Conecte-se conosco

notícias

Janeiro Branco pede atenção para o aumento do consumo de álcool

Publicado

em

Mês foi escolhido pela OMS para alertar para a saúde mental.

 

No mês escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para reforçar a atenção para a saúde mental e prevenir as patologias, um dos principais alertas do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa) é para a relação entre o uso do álcool e problemas emocionais. Segundo a entidade, o Janeiro Branco pretende chamar a atenção para o tema, principalmente no período de confinamento em decorrência da convid-19, que se estende desde março do ano passado até os dias atuais, e que vem mostrando o aumento no consumo de álcool, além do fato de que a pandemia tem desencadeado transtornos mentais ou agravamento dos existentes.

Segundo uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), realizada em parceria com as universidades Federal de Minas Gerais e Estadual de Campinas, no período de 24 de abril a 8 de maio de 2020, indicou que o aumento do estado depressivo pode estar relacionado ao aumento do consumo de álcool relatado durante a pandemia: 18% dos entrevistados – 18,4% entre homens e 17,7% entre mulheres – afirmaram estar ingerindo mais bebidas alcoólicas nesse período.

O maior aumento, de 26%, foi registrado na faixa etária de 30 anos a 39 anos de idade, e o menor entre idosos, de 11%. Quanto maior a frequência dos sentimentos de tristeza e depressão, maior o aumento do uso de bebidas alcoólicas, atingindo 24% das pessoas que têm se sentido dessa forma durante a pandemia, indicou a pesquisa.

“Nessa faixa etária existe um depósito muito grande de sonhos, é quando em alguns pontos da vida de cada um, nessa faixa etária, se está com energia sobrando querendo trabalhar, casar, ter filhos, ser ousado para construir metas mais interessantes. Isso tudo foi podado de forma violenta por conta da pandemia. As pessoas tiveram que ficar presas, sem os amigos, suas experiências, adiar sonhos e projetos por conta desse futuro totalmente incerto”, avaliou o médico psiquiatra e presidente do Cisa, Arthur Guerra.

Guerra lembra que apesar de as pessoas terem uma expectativa de que o ano de 2021 viraria uma chave na esperança da normalidade, isso não está ocorrendo, porque os números da covid-19 só aumentam e trazem a ideia de que o ano deve ser tão ou mais difícil do que o anterior, contribuindo para uma piora da saúde mental.

De acordo com Guerra, para entender o conceito de saúde mental, é preciso compreender que o mundo e a humanidade mudaram essa definição. No passado, isso significava a ausência de doença mental, como esquizofrenia, depressão, ansiedade, dependência química, entre outras, então, na ausência de um diagnóstico médico psiquiátrico, o indivíduo era considerado saudável mentalmente.

“Hoje o conceito evoluiu. Nós temos que saúde mental é muito mais um modelo de qualidade de vida no qual você está preocupado não só com o aparecimento da doença mental, mas, principalmente, com a prevenção, com o diagnóstico precoce, com os fatores que levariam a uma doença mental. É muito mais uma postura pró-ativa de não deixar que a doença se instale, porque muitas vezes pode ficar crônica”, explicou.

Guerra reforçou que o mundo antes da pandemia já era competitivo e favorecia o aparecimento de quadros de doença mental, com a oferta de atividades compulsivas, álcool e drogas em excesso – sejam legais ou não -, jogos, falta de exercícios, estímulos para se ter um corpo bonito, cobranças para ser bem sucedido e ganhar muito dinheiro.

“Cada vez mais cedo os jovens tinham essas diretrizes que chamamos de fatores estressores e que favorecem os distúrbios mentais. Durante a pandemia isso se multiplicou, porque manter esses valores foi por água abaixo com o confinamento. As pessoas ficaram muito mais vulneráveis dentro desse contexto de ter menos relações sociais e de não ter uma solução para esses problemas”, disse.

De acordo com o psiquiatra, é extremamente importante ficar alerta ao menor sinal de aumento do consumo de bebida alcoólica nesse período, porque ainda que para muitas pessoas esse consumo possa ser normal, para outras pode se tornar exagerado. “É exagerado quando independente da frequência e da quantidade existe um prejuízo ou para aquela pessoa ou para quem está no entorno dela. Às vezes não é dependência, mas está no caminho para se tornar”, disse o presidente do Cisa.

Por | Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

notícias

Energia solar tem papel estratégico para o desenvolvimento econômico, social e sustentável

A fonte solar fotovoltaica agrega inúmeros benefícios para o progresso do país.

Publicado

em

por

São Paulo – SP 3/3/2021 – A Aliança Solar Internacional (ISA) classificou o Brasil como um dos quatro destaques do mercado de energia solar entre seus 80 países-membros.

A fonte solar fotovoltaica agrega inúmeros benefícios para o progresso do país.

Diante da crise do novo coronavírus no Brasil, o segmento de usinas solares de grande porte deve sair da produção atual de 2,4 GW para 3 GW, representando um aumento de 25%. “Fica cada vez mais evidente o papel estratégico da energia solar para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do Brasil, trazendo mais liberdade de escolha aos consumidores, empresários e produtores rurais”, salienta Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News & Negócios (www.revistaecotour.news).

