Conecte-se conosco

Notícias

Assediador no ambiente de trabalho tem mesmo perfil de agressor doméstico, afirma especialista

Formas de coibir as vítimas são iguais entre os assediadores em casa e nas empresas. Aplicação da convenção 190 da OIT e apoio irrestrito à mulher podem mudar essa realidade.

Publicado

em

Brasília – DF 22/3/2021 – “Chefes assediadores tem comportamentos idênticos a maridos agressores. Os relatos são parecidos com de mulheres que sofrem violência doméstica.

Formas de coibir as vítimas são iguais entre os assediadores em casa e nas empresas. Aplicação da convenção 190 da OIT e apoio irrestrito à mulher podem mudar essa realidade.

Após anos analisando depoimentos de mulheres assediadas sexualmente e moralmente no ambiente de trabalho, a advogada Mayra Cotta, fundadora da Bastet Compliance de Gênero, cruzou informações e concluiu que o perfil do assediador no meio profissional se equivale ao do agressor sexual doméstico. A afirmação foi feita durante o XIV Seminário Viver Mulher, nesta quinta-feira (18), evento que ocorreu on-line, por forças da pandemia, e que é realizado periodicamente pela CONTRATUH, confederação que representa mais de 4 milhões de profissionais do Turismo e Hospitalidade no Brasil.

“Chefes assediadores têm comportamentos idênticos ao de maridos agressores. Os relatos são parecidos com de mulheres que sofrem violência doméstica: ele isola a vítima, manipula, fragiliza a autoestima, faz a vítima duvidar da necessidade de ajuda, se arrepende de algo mais enérgico que fez, pede desculpa, mas a gente sabe que não muda. Igual ao marido assediador”, explica Cotta.

Segundo dados do Ministério Público do Trabalho (MPT), em 2019, foram registradas mais de 300 denúncias de assédio sexual contra as mulheres no trabalho. Isso sem contar com a subnotificação dos casos, devido à ausência de canais de denúncia, de legislação que verse especificamente sobre o assunto, da própria cultura machista e do consequente medo da vítima em denunciar o agressor.

Sobre os casos de denúncia, a advogada explica que a mulher passa por problemas de credibilidade, pois o assediador pode ter comportamento idôneo perto de outras pessoas. “Acreditar na mulher, quando ela denuncia, é importante. Em muitos casos, quando ela comenta sobre o assédio, os colegas duvidam, afirmam que não pode ser, pois o comportamento desse assediador em público é, muitas vezes, de uma pessoa íntegra. E esse tipo de comportamento inibe a denúncia”, alerta a advogada.

Convenção da OIT pode mudar essa realidade
Durante o evento, a palestrante Jaqueline Leite, integrante do Comitê Latinoamericano de Mulheres (Clamu) da UITA, organização internacional pelos direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras, reforçou a importância de políticas dentro das empresas que reprimam o assédio e respeitem os direitos das trabalhadoras. “A cada 10 pessoas que sofrem violência no mundo do trabalho, 8 são mulheres. Essa violência ou esse assédio acham que é só no ambiente de trabalho, mas abrange o espaço on-line, muitas vezes esse assédio pode ser dentro de uma viagem. Também está na confraternização de empresas fora do ambiente de trabalho. Cláusulas específicas nas convenções coletivas podem mudar essa realidade”, disse.

Jaqueline afirma que a Convenção 190, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), pode mudar essa realidade, mesmo sem apoio do atual governo. “Embora seja signatário da OIT, o Brasil não ratificou a Convenção 190, que indica regras e parâmetros para coibir a violência e o assédio no mundo do trabalho, dando relevância para o recorte de gênero”, afirma.

Mesmo assim, a especialista acredita que os sindicatos podem colocar várias cláusulas desse documento em suas convenções coletivas de trabalho, reforçando a defesa pelos direitos das mulheres e pela igualdade de gênero. “Existem vários pontos dessa convenção 190 que podem ser discutidas nas negociações de trabalho, implementadas nas convenções coletivas e aplicadas. Só esse movimento dos sindicatos, com as empresas, pode reduzir muito o problema do assédio no ambiente de trabalho”, afirma.

