Conecte-se conosco

notícias

Nova regra favorece pequenos avicultores mineiros

Publicado

em

Nova regra favorece pequenos avicultores mineiros

Foto: Unsplash/Divulgação

Portaria do IMA determina distância mínima de 3 km apenas entre estabelecimentos com mais de mil aves.

Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), publicou, nesta quinta-feira (11/2), a Portaria nº 2038 que altera a regra de distanciamento entre granjas avícolas comerciais. A partir de agora, granjas de postura e de corte com mais de mil aves alojadas devem adotar distância mínima de três quilômetros entre as unidades produtivas.

A nova regra favorece pequenos avicultores, que não precisam mais se adaptar à antiga exigência. Com menos de mil aves no galpão eles ficam isentos de seguir a medida aplicada anteriormente a todos os estabelecimentos.

O distanciamento entre granjas foi proposto pela Associação de Avicultores do Estado de Minas Gerais (Avimig), na tentativa de resguardar o plantel avícola industrial. O distanciamento mínimo entre as unidades produtivas fortalece a biosseguridade.

A Portaria ainda define que a construção de novos empreendimentos avícolas, bem como a ampliação de granjas registradas deverão ser previamente aprovados por meio da análise de risco. O formulário de requerimento de ampliação ou construção está disponível no site do IMA e pode ser acessado clicando AQUI.

Coordenadora estadual de Sanidade Avícola, a fiscal do IMA Izabella Hergot esclarece que isentar os pequenos avicultores não significa flexibilizar ações higiênico-sanitárias.

“Muito pelo contrário, é uma questão de observar a realidade de cada cenário e relacioná-lo à fiscalização. A avicultura de pequeno porte está presente em várias regiões do estado, inclusive naquelas consideradas como polo avícola. Não podemos inviabilizar este crescimento, que tem trazido tantos benefícios para o estado. Contudo, é importante frisar que os pequenos avicultores estão cada vez mais atentos às necessidades de adequações e boas práticas de produção e isso será exigido nas fiscalizações”, argumenta Hergot.

Segundo ela, ações sanitárias preventivas são adotadas, independente do porte da granja. “Considerando a manutenção da sanidade das aves e de produtos derivados, a biosseguridade sempre será o melhor caminho, independe do tamanho ou capacidade produtiva do estabelecimento. Grandes avicultores, hoje referências para os elos da cadeia produtiva, já foram pequenos algum dia. Ou seja, é possível produzir com sustentabilidade se adequando às normas exigidas”, argumenta.

Registro

Entre as medidas de biosseguridade igualmente aplicadas a todas as granjas está o registro junto ao IMA, que é gratuito e obrigatório. Com ele, o avicultor ganha novo status sanitário, proporcionando patamar diferenciado frente ao setor e visibilidade como cumpridor legal dos requisitos.

“Ao fazer o registro, significa que o avicultor cumpre medidas de biosseguridade, elevando o status da granja”, reforça. A granja apta ganha certificado de registro, cuja manutenção se dá por meio de vistorias subsequentes.

Em razão da pandemia, além das vistorias presenciais, alguns estabelecimentos estão sendo fiscalizados de forma remota. Operações motivadas por denúncias também ocorrem normalmente.

Das 1813 granjas comerciais avícolas registradas em Minas, cerca de 80% são de corte, 15% são de postura e as demais classificadas em outras categorias.

Estão isentos dos registros criatórios de aves com finalidade exclusiva para subsistência do agricultor e de sua família.

Cartilha

O avicultor pode saber como registrar sua granja na nova edição da cartilha do IMA, disponível AQUI.  O material explica todos os procedimentos. Em caso de dúvidas e mais informações, acesse www.ima.mg.gov.br

Defesa na avicultura

Minas é referência no desenvolvimento de ações de defesa sanitária voltadas para a avicultura. E o Brasil é o maior exportador de carne de frango do mundo. Por causa de focos de influenza aviária notificados em países vizinhos, a implantação de medidas de biosseguridade se tornou a principal forma de proteção das granjas.

