Conecte-se conosco

Notícias

Cresce procura por cursos de pós-graduação no Brasil

Busca por qualificação profissional é estratégia para se destacar no mercado e obter rendimentos maiores

Publicado

em

Campinas, SP 25/3/2021 – “Mais do que nunca, é preciso estar preparado para atender às exigências de um mercado extremamente concorrido e em contínua transformação”

Busca por qualificação profissional é estratégia para se destacar no mercado e obter rendimentos maiores

Na última década, a pós-graduação stricto sensu cresceu 48,6% no Brasil, passando de 3.128 programas (2011) para 4.650 (2020). A informação, que reúne somente cursos de mestrado e doutorado, foi divulgada no último mês de fevereiro pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), órgão vinculado ao Ministério da Educação. Anualmente, são formados no país cerca de 60 mil mestres e algo como 22 mil doutores. Se consideradas as modalidades latu senso, como MBA e especialização, o número de pós-graduados brasileiros torna-se ainda maior, e revelador da importância da contínua qualificação profissional.

Ir além da graduação proporciona diversos ganhos, dois deles em especial. O primeiro é o avanço do conhecimento acerca de temas essenciais ao desenvolvimento da carreira. O outro, decorrente deste, é a valorização conferida pelo mercado de trabalho aos profissionais com sólida formação, tendência que vem se consolidando ao longo dos últimos anos. Em 2016, a Revista Pesquisa Fapesp publicou uma matéria informando que os profissionais com mestrado obtiveram um aumento médio salarial de 21,4% no primeiro semestre de 2015 em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Segundo o texto, que utilizou dados de um levantamento realizado pela Consultoria Produtive, de São Paulo, a remuneração de executivos recolocados no mercado pela empresa nas regiões Sul e Sudeste do país passou de R$ 13,8 mil para R$ 17,5 mil nos períodos confrontados. O estudo antecipava o que hoje está consagrado: cursar uma pós-graduação é um diferencial importante para quem quer progredir na carreira.

A compreensão em torno dessa realidade não foi alterada nem mesmo diante das duas crises que o Brasil vive atualmente, a sanitária e a econômica, a segunda agravada pela primeira. A Facamp (Faculdades de Campinas), por exemlo, iniciou as atividades de 2021 da sua Escola de Pós-Graduação com seis cursos, sendo que todos registraram procura acima da média dos últimos anos. Quatro deles são de curta duração e estão inseridos na área de Educação Executiva: Compliance, Gestão de Empresas Familiares, Negócios Imobiliários e Direito Médico. Os outros dois são de Desenvolvimento de Embalagens (modalidade MBA) e Direito Empresarial (LL.M – Master of Laws), ambos com longa duração. Todos são ministrados remotamente, com aulas ao vivo.

De acordo com o diretor Acadêmico da Facamp, professor Rodrigo Sabbatini, embora os cursos da Escola de Pós-Graduação sejam concorridos, a procura por eles este ano surpreendeu. “Em alguns programas, as vagas foram esgotadas bem antes do prazo final de inscrição, o que é um indicador da qualidade do ensino oferecido pela instituição”, considera. Pedro Branco, que está à frente da área de Relações Institucionais da Faculdade, concorda com a análise.

Ele explica que, além dos cursos da área de Educação Executiva, que estão consagrados, a Facamp está oferecendo este ano dois programas inéditos. “Os cursos de Desenvolvimento de Embalagens e de Direito Empresarial estão sendo ministrados pela primeira vez, e contam com professores destacados, com larga experiência de mercado. Este sem dúvida foi um fator de atração de alunos. Além disso, por serem oferecidos remotamente, os cursos abriram a oportunidade para a participação de pessoas de vários pontos do país, inclusive aquelas que não vivem em grandes centros urbanos e que teriam dificuldade para frequentar presencialmente um programa de formação de excelência”.

O MBA em Desenvolvimento de Embalagens, prossegue Pedro Branco, é único na região de Campinas. O curso tem como alunos profissionais de grandes empresas, como Avon, Natura, Brasilata e BRF Foods, interessados em se manter atualizados sobre o tema. O LL.M também é pioneiro. Este permitirá aos participantes que realizem um dos módulos em uma das instituições estrangeiras que mantêm colaboração com a Facamp, o que vai conferir uma dimensão internacional às atividades.

