Conecte-se conosco

notícias

Crescimento de IoT leva gestores brasileiros a buscar o ROI gerado por essas aplicações

Segundo os analistas do IDC, 90% das organizações brasileiras que já implementaram soluções IoT tem como meta, em 2020, construir KPIs (Key Performance Indicators) que suportarão o desenvolvimento de cálculos do ROI obtido com essa infraestrutura

Publicado

em

São Paulo, SP 29/10/2020 –

Segundo os analistas do IDC, 90% das organizações brasileiras que já implementaram soluções IoT tem como meta, em 2020, construir KPIs (Key Performance Indicators) que suportarão o desenvolvimento de cálculos do ROI obtido com essa infraestrutura

A tecnologia IoT está em ação no Brasil há anos e, com a pandemia, expandiu-se ainda mais. É o que informa o estudo IoT Snapshot da Logicalis: no primeiro semestre de 2020, 19% de todos os projetos de IoT da América Latina foram desenvolvidos no Brasil. Com a crise da COVID-19 e a chegada de um mundo baseado em relações remotas, e na redução de visitas a empresas de todas as verticais, esse segmento deu um salto em quantidade – 59% de aumento de consumo de soluções IoT, segundo pesquisa mundial da KPMG – e qualidade. Tornou-se urgente elevar o nível de maturidade digital dos setores da empresa baseados em dispositivos IoT, adicionando visibilidade e controle a essas áreas. A grande meta é calcular o ROI trazido por essa tecnologia a cada organização.

É o que indica estudo do IDC Brasil divulgado no início deste ano. Segundo os analistas do IDC, 90% das organizações brasileiras que já implementaram soluções IoT tem como meta, em 2020, construir KPIs (Key Performance Indicators) que suportarão o desenvolvimento de cálculos do ROI obtido com essa infraestrutura. Ainda segundo o IDC, essa busca de traduzir em ganhos de negócios os investimentos de IoT irá gerar, no Brasil, investimentos de US$ 9,9 bilhões em hardware, software e serviços – inclusive de consultoria de negócios – ligados à expansão do IoT no país.

O caminho em direção ao cálculo do ROI de uma planta IoT é longo

Estudo da consultoria McKinsey, realizado em 2019, mostra que todas as verticais passam por etapas fixas de adoção de IoT. Parte-se da IoT Strategy (planejamento sem nenhuma solução implementada) para a fase de IoT Initiation (fase de testes e PoC), avança-se para a etapa Early Adoption (implementação de um projeto piloto já em produção) para se chegar ao momento realmente esperado: IoT Enterprise. Somente quem já chegou a essa etapa está em condições de avançar no nível da maturidade digital de suas plantas e aplicações IoT. O grande diferencial da fase IoT Enterprise é a conexão das áreas digitalizadas por dispositivos IoT – sejam usinas hidrelétricas ou uma escola primária com câmeras de segurança – com as áreas de TI e segurança, promovendo uma visão unificada, analítica e alinhada com os negócios das empresas usuárias desses novos ambientes.

Nessa empreitada, é fundamental contar com soluções convergentes de monitoração de ambientes IoT, TI e OT. São plataformas capazes de suportar, por meio de dashboards sob medida para cada empresa, a criação de KPIs com métricas que servem de base para o cálculo do ROI e evidenciam o valor aportado pelos dispositivos IoT à empresa como um todo.

Abaixo, os 10 passos necessários para atingir essa meta

1. Visualize o que a Internet das Coisas – ‘IoT’ – significará para o seu negócio – A IoT transformará alguns negócios mais do que outros. Uma empresa de serviços profissionais poderá estar preocupada com integrar um termostato inteligente, enquanto um fabricante enfrentará os desafios de unificar vários sistemas, máquinas e dispositivos díspares. Os administradores de rede estarão na vanguarda do processo de integração, e desempenhando um papel crítico em extrair o máximo valor dos dispositivos conectados.

2. Prepare-se para integrar – Com todos os diferentes tipos de dispositivos, a integração se torna um desafio. É crítico que todos os dispositivos conectados sejam monitorados com precisão.

3. Compreenda os protocolos utilizados nesse universo – Os três principais protocolos usados para conectar a Internet das Coisas são: SNMP (Simple Network Management Protocol – Protocolo Simples de Gerenciamento de Redes), APIs REST e XML.

4. Lembre-se de que nem todas as “coisas” são novas – Muitos dispositivos estão desatualizados, especialmente nos ambientes industriais, ou são conectados por meio de pequenos computadores como o Raspberry Pi. É importante compreender os muitos e diferentes requisitos de hardware.

5. Seja flexível – A Internet das Coisas será o maior desafio já enfrentado pelos administradores de rede desde os serviços de nuvem e o BYOD (Bring Your Own Device – Traga Seu Próprio Dispositivo). É necessário ser paciente e flexível para lidar com os complexos desafios de monitorar uma rede de dispositivos conectados em velocidade de negócios.

