Conecte-se conosco

Notícias

Consumidores de energia de Minas têm conta reduzida em 15%

Plataforma desenvolvida pela startup Metha Energia simplifica processos do sistema elétrico brasileiro para o consumidor final

Publicado

em

Belo Horizonte, MG 25/2/2021 – A geração distribuída altera a lógica do setor elétrico porque diminui a dependência do consumidor final pelas concessionárias locais.

Plataforma desenvolvida pela startup Metha Energia simplifica processos do sistema elétrico brasileiro para o consumidor final

Assim que a conta de luz do mês chegou na casa de Renan Bastos, 26 anos, a surpresa foi boa. O chef de cozinha pagou R$ 40 a menos do que desembolsava normalmente, e sem precisar fazer investimento nenhum em estrutura. Para conseguir o alívio na cobrança, Renan foi um dos early adopters, como são chamados os primeiros usuários, da Metha Energia, startup de Belo Horizonte que oferece descontos de até 15% nas contas de luz.

“Quando veio o desconto de R$ 40, fiquei surpreso”, conta Renan, que espera acumular economias de R$ 500 ao ano. Além do alívio no bolso, a facilidade de adesão ao serviço surpreendeu o chef. Ele não precisou comprar placas solares ou mudar nada na sua instalação elétrica. “Foi bem simples, não precisei fazer quase nada, só fazer a adesão pelo site e, depois, assinar um contrato. No mês seguinte já estava recebendo o boleto via Metha, com o desconto”, afirma.

Renan não é o único que reclama sobre uma conta de luz cara, que pesa no orçamento mensal. De acordo com o coordenador do Programa de Energia do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), em 2020, mais de 80% das reclamações de consumidores aos concessionários foram a respeito do valor da fatura. “O consumidor está chegando num limite de capacidade de pagamento, por conta de tantos subsídios”, afirmou Cláudio Leite, durante evento virtual promovido pelo Instituto E+ Transição Energética. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em 2021, os consumidores deverão pagar R$ 19,8 bilhões somente em subsídios nas contas de luz.

Sustentabilidade – Outro fator que influenciou na decisão de Renan foi a preocupação com a natureza. Ativista do meio ambiente, ele agora comemora a compra de uma energia limpa. “Eu sei de onde vem a produção energética que ilumina minha casa, e isso faz toda a diferença”, conta. Toda a eletricidade que Renan usa atualmente vem da transformação de dejetos de animais em energia elétrica.

O empresário e produtor rural João Paulo Gabriel, 38 anos, é um dos responsáveis por abastecer a rede da Metha Energia, que vende esse excedente energético para consumidores como Renan. Em suas duas fazendas no interior de Minas são gerados 576 mil kilowatts por mês – o suficiente para abastecer uma cidade de 4.000 habitantes. Ele conta com usinas biodigestoras para transformar o dejeto de suas granjas em metano e, a partir daí, em energia elétrica. O potencial energético, que excede o uso da fazenda e era descartado, passou a retornar para o sistema – e a gerar lucro para João Paulo há seis meses, quando a Metha passou a alugar seus geradores.

“Tenho uma série de benefícios. Além do financeiro, que é importante, também tem a questão sustentável, já que eu paro de jogar gás na atmosfera. É muito bom saber que estou fazendo a coisa certa para o planeta”, conta o produtor rural. A mudança na imagem das granjas de suíno também faz João Paulo se encher de orgulho do novo projeto. “Antes, quem criava porco era visto como um poluidor. Agora, já sou visto com outros olhos, como um produtor de energia limpa”, comemora.

Geração distribuída – É para conectar os mundos de João Paulo e Renan que a Metha Energia trabalha. Fundada em 2017, a startup atua no setor de geração distribuída, alugando equipamentos como painéis solares, usinas biodigestoras e pequenas centrais hidrelétricas (PCHs). Essa produção, feita a partir de fontes renováveis, é injetada na rede e cria créditos junto à concessionária, que a Metha utiliza para fornecer energia por um preço mais competitivo para o consumidor final.

A Metha Energia opera no sistema de Geração Distribuída regulamentado pela Resolução Normativa Aneel nº 482/2012 e também pela Resolução Normativa nº 687/2015. Dessa forma está sempre em conformidade com a normatização da Aneel e cumpre mensalmente as exigências das distribuidoras de energia, no caso de Minas Gerais, a Cemig e a Energisa-MG.