Para Maria dos Anjos Hellmeister, Secretária da Mulher da CONTRATUH, o próximo passo é entrar na vanguarda dessa discussão no Brasil e instruir os sindicatos filiados à confederação, para começar um movimento em prol da Convenção 190 da OIT. “Temos mais de quatro milhões de filiados e filiadas. No setor de Turismo, a mulher é ampla maioria e os casos de assédio no setor são altíssimos. Iremos buscar as entidades filiadas para rediscutir as convenções coletivas de trabalho e tentar aplicar essas cláusulas da OIT”, diz.

“Vamos tentar mudar ainda mais essa realidade da mulher trabalhadora brasileira, que já sofre com a tripla jornada, com tantas dificuldades relativas ao gênero, e que muitas vezes não tem paz nem mesmo no seu ambiente de trabalho. Uma sociedade mais justa e democrática exige a igualdade de gênero e o respeito à mulher”, concluiu Maria dos Anjos.

Website: http://www.entrecomunicacao.com

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Covid-19: pessoas já infectadas devem esperar um mês antes de vacinar

Publicado

em

Crédito: ©Tânia Rêgo/Agência Brasil

Recomendação é de médicos infectologista.

O Brasil registrou até ontem (10) 13.445.006 pessoas infectadas desde o início da pandemia, cerca de 6% da população brasileira. No momento em que a vacinação contra a covid-19 está sendo realizada no país, uma das dúvidas mais comuns é o que muda no caso de quem já teve a doença quando da aplicação da vacina.

Segundo o infectologista Hemerson Luz, quem já teve a covid-19 deve esperar ao menos um mês antes de tomar a vacina contra a doença. Esse intervalo é contado a partir de 14 dias depois do diagnóstico positivo, quando foi convencionado que a pessoa se livra do vírus.

Ele explica que ainda não há publicações e estudos demonstrando efeitos, mas que médicos têm adotado esse tempo mínimo para evitar potenciais efeitos adversos.

Se a pessoa tiver com a doença aguda, com febre e com sintomas da covid-19, ela não deve se vacinar. Antes disso, deve procurar um médico para receber orientações e ter um diagnóstico se está ou não com a covid-19.

“Se tiver com sintomas vou esperar encerrar o meu quadro. Se eu tiver com sintomas, tenho que procurar o médico para verificar o diagnóstico. Se tiver infectado, tem que aguardar até resolver o quadro e aí depois de 30 dias”, explica o infectologista.

Luz lembra que a vacina pode causar efeitos adversos, em geral no local da aplicação, como inchaço, vermelhidão, febre ou indisposição. Mas essas reações não duram mais de 48 horas e podem ser tratadas com remédios como analgésicos e antitérmicos.

O infectologista alerta que quem já foi infectado pode contrair a covid-19 novamente, mas o quadro deve ser brando. “A [vacina] CoronaVac tem eficácia de 50% para pegar a doença, mas é 100% eficaz contra o caso grave. A [vacina] Oxford/AstraZeneca é um pouco mais efetiva, a 70%, mas mesmo assim existe possibilidade de ficar doente”, disse.

O infectologista ressalta a importância da vacinação mesmo para quem já teve a covid-19. E acrescenta que não é preciso ter receio, pois não há chance da vacina causar doenças. Mesmo aquelas que utilizam vírus inativados não têm qualquer possibilidade de replicação do vírus no organismo.

 

Por | Jonas Valente – Repórter Agência Brasil – Brasília

Continuar Lendo

Notícias

Cadastro de imóveis rurais será completamente digitalizado

Publicado

em

Crédito: ©Marcelo Camargo/Agência Brasil

Procedimento poderá ser concluído em página da Receita na internet.

Os donos de imóveis rurais não precisarão mais ir a uma unidade de atendimento da Receita Federal para atualizarem ou cadastrarem a propriedade. O procedimento poderá ser concluído diretamente no Centro Virtual de Atendimento da Receita (e-CAC).

Agora, todos os documentos pedidos pela Receita Federal para validar o cadastro rural podem ser enviados digitalmente pelo e-CAC. Segundo o Ministério da Economia, a medida faz parte do Plano de Ação da Receita Federal no cenário pós-pandemia e contribui para a digitalização dos serviços públicos.