Tanto Rodrigo Sabbatini quanto Pedro Branco entendem que a grande procura pelos cursos de pós-graduação da Facamp é reveladora da importância de os profissionais, bem como suas empresas, investirem em qualificação, mesmo em um período tão desafiador como o atual. “Mais do que nunca, é preciso estar preparado para atender às exigências de um mercado extremamente concorrido e em contínua transformação”, afirma o diretor Acadêmico da Faculdade.

Pesquisa inédita realizada pelo Instituto Semesp em 2019, que traça um cenário dos cursos de especialização latu senso no Brasil, ratifica a análise. Segundo o levantamento, que contemplou instituições de ensino superior públicas e privadas, o número de alunos que cursam esses programas vem aumentando desde 2016, sendo que 88% deles frequentam escolas privadas. Nos quatro anos anteriores ao estudo, houve um crescimento de 74% no número de matrículas. Ainda segundo a pesquisa, o profissional que faz um curso de especialização tem um rendimento médio mensal em torno de R$ 4,5 mil, valor 150% superior à média salarial daqueles que têm somente a graduação.

Website: http://www.facamp.com.br

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Covid-19: pessoas já infectadas devem esperar um mês antes de vacinar

Publicado

em

Crédito: ©Tânia Rêgo/Agência Brasil

Recomendação é de médicos infectologista.

O Brasil registrou até ontem (10) 13.445.006 pessoas infectadas desde o início da pandemia, cerca de 6% da população brasileira. No momento em que a vacinação contra a covid-19 está sendo realizada no país, uma das dúvidas mais comuns é o que muda no caso de quem já teve a doença quando da aplicação da vacina.

Segundo o infectologista Hemerson Luz, quem já teve a covid-19 deve esperar ao menos um mês antes de tomar a vacina contra a doença. Esse intervalo é contado a partir de 14 dias depois do diagnóstico positivo, quando foi convencionado que a pessoa se livra do vírus.

Ele explica que ainda não há publicações e estudos demonstrando efeitos, mas que médicos têm adotado esse tempo mínimo para evitar potenciais efeitos adversos.

Se a pessoa tiver com a doença aguda, com febre e com sintomas da covid-19, ela não deve se vacinar. Antes disso, deve procurar um médico para receber orientações e ter um diagnóstico se está ou não com a covid-19.

“Se tiver com sintomas vou esperar encerrar o meu quadro. Se eu tiver com sintomas, tenho que procurar o médico para verificar o diagnóstico. Se tiver infectado, tem que aguardar até resolver o quadro e aí depois de 30 dias”, explica o infectologista.

Luz lembra que a vacina pode causar efeitos adversos, em geral no local da aplicação, como inchaço, vermelhidão, febre ou indisposição. Mas essas reações não duram mais de 48 horas e podem ser tratadas com remédios como analgésicos e antitérmicos.

O infectologista alerta que quem já foi infectado pode contrair a covid-19 novamente, mas o quadro deve ser brando. “A [vacina] CoronaVac tem eficácia de 50% para pegar a doença, mas é 100% eficaz contra o caso grave. A [vacina] Oxford/AstraZeneca é um pouco mais efetiva, a 70%, mas mesmo assim existe possibilidade de ficar doente”, disse.

O infectologista ressalta a importância da vacinação mesmo para quem já teve a covid-19. E acrescenta que não é preciso ter receio, pois não há chance da vacina causar doenças. Mesmo aquelas que utilizam vírus inativados não têm qualquer possibilidade de replicação do vírus no organismo.

 

Por | Jonas Valente – Repórter Agência Brasil – Brasília

Continuar Lendo

Notícias

Cadastro de imóveis rurais será completamente digitalizado

Publicado

em

Crédito: ©Marcelo Camargo/Agência Brasil

Procedimento poderá ser concluído em página da Receita na internet.

Os donos de imóveis rurais não precisarão mais ir a uma unidade de atendimento da Receita Federal para atualizarem ou cadastrarem a propriedade. O procedimento poderá ser concluído diretamente no Centro Virtual de Atendimento da Receita (e-CAC).

Agora, todos os documentos pedidos pela Receita Federal para validar o cadastro rural podem ser enviados digitalmente pelo e-CAC. Segundo o Ministério da Economia, a medida faz parte do Plano de Ação da Receita Federal no cenário pós-pandemia e contribui para a digitalização dos serviços públicos.

