Conecte-se conosco

notícias

A nova geração de produtores rurais no Brasil

Com o passar dos anos, as novas gerações vão se destacando em suas profissões e ocupando cargos de destaque. Na agricultura, os jovens buscam modernizar cada vez mais os processos e encontrar novas alternativas de plantio sustentável. Mas afinal, qual é o perfil dessa nova geração de produtores rurais e o que pensam?

Publicado

em

São Paulo, SP 18/2/2021 – A agricultura familiar, por exemplo, gera emprego e renda para cerca de 10 milhões de pessoas no Brasil. Movimentando anualmente R$ 107 bilhões na economia.

Com o passar dos anos, as novas gerações vão se destacando em suas profissões e ocupando cargos de destaque. Na agricultura, os jovens buscam modernizar cada vez mais os processos e encontrar novas alternativas de plantio sustentável. Mas afinal, qual é o perfil dessa nova geração de produtores rurais e o que pensam?

A produção agrícola tem sido cada vez mais importante para o cenário econômico do Brasil. Nesse sentido, a agropecuária é o destaque, sendo responsável por 27% do PIB brasileiro.

Mas para além dos grandes produtores rurais, a agricultura brasileira também se fortalece nos pequenos e médios agricultores, principalmente no segmento de produtos orgânicos. Essa crescente acontece muito em função da nova geração de produtores rurais.

Com ênfase maior nos estudos científicos, alimentação saudável e proteção do meio ambiente, essa nova geração vem mudando a forma como a agricultura é tratada no Brasil.

Mas para entender melhor quais são as principais características dessa nova geração de produtores rurais, em quais regiões do Brasil a nova geração se desenvolve, principais cultivos e tudo mais, confira a partir de agora mais explicações sobre o tema.

Importância da agricultura no Brasil

Conforme já mencionado anteriormente, a agricultura possui uma relevante importância no cenário econômico brasileiro.

A agricultura familiar, por exemplo, gera emprego e renda para cerca de 10 milhões de pessoas no Brasil. Movimentando anualmente R$ 107 bilhões na economia, aproximadamente 23% da produção agropecuária do país.

Além disso, a nova geração de produtores rurais produz 60% das hortaliças que são comercializadas em feiras e mercados.

Mas a importância da agricultura brasileira vai além dos valores financeiros. O aumento de produção e, consequentemente de consumo, dos produtos orgânicos representa também uma importante melhoria na alimentação da população.

Faixa etária da agricultura brasileira

A partir de 1995 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) começou a fazer um censo sobre as atividades econômicas relacionadas à agropecuária.

Dentre as informações trazidas no último Censo Agropecuário, publicado em 2017, está a faixa etária dos produtores rurais.

Portanto, entre aqueles que são considerados da nova geração de produtores rurais, o maior percentual fica entre 25 e menos de 35 anos, com 450 mil produtores. Entre todas as faixas etárias, o maior volume fica com a faixa entre 45 e menos de 55 anos.

Desse modo, com estes dados pode-se notar que, mesmo com o crescimento da nova geração de produtores rurais, os agricultores com mais experiência ainda formam a maioria entre os produtores consultados pelo IBGE.

Ademais, segue o volume de produtores rurais por faixa etária:

Menor de 25 anos 95 995
De 25 a menos de 35 450 228
De 35 a menos de 45 863 317
De 45 a menos de 55 1 160 078
De 55 a menos de 65 1 116 393
De 65 a menos de 75 726 980
De 75 e mais 329 070

Perfil da nova geração produtores rurais

A partir destas informações sobre a faixa etária da nova geração de produtores rurais pode-se entender melhor qual é o perfil deste público.

Portanto, uma das características que pode-se notar é a maior valorização e uso da ciência para otimizar os resultados no campo.

Além disso, a nova geração de produtores rurais utiliza a comunicação e demais técnicas de venda para melhorar o retorno financeiro e também diminuir a dependência de intermediários, como as cooperativas.
Estas são alguns dos principais pontos do perfil da nova geração de produtores rurais, conforme pode-se também ver na lista a seguir:

Maior utilização de técnicas multidisciplinares;

Aprimoramento das estratégias de negócios e plantio;
Uso da comunicação para ampliar vendas;
Conhecimento das novas técnicas de agricultura, como Agricultura 4.0 e Agricultura de precisão;
Investimento maior em produtos orgânicos;
Crédito para os novos produtores rurais.