Os documentos serão enviados ao e-CAC por meio de Dossiê Digital de Atendimento. Caso sejam necessários novos documentos, eles deverão ser apresentados por meio da juntada de documentos, disponível na aba “Meus Processos”. Esclarecimentos adicionais e a confirmação de que o cadastro foi concluído passarão a ser efetuados eletronicamente.

Todos os imóveis rurais precisam ser inscritos no Cadastro de Imóveis Rurais (Cafir), mesmo os que têm imunidade ou isenção de Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR). Administrado pela Receita Federal, o Cafir lista os titulares, os condôminos e copossuidores das propriedades rurais.

Além do Cafir, os imóveis rurais são registrados no Cadastro Nacional de Imóveis Rurais (Cnir), que integra dados do Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

O envio eletrônico de documentos está disponível para quem inicia o processo pelos dois cadastros. Tanto quem usa o Sistema Cnir como para quem usa o Sistema Coletor Web, associado ao Cafir e administrado pela Receita Federal, poderá concluir o processo pelo e-CAC.

 

Por | Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Continuar Lendo

Notícias

Intelsat abre três novos Centros de Suporte a Clientes no Brasil, África do Sul e Índia

Empresa expande sua capacidade de atendimento ao cliente

Publicado

em

por

9/4/2021 –

Empresa expande sua capacidade de atendimento ao cliente

A Intelsat, operadora da maior rede integrada terrestre e por satélite do mundo, está expandindo sua capacidade de suporte ao cliente com a abertura de três novos Centros de Operações aos Clientes no Rio de Janeiro (Brasil), em Joanesburgo (África do Sul) e em Chennai (Índia).

Os centros são um componente-chave da experiência ao cliente Intelsat, 24 horas por dia, 7 dias por semana, fornecendo solução de problemas no idioma local, ativações de serviço, monitoramento e todo tipo de suporte em diferentes fusos horários e idiomas, incluindo português, inglês, francês e espanhol.

Todos os três centros já estão em operação, com funcionários trabalhando remotamente por causa das precauções de segurança para evitar a COVID-19. E todos foram concebidos tendo como base os Centros de Suporte ao Cliente da Intelsat existentes em Ellenwood, na Geórgia e McLean, na Virginia.

A Intelsat contratou 10 funcionários para o centro sediado no Rio de Janeiro e planeja contratar especialistas adicionais no segundo semestre de 2021. Os técnicos da equipe são fluentes em português e espanhol para ajudar a atender às centenas de clientes da Intelsat em toda a América Latina. A Intelsat também planeja incluir mais especialistas às equipes de Joanesburgo e Chennai até o fim do ano.

“Ser capaz de fornecer esse tipo de suporte aos nossos clientes, em sua própria região e idioma, é uma grande mudança. Nossa equipe sabe exatamente como resolver qualquer problema para que nossos clientes não tenham preocupação alguma”, explica Felippe Paiva, especialista sênior em atendimento ao cliente na Intelsat Brasil.

Paiva e outros especialistas do Centro de Operações aos Clientes irão ajudar a:

– Resolver quaisquer problemas técnicos ou de serviço;
– Monitorar sinais e níveis de serviço;
– Realizar consultas sobre novos serviços e soluções;
– Ativar e configurar novos serviços e terminais.
– “Estamos expandindo nossa infraestrutura de suporte para potencializar o futuro de nossos clientes,” diz Mike DeMarco, Chief Services Officer da Intelsat. “Nossas equipes regionais falam a língua local, entendem a cultura, as prioridades, as equipes e as plataformas de serviço dos nossos clientes.”

DeMarco completa, “A excelente equipe de operações de experiência ao cliente da Intelsat fornece uma camada adicional de suporte técnico aos nossos clientes, com um time dedicado para garantir não só o atendimento como a superação de suas expectativas. É a experiência completa da Intelsat – nossa rede, nosso pessoal e nosso suporte ao cliente – que nos torna os melhores nesse mercado.”

Além de suporte presencial ao vivo, a Intelsat também oferece a conveniência de várias ferramentas digitais de autoatendimento para simplificar a experiência de serviço de seus clientes. “Para saber mais sobre o suporte ao cliente Intelsat, basta acessar: www.intelsat.com/about-us/customer-experience/.

Website: https://www.intelsat.com/pt-br/

Continuar Lendo

Em Alta

...