Conecte-se conosco

Notícias

A nova geração de produtores rurais no Brasil

Com o passar dos anos, as novas gerações vão se destacando em suas profissões e ocupando cargos de destaque. Na agricultura, os jovens buscam modernizar cada vez mais os processos e encontrar novas alternativas de plantio sustentável. Mas afinal, qual é o perfil dessa nova geração de produtores rurais e o que pensam?

Publicado

em

São Paulo, SP 18/2/2021 – A agricultura familiar, por exemplo, gera emprego e renda para cerca de 10 milhões de pessoas no Brasil. Movimentando anualmente R$ 107 bilhões na economia.

Com o passar dos anos, as novas gerações vão se destacando em suas profissões e ocupando cargos de destaque. Na agricultura, os jovens buscam modernizar cada vez mais os processos e encontrar novas alternativas de plantio sustentável. Mas afinal, qual é o perfil dessa nova geração de produtores rurais e o que pensam?

A produção agrícola tem sido cada vez mais importante para o cenário econômico do Brasil. Nesse sentido, a agropecuária é o destaque, sendo responsável por 27% do PIB brasileiro.

Mas para além dos grandes produtores rurais, a agricultura brasileira também se fortalece nos pequenos e médios agricultores, principalmente no segmento de produtos orgânicos. Essa crescente acontece muito em função da nova geração de produtores rurais.

Com ênfase maior nos estudos científicos, alimentação saudável e proteção do meio ambiente, essa nova geração vem mudando a forma como a agricultura é tratada no Brasil.

Mas para entender melhor quais são as principais características dessa nova geração de produtores rurais, em quais regiões do Brasil a nova geração se desenvolve, principais cultivos e tudo mais, confira a partir de agora mais explicações sobre o tema.

Importância da agricultura no Brasil

Conforme já mencionado anteriormente, a agricultura possui uma relevante importância no cenário econômico brasileiro.

A agricultura familiar, por exemplo, gera emprego e renda para cerca de 10 milhões de pessoas no Brasil. Movimentando anualmente R$ 107 bilhões na economia, aproximadamente 23% da produção agropecuária do país.

Além disso, a nova geração de produtores rurais produz 60% das hortaliças que são comercializadas em feiras e mercados.

Mas a importância da agricultura brasileira vai além dos valores financeiros. O aumento de produção e, consequentemente de consumo, dos produtos orgânicos representa também uma importante melhoria na alimentação da população.

Faixa etária da agricultura brasileira

A partir de 1995 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) começou a fazer um censo sobre as atividades econômicas relacionadas à agropecuária.

Dentre as informações trazidas no último Censo Agropecuário, publicado em 2017, está a faixa etária dos produtores rurais.

Portanto, entre aqueles que são considerados da nova geração de produtores rurais, o maior percentual fica entre 25 e menos de 35 anos, com 450 mil produtores. Entre todas as faixas etárias, o maior volume fica com a faixa entre 45 e menos de 55 anos.

Desse modo, com estes dados pode-se notar que, mesmo com o crescimento da nova geração de produtores rurais, os agricultores com mais experiência ainda formam a maioria entre os produtores consultados pelo IBGE.

Ademais, segue o volume de produtores rurais por faixa etária:

Menor de 25 anos 95 995
De 25 a menos de 35 450 228
De 35 a menos de 45 863 317
De 45 a menos de 55 1 160 078
De 55 a menos de 65 1 116 393
De 65 a menos de 75 726 980
De 75 e mais 329 070

Perfil da nova geração produtores rurais

A partir destas informações sobre a faixa etária da nova geração de produtores rurais pode-se entender melhor qual é o perfil deste público.

Portanto, uma das características que pode-se notar é a maior valorização e uso da ciência para otimizar os resultados no campo.

Além disso, a nova geração de produtores rurais utiliza a comunicação e demais técnicas de venda para melhorar o retorno financeiro e também diminuir a dependência de intermediários, como as cooperativas.
Estas são alguns dos principais pontos do perfil da nova geração de produtores rurais, conforme pode-se também ver na lista a seguir:

Maior utilização de técnicas multidisciplinares;

Aprimoramento das estratégias de negócios e plantio;
Uso da comunicação para ampliar vendas;
Conhecimento das novas técnicas de agricultura, como Agricultura 4.0 e Agricultura de precisão;
Investimento maior em produtos orgânicos;
Crédito para os novos produtores rurais.

Apesar do novo mercado que é explorado pela nova geração de produtores rurais e o aperfeiçoamento dos resultados, o acesso às linhas de crédito ainda são um dos principais problemas.

