Conecte-se conosco

notícias

Curadoria de memórias pessoais: uma profissão futuro

A maioria das profissões para aqueles que vão ingressar no mercado de trabalho nos próximos anos ainda não foi criada. Os empregos atuais não serão extintos, mas transformados pela parceria entre o homem e a máquina, com forte influência da tecnologia.

Publicado

em

São Paulo, SP 11/1/2021 – Além de ser uma nova oportunidade para quem vai usufruir desta tecnologia, a curadoria de memórias é uma possibilidade para os profissionais da área de T.I.

A maioria das profissões para aqueles que vão ingressar no mercado de trabalho nos próximos anos ainda não foi criada. Os empregos atuais não serão extintos, mas transformados pela parceria entre o homem e a máquina, com forte influência da tecnologia.

Oitenta e cinco por cento das profissões que existirão em 2030 ainda não foram criadas. É o que afirma o estudo Projetando 2030: uma visão dividida do futuro encomendado pela Dell Technologies ao IFTF (Institute For The Future). Isto não significa que empregos começarão a ser extintos, mas sim transformados, com grande presença da tecnologia e parceria entre homem e máquina.

Uma das profissões apontadas como “do futuro” é a do curador de memórias pessoais, segundo estudo realizado pela Cognizant, multinacional norte-americana de tecnologia. Através de uma curadoria que envolve pesquisas em redes sociais, fotos e fontes históricas, é possível recriar cenários e experiências, utilizando Realidade Virtual (VR) e Realidade Aumentada (AR).

Combinando ambientes multiprojetados com imagens realistas, sons e outras sensações que simulam a presença da pessoa em um ambiente familiar ou tempo específico, é possível fazer com que uma pessoa com Alzheimer, por exemplo, revisite a casa em que passou a infância.

Além de ser uma nova oportunidade para os clientes que vão usufruir desta tecnologia, a curadoria de memórias é uma possibilidade para os profissionais da área de TI, que poderão desenvolver mundos paralelos em parceria com o ramo da saúde, por exemplo.

Ainda não existem cursos superiores específicos para formar profissionais desta nova tendência, mas é uma porta que se abre para alunos de cursos como engenharia da computação, sistemas de informação, engenharia mecatrônica e jogos digitais, que podem vislumbrar novos caminhos para suas carreiras, tendo a saúde como uma de suas vertentes, não precisando se limitar ao desenvolvimento de sistemas, robótica, games, inteligência artificial. A tecnologia é um mundo muito amplo, que oferece perspectivas de profissões que vão além de nossa imaginação – em especial, quando se une com as outras áreas do conhecimento humano.

Website: http://www.fiap.com.br

Continuar Lendo
Anúncio

notícias

Mundo perdeu 255 milhões de empregos na pandemia

Publicado

em

OIT diz que perdas equivalem a 4,4% do PIB global.

Um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostrou que a pandemia de covid-19 causou a perda de 8,8% das horas de trabalho em todo o mundo, o equivalente a 255 milhões de empregos em tempo integral. O cálculo da OIT foi feito em horas de trabalho perdidas, considerando as jornadas de trabalho reduzidas e também aquelas pessoas que perderam o emprego. A comparação foi com o último trimestre de 2019.

A OIT estima que a renda caiu em US$7 trilhões em todo o mundo, o equivalente a 8,3% da renda global do trabalho, ou 4,4 % do Produto Interno Bruto (PIB) global. As mulheres foram mais afetadas que os homens na pandemia. Para elas, a perda de emprego ficou em 5% e, para eles, em 3,9%.

Entre os jovens, também houve forte impacto, ou por saírem do mercado de trabalho, ou por adiarem sua entrada nele. A perda de emprego entre os jovens (15-24 anos) foi de 8,7% e de 3,7 % na população adulta.

De acordo com o relatório, 71% das perdas de emprego ocorreram por causa da inatividade, e não pela falta de vagas. Ou seja, 81 milhões de pessoas deixaram o mercado por não conseguirem trabalhar, seja por restrições impostas durante a pandemia, seja por terem parado de procurar uma ocupação. No total, 114 milhões de pessoas foram afetadas.

Setores

Os setores mais afetados foram os de hospedagem e alimentação. Nas duas áreas, houve redução de mais de 20% do emprego. Os setores do varejo e da indústria aparecem em seguida.

Por outro lado, houve aumento de emprego nos setores de informação e comunicação e finanças e seguros nos segundo e terceiro trimestres de 2020.

