiente de jogo mais justo e seguro. 

Sobre o Grupo IAUDIT: O Grupo IAUDIT oferece auditorias, consultoria empresarial e tecnologia de ponta especialmente para Background Check, Portal de Apelação e Canal de Denúncias. 

Website: https://www.iaudit.com.br/

Continuar Lendo

Em Alta

...