“A geração distribuída altera a lógica do setor elétrico porque traz a etapa da geração de energia para mais perto do consumidor final, gerando ganhos para todo o sistema e diminuindo a dependência dos clientes das concessionárias locais”, explica Victor Soares, sócio-fundador e CEO da Metha Energia, presente hoje em Minas Gerais e com expansão prevista para outros estados do Sudeste e Centro-Oeste.

Criada em 2017 e premiada no ano seguinte pelo Seed (programa de aceleração de startups do governo de Minas Gerais), a Metha Energia é uma ScaleUp, que faz parte da rede Endeavor, e recebe investimentos institucionais, a exemplo do fundo de Venture Capital SuperJobs e de um grupo de líderes de startups do país, como RD, iFood, MaxMilhas, BeerOrCoffee, SegFY, Trybe e D3.

Website: https://www.methaenergia.com.br/

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Debate aborda formas de combater o trabalho escravo

O encontro é iniciativa do Grupo de Trabalho (GT) do Coexistir, que reúne mais de 100 participantes de 40 empresas de vários segmentos, além do varejo de alimentos, e faz parte do Acordo de Cooperação Técnica com a Superintendência Regional do Trabalho.

Publicado

em

por

Sao Paulo, SP 12/4/2024 –

O encontro é iniciativa do Grupo de Trabalho (GT) do Coexistir, que reúne mais de 100 participantes de 40 empresas de vários segmentos, além do varejo de alimentos, e faz parte do Acordo de Cooperação Técnica com a Superintendência Regional do Trabalho.

O Sincovaga-SP (Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de São Paulo), que representa mais de 35 mil empresas do segmento, realizará no dia 17/04, quarta-feira, das 9h às 11h30, um encontro para debater o tema “Não ao trabalho escravo – Construindo pontes para o trabalho digno”, no auditório da sede da entidade (R. 24 de Maio, nº 35, 16º andar, Centro, São Paulo/SP.).

O encontro é iniciativa do Grupo de Trabalho (GT) do Coexistir, que reúne mais de 100 participantes de 40 empresas de vários segmentos, além do varejo de alimentos, e faz parte do Acordo de Cooperação Técnica com a Superintendência Regional do Trabalho de São Paulo.

Os especialistas convidados são

– Evandro Afonso de Mesquita – Auditor Fiscal do Trabalho;

– Paulo Roberto Warlet da Silva – Auditor Fiscal do Trabalho;

– Luís Gustavo Ponciano Pereira – Chefe da Seção de Operações na Superintendência Regional da Polícia Rodoviária Federal em São Paulo.

Serviço

Debate: “Não ao trabalho escravo – Construindo pontes para o trabalho digno”

Data: 17/04, quarta-feira, das 9h às 11h30

Local: Sincovaga-SP (Rua 24 de Maio, nº 35, Sala 1.616, República, São Paulo/SP.)

Inscrições gratuitas: Até o dia 15/04, clicando aqui.

_______________________________________________________________

Website: https://www.sincovaga.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Brasileiro mira no mercado de cibersegurança nos EUA

A empresa Barroso Security Dynamics será conduzida pelo especialista Fábio Costa Barroso e se concentrará em fornecer soluções avançadas para proteger empresas, indivíduos e entidades governamentais

Publicado

em

por

Vespasiano, MG 12/4/2024 – Na era digital, proteger informações sensíveis é primordial para preservar a integridade de espaços privados e comerciais

A empresa Barroso Security Dynamics será conduzida pelo especialista Fábio Costa Barroso e se concentrará em fornecer soluções avançadas para proteger empresas, indivíduos e entidades governamentais

A segurança cibernética é um assunto que vem sendo tema de discussões em nível mundial. Conforme dados de um relatório da Trend Micro, empresa de segurança de dados, os Estados Unidos foram o país que mais sofreram com ataques cibernéticos em 2023. Para se ter uma ideia, o tipo mais comum de crime cibernético relatado ao Centro de Reclamações de Crimes na Internet do país foi o phishing e spoofing, afetando aproximadamente 298 mil pessoas. Além disso, mais de 55 mil casos de violações de dados pessoais foram relatados ao IC3 durante o ano passado.