Recuperação

As últimas projeções da OIT mostram que “a maioria dos países experimentará uma recuperação relativamente forte no segundo semestre do ano”, considerando o início da vacinação em vários países. A entidade apresentou três cenários, um pessimista, um otimista e um de referência.

No cenário pessimista, de vacinação lenta, a jornada de trabalho diminuiria 4,6%, enquanto no cenário otimista, a queda seria de 1,3 %. No cenário de referência (que se baseia nas previsões do Fundo Monetário Internacional de outubro de 2020), projeta-se perda de 3% das horas de trabalho globalmente em 2021 (em comparação com o quarto trimestre de 2019), o que equivale a 90 milhões de empregos em tempo integral.

Tudo dependerá de a pandemia estar sob controle e de haver uma renovada confiança entre consumidores e empresas, alerta a Organização Internacional do Trabalho.

A OIT faz recomendações para a recuperação do emprego, entre as quais destacam-se a manutenção de “políticas macroeconômicas flexíveis” em 2021 e em anos subsequentes, com incentivos fiscais e a adoção de medidas que estimulem a renda e o investimento; e a adoção de medidas específicas de apoio aos setores mais afetados e promoção do emprego nos setores em que os avanços são mais rápidos.

 

Por | Agência Brasil – Brasília

Continuar Lendo

notícias

Dicas de otimização para mecanismos de busca

Rodrigo Darzi, especialista em marketing digital da Agência IMMA, cita dicas de otimização voltadas a sites de busca.

Publicado

em

por

Rio de Janeiro, RJ 25/1/2021 – Além de otimizar a página e artigos, é importante investir em otimização de imagens.

Rodrigo Darzi, especialista em marketing digital da Agência IMMA, cita dicas de otimização voltadas a sites de busca.

SEO é um elemento muito importante para qualquer estratégia de marketing digital. Por isso, para uma empresa, é crucial descobrir algumas dicas de otimização para mecanismos de buscas.

No entanto, existem muitas dicas que podem ajudar uma marca nesse quesito. Rodrigo Darzi, especialista em marketing da Agência IMMA, agência de marketing digital, explica algumas das principais dicas:

O primeiro conselho dado por Rodrigo é usar palavras-chave. Segundo ele, as palavras-chave são os termos que são digitados pelo usuário na barra de buscas do Google. Esses termos são usados pelo algoritmo da plataforma para selecionar os resultados mais relevantes de acordo com a busca.

Para o especialista, é fundamental utilizar esse fator de forma inteligente. Isso significa que toda página ou conteúdo produzido por uma marca deve conter uma palavra-chave. “O ideal é que essa palavra-chave seja específica e que ela seja repetida ao longo da página de forma orgânica. Fazer isso de forma forçada e artificial pode resultar em penalizações por parte do Google”, explica Darzi.

Otimizar as imagens é a segunda dica dada por Rodrigo. As imagens de um site, segundo ele, são muito importantes para o SEO. A razão para isso é que o Google possui um serviço de busca visual, o Google Imagens. Assim, através dele, diversos usuários podem encontrar um site por conta de uma palavra-chave. Desse modo, a otimização de imagens se faz necessária para aumentar o alcance da página de uma marca.

A terceira e última dica dada por Darzi é transformar as URLs em URLs amigáveis. URLs amigáveis são URLs legíveis, que não contêm muitos números ou símbolos. “Essas URLs atuam de forma positiva na otimização. Portanto, é uma boa ideia garantir que as URLs do site sejam legíveis e que elas contenham as palavras-chave de cada página”, concluiu.

Para aproveitar dicas de otimização de mecanismos de busca da maneira correta, o ideal é contar com a ajuda de uma equipe especializada no assunto. E uma forma de conseguir acesso a esse tipo de time é contratando uma agência de marketing digital, como, por exemplo, a Agência IMMA.

Website: https://www.agenciaimma.com.br/

Continuar Lendo

notícias

Imobiliária de Itajaí investe no atendimento on-line e mídias digitais

O empresário Paulo Chessa contou como o bom atendimento na internet pode ajudar as empresas durante os impactos da pandemia.

Publicado

em

por

Itajaí, SC 25/1/2021 – “As mídias digitais têm sido importantíssimas neste período de pandemia, e mesmo quando tudo isso passar manteremos o atendimento on-line na imobiliária.”

O empresário Paulo Chessa contou como o bom atendimento na internet pode ajudar as empresas durante os impactos da pandemia.