 

Por | Rodolpho Sélos – Ascom/IMA

notícias

Empresas estrangeiras apostam em expansão para o Brasil

Com o reaquecimento do mercado em diversos setores e o avanço de tecnologias que propõem a transformação da vida do brasileiro, avalia-se que empresas estrangeiras vão continuar se interessando pelo Brasil.

Publicado

em

São Paulo, SP 5/3/2021 – Com um cenário que favorece os avanços tecnológicos no país, espera-se ver a disseminação de tecnologias que pretendem transformar a vida do brasileiro.

Com o reaquecimento do mercado em diversos setores e o avanço de tecnologias que propõem a transformação da vida do brasileiro, avalia-se que empresas estrangeiras vão continuar se interessando pelo Brasil.

Mesmo com um cenário instável a nível mundial, empresas estrangeiras continuam apostando na expansão para o Brasil. Em 2020, o país voltou a fazer parte da lista dos 25 países mais confiáveis para o investimento estrangeiro direto (IED), com base em um indicador produzido anualmente pela consultoria norte-americana A.T.Kearney. Na pesquisa realizada com 500 executivos de grandes corporações ao redor do mundo, o Brasil figura na posição 22, sendo a única nação da América Latina a fazer parte do grupo. O índice da Kearney calcula a probabilidade de as empresas entrevistadas fazerem investimentos em um mercado específico nos próximos três anos.

Sendo assim, alguns dos fatores citados para impulsionar os investimentos seriam a aprovação da reforma da previdência e a ampliação das privatizações, que podem estimular o crescimento da economia.

Para além do relatório, há ainda mais aspectos que favorecem a expansão para o Brasil. Entre eles, o comportamento do consumidor brasileiro e o crescente avanço do uso de tecnologias no país.

Vários fatores estão favorecendo a inovação no Brasil, e muitos passam pelos hábitos dos consumidores. De acordo com um relatório publicado pela consultoria McKinsey, no país:

– 70% da população está conectada à internet;
– em média, o brasileiro passa mais de 9h por dia on-line;
– em 2018, 78% dos brasileiros conectados à internet utilizavam serviços como Netflix pelo menos uma vez na semana;
– 39% da população foi classificada como “early adopters” em apps digitais em um relatório de 2015.

Lar de fintechs como Nubank e PagSeguro, o país também viu, em 2020, a implementação do PIX, um sistema instantâneo de transferências bancárias, pelo Banco Central. Com a perspectiva de disseminação do open banking, permitindo a integração de informações entre instituições financeiras, o setor pode se expandir ainda mais.

Ao longo do processo de expansão para o Brasil, uma empresa pode optar por alguns caminhos, como abrir uma filial no país ou se tornar sócia de uma empresa brasileira. Desse modo, a escolha vai depender dos objetivos quanto à atuação no país e o futuro do empreendimento.

Dois exemplos de empresas que recentemente começaram a operar no Brasil são a Belvo e a Bitso. A primeira é uma startup espanhola que tem o objetivo de ajudar fintechs a compreender os dados sobre as finanças de seus clientes, para melhorar a experiência em sites e aplicativos. Em meio à disseminação do conceito de open banking, esta e outras empresas do setor são atraídas em meio aos avanços tecnológicos recentes no país.

A plataforma mexicana de criptomoedas Bitso, por sua vez, pretende fazer do Brasil o seu maior mercado. Em 2020, já havia conquistado mais de 1 milhão de usuários, principalmente no México e Argentina. Dessa forma, a empresa pretende tornar as criptomoedas úteis para transações financeiras, ampliando a sua função principal para além dos investimentos.