Com o advento da internet, pessoas físicas, empresas e sistemas governamentais estão sujeitos a esse tipo de crime. Dentre as complicações que um ataque cibernético pode causar estão comprometer a privacidade de dados e documentos, deixar sistemas fora do ar e restringir controle de dispositivos, como câmeras de segurança de residências, por exemplo.

Para o advogado e policial militar Fábio Costa Barroso, a digitalização é uma das grandes responsáveis pelo aumento de ameaças digitais e a prevalência de roubos, tanto físicos quanto cibernéticos, exige atenção imediata. “Na era digital, proteger informações sensíveis é primordial para preservar a integridade de espaços privados e comerciais”, explica ele, que atua na área há mais de 15 anos.

Pensando nisso, Barroso decidiu investir no mercado norte-americano de cibersegurança e comandará a Barroso Security Dynamics. A empresa, que ficará localizada em Orlando, na Flórida, se concentrará em fornecer soluções tanto para segurança cibernética quanto física para empresas, indivíduos e entidades governamentais. “Reconheço a necessidade crítica de medidas de segurança avançadas, por isso trabalharei com uma abordagem integrada para antecipar futuras necessidades de segurança, estabelecendo assim um novo padrão em serviços de segurança privada”, determina o profissional.

De acordo com Barroso, as operações de segurança da organização estão alinhadas com iniciativas nacionais de cibersegurança, como a Ordem Executiva 14028, que se concentra na redução do crime e na prosperidade econômica dos Estados Unidos, visando áreas carentes do país. “Por meio dessas iniciativas, pretendo atender às demandas de segurança atuais e me posicionar como um jogador-chave na formação de uma sociedade mais segura nos Estados Unidos”, finaliza.

Sobre o profissional:

Fábio Costa Barroso é bacharel em Direito pela Universidade Novos Horizontes, em Minas Gerais, e possui pós-graduação em Direito aplicado à Segurança Pública. Ao longo de sua carreira, dedicou mais de 15 anos à Polícia Militar de Minas Gerais. 

Website: https://premiumgmp.com/

Continuar Lendo

Notícias

Busca pela aparência movimenta mercado da estética

Uma pesquisa da ISAPS apontou que procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos tiveram aumento de 19,3%

Publicado

em

por

Belo Horizonte 12/4/2024 – a busca por tratamentos modernos e não-evasivos reflete a mudança de paradigma por resultados estéticos e métodos minimamente invasivos

Uma pesquisa da ISAPS apontou que procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos tiveram aumento de 19,3%

Uma pesquisa feita pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética – International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS), divulgou resultados sobre procedimentos estéticos/cosméticos, apontando um aumento geral de 19,3 % nos procedimentos feitos por cirurgiões plásticos em 2021, com mais de 12,8 milhões de métodos cirúrgicos e 17,5 milhões não cirúrgicos realizados no planeta. Ainda de acordo com a pesquisa, os cinco procedimentos mais comuns no mundo continuam sendo a lipoaspiração, o aumento dos seios, a cirurgia de pálpebras, a rinoplastia e a abdominoplastia. Já os não cirúrgicos são a toxina botulínica, o ácido hialurônico, a depilação, o lifting facial e a redução de gordura.

No Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), só em 2023 mais de 2 milhões de procedimentos foram realizados pela população brasileira, sendo que a lipoaspiração seguida das próteses mamárias foram os procedimentos mais procurados pelos pacientes.

No panorama da estética, de acordo com Simone Barros, fisioterapeuta dermatofuncional, fundadora da Clínica Simone Barros, em Belo Horizonte, “a busca por tratamentos modernos e não-evasivos reflete a mudança de paradigma por resultados estéticos e métodos minimamente invasivos”. E complementa dizendo que “essa direção reflete não apenas uma mudança nas expectativas do paciente, mas também uma valorização da individualidade”. 

Simone diz que, “na Clínica Simone Barros, nos últimos dois anos, os procedimentos mais procurados pelos pacientes incluem criolipólise, endolaser, ultraformer, radiofrequência, lavien, morpheus, depilação e laser”.

Clínica Simone Barros

Fundada em Belo Horizonte (MG), a Clínica Simone Barros presta serviços de estética e tem parcerias com médicos dermatologistas e nutricionistas. A clínica valoriza a saúde e o relacionamento com o paciente, além da estética. Cada caso é avaliado e tratado individualmente e o objetivo é superar as expectativas dos clientes.

Continuar Lendo

Em Alta

...