Conecte-se conosco

notícias

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais no contexto do mercado de crédito

Segurança jurídica e atração de investimentos estão entre os benefícios da lei

Publicado

em

28/10/2020 –

Segurança jurídica e atração de investimentos estão entre os benefícios da lei

Com o objetivo de definir regras para o tratamento dos dados pessoais, um dos ativos mais valiosos em circulação no mundo atualmente, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) entrou em vigor no dia 18 de setembro. Enquanto as pessoas físicas terão seus direitos protegidos em relação ao tratamento das suas informações, a LGPD irá orientar pessoas jurídicas no sentido de como tratar esses dados segundo critérios e regras que assegurem seu uso ético, sem ferir a privacidade dos titulares de dados. 

Na avaliação de Elias Sfeir, presidente da Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC), para o Brasil, de forma geral, a lei promoverá a segurança jurídica necessária para atrair investimentos externos e estimular o desenvolvimento da economia, da tecnologia e do bem-estar social.

Inspirada no Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR, na sigla em inglês), da União Europeia, que entrou em vigor em maio de 2018, a LGPD tem como uma de suas mais importantes contribuições a autodeterminação informativa, que se refere ao direito do titular de dados saber quem sabe o que sobre ele. 

Nesse contexto, muito antes da LGPD, os birôs de crédito já ofereciam aos titulares dos dados amplo acesso às suas informações. No Código de Defesa do Consumidor (CDC), assim como na Lei do Cadastro Positivo, estão presentes os princípios da justiça no tratamento das informações, como acesso ou participação, integridade, segurança e reparação – todos eles incluídos também na LGPD. Esses princípios são consagrados internacionalmente, com destaque para o Canadá, os Estados Unidos e a Europa.

“Os birôs deram importantes contribuições nesse sentido à lei que alterou o Cadastro Positivo. A LGPD, a Lei do Cadastro Positivo e o Código de Defesa do Consumidor formam a tríade de leis de defesa do consumidor”, afirma Sfeir. O artigo quinto da Lei do Cadastro Positivo, por exemplo, que trata dos direitos do cadastrado, fortalece a autodeterminação informativa nesse âmbito ao assegurar os seguintes direitos ao cadastrado: cancelamento ou reabertura do cadastro, quando solicitado; acesso gratuito, independentemente de justificativa, às informações existentes nos bancos de dados, inclusive histórico e nota de crédito, cabendo ao gestor de banco de dados (GBD) manter sistemas seguros, por telefone ou meio eletrônico, de consulta às informações pelo cadastrado; impugnação de informação erroneamente anotada em bancos de dados e sua correção ou cancelamento em todos os bancos de dados que compartilharam a informação; e ser informado previamente sobre a identidade do gestor, armazenamento e objetivo do tratamento dos dados pessoais.

Em relação ao tratamento dos dados, o artigo sétimo da LGPD prevê dez bases legais ou hipóteses de tratamento para dados pessoais, sem que haja qualquer hierarquia. O setor de birôs de crédito utiliza, na maioria de suas atividades, a base legal do inciso X: proteção do crédito, inclusive em sintonia com a lei do Cadastro Positivo. Os birôs de crédito lidam também com dados pessoais, que são todos aqueles relacionados a uma pessoa natural ou física identificada ou identificável.

A LGPD entrou em vigor sem que a Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais (ANPD) estivesse em funcionamento, mas a ANPD deve iniciar suas operações em breve. Isso porque a Presidência da República aprovou a estrutura regimental da ANPD, o quadro demonstrativo dos cargos em comissão e das funções de confiança, e indicou os cinco membros do Conselho Diretor que já foram aprovados pelo Senado Federal.

Na visão do setor dos birôs de crédito, a ANPD é fundamental porque a LGPD possui inúmeros dispositivos que necessitam de regulamentação ou orientação da Autoridade competente. “ANPD é essencial, ainda, para que haja segurança jurídica em relação à definição da melhor interpretação das regras com vistas a manter o equilíbrio entre proteção dos titulares dos dados pessoais e desenvolvimento econômico e social”, afirma o  presidente da ANBC. 

“Sem sua condução estratégica e educativa, as múltiplas interpretações de outras esferas públicas tenderão a causar insegurança jurídica e milhares de ações judiciais, que poderiam ser resolvidas em boa parte dos casos por instruções e orientações prévias da Autoridade competente”, finaliza Sfeir. 