6. Planeje proativamente – Quando se trata de monitoramento de redes, o planejamento é fundamental. Para manter o uptime e a disponibilidade, certifique-se de planejar o uso de largura de banda dos dispositivos conectados.

7. Reconheça que qualquer coisa que tem um endereço IP pode ser hackeada – Os hackers são destemidos e criativos. Antes de conectar a geladeira à TI central, certifique-se de ter em vigor um plano de segurança.

8. Customize, customize, customize – Um dos aspectos mais empolgantes da Internet das Coisas é que não há limite para o que pode ser conectado. Em termos de monitoramento, isso cria desafios que podem ser resolvidos criando-se novos sensores e relatórios customizados.

9. Mantenha todas as “coisas” em ordem – Frequentemente, os sistemas de TI modernos são caóticos. Mapear e rastrear todas as “coisas” à medida que elas são acrescentadas à rede lhe poupará muitas dores de cabeça a longo prazo.

10. Pense dois passos à frente – Em geral, os projetos de dispositivos conectados começam pequenos nas empresas. É inevitável, porém, que o mundo conectado acabe fornecendo novos dados e informações sobre como as empresas operam. Os dados produzidos por dispositivos IoT são, cada vez mais, impulsores de importantes decisões de negócios. KPIs baseadas nesses dados são essenciais para, numa etapa subsequente, chegar-se ao cálculo do ROI dos ambientes IoT.

Infelizmente ainda ocorrem, no Brasil, casos de projetos IoT que são vistos de forma secundária e complementar, não recebendo a atenção que outras áreas de negócios conquistam.

A monitoração integrada de ambientes IoT, OT e TI lança luz sobre os ultras específicos ambientes IoT, propiciando a gestão unificada de toda a infraestrutura digital. Quem seguir esse caminho conseguirá, em 2021, incluir as mais diversas aplicações IoT em seus cálculos de ROI.

* Luis Arís é Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Paessler América Latina.

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

notícias

Anatel aprova edital de leilão de 5G

Publicado

em

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, durante coletiva à imprensa, nesta sexta-feira (26). - Foto: MCom
O ministro das Comunicações, Fábio Faria, durante coletiva à imprensa, nesta sexta-feira (26). - Foto: MCom

A expectativa é que a licitação ocorra ainda neste semestre.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou o edital do leilão das faixas de radiofrequência para a prestação de serviços de telecomunicações por meio de 5G no Brasil. O 5G é a quinta geração de tecnologia de comunicação móvel. O documento será enviado para análise do Tribunal de Contas da União (TCU), e, depois, retorna à Anatel. A expectativa do Governo Federal é promover a licitação ainda neste semestre.

A decisão foi tomada durante reunião, nessa quinta-feira (25), de representantes da Anatel. “Nós teremos condições de cumprir o prazo e fazer com o que o Brasil possa realizar logo o seu leilão. Esse é um marco para o desenvolvimento do país. É o padrão tecnológico mais elevado para os serviços móveis”, afirmou o ministro das Comunicações, Fábio Faria, em coletiva à imprensa, nesta sexta-feira (26), para anunciar as regras do edital.

O ministro destacou que a nova tecnologia promete velocidades superiores ao do 4G e maior conectividade entre máquinas e sensores instalados em fábricas e indústrias. “O 4G foi feito para as pessoas. Ele veio com áudio, com vídeo, e foi um serviço que ajudou muito nessa interação entre pessoas. O 5G vem para as empresas. Ele vem para as indústrias. As indústrias vão dar um salto de qualidade jamais visto. Não é apenas aumento de cem vezes a velocidade, é a conexão com toda a empresa, com toda a cadeia produtiva. Você vai conseguir eliminar desperdício”, explicou.

Segundo o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, esse será o maior edital de outorga de direito de uso de radiofrequência da Anatel. “O 5G irá remodelar a sociedade e os meios produtivos. Não se trata de apenas mais 1G, mas de um guarda-chuva que potencializa e envolve várias outras tecnologias.”

O que será ofertado no leilão

Serão ofertadas as frequências de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz. Elas proporcionam maior volume de recursos de espectro para que as prestadoras possam expandir as redes em todo o país.

A proposta aprovada estabelece, por exemplo, compromissos de investimentos de cobertura que obrigam as empresas vencedoras do leilão a atenderem com tecnologia 4G ou superior áreas pouco ou não servidas, com mais de 600 habitantes, como localidades e estradas.

Para os municípios com mais de 30 mil habitantes, segundo a Anatel, estão previstos compromissos de atendimento já com tecnologia 5G.