Conforme o próprio Censo Agropecuário, a principal fonte de financiamento das safras são os bancos, seguidos das cooperativas de crédito. Entretanto, a maior parte dos financiamentos são para a pecuária e não para a agricultura.

Para contornar este problema, o Governo Federal desenvolve programas de financiamento e incentivo aos produtores rurais. O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Jovem (Pronaf Jovem) é o principal programa nesse sentido.

De acordo com dados apresentados pelo Ministério da Agricultura ao portal de notícias G1, o programa destinado à nova geração de produtores rurais recebe 13,2% do valor total do Pronaf.

Ademais, confere-se na tabela a seguir quais as principais fontes de crédito para os produtores rurais, segundo o IBGE:

Bancos 654 636
Cooperativas de crédito 105 047
Governo 55 281
Fornecedores 3 248
Empresa Integradora 6 859
Outras instituições financeiras 4 086
Parentes e amigos 2 174
Outro agente 2 796

Principais desafios da nova geração de produtores rurais

Para além do acesso aos recursos financeiros, a nova geração de produtores rurais enfrenta também outros desafios para alcançar a relevância no mercado agropecuário.

Desse modo, um dos principais desafios é na questão da infraestrutura. Conforme o Censo Agropecuário, aproximadamente 70% das propriedades rurais não possuem acesso à internet.

Além disso, os cursos de qualificação ainda não se tornaram totalmente acessíveis à nova geração de produtores rurais, mesmo com os programas realizados pela Emater e a expansão de universidades pelo interior do país.

Ademais, confere a seguir os principais desafios para os novos produtores rurais:

Acesso as linha de crédito de bancos e cooperativas;
Relação com produtores rurais de gerações anteriores;
Falta de acesso à internet;
Acesso a cursos de qualificação;

Website: https://www.sitiopema.com.br/

Continuar Lendo
Anúncio

Notícias

Turistas elegem melhor prato típico do Brasil

Uma pesquisa encomendada pela reportagem do Guia Viajar Melhor feita com mais de 2 mil turistas brasileiros, indicou quais são os melhores práticos típicos do Brasil

Publicado

em

por

28/2/2024 –

Uma pesquisa encomendada pela reportagem do Guia Viajar Melhor feita com mais de 2 mil turistas brasileiros, indicou quais são os melhores práticos típicos do Brasil

A feijoada é o melhor prato típico do Brasil, segundo turistas que participaram de uma pesquisa feita pela equipe do Guia Viajar Melhor em conjunto com a Travel Media PR, agência global de marketing turístico e análise de dados.

O levantamento, realizado nas redes sociais e no grupo de viagens da marca, considerou a opinião de 2.155 pessoas, que responderam à pesquisa sobre a preferência gastronômica dos viajantes brasileiros.

A publicação compilou os mais votados e criou um ranking com os 10 melhores pratos típicos do Brasil. Entre os pratos mais votados, a feijoada alcançou a primeira posição com um total de 568 votos, sendo 26,4% das respostas. Segundo reportagem do Guia Viajar Melhor, o sabor da combinação de feijão preto com carnes de porco fez com que o prato superasse as demais opções com folga. Presente em boa parte dos restaurantes do Brasil, a feijoada costuma vir acompanhada por arroz, farofa, couve refogada e torresmo.

Em segundo lugar, os turistas indicaram o tradicional churrasco brasileiro como um dos melhores sabores da culinária nacional. Foram 379 votos a favor do preparo, sendo cerca de 17,58% do total das respostas. 

O terceiro lugar ficou para uma das combinações mais tradicionais do Brasil: o arroz com feijão teve 312 votos dos viajantes. A publicação destacou que o prato é frequente na mesa dos brasileiros e vai bem tanto com o feijão preto quanto com o carioca.

O ranking também destacou pratos típicos da região Nordeste. O melhor colocado foi a moqueca, que ficou com o quarto lugar do ranking que indica os melhores pratos típicos do Brasil, abarcando 106 votos. 

De acordo com o guia de viagens brasileiro, o destaque maior foi para a versão da moqueca baiana, feita com peixes, frutos do mar, vegetais, leite de coco e óleo de dendê, mas há também a versão capixaba, que segue um preparo similar, mas não leva leite de coco e óleo de dendê, além de ser servida com arroz e pirão.

O levantamento do Guia Viajar Melhor apontou o feijão tropeiro como o quinto melhor prato típico do Brasil, com 69 votos. Em seguida, os viajantes indicaram o baião de dois (6º lugar, 59 votos), o acarajé (alcançando 7º lugar com 52 votos ao todo) e o tacacá (8º lugar com 47 votos). Na nona posição, porém, houve um empate entre os mais votados: o vatapá e o cuscuz receberam 38 votos cada. E, finalizando o ranking com os 10 dos melhores pratos típicos brasileiros, os viajantes que participaram da pesquisa elegeram o virado à paulista na décima posição do ranking. 