Apesar de a expansão para o Brasil parecer um terreno fértil, a abertura de uma filial também compreende alguns desafios. Empresas como a TRIZ atendem a estes clientes suprindo a demanda de pesquisa de mercado para a compreensão do consumidor brasileiro, assim como a Grebler atua com os procedimentos jurídicos necessários para a representação legal de empresas estrangeiras no Brasil.

Sendo assim, com um cenário que favorece os avanços tecnológicos no país, espera-se ver a disseminação de tecnologias que pretendem transformar a vida do brasileiro. O sucesso dessas iniciativas vai depender, entre outros fatores, do conhecimento do consumidor e da propensão do negócio ao alinhamento com a legislação brasileira.

Website: https://www.trizpar.com.br/

Continuar Lendo

notícias

Com benefícios ao corpo e a mente, chás funcionais conquistam brasileiros

Empresa brasileira de dermocosméticos lança linha de chás funcionais que, além do sabor, tem propriedades que regulam a digestão, acalmam e queimam gordura

Publicado

em

por

BRASIL 5/3/2021 – A nossa missão é oferecer bem-estar geral aos clientes e foi pensando nos momentos de relaxamento que inovamos ao lançar a linha de chás funcionais +Saúde

Empresa brasileira de dermocosméticos lança linha de chás funcionais que, além do sabor, tem propriedades que regulam a digestão, acalmam e queimam gordura

O brasileiro é famoso pelo hábito de tomar um cafezinho, mas os chás, formulados para proporcionar relaxamento, energizar o dia a dia ou aliviar o estresse, têm conquistado cada vez mais o país. Segundo uma pesquisa da Europass Monitor, o consumo nacional per capita de chás cresceu 53% entre 2010 e 2019. Além disso, especialistas avaliam que o mercado dessa bebida da cultura asiática e popularizada em todo o mundo esteja crescendo 12,3% ao ano no Brasil.

Isso não deveria ser uma surpresa, dada a história desse líquido milenar. “O chá começou como um medicamento e se tornou uma bebida”, disse o estudioso japonês do século 19, Okakura Kakuzo. Pesquisas sobre a história do consumo de chá em todo o mundo confirmam que a bebida era, inicialmente, consumida para auxiliar na saúde e não pelo prazer.

Atualmente, além da preocupação com a saúde, a busca por sabor e qualidade tem atraído consumidores para o chá. E foi pensando nisso que a empresa brasileira de dermocosméticos Anne Caroline Global, que integra o Grupo Ideal Trends, lançou uma linha de chás que é reflexo dessa tendência. A bebida possui propriedades funcionais que são responsáveis pelo bem-estar do corpo e da mente, e oferecem benefícios à saúde, que regulam a digestão, controlam a ansiedade e a qualidade do sono, e auxiliam no processo da queima de gordura.

“A nossa missão é oferecer bem-estar geral aos nossos clientes e foi pensando nos momentos de relaxamento que inovamos ao lançar a linha de chás funcionais +Saúde. Eles possuem ervas antioxidantes e anti-inflamatórias que ajudam na manutenção da boa forma, além de eliminar toxinas, reduzir o estresse e ainda cuidar da beleza. É uma linha completa que proporciona experiência de liberdade, leveza e felicidade”, afirma Liliane Oliveira, química e diretora técnica da Anne Caroline Global.

Informações da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) publicadas pela IISD preveem que, até 2024, o setor de chá cresça a uma taxa anual de cerca de 4 a 5,5% e alcance 73 bilhões de dólares. Para promover essa indústria, de forma sustentável, saudável e eficiente, a Anne Caroline Global está por dentro das tendências de mercado. “Estamos atentos para desenvolver produtos funcionais que façam a diferença no mercado. Queremos oferecer todos os benefícios em nossos chás e produtos, além de nos preocuparmos com o seu impacto no meio ambiente”, diz José Paulo Pereira Silva, CEO e fundador do Grupo Ideal Trends.