O edital também prevê recursos da ordem de R$ 1,5 bilhão para a implementação de redes de transporte em fibra óptica na região Norte, por meio do programa Norte Conectado e a construção da Rede Privativa de Comunicação da Administração Pública Federal, estratégica para a segurança nacional. Inicialmente, essa rede de comunicação será exclusiva para o uso do Poder Executivo, mas, depois, poderá ser estendida a outros poderes.

Consulta pública

O edital do leilão de 5G foi objeto de consulta pública durante 60 dias. Nesse período, recebeu 262 contribuições da sociedade.

Tecnologia de quinta geração

Segundo a Anatel, diferentemente das mudanças nas gerações passadas (2G, 3G e 4G), o foco desta tecnologia não está somente no incremento de taxas de transmissão. Está, sobretudo, no atendimento de diferentes serviços.

O 5G concretizará conceitos como os de Internet das Coisas e aprendizagem de máquina em tempo real. Promete diversificar os serviços oferecidos em setores como segurança pública, telemedicina, educação a distância, cidades inteligentes e automação industrial e agrícola.

Entre os avanços esperados para o 5G estão:

– Maior velocidade;
– Tempo mínimo entre o estímulo e a resposta da rede de Telecom;
– Maior densidade de conexões;
– Maior eficiência espectral;
– Maior eficiência energética dos equipamentos, ou seja, maior economia e sustentabilidade.

 

Por | gov.com.br

Continuar Lendo

notícias

Plataforma de transporte pode aumentar em 35% o ganho dos produtores 

A plataforma  FastFrete possibilita a realização de leilões e a integração entre embarcadores e transportadoras – principais atores no cenário da logística brasileira. Ao todo, são mais de  200 transportadoras cadastradas na plataforma e 30 mil caminhões.

Publicado

em

por

Curitiba-PR 26/2/2021 – “A infraestrutura brasileira obriga os empresários brasileiros a gastarem R$4,4 bilhões a mais que os EUA. Assim, a logística no Brasil é excessivamente cara”.

A plataforma  FastFrete possibilita a realização de leilões e a integração entre embarcadores e transportadoras – principais atores no cenário da logística brasileira. Ao todo, são mais de  200 transportadoras cadastradas na plataforma e 30 mil caminhões.

O transporte pelas estradas é o modal mais utilizado no país. Consequentemente, devido às condições das rodovias brasileiras, os custos logísticos representam 12,1% do PIB – segundo estudo realizado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPEAD/UFRJ) – e podem comprometer até metade do orçamento das transportadoras.

“A infraestrutura brasileira obriga os empresários brasileiros a gastarem R$4,4 bilhões a mais que os EUA. Assim, a logística no Brasil é excessivamente cara, principalmente pela falta de investimento na infraestrutura e no transporte. Por isso, é importante o gestor estar atento ao cálculo de suas despesas para que esse processo não seja oneroso”, afirma o empresário Valdécio Bombonatto, que – entre outros setores – atua na área de logística portuária.

Conforme estudos do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (Gite) da Embrapa, se o Brasil solucionasse os problemas no escoamento de produtos do agronegócio, produtores teriam um ganho 35% superior ao atual. 

EVOLUÇÃO – Pensando neste mercado, empresários do setor portuário e do agronegócio  desenvolveram um sistema eletrônico de gestão e cotação de frete que oferece uma economia de até 30% nos custos com o transporte de cargas para em todo o Brasil.

A plataforma FastFrete possibilita a realização de leilões e a integração entre embarcadores e transportadoras – principais atores no cenário da logística brasileira. Ao todo, são mais de  200 transportadoras cadastradas na plataforma e 30 mil caminhões.

“O mercado de transportes e logística está atravessando uma rápida revolução tecnológica que veio conectar toda a cadeia, do motorista de caminhão aos transportadores e embarcadores, da indústria ao varejo”, conta o diretor comercial da FastFrete, João Bombonatto Neto.

Ele ressalta que, por meio da tecnologia, empresas e profissionais da estrada obtêm maior eficiência no planejamento das viagens e redução de custos.

O impulso das logtechs como reflexo da Covid-19 tende a ganhar ainda mais força na medida em que o modal rodoviário aumenta aceleradamente sua participação no mundo online. De acordo com a Confederação Nacional de Transportes, em 2019, o modal rodoviário representou 60% da participação no mercado.

Estudos apontam que o impacto econômico no setor logístico foi grande no início da pandemia com o fechamento de fronteiras e as restrições para circulação. No entanto, o transporte rodoviário – apesar das dificuldades enfrentadas pelos caminhoneiros com postos fechados e falta de infraestrutura nas estradas – conseguiu se manter ativo, garantindo a entrega de bens essenciais, como alimentos e insumos hospitalares. O comércio eletrônico explodiu e não enfrentou graves problemas de entrega mesmo durante os períodos de isolamento mais rígido.