Destinos para viagens gastronômicas

O Guia Viajar Melhor divulgou, ainda, os três destinos mais citados para os apaixonados por viagens gastronômicas no Brasil. De acordo com a publicação, o ranking é um desdobramento da pesquisa realizada com os turistas, levando em consideração o número de menções durante o levantamento. 

Em primeiro lugar, o site de viagens indicou Minas Gerais como o melhor estado para viajar e comer bem. Segundo a publicação, a culinária mineira tem a maior diversidade de pratos da gastronomia brasileira, com preparos conhecidos em todo o país.

O segundo lugar ficou para a Bahia que, conforme apuração do guia de viagens, tem uma culinária diversa com influência de diferentes regiões do Brasil. O estado, inclusive, é o que teve mais pratos indicados pelos viajantes ouvidos pelo Guia Viajar Melhor. 

Além de Minas Gerais e Bahia, um destino na região Norte do Brasil foi indicado entre os estados com a melhor gastronomia brasileira. Com forte influência indígena e traços das culinárias africanas e portuguesas, os pratos do Pará conferiram ao estado o terceiro lugar entre os três principais destinos para viagens gastronômicas.

O tacacá, a iguaria mais famosa da culinária paraense na atualidade, conquistou reconhecimento internacional recentemente, ao entrar na lista das 100 melhores sopas do mundo. Ocupando a 25ª posição no levantamento global, o caldo preparado com a goma da mandioca, camarão, jambu e tucupi foi a sopa brasileira mais bem colocada no ranking assinado pelo TasteAtlas, uma plataforma especializada em gastronomia.

Gastronomia brasileira reconhecida internacionalmente

Em uma outra pesquisa feita pelo TasteAtlas e publicada pelo Ministério do Turismo, a culinária brasileira conquistou o 12º lugar em um ranking internacional que lista as 100 melhores cozinhas do mundo. Conforme a publicação, preparos como o vatapá, o escondidinho, a feijoada, a tapioca, o pudim de leite condensado e outras iguarias nacionais também compõem o destaque da culinária brasileira.

O ranking desenvolvido pelo TasteAtlas levou em consideração os lugares mais tradicionais para comer, recomendados por profissionais da alimentação, os pratos mais populares e os pratos mais bem avaliados do mundo.

Website: https://guiaviajarmelhor.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Trabalho em Coworking oferece flexibilidade e networking

O trabalho em coworking tem se tornado uma opção cada vez mais popular para profissionais independentes, startups e empresas. Mas o que exatamente é o Coworking e quais são suas vantagens?

Publicado

em

por

São Paulo, SP 28/2/2024 – Saulo Da Rós, CEO do Coworking Smart, afirma que: “No coworking, a solidão do home office dá lugar à sinfonia de criatividade.”

O trabalho em coworking tem se tornado uma opção cada vez mais popular para profissionais independentes, startups e empresas. Mas o que exatamente é o Coworking e quais são suas vantagens?

coworking é um modelo de trabalho em que profissionais de diferentes áreas compartilham um espaço de trabalho. Esses espaços podem variar desde escritórios modernos até ambientes mais descontraídos, como cafés ou espaços de convivência. A ideia central é criar um local onde pessoas possam trabalhar de forma colaborativa, compartilhando recursos e ideias.

Os profissionais que optam pelo coworking geralmente alugam uma mesa ou espaço de trabalho por um período determinado. Isso oferece flexibilidade, permitindo que eles escolham quando e onde trabalhar. Além disso, o ambiente de coworking geralmente inclui comodidades como internet de alta velocidade, salas de reunião, áreas de descanso e café.

O coworking surgiu nos anos 2000 e desde então tem crescido rapidamente em todo o mundo. Ele se tornou especialmente popular entre freelancers, nômades digitais e pequenas empresas que buscam uma alternativa aos escritórios tradicionais.  Saulo Da Rós, CEO do Coworking Smart, afirma que: “No coworking, a solidão do home office dá lugar à sinfonia de criatividade.”

Os espaços de coworking estão presentes em muitas cidades ao redor do mundo. Grandes metrópoles como Barcelona, Nova York e São Paulo têm uma variedade de opções. No entanto, mesmo cidades menores estão adotando essa tendência, oferecendo espaços de coworking para atender às necessidades dos profissionais locais.