Com ativos que ajudam a fortalecer o organismo e dar um boost na saúde da pele e do corpo, a linha +Saúde da Anne Caroline Global é dividida em três fases: “Seja Livre”, “Seja Leve” e “Seja Feliz”. Os chás são feitos de ervas com propriedades calmantes, energéticas e diuréticas. As fórmulas são zero açúcar, não contém glúten, lactose, conservantes ou corantes artificiais. Os potes são de 150g e rendem até 30 porções. Além disso, o consumidor tem a opção de beber o chá quente ou frio. Mais informações em: http://brz.annecarolineglobal.com/ 

Anne Caroline Global

A Anne Caroline Global é uma empresa do ramo de dermocosméticos, que visa o empreendedorismo e a construção do negócio próprio. O canal de distribuição é por meio da venda direta e disponibiliza aos seus empresários todo o suporte e treinamento para garantir o sucesso de seu negócio.

A Anne tem produtos de nanotecnologia e oferece suporte aos vendedores para o uso do marketing de relacionamento e ferramentas digitais, que alavancam o sucesso do empreendedor.

A empresa trabalha com marketing multinível, e é associada à Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD), entidade que regulamenta o setor.

 

Redes Sociais:

Instagram: @anneglobaloficial.bra
Site: http://brz.annecarolineglobal.com/

Website: https://josepaulogit.com/

Continuar Lendo

notícias

Na contramão da crise, empresas de tecnologia oferecem alternativa ao desemprego

Proporção de negócios que vendem por delivery aumentou puxada pela tecnologia; setor cresceu mesmo com as crises econômicas

Publicado

em

por

São Paulo, SP 5/3/2021 –

Proporção de negócios que vendem por delivery aumentou puxada pela tecnologia; setor cresceu mesmo com as crises econômicas

O mercado de tecnologia segue crescendo não só no mundo, mas no Brasil também apesar da crise. De acordo com dados do Empresômetro, empresa de inteligência de negócios, a média de crescimento deste setor no Brasil ultrapassa a marca de 118% em dez anos.

E a crise causada pelo Coronavírus, de certa forma, favoreceu a tecnologia como um todo. Por conta da necessidade de distanciamento, empresas adotaram o trabalho remoto e muitos consumidores passaram a consumir pela internet.

O delivery, por exemplo, vivenciou um verdadeiro “boom” em 2020. Dados do Instituto Locomotiva, encomendados pela VR Benefícios, mostram que a proporção de restaurantes, lanchonetes, padarias e mercados brasileiros que fazem delivery passou de 49% para 81% depois do início da pandemia.

A startup Alfred Delivery, que trabalha com entregas de todos os tipos de produtos (comida pronta, supermercado, materiais de construção e até mesmo pipoca de cinema), registrou um crescimento de 1487% no ano passado.

De acordo com Myrko Micali, CEO e fundador da plataforma, o aumento se deve a dois fatores. “A pandemia é um deles. De fato ela acelerou o mercado de tecnologia e delivery. Porém, este foi um movimento já iniciado há alguns anos no Brasil, mas que levaria muito tempo para se desenvolver se não fosse essa necessidade sanitária”, explica.

Em 2021, a meta da empresa é multiplicar o faturamento por cinco e aumentar ainda mais a capilaridade das franquias pelo país.

Para Nelson Júnior, CEO da plataforma Sem Patrão, que conecta profissionais de serviços a clientes, a pandemia contribuiu para o crescimento do mercado, mas não foi fator decisivo.

“O mercado de tecnologia cresceu absurdamente desde 2010. É um caminho sem volta. Antigamente, quando alguém queria um serviço ou emprego, batia de porta em porta entregando cartões ou currículos. Hoje é possível fazer isso por meio de um aplicativo como o nosso sem precisar sair de casa”, comenta o fundador da empresa que cresceu mais de 40% em 2020.  

Para 2021, as perspectivas são animadoras apesar da pandemia. Segundo o empresário, a empresa quer dobrar o número de solicitações de serviços na plataforma.

 

Website: https://www.agenciasucellus.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...