O diretor operacional da Fastfrete,Paulo Henrique Tonello, ressalta que o uso da plataforma para transporte de cargas contribui para solucionar um dos vários gargalos logísticos – já que promove o “match” entre embarcadores e transportadoras – racionalizando viagens, evitando percursos em que o caminhão esteja rodando completo ou parcialmente vazio.

“Trazemos uma solução que também contribui para reduzir tempo no processo de importação até a chegada do produto ao campo. Outro benefício é a possibilidade de aproveitar o frete de retorno, evitando que os caminhões transitem vazios e rentabilizando a operação”, completa Paulo.

Segundo a NTC & Logística, o Brasil tem cerca de 2 milhões de caminhões em atividade com uma ociosidade de 60%, o que resulta num excesso de 300.000 caminhões nas estradas.

NOVIDADE – O próximo passo da Fastfrete agora é lançar o aplicativo para o caminhoneiro.“Conectados, os caminhões trocam dados em tempo real com as transportadoras e entre si sobre riscos potenciais, como eventos meteorológicos, roubos, interrupções de rotas, motoristas com comportamentos de direção perigosa ou trechos com alto índice de acidentes”, menciona Paulo.

Outras funcionalidades estão em fase de implantação com a possibilidade de qualificar as transportadoras pelo nível do serviço prestado, a automatização do processo de documentação manual, gerenciamento de risco e banco digital para pagamento da carta-frete direto da plataforma.

COMO FUNCIONA – Acessando www.fastfrete.com.br  ou baixando o aplicativo FastFrete os usuários realizam o cadastro da carga a ser transportada e inserem os dados que serão utilizados pela plataforma para operacionalizar o leilão. As transportadoras recebem um aviso de cadastro do leilão por email e mensagem de texto, gerando um maior número de propostas feitas. Ao término do leilão, levará a carga o transportador com a proposta de menor valor de frete.

Além da praticidade, economia e agilidade, a FastFrete apresenta a opção de acompanhamento de todos os lances em tempo real, informações sobre a quantidade de cargas aprovadas fretadas por transportadoras e o custo de frete.

 

Website: https://www.fastfrete.com.br/

Continuar Lendo

notícias

Dicas para aumentar as vendas no ambiente virtual

Rodrigo Darzi, especialista em marketing digital da Agência IMMA, dá dicas para melhorar os números das vendas on-line da marca.

Publicado

em

por

Rio de Janeiro, RJ 26/2/2021 – Otimizar o site é um passo fundamental para quem quer aumentar as vendas on-line.

Rodrigo Darzi, especialista em marketing digital da Agência IMMA, dá dicas para melhorar os números das vendas on-line da marca.

As vendas on-line são um fator fundamental para o sucesso de qualquer empresa. Atualmente, esse recurso se torna ainda mais importante por conta da necessidade de isolamento social proporcionada pela pandemia do coronavírus. Sendo assim, é crucial para uma marca encontrar formas de melhorar esse indicativo.

Felizmente, existem muitas dicas que podem ser de grande ajuda nesta questão, e Rodrigo Darzi explicou algumas dessas dicas. Rodrigo é especialista em marketing da Agência IMMA, agência de marketing digital.

De acordo com Rodrigo, o primeiro passo é fazer o site da loja carregar rápido. A velocidade de carregamento é crucial para o desempenho de uma loja virtual. Isso porque, para um usuário, é frustrante precisar esperar mais de 3 segundos para uma página carregar.

“Se um e-commerce tem um carregamento lento, é mais fácil que um usuário desista de usá-lo no meio de uma compra”, explicou.

Por conta disso, segundo o especialista, é essencial acelerar o carregamento do site de uma marca. Dessa maneira, os usuários podem comprar com facilidade.

A segunda dica dada por Darzi é otimizar a loja de acordo com as normas de SEO. Para aumentar as vendas on-line de uma marca, é fundamental que um usuário possa encontrar a loja virtual facilmente através dos mecanismos de busca.

“Assim, é uma boa ideia investir em técnicas de SEO, ou seja, técnicas de otimização que tornam um site ou um conteúdo mais atraentes para o algoritmo do Google. Dessa maneira, a página de loja passa a obter um posicionamento melhor nos resultados de busca, o que aumenta o seu alcance de forma significativa”, afirmou Rodrigo.

Criar perfis para uma marca nas redes sociais é a última dica dada pelo especialista. As redes sociais são veículos importantes para o marketing digital. Portanto, para uma loja on-line, é promissor estar presente nestas plataformas.

“Criar perfis nas redes sociais faz com que mais usuários descubram a existência da marca, o que gera mais interesse nos produtos oferecidos. A melhor forma de colocar em prática dicas para aumentar as vendas on-line de uma empresa é com ajuda especializada”, concluiu.

Website: https://www.agenciaimma.com.br/

Continuar Lendo

Em Alta