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

notícias

Liderança feminina impulsiona a performance e lucratividade de startups

A representatividade feminina no comando das startups tem avançado. Várias pesquisas indicam a correlação entre diversidade de gênero na liderança e o desempenho superior em geração de valor financeiro e competitivo de longo prazo.

Publicado

em

por

Campinas, SP 8/3/2021 – Startups criadas por pelo menos uma mulher possuem desempenho 63% melhor e resultados financeiros até 2,5 vezes superiores.

A representatividade feminina no comando das startups tem avançado. Várias pesquisas indicam a correlação entre diversidade de gênero na liderança e o desempenho superior em geração de valor financeiro e competitivo de longo prazo.

A presença das mulheres em posições de liderança vem crescendo ano a ano e nos ecossistemas de inovação não é diferente. A representatividade feminina tem tido cada vez mais espaço no comando das startups e, além de equilíbrio de gênero, pesquisas apontam que empresas com pelo menos uma cofundadora apresentam melhor desempenho em comparação àquelas iniciadas apenas por homens.

O continente Latino-Americano possui 16% de representatividade de mulheres em posições seniores em tecnologia da informação, conforme pesquisa realizada pela KPMG em parceria com a Harvey Nash. Apesar dessa porcentagem ainda ser pequena, ela é superior à média global de 11% de mulheres em posições seniores em tecnologia da informação.

Um estudo feito pelo fundo de capital de risco First Round Capital apontou que as startups fundadas por mulheres apresentam performance 63% melhor. Ainda neste sentido, segundo o Boston Consulting Group, a cada dólar que uma mulher fundadora ou cofundadora levanta, ela gera 2,5 vezes mais receita do que um fundador do gênero masculino. Adicionalmente, a pesquisa realizada pela McKinsey denominada Delivering Through Diversity mostra que empresas que possuem diversidade de gênero na direção possuem lucratividade 21% superior.

Cenário brasileiro

De acordo com dados do Cubo Itaú, hub de inovação e plataforma de geração de negócios entre startups, as mulheres ocupam posições de liderança em 28% das startups da comunidade. O número está acima da média nacional, pois segundo a Associação Brasileira de Startups apenas 15,7% possuem mulheres à frente do negócio.

As barreiras culturais ainda são os maiores empecilhos para esse crescimento, especialmente em ambientes de tecnologia, mas avanços podem ser percebidos. Para se ter uma ideia, somente 20% dos profissionais da área de Tecnologia da Informação no Brasil são mulheres, conforme o estudo da Softex.

Mulheres na Liderança Tecnológica

Mudanças mais significativas ainda são necessárias para se consolidar um cenário de maior diversidade nas empresas, principalmente no ramo de tecnologia e na liderança de startups de tecnologia, mas sinais de avanço já podem ser observados. O estudo da Crunchbase mostra que a porcentagem de startups com apenas fundadoras que captaram investimentos nos últimos 10 anos foi cerca de 3% do total de recursos no mercado, enquanto as startups que contam com fundadoras e fundadores captaram três vezes mais. Por outro lado, a boa notícia é que o investimento em startups com ao menos uma cofundadora aumentou em oito vezes nos últimos dez anos.

O Brasil possui casos de sucesso como startups de alta tecnologia lideradas por mulheres que estão crescendo e captando investimentos, e até uma das empresas consideradas como “unicórnios” brasileiros, o Nubank, tem uma cofundadora, a Cristina Junqueira. Outro caso interessante é o da Neuralmind, startup desenvolvedora de produtos de Inteligência Artificial para mercado financeiro e segurador, baseada em Campinas, São Paulo. A startup é liderada pela engenheira Patricia Tavares, CEO e cofundadora da empresa, que mesmo no contexto econômico ainda mais desafiador devido à pandemia tem alcançado conquistas importantes.

Nesse período, a NeuralMind aumentou o número de clientes, captou seu primeiro investimento seed e conseguiu reconhecimentos importantes, como a recente seleção para integrar o Cubo Itaú. Além disso, pelo segundo ano consecutivo, a Neuralmind foi premiada no ranking 100 Open Startups, que destaca as startups líderes no mercado brasileiro. E, também, foi destaque entre as 10 melhores startups de Inteligência Artificial, categoria inédita no prêmio. Em 2019, a startup já havia sido reconhecida entre as Top 10 na categoria de Visão Computacional. “Sinto-me totalmente parte de um movimento de mulheres que acreditaram em seu espaço na alta liderança”, conta Patricia.