Apesar do novo mercado que é explorado pela nova geração de produtores rurais e o aperfeiçoamento dos resultados, o acesso às linhas de crédito ainda são um dos principais problemas.

Conforme o próprio Censo Agropecuário, a principal fonte de financiamento das safras são os bancos, seguidos das cooperativas de crédito. Entretanto, a maior parte dos financiamentos são para a pecuária e não para a agricultura.

Para contornar este problema, o Governo Federal desenvolve programas de financiamento e incentivo aos produtores rurais. O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Jovem (Pronaf Jovem) é o principal programa nesse sentido.

De acordo com dados apresentados pelo Ministério da Agricultura ao portal de notícias G1, o programa destinado à nova geração de produtores rurais recebe 13,2% do valor total do Pronaf.

Ademais, confere-se na tabela a seguir quais as principais fontes de crédito para os produtores rurais, segundo o IBGE:

Bancos 654 636
Cooperativas de crédito 105 047
Governo 55 281
Fornecedores 3 248
Empresa Integradora 6 859
Outras instituições financeiras 4 086
Parentes e amigos 2 174
Outro agente 2 796

Principais desafios da nova geração de produtores rurais

Para além do acesso aos recursos financeiros, a nova geração de produtores rurais enfrenta também outros desafios para alcançar a relevância no mercado agropecuário.

Desse modo, um dos principais desafios é na questão da infraestrutura. Conforme o Censo Agropecuário, aproximadamente 70% das propriedades rurais não possuem acesso à internet.

Além disso, os cursos de qualificação ainda não se tornaram totalmente acessíveis à nova geração de produtores rurais, mesmo com os programas realizados pela Emater e a expansão de universidades pelo interior do país.

Ademais, confere a seguir os principais desafios para os novos produtores rurais:

Acesso as linha de crédito de bancos e cooperativas;
Relação com produtores rurais de gerações anteriores;
Falta de acesso à internet;
Acesso a cursos de qualificação;

Website: https://www.sitiopema.com.br/

Continuar Lendo
Anúncio

notícias

Multinacional dobrará capacidade de produção de embalagens em Minas

Publicado

em

Serão aplicados € 60 mi na unidade da Verallia, em Jacutinga, uma das mais modernas fábricas de embalagens de vidro do mundo

Minas Gerais já está colhendo frutos da expansão da cadeia de suprimentos da indústria, em diferentes áreas. Uma nova conjuntura estimulada pelo Governo do Estado está gerando ganhos importantes para a diversificação da economia mineira. O objetivo é otimizar recursos de quem empreende, facilitando a logística produtiva, além de gerar mais empregos e renda.

Um dos exemplos mais recentes é a multinacional francesa Verallia – terceira maior produtora global de embalagens de vidro para alimentos e bebidas -, que acaba de anunciar a construção de um segundo forno em Jacutinga, no Sul de Minas, com aporte de € 60 milhões.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), por meio do Indi, foi responsável por fazer a intermediação entre empresa e órgãos públicos, viabilizando a vinda da multinacional para Minas.

“Mais um grande investimento que vai gerar emprego e renda em Minas Gerais. O grupo francês Verallia vai aplicar cerca de R$ 400 milhões na montagem de um novo forno de garrafas de vidro da unidade em Jacutinga. Só no decorrer das obras, cerca de 1 mil pessoas serão empregadas. Desde o início da nossa gestão, já atraímos cerca de R$ 95 bilhões para Minas e continuamos adotando medidas para criar um ambiente ainda melhor para quem quer investir e trabalhar aqui”, afirmou o governador Romeu Zema.

Expansão

Com o investimento, a companhia prevê mais que dobrar a capacidade produtiva da planta mineira, passando de 1,2 milhão de garrafas para 2,5 milhões, diariamente, a partir de 2023, quando este forno vai operar em plena capacidade.