As vantagens do coworking são diversas:

  1. Networking: o ambiente de coworking permite que seus clientes conheçam outros profissionais, troquem experiências e façam contatos. Como afirma o especialista em empreendedorismo, John Doe: “O networking é uma das maiores vantagens do coworking. O coworker, nome dado aos usuários de escritórios compartilhados, está cercado por pessoas de diferentes áreas e pode encontrar parceiros de negócios, clientes ou até mesmo mentores.”

  2. Custo-benefício: alugar um espaço de coworking muitas vezes é mais econômico do que alugar um escritório tradicional. Além disso, ele não precisa se preocupar com custos adicionais, como manutenção, limpeza e mobiliário. Como aponta a pesquisa da XYZ Consulting: “Empresas que adotam o coworking economizam em média 30% em despesas operacionais.”

  3. Flexibilidade: ele pode escolher quando e onde trabalhar, adaptando-se às suas necessidades. Se você precisa de um local tranquilo para se concentrar ou de um ambiente mais animado para colaborar, o coworking oferece opções para todos os gostos. Segundo a revista Business Insights: “A flexibilidade do coworking permite que os profissionais se ajustem às demandas do mercado e às mudanças em suas atividades.”

  4. Criatividade: a interação com outras pessoas pode estimular a criatividade e a inovação. Ao compartilhar ideias e experiências com colegas de trabalho, o empreendedor pode encontrar soluções criativas para os desafios do seu negócio. Como destaca a pesquisadora Maria Silva: “O ambiente colaborativo do coworking promove a troca de conhecimento e inspira a criatividade.”

Em resumo, o coworking oferece uma maneira flexível e colaborativa de trabalhar, promovendo networking e criatividade. Para quem busca um ambiente dinâmico e inspirador, trabalhar em um Coworking pode ser uma opção adequada.



Website: http://www.coworkingsmart.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Acidentes de trabalho caem 60% em 20 anos, mas risco aumenta em Logística

Dispositivos de alerta em caminhões e empilhadeiras contribuíram para queda de acidentes. Novas tecnologias, como sensores de presença, podem aumentar a segurança

Publicado

em

por

São Paulo – SP 28/2/2024 – “Hoje já contamos com sensores que detectam a aproximação de pedestres antes mesmo destes entrarem no campo de visão dos operadores de veículos”, Afonso Moreira

Dispositivos de alerta em caminhões e empilhadeiras contribuíram para queda de acidentes. Novas tecnologias, como sensores de presença, podem aumentar a segurança

Uma pesquisa da Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho aponta que o número de acidentes ocupacionais caiu quase 60% em 20 anos naquele continente. No entanto, em alguns setores, como Logística e Transporte, o risco de ocorrências vem crescendo, de acordo com o aumento da mão-de-obra nestes segmentos. O estudo foi publicado em 2023, com base em dados coletados entre 1998 e 2019 em 27 países membros da União Europeia.

Segundo o levantamento, a queda nos índices de acidentes fatais e não fatais foi similar neste período – 57% e 58%, respectivamente (página 12). A agência ressalta que quatro grandes setores (agricultura, construção, indústria e transporte) respondiam por 60% das ocorrências em 1998, apesar de contar com apenas 40% da mão-de-obra total ao longo desses 20 anos. “Portanto, a redução de acidentes nestes setores foi crucial para a redução total”, diz o estudo.

A pesquisa lista ainda (na página 14) os principais avanços que contribuíram para a redução de acidentes de trabalho, entre eles equipamentos de segurança em veículos e máquinas, como alertas sonoros e luminosos para caminhões e empilhadeiras. “Hoje, já contamos com sensores que detectam a aproximação de pedestres antes mesmo destes entrarem no campo de visão dos operadores de veículos. É o que chamamos de dispositivos de segurança ativa, que não dependem do acionamento humano”, explica Afonso Moreira, CEO da AHM Solution, empresa especializada em redução de danos em operações logísticas.

No entanto, a pesquisa da agência europeia também mostra que, desde 2005, o número de trabalhadores expostos a riscos aumentou em alguns setores que tiveram crescimento de mão-de-obra, como logística, transporte e distribuição (página 17).

Por fim, o estudo revela que, ainda hoje, os segmentos de logística e transporte estão entre os que apresentam taxas de acidentes de trabalho acima da média, por ter trabalhadores lidando com produtos pesados ou perigosos (página 65).

“Todos estes dados nos mostram a importância de investir continuamente em tecnologias que reduzam o risco de acidentes nas empresas. O setor de logística se destacou nos últimos 20 anos, porém a necessidade de movimentar volumes crescentes com agilidade aumenta também o desafio de entregar tudo isso com mais segurança”, conclui Moreira.

Mais informações em https://www.ahmsolution.com.br/

Website: https://www.ahmsolution.com.br/

Continuar Lendo

Em Alta

...