Uma sócia mulher

Mais que estudos e pesquisas, quem salienta os benefícios da presença feminina no comando da startup é Roberto Lotufo, sócio-fundador da NeuralMind e CTO. Segundo ele, as qualidades das mulheres somam muito aos negócios. “Elas são multitarefas, conseguem fazer várias coisas simultaneamente e com qualidade, têm uma sensibilidade e percepção dos relacionamentos humanos muito aguçados. Sem contar no espírito materno para defender com afinco a equipe”, diz.

Lofuto valoriza a atuação da sócia no atual patamar alcançado pela startup. “A Patricia é admirável na sua coragem, ousadia, capacidade de liderança, resiliência e determinação. Todos esses fatores refletem o estágio de crescimento que a NeuralMind conquistou até hoje. Trabalhamos em conjunto, mas o drive da empresa é dado por ela, sem dúvida”, completa.

Exemplos que inspiram

Ver mulheres no topo serviu de inspiração para Patricia, que mirou em pessoas como a Primeira-ministra do Reino Unido, Margaret Tatcher, e a juíza norte-americana Ruth Bader Ginsburg, “Elas foram grandes mulheres, com trajetórias exemplares. Assim como elas se tornaram referência para mim, acredito que nosso exemplo pode inspirar a próxima geração de líderes femininas. Por isso, acredito ser nosso papel estimular o desenvolvimento da liderança em outras mulheres”, destaca.

Segundo Patricia, o caminho para escalar a trilha da liderança possui muitos desafios, mas os exemplos de mulheres bem-sucedidas no comando de empresas cresce cada vez mais. “Acredite no seu potencial e trabalhe duro para continuar expandindo suas competências. Seja sempre flexível mas determinada. Mantenha uma postura de aprendizado, mudança constante e o sucesso virá”, aconselha.

Futuro

A partir da sua visão sistêmica do negócio e das perspectivas futuras, Patricia busca cada vez mais inserir mulheres em seu time e encorajar o ingresso feminino no universo da inovação.

“Nosso objetivo é trabalhar constantemente na evolução da tecnologia e na incorporação dela em negócios de diferentes portes, permitindo que as competências das pessoas, homens e mulheres, seja mais bem empregada em trabalhos mais criativos e complexos. O progresso de empresas de tecnologia como a nossa abre oportunidade para reconhecermos cada vez mais o talento feminino nessa área, tão tradicionalmente ocupada por homens”, reforça.

 

 

 

Website: http://www.neuralmind.ai

Continuar Lendo

notícias

Perspectivas para os supermercados em 2021

Apesar dos desafios e das incertezas sobre a retomada econômica, supermercadistas esperam um 2021 favorável para o varejo

Publicado

em

por

Florianópolis – SC 8/3/2021 –

Apesar dos desafios e das incertezas sobre a retomada econômica, supermercadistas esperam um 2021 favorável para o varejo

Em meio à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, os supermercados foram um dos setores que mais se destacaram na economia no ano passado.

De acordo com o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), 2020 acumulou alta de 9,36% em relação a 2019. Uma pesquisa da entidade, divulgada no início de fevereiro deste ano, mostrou que as vendas em dezembro cresceram 18% em relação a novembro. Já na comparação com dezembro de 2019, o aumento foi de 11,5%.

Segundo o vice-presidente da ABRAS, Marcio Milan, o auxílio emergencial teve grande impacto nesse resultado, pois grande parte desses recursos foram utilizados no varejo.

2020: superação de dificuldades

Apesar do crescimento, o setor também precisou superar desafios no ano passado. Uma das dificuldades, segundo Milan, foi o aumento dos custos operacionais devido à alta da inflação e do dólar. Além disso, os investimentos para adequação das lojas aos protocolos de segurança sanitária também sacrificaram as finanças dos supermercadistas.

Em evento realizado em novembro pela Associação Paranaense de Supermercados (APRAS), o presidente da entidade, Carlos Beal, também afirmou que 2020 foi um ano de dificuldades. No entanto, oportunidades também se fizeram presentes.

Segundo Bial, o setor contratou cerca de 15 mil pessoas desde o início da pandemia até novembro do ano passado. E o evento promovido pela APRAS teve como objetivo justamente orientar o varejo de todos os portes e regiões do país para que soubessem como iniciar e o que fazer em 2021.

Perspectivas para os supermercados em 2021

Segundo especialistas do mercado financeiro, a tendência para 2021 é de que o segmento se fortaleça ainda mais e assuma uma posição ainda melhor do que tinha antes da pandemia.