A tecnologia solar fotovoltaica evoluiu de forma significativa na última década. Avanços importantes no processo de manufatura, novos recordes de eficiência dos módulos fotovoltaicos e o barateamento dos equipamentos tornaram a eletricidade do sol cada vez mais acessível a todas as camadas da população.

Desde 2012, os consumidores brasileiros já investiram mais de R$ 10 bilhões em sistemas de energia solar na geração distribuída. Estes investimentos privados, feitos diretamente pela população e independentes de licitações ou leilões dos governos, acrescentaram ao Brasil uma potência de mais de 1,9 gigawatt (GW), espalhado por mais de 70% dos municípios brasileiros.

“Em 2019, o segmento criou uma média de 92 postos de trabalho por dia no País, uma verdadeira locomotiva de novos empregos e oportunidades, trazendo renda e alento a milhares de brasileiros que estavam fora do mercado formal. No acumulado, já são aproximadamente 100 mil trabalhadores solares”, relata Vininha F. Carvalho.

A Aliança Solar Internacional (ISA) classificou o Brasil como um dos quatro destaques do mercado de energia solar entre seus 80 países-membros que não fazem parte da OCDE. A classificação de “Achiever”, a mais alta do ranking da instituição, também foi dada à Índia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos e está detalhada no relatório Ease of Doing Solar (EoDS).

O relatório é de particular importância para as instituições financeiras internacionais ao revelar os países que possuem regimes transparentes e prontos para a infraestrutura apoiados por mercados favoráveis aos investidores. O documento também orienta os governos na identificação das principais iniciativas políticas que incentivam e facilitam a energia solar.

“A atividade econômica é aquecida com o dinheiro economizado na conta de luz dos consumidores com energia solar. Este valor é inserido no mercado e ajuda a movimentar os setores de comércio e serviços”, conclui Vininha F. Carvalho.

Website: https://www.revistaecotour.news

Continuar Lendo

notícias

Amazonas recebe usinas de oxigênio para apoiar o atendimento da COVID-19 em 460 leitos

Doações feitas através de uma cooperação entre a iniciativa privada e entes públicos ficarão como legado para os hospitais após a pandemia

Publicado

em

São Paulo, SP 3/3/2021 –

Doações feitas através de uma cooperação entre a iniciativa privada e entes públicos ficarão como legado para os hospitais após a pandemia

Perto de 460 leitos de hospitais públicos amazonenses tiveram a sua capacidade de atendimento contra a COVID-19 reforçada pela doação de cinco usinas de produção de oxigênio ao sistema de saúde do Amazonas. A iniciativa para enfrentar o crescimento do número de casos e a insuficiência de equipamentos para a produção do oxigênio neste início de 2021 no estado foi articulada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), através de uma ação de cooperação entre entes públicos e a iniciativa privada que reuniu doações feitas por uma série de empresas, entre elas o UnitedHealth Group Brasil.

Cada usina tem capacidade de produzir cerca de 25m³ de oxigênio por hora, quantidade suficiente para suprir uma unidade hospitalar em 12 leitos de terapia intensiva e 80 leitos de internação e pronto atendimento. O processo garante a produção de oxigênio diretamente nos hospitais com o acoplamento do equipamento ao sistema de ventilação das unidades para fazer o processo de filtragem e tratamento do oxigênio no local. Os equipamentos ficarão como legado para o estado do Amazonas e poderão ser utilizados pelos hospitais em necessidades futuras.

Um dos principais ensinamentos que ficará para diversos setores da economia sobre o enfrentamento da pandemia da COVID-19 é a importância da cooperação entre a iniciativa privada e o poder público. A união de empresas e governos (através de instituições municipais, estaduais ou federais) tem resultado em ações de sucesso, como a ampliação de oferta de leitos hospitalares (e o crescimento da capacidade de atendimento); o incentivo à produção e o apoio à distribuição de equipamentos de proteção individual; a geração de renda e as doações para populações vulneráveis; e a contribuição para o aumento das quantidades de testes realizados, entre outros.

“A pandemia da COVID-19 nos impacta de incontáveis formas e nos instiga a tomar diversas medidas para contê-la. Acredito que o que mais tem se destacado é a imensa compaixão que nos leva a proteger, esclarecer e tratar milhares de pessoas com uma intensidade incomparável. O UnitedHealth Group Brasil tem a compaixão como um dos seus valores institucionais e, neste momento, ações de solidariedade fazem toda a diferença no combate ao novo coronavírus”, destaca José Carlos Magalhães, presidente do UnitedHealth Group Brasil, empresa de saúde e assistência médica diversificada que reúne a operadora de planos de saúde Amil e a rede Americas. Em 2020, a companhia realizou doações no valor de R$ 38 milhões para apoiar 11 projetos de responsabilidade social no combate à pandemia da COVID-19.

 

Website: https://www.unitedhealthgroup.com/

Continuar Lendo

notícias

A Covid-19 tornou o outplacement ainda mais importante para as empresas

Pesquisa desenvolvida por consultoria especializada em carreira aponta que as empresas estão investindo no desligamento de seus colaboradores. O outplacement pode ajudar demitidos a planejarem a carreira e obter sucesso na vida profissional. A demissão pode gerar inseguranças e ansiedades que precisam ser trabalhadas no outplacement.