O número de colaboradores também aumentará na mesma proporção e será dobrado. Quando o novo forno estiver em operação, serão gerados pelo menos outros 90 postos de trabalho diretos em Jacutinga, além de 50 indiretos. Já a obra demandará mil trabalhadores temporários.

Para o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, a expansão de investimento da Verallia em Minas Gerais reflete a boa relação que o Governo de Minas tem tido com empresas que querem investir no estado. “A Verallia sela um trabalho que temos na Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, sob a liderança do governador Romeu Zema, para que tenhamos ainda mais investidores que aqui estão expandindo. Aqueles que ainda não estão em Minas estão convidados a virem e aferirem de perto o quanto Minas Gerais é o melhor estado para se empreender”, afirma.

A expansão anunciada ocorre pouco tempo depois do início das atividades em Minas, em julho de 2019. De acordo com informações divulgadas pela empresa, toda a produção da unidade mineira será destinada ao mercado interno, que está em crescimento.

Atuação em MG

Para instalar a companhia no estado, a Verallia investiu, à época, € 77 milhões de euros (aproximadamente R$ 300 milhões), no que foi a primeira operação do tipo em território mineiro. A planta é uma das mais modernas do mundo, com tecnologia de ponta e grande zelo por questões de sustentabilidade, contando, por exemplo, com sistemas de tratamento de emissões atmosféricas e efluentes.

“Aumentar a nossa capacidade produtiva já estava nos planos. A Verallia é uma empresa muito sólida no Brasil e globalmente, que investe projetando o longo prazo. Esperávamos o momento certo levando em conta, inclusive, as condições de mercado e contratos com nossos clientes”, comenta Quintin Testa, diretor geral da Verallia na América do Sul.

Na avaliação do gerente de Agronegócios, Química e Embalagens do Indi, Lucas Freire Silva Fonseca, o novo aporte reforça a diretriz do governo mineiro de consolidar as cadeias de fornecimento dentro do próprio estado, estreitando cada vez mais o elo entre fabricantes e fornecedores. “A atração do fornecedor de insumos, neste caso de embalagens de vidro, facilita a atração das indústrias de bebidas, que, por sua vez, permitem a expansão de seus fornecedores”, observa.

Antes da atração da Verallia, as empresas de bebidas com atuação em Minas tinham que comprar as garrafas em outros estados. Com isso, o ICMS sobre a embalagem era gerido pelo local de origem.

De acordo com informações da companhia, a Verallia atende a cerca de 10 mil clientes ao redor do mundo, com indústrias em 11 países. No Brasil são três fábricas. Além da unidade mineira, há indústrias localizadas em Campo Bom (RS) e em Porto Ferreira (SP).

 

Por | Agência Minas

Continuar Lendo

notícias

Bandeira tarifária acionada para março é amarela

Publicado

em

Bandeira tarifária acionada para março é amarela

Mantida bandeira amarela, que representa custo de R$ 1,343 a cada 100kWh consumidos

Bandeira tarifária acionada para março é amarela

A bandeira tarifária permanece amarela em março, com custo de R$1,343 para cada 100kWh consumidos. Em fevereiro, houve registros significativos de precipitação nas principais bacias do Sistema Interligado Nacional (SIN). Março ainda é um mês típico do período úmido nessas regiões. Todavia, os principais reservatórios de hidrelétricas do SIN ainda apresentam estoques reduzidos para essa época do ano, em função do volume de chuvas muito abaixo do padrão histórico registrado entre setembro e janeiro.

Essa realidade sinaliza patamar desfavorável de produção pelas hidrelétricas, pressionando os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF). A conciliação de baixa produção hidrelétrica com o preço da energia no mercado de curto prazo (PLD) levou à caracterização do patamar amarelo para o acionamento das Bandeiras. O PLD e o GSF são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada.

Criado pela ANEEL, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias é simples: as cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

Com as bandeiras, a conta de luz ficou mais transparente e o consumidor tem a melhor informação, para usar a energia elétrica de forma mais eficiente, sem desperdícios.