A crise do novo coronavírus abalou os mais variados mercados no país em 2020, porém, mesmo diante das incertezas e impactos causados, o mercado imobiliário apresentou uma espécie de resistência.

Só o estado de Santa Catarina, por exemplo, registrou um aumento de 26,6% de atividades imobiliárias no ano de 2020, de acordo com o Conselho Regional de Corretores de Imóveis, o CRECI. Entre elas estão a compra e venda de imóveis, doações, heranças e outras operações do setor.

O crescimento nas atividades ocorreu por diversos fatores, sendo um dos os principais a queda dos juros, com os juros mais baixos da história — taxa mínima de TR + 6,25% ao ano e máxima de TR + 8,00% — a compra da casa própria ficou mais fácil, conforme mostrado em matéria do Correio Braziliense. Segundo o site do Banco Central, o valor atual da taxa Selic está em 2% após sofrer uma sequência de quedas e chegar nesse valor histórico, o que facilita o financiamento e investimento em imóveis, como explica a reportagem do portal Terra.

Momento de mudanças no mercado imobiliário ao novo cenário comercial

Com esse cenário positivo em mente, a empresária Patrícia Marinho e seu marido Paulo Chessa viram uma oportunidade de consolidar as mudanças em sua empresa, a Chessa Imóveis, fundada em 2017 e com sede no Centro de Itajaí em Santa Catarina. Os empresários viram na crise e nas mudanças do mercado uma maneira de se adaptar, otimizar e expandir cada vez mais o negócio.

A necessidade de distanciamento social tornou a tecnologia uma grande aliada no atendimento ao cliente. “Trabalhamos com um atendimento diferenciado com horário estendido para atendimento presencial, e 24 horas pelo WhatsApp, onde fazemos as simulações de financiamento, enviamos os links com fotos e vídeos dos imóveis com o perfil do cliente, tiramos todas as dúvidas, e fazemos as assinaturas digitais dos documentos, o que facilita todo o processo”, explica.

Além das adaptações da empresa para seguir em funcionando durante a pandemia, a imobiliária aumentou a capacidade do atendimento online fazendo com que cada atendimento e negociação seja uma a experiência individualizada e especial.

 A procura por Santa Catarina

Uma pesquisa recente publicada pela BRAIN Inteligência Coorporativa em conjunto com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) apontou um crescimento no mercado imobiliário na região Sul do Brasil. Os números apontam um salto de 8% a 23% entre março e junho de 2020. Segundo uma pesquisa da OLX, a busca por imóveis em Santa Catarina cresceu 17% em relação ao ano de 2019.

A escolha de Paulo e Patrícia pela cidade de Itajaí para ser o local de sua empresa familiar já havia sido bem pensada. De acordo com eles, “Por ser uma cidade em expansão, o mercado imobiliário ser muito forte na região e principalmente por ser um excelente local para morar. Itajaí é uma cidade linda, organizada e muito próspera.”

Para quem quer investir em imóveis, Santa Catarina se mostrou um local bem lucrativo, segundo o especialista no mercado imobiliário Renato Monteiro, em uma entrevista dada ao site Economia SC. As cidades de Balneário Camboriú e Itajaí contam com uma valorização de 15% por ano e são as mais procuradas por quem pretende comprar imóveis no estado.

Por fim, em uma revista informativa, o Sindicato das Indústrias da Construção Civil dos Municípios da Foz do Rio Itajaí, o SINDUSCON afirmou que todas as obras de construção civil nessa região se mantiveram em progresso em 2020, o que caracteriza um ótimo desenvolvimento diante da crise de COVID-19.

Para investidores e moradores

De acordo com especialistas, o baixo valor da Selic aqueceu o mercado imobiliário, principalmente por aumentar os incentivos bancários para financiamento de imóveis. Com os juros baixos, investir em um imóvel naturalmente se torna um investimento de baixo risco.

O empresário Paulo Chessa salienta que, devido ao momento de tantas mudanças e incentivos no setor imobiliário, se torna indispensável a presença de um corretor de imóveis credenciado ao CRECI e o com atendimento especializado, “os corretores estão presentes desde a orientação e análise de perfil do cliente, na procura pelo imóvel ideal, e como auxiliar em todas as partes burocráticas, orientando e participando de todo o processo até a efetiva entrega das chaves do imóvel, essa intermediação quando realizada por um profissional qualificado garante a tranquilidade nas negociações”, explica.

 

 

Website: http://www.chessaimoveis.com.br

Continuar Lendo

Em Alta