Os documentos serão enviados ao e-CAC por meio de Dossiê Digital de Atendimento. Caso sejam necessários novos documentos, eles deverão ser apresentados por meio da juntada de documentos, disponível na aba “Meus Processos”. Esclarecimentos adicionais e a confirmação de que o cadastro foi concluído passarão a ser efetuados eletronicamente.

Todos os imóveis rurais precisam ser inscritos no Cadastro de Imóveis Rurais (Cafir), mesmo os que têm imunidade ou isenção de Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR). Administrado pela Receita Federal, o Cafir lista os titulares, os condôminos e copossuidores das propriedades rurais.

Além do Cafir, os imóveis rurais são registrados no Cadastro Nacional de Imóveis Rurais (Cnir), que integra dados do Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

O envio eletrônico de documentos está disponível para quem inicia o processo pelos dois cadastros. Tanto quem usa o Sistema Cnir como para quem usa o Sistema Coletor Web, associado ao Cafir e administrado pela Receita Federal, poderá concluir o processo pelo e-CAC.

 

Por | Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Continuar Lendo

Notícias

Intelsat abre três novos Centros de Suporte a Clientes no Brasil, África do Sul e Índia

Empresa expande sua capacidade de atendimento ao cliente

Publicado

em

por

9/4/2021 –

Empresa expande sua capacidade de atendimento ao cliente

A Intelsat, operadora da maior rede integrada terrestre e por satélite do mundo, está expandindo sua capacidade de suporte ao cliente com a abertura de três novos Centros de Operações aos Clientes no Rio de Janeiro (Brasil), em Joanesburgo (África do Sul) e em Chennai (Índia).

Os centros são um componente-chave da experiência ao cliente Intelsat, 24 horas por dia, 7 dias por semana, fornecendo solução de problemas no idioma local, ativações de serviço, monitoramento e todo tipo de suporte em diferentes fusos horários e idiomas, incluindo português, inglês, francês e espanhol.

Todos os três centros já estão em operação, com funcionários trabalhando remotamente por causa das precauções de segurança para evitar a COVID-19. E todos foram concebidos tendo como base os Centros de Suporte ao Cliente da Intelsat existentes em Ellenwood, na Geórgia e McLean, na Virginia.

A Intelsat contratou 10 funcionários para o centro sediado no Rio de Janeiro e planeja contratar especialistas adicionais no segundo semestre de 2021. Os técnicos da equipe são fluentes em português e espanhol para ajudar a atender às centenas de clientes da Intelsat em toda a América Latina. A Intelsat também planeja incluir mais especialistas às equipes de Joanesburgo e Chennai até o fim do ano.

“Ser capaz de fornecer esse tipo de suporte aos nossos clientes, em sua própria região e idioma, é uma grande mudança. Nossa equipe sabe exatamente como resolver qualquer problema para que nossos clientes não tenham preocupação alguma”, explica Felippe Paiva, especialista sênior em atendimento ao cliente na Intelsat Brasil.

Paiva e outros especialistas do Centro de Operações aos Clientes irão ajudar a:

– Resolver quaisquer problemas técnicos ou de serviço;
– Monitorar sinais e níveis de serviço;
– Realizar consultas sobre novos serviços e soluções;
– Ativar e configurar novos serviços e terminais.
– “Estamos expandindo nossa infraestrutura de suporte para potencializar o futuro de nossos clientes,” diz Mike DeMarco, Chief Services Officer da Intelsat. “Nossas equipes regionais falam a língua local, entendem a cultura, as prioridades, as equipes e as plataformas de serviço dos nossos clientes.”

DeMarco completa, “A excelente equipe de operações de experiência ao cliente da Intelsat fornece uma camada adicional de suporte técnico aos nossos clientes, com um time dedicado para garantir não só o atendimento como a superação de suas expectativas. É a experiência completa da Intelsat – nossa rede, nosso pessoal e nosso suporte ao cliente – que nos torna os melhores nesse mercado.”

Além de suporte presencial ao vivo, a Intelsat também oferece a conveniência de várias ferramentas digitais de autoatendimento para simplificar a experiência de serviço de seus clientes. “Para saber mais sobre o suporte ao cliente Intelsat, basta acessar: www.intelsat.com/about-us/customer-experience/.

Website: https://www.intelsat.com/pt-br/

Continuar Lendo

Em Alta

...