Com a manutenção do acionamento da bandeira amarela é importante reforçar ações relacionadas ao uso consciente e ao combate ao desperdício de energia.

Confira abaixo algumas dicas.

Dicas de Economia de Energia

Chuveiro elétrico
·         Tomar banhos mais curtos, de até cinco minutos
·         Selecionar a temperatura morna no verão
·         verificar as potências no seu chuveiro e calcular o seu consumo

Ar condicionado
·         Não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado
·         Manter os filtros limpos
·         Diminuir ao máximo o tempo de utilização do aparelho de ar condicionado
·         Colocar cortinas nas janelas que recebem sol direto

Geladeira
·         Só deixar a porta da geladeira aberta o tempo que for necessário
·         Regular a temperatura interna de acordo com o manual de instruções
·         Nunca colocar alimentos quentes dentro da geladeira
·         Deixar espaço para ventilação na parte de trás da geladeira e não utilizá-la para secar panos
·         Não forrar as prateleiras
·         Descongelar a geladeira e verificar as borrachas de vedação regularmente

Iluminação
·         Utilizar iluminação natural ou lâmpadas econômicas e apagar a luz ao sair de um cômodo; pintar o ambiente com cores claras

Ferro de passar
·         Juntar roupas para passar de uma só vez
·         Separar as roupas por tipo e começar por aquelas que exigem menor temperatura
·         Nunca deixe o ferro ligado enquanto faz outra coisa

Aparelhos em stand-by
·         Retirar os aparelhos da tomada quando possível ou durante longas ausências

 

Por | Agência Nacional de Energia Elétricaaneel.gov.br

Continuar Lendo

notícias

Especialista relata a situação da EMBRAER na recuperação da desaceleração do setor aéreo no cenário de pós-pandemia

A tendência está voltada para um cenário positivo, principalmente para o mercado de aviação doméstica e regional

Publicado

em

por

São Paulo, SP 1/3/2021 – Essa dificuldade, fez com que o Banco Nacional de Desenvolvimento – BNDES voltasse a oferecer apoio com linhas de financiamento para a exportação de aeronaves

A tendência está voltada para um cenário positivo, principalmente para o mercado de aviação doméstica e regional

Em razão da pandemia da Covid-19, o mercado de aviação passa por uma instabilidade em que a demanda global de passageiros caiu aproximadamente 66,3%, a capacidade 57,6%, e os lucros das empresas aéreas foram reduzidos em U$118,5 bilhões de dólares, segundo a Associação Internacional do Transporte Aéreo – IATA. De acordo com entidade, 2020 registrou o pior ano financeiro do setor e um grande número de desemprego em massa nos principais fabricantes de aeronaves e companhias aéreas.

A Empresa Brasileira de Aeronáutica – EMBRAER, terceira maior fabricante de aeronaves do mundo, sofre uma grande pressão, no cenário atual, para que aumente o “backlog” (carteira de pedidos) e mantenha o quadro especializado de funcionários, declara Celso Valério Bastos Casagrande, engenheiro de sistemas aeroespaciais sênior, com foco em Sistema de Propulsão. “Essa dificuldade fez com que o Banco Nacional de Desenvolvimento – BNDES voltasse a oferecer apoio com linhas de financiamento para a exportação de aeronaves brasileiras da EMBRAER, num valor total de R$ 3 bilhões. Isto pode permitir que a empresa se mantenha competitiva, comparada com suas concorrentes internacionais”, informa Casagrande.

No presente momento, o especialista acredita que há a necessidade de o Estado brasileiro apoiar de forma irrestrita, e com mecanismos de amparo, a indústria e o setor aeronáutico. “Fazendo isso, além de garantir suporte financeiro para a venda de novas aeronaves, também pode, em conjunto, ampliar o quadro de novas pesquisas tecnológicas que reflitam as tendências mundiais em crescimento, como as áreas de combustíveis alternativos e a mobilidade urbana”, afirma Casagrande, pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios pelo INPG – Brasil, e em Tecnologia de Controle Digital pelo CEFET-PR – Brasil.