Publicado

em

São Paulo SP 3/3/2021 – O abalo emocional de uma demissão pode afetar a transição de um indivíduo para um novo papel e resultar num atraso na busca de um novo emprego

Pesquisa desenvolvida por consultoria especializada em carreira aponta que as empresas estão investindo no desligamento de seus colaboradores. O outplacement pode ajudar demitidos a planejarem a carreira e obter sucesso na vida profissional. A demissão pode gerar inseguranças e ansiedades que precisam ser trabalhadas no outplacement.

A pandemia impactou todas as organizações, setores e no mundo. Líderes de empresas enfrentam difíceis decisões sobre os colaboradores. É importante para as organizações garantir que aqueles que estão saindo do negócio contem com o apoio e a confiança para entrar em um mercado de trabalho em constante mudança. Um serviço de outplacement que era obrigatório na demissão de diretores e presidentes, passou a ser incluído na demissão de todos os níveis, segundo dados de uma pesquisa da United HR (consultoria internacional especializada em outplacement).

A pesquisa aponta que investir na recolocação é importante para proteger a reputação da companhia; ajuda a garantir que as empresas permaneçam respeitadas por se preocuparem com seus colaboradores na demissão.

Márcio Miranda, CEO Latam da United HR, afirma que os líderes precisam reconhecer o impacto que essa mudança terá na força de trabalho. A demissão em massa causa frustrações, inseguranças, ansiedades, insônia e baixa estima. Esses sentimentos negativos fazem com que os funcionários remanescentes percam a confiança na companhia, impactando na produtividade e desempenho e um aumento nos pedidos de demissão voluntária.

“Ao investir em outplacement, os líderes podem garantir que os colaboradores que ficam vejam que quem está demitido está sendo apoiado de fato restaurando sua confiança. O outplacement permite planejar o próximo passo de sua carreira para uma transição estruturada para seu próximo emprego. Um especialistas em carreira ou coach pode ajudar em um novo plano de ação, de onde se recolocar e no autoconhecimento de habilidades e competências que se encaixam em determinados cargos, ajudando a encontrar uma recolocação de sucesso”, esclarece Hends Tabanez, Diretor da Divisão de Outplacement da United HR.

“O abalo emocional de uma demissão pode afetar a transição de um indivíduo para um novo papel e resultar num atraso na busca de um novo emprego”, afirma Hends.

Segundo Alisson Soncine, Managing Director da United HR, “o outplacement proporciona um autoconhecimento, mudanças de comportamentos inadequados, desenvolvimento de competências e explora os diferentes caminhos de carreira disponíveis; seja manter-se no mesmo setor, mudança de carreira, se tornar um empresário, buscar um conselho administrativo, investir em educação superior ou aposentadoria. O outplacement pode tornar o ex-colaborador visionário, bem como ajudá-lo a entender as ferramentas e recursos necessários para dar os próximos passos, ajuda a reduzir a ansiedade da perda do emprego e significa que os funcionários que saem têm mais chances de alcançar a recolocação mais rapidamente”.

“Além disso, uma tendência crescente de “pré-recolocação” é que alguns empregadores oferecem suporte de desenvolvimento de carreira para todos os funcionários antes da notificação de demissão – o que significa que os indivíduos têm uma vantagem inicial ao considerar seu próximo movimento de carreira, bem como uma oportunidade de recolocação interna caso uma opção adequada esteja disponível. Consequentemente, aqueles que passam para o programa de suporte total de recolocação estão prontos para começar imediatamente, enquanto a organização pode reter parte de seu talento por meio de realocação interna”, afirma Alisson Soncine.

Para Márcia Pillat, CEO North America da UNITED HR, a Covid-19 mudou funções e formas de trabalho, só porque uma função não é mais viável, não significa que o indivíduo que a ocupou anteriormente também se tornou excedente aos requisitos. Retenção de habilidades e talentos é fundamental; seja por meio de redistribuição interna, ou para garantir que aqueles que saem da organização o façam positivamente, com a ideia de que podem fazer o caminho de volta (efeito bumerangue) em algum ponto no futuro – e o outplacement torna tudo isso possível”.

“Muitas organizações também estão procurando incluir suporte adicional para aqueles que permanecem no negócio como parte de seus programas de outplacement. Isso pode ser feito com change management e treinamento de resiliência para líderes e gestores, para que conduzam as demissões com a aptidão e equilíbrio emocional e que continue sendo um agente desenvolvedor de talentos inclusive a quem é demitido”, afirma Márcia Pillat.

A pesquisa da United HR aponta que aumentaram em 60% a contratação do outplacement pelas empresas, pois querem desenvolver os gestores para conduzir a demissão, preparando-os para que este momento difícil possa ser um momento de impulsionar e transformar de forma positiva o demitido, para que seja garantido seu sucesso profissional.

Website: http://unitedhr.co

Continuar Lendo

Em Alta

...