Um dos motivos é o fato de que, com o home-office, muitas pessoas mudaram os seus hábitos de consumo. As refeições, que passaram a ser feitas em casa, é um dos exemplos dessa mudança de comportamento. Embora algumas empresas já tenham retomado as atividades presenciais, muitas ainda mantêm o trabalho remoto – de forma total ou parcial. E essa situação deve perdurar, ao menos até que toda a população seja vacinada contra a COVID-19. Por isso, a tendência é de que a demanda por gêneros de primeira necessidade permaneça aquecida, o que beneficia os supermercados.

Outro ponto levantado por especialistas é o aumento do consumo de marcas próprias. Com a alta da inflação, houve uma migração natural dos consumidores para esses produtos que, historicamente, proporcionam melhores margens aos supermercados.

Já a ABRAS estima crescimento de 4,5% para o setor supermercadista em 2021. Os motivos do otimismo, segundo Milan, são o início da vacinação contra a COVID-19 e as expectativas favoráveis na condução de importantes reformas, como a tributária e a administrativa.

Consumidor multicanal

Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) mostrou a mudança de comportamento do consumidor brasileiro durante o isolamento. As compras online de bebidas e alimentos cresceram 79% no ano passado. Já os pedidos por aplicativos registraram alta de 30%.

Segundo o presidente da APRAS, com a pandemia, o consumidor se tornou multicanal. Além de estarem mais conectadas, as pessoas estão mais exigentes e atentas às tendências do mercado. Isso faz com que o setor supermercadista fique mais competitivo, não somente entre os atuais players, mas também com a entrada de novos participantes, como padarias e casas de carnes especializadas e pequenos produtores orgânicos, por exemplo.

Carlos Beal acredita que o novo consumidor deseja novas oportunidades. Segundo ele, atualmente a concorrência não está somente na internet, e o varejo tradicional só sobreviverá se descobrir meios de se adaptar a essas novas demandas. E isso inclui, além de qualidade e diversificação de produtos, um eficiente atendimento online.

Website: https://visualsuper.com.br

Continuar Lendo

notícias

Chefes de família: pesquisa revela aumento no número de mulheres empreendedoras

Como as mulheres brasileiras mudaram o cenário da família tradicional, ao conciliar atividades do lar e trabalho

Publicado

em

São Paulo, SP 8/3/2021 –  “As mulheres se reinventam para permanecer. É necessário continuar essa jornada, e tentar impactar de forma positiva no negócio e nas futuras gerações”

Como as mulheres brasileiras mudaram o cenário da família tradicional, ao conciliar atividades do lar e trabalho

A tradicional família brasileira mudou. A hierarquia dentro dos lares também. Há tempos, que as donas de casa, que antes tinham como tarefa cuidar, alimentar e educar os filhos, começaram a exercer algum tipo de atividade financeira, para ajudar com as despesas da casa.

O tempo voou e o trabalho feminino tornou-se tão importante, que a Organização das Nações Unidas (ONU) criou em 2014, uma data para celebrar a mulher empreendedora e seu impacto na economia, dia 19 de novembro, o Dia Global do Empreendedorismo Feminino.

Um estudo da Serasa Experian revelou que mais de cinco milhões de brasileiras são empreendedoras e que estão à frente de 43% dos negócios do país, a maior parte delas atuando como MEI ou sócias de micro e pequenas empresas.

Cenário bem diferente, nas grandes corporações, onde somente 0,2% das empreendedoras são sócias de grandes empresas.

“O empreendedorismo torna viável a mulher trabalhar, fazer o que gosta e ter mais flexibilidade com horários, o que é imprescindível, já que há a necessidade de conciliar as tarefas domésticas e a educação dos filhos”, opina Monica Marchett, fundadora do Instituto Vida e Saber.

Grande parte das mulheres empreende por necessidade ou desejo de independência, e por tantas vezes, acabam tornando-se as chefes do domicílio. Segundo o SEBRAE, atualmente são 9,3 milhões de mulheres à frente de uma empresa no Brasil, representando 34% de todos os  donos de negócios do país.

“As mulheres se reinventam para permanecer. É necessário continuar essa jornada, e tentar impactar de forma positiva no negócio e nas futuras gerações de mulheres e jovens empreendedoras”, conclui Monica Marchett.

 

Website: https://monicamarchett.com.br/as-novas-chefes-de-domicilio-nos-lares-brasileiros/

Continuar Lendo

Em Alta

...