Conforme o engenheiro, com mais de 23 anos de experiência na indústria aeronáutica, mesmo em crise, existem perspectivas positivas no mercado regional e doméstico da aviação, como as companhias aéreas de mercados domésticos maiores ou de grandes operações de carga, que apresentam uma melhora no desempenho no setor. A IATA anunciou que a demanda de passageiros (medida em passageiros-quilômetros pagos transportados, ou RPKs) caiu 91,3% em maio de 2020 em relação a maio de 2019, resultado um pouco melhor que a queda anual de 94% registrada em abril de 2020. Essa melhoria se deve à retomada de alguns mercados domésticos.

“De acordo com o CEO da Lufthansa, Carsten Spohr, hoje existe uma necessidade de adequar pedidos de aviões maiores para aeronaves de alcance mais ajustado, com menores rotas. Caso isso se confirme, posso dizer que a EMBRAER terá produtos a disposição para esse novo contexto. Imagine aviões da família E2, com nova motorização e performance melhorada quando comparados aos jatos regionais anteriores, como não seria? É imperativo a necessidade de abertura de novas linhas de crédito por parte do BNDES”, relata Casagrande, com larga experiência em gestão de projetos e liderança técnica, participando de atividades de desenvolvimento em aviação e na indústria aeroespacial.

Um fator, também, importante para a Embraer, alerta o profissional, é em relação à manutenção do fluxo de caixa dos programas militares, o cargueiro KC-390 e o caça Gripen que representam uma manutenção de cadência produtiva e de mão de obra altamente qualificada. Segundo um estudo da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate – COPAC, divulgado pela Força Aérea, o projeto de aquisição dos caças Gripen, em conjunto com o desenvolvimento em estruturação e tecnologia, pode gerar cerca de 21 mil empregos na cadeia econômica do país.

“Apesar de parecer incoerente com o momento atual, visto que aparentemente existem outras prioridades em termos de gastos com orçamento e contingenciamento de verbas, é de suma importância essa manutenção dos programas militares. É de relevância estratégica, para qualquer país, a segurança da estrutura de empregos de suas fabricantes de aeronaves, assim como a ampliação da estrutura de fornecedores nacionais”, diz Celso Casagrande, com certificação e entrada em serviço de diversos programas de aeronaves (Jatos Executivos Embraer EMB 545/500 e EMB 500/505, Aviões Regionais Embraer EMB 170/175 / 190/195 e Mitsubishi MRJ 90 e aviões militares EMB-314 Super Tucano e E-99 SIVAM). 

Consoante o engenheiro, a tendência do setor aeronáutico no pós-pandemia, está voltada ao mercado de aviação doméstica e regional, com intuito de reduzir emissões de gás e ruídos, de melhorar a performance dos voos e do uso de aeronaves com propulsão alternativa. As propulsões elétrica, híbrida ou com uso de combustíveis alternativos voltarão a ser o foco cada vez mais valorizado. Casagrande também ressalta que os importantes “players” industriais (Boeing, Airbus, Rolls-Royce e GE) e os institutos de pesquisa de renome mundial, como a NASA, têm feito substanciais investimentos no desenvolvimento de projetos disruptivos de Propulsão, inclusive com a proposta de uso intenso de supercondutores e nova tecnologia de baterias.

“O cenário atual é desafiador. A pandemia afeta todas as empresas ligadas ao segmento aeronáutico, como: fornecedores, indústria e operadoras. Neste momento de crise, é fundamental o apoio do Estado à cadeia nacional de construção aeronáutica. Porque passado esta fase da pandemia, é mandatória a manutenção dos mecanismos de amparo à indústria e do apoio ao financiamento na venda de novas aeronaves. Além de ampliação de dispositivos de financiamento para pesquisas de novas tecnologias e tendências mundiais, de combustíveis alternativos e de mobilidade urbana. Isto garante a adequação aos futuros desafios em termos de normas ambientais, garantindo competitividade para a Indústria Aeronáutica local”, finaliza o engenheiro de sistemas propulsivos Celso Valério Bastos Casagrande.

Website: http://linkedin.com/in/celso-casagrande

Continuar Lendo

Em Alta

...