Conecte-se conosco

Notícias

Novo relatório sobre o estado de segurança das aplicações alerta para ciberataques

Aplicações estão em risco de ataques cibernéticos após uma migração acelerada para a nuvem em 2020.

Publicado

em

São Paulo 28/1/2021 –

Aplicações estão em risco de ataques cibernéticos após uma migração acelerada para a nuvem em 2020.

De acordo com pesquisa realizada com 205 tomadores de decisão e influenciadores em organizações que possuem pelo menos 1.000 funcionários, as organizações globais estão se esforçando para manter um nível consistente de segurança de suas aplicações em várias plataformas e também estão perdendo visibilidade com o surgimento de novas arquiteturas e a adoção de APIs (Application Program Interfaces).

A pesquisa, realizada pela Osterman Research a pedido da Radware, fornecedora de soluções de segurança cibernética, mostra que um fator importante foi a necessidade de se adaptar rapidamente a um novo modelo remoto de trabalho e engajamento do cliente, resultante da pandemia, deixando pouco ou nenhum tempo para os tomadores de decisão realizarem um planejamento adequado em torno da segurança.”Com a rápida migração para a nuvem em 2020, ficamos surpresos ao ver a disseminação, em muitas organizações, de níveis perigosos de insegurança em aplicações móveis e baseadas em nuvem, bem como em APIs”, explica Michael Osterman, da Osterman Research.

“Com mais de 70% dos entrevistados relatando que suas aplicações de produção já deixaram o data center, garantir a segurança e a integridade desses dados e aplicações está se tornando cada dia mais desafiador, particularmente em ambientes multi-nuvem”, disse Gabi Malka, Chief Operating Officer da Radware. “Essa migração, em combinação com uma maior dependência de APIs e a inclusão de aplicações móveis não seguras, facilitou muito a vida dos criminosos, deixando-os à frente na curva da cibersegurança. Embora os entrevistados que já se mudaram para a nuvem pública e tenham várias aplicações expostas às APIs pareçam entender os riscos, aqueles que não entenderam parecem agir de forma perigosamente complacente.”

Entre as descobertas específicas do relatório, destacam-se:

As APIs representam a próxima grande ameaça
Há uma crescente dependência de aplicações habilitadas para a Web em forma de APIs. Uma grande variedade de tipos de dados confidenciais é processada por APIs, como credenciais de usuários, informações de pagamentos, CPFs, etc. É provável que os abusos de APIs se tornem o vetor de ataque mais frequente. Por esse motivo, a segurança da API é o ponto mais crítico que as empresas devem corrigir em 2021.

Cerca de 40% das organizações entrevistadas relataram que mais da metade de suas aplicações estão expostas à internet ou serviços de terceiros via APIs. Cerca de 55% das organizações experimentam um ataque DoS contra suas APIs ao menos uma vez por mês, 49% experimentam algum tipo de ataque de injeção ao menos uma vez por mês e 42% experimentam uma manipulação de elementos/atributos ao menos uma vez por mês.

As companhias não estão preparadas para o tráfego de bots
A gestão de bots também se tornou uma grande preocupação, porque as empresas não estão preparadas para gerenciar adequadamente o tráfego de bots. Enquanto os firewalls de aplicação web oferecem importantes recursos de defesa, que detectam e previnem ataques contra APIs e similares, as ferramentas de gerenciamento de bots oferecem uma defesa robusta contra ataques sofisticados de bots, além de fornecer para as equipes de segurança uma melhor compreensão sobre como lidar com a grande variedade de ameaças e ataques.

O relatório revelou que apenas 24% das organizações têm uma solução dedicada para distinguir entre um usuário real e um bot. Além disso, apenas 39% dos entrevistados têm confiança em sua compreensão do que está acontecendo com bots sofisticados e maliciosos.

Aplicações móveis muito menos seguras
As aplicações móveis desempenharam um papel crítico durante 2020, já que a maioria dos profissionais da informação foi transferida para o trabalho em casa, com a maioria deles utilizando aplicações móveis para entretenimento, interação social, educação e compras.

Esta pesquisa constatou que apenas 36% das aplicações móveis têm segurança totalmente integrada, e uma grande proporção tem segurança mínima ou nenhuma segurança (22%). Como resultado, até que a segurança das aplicações móveis seja tratada seriamente, é possível acontecerem cada vez mais, e de forma mais séria, incidentes que usam o canal móvel para ataques. Isso provavelmente colocará mais pressão sobre as empresas para proteger aplicações móveis e não deixar os dados dos consumidores expostos a hackers.

A equipe de segurança não é a principal tomadora de decisões
Apesar das ameaças descritas no relatório, a segurança não é prioridade nas práticas de desenvolvimento de aplicações. Em aproximadamente 90% das organizações pesquisadas, a equipe de segurança não é o principal influenciador na arquitetura de desenvolvimento de aplicações, nem no orçamento. Cerca de 43% das empresas pesquisadas disseram que a segurança não deve interromper a automação completa do ciclo de lançamento. Isso cria uma situação em que as próprias pessoas responsáveis pela segurança têm pouco controle sobre como as aplicações são desenvolvidas.

Ataques DDoS não estão diminuindo
O ataque bot mais comum é o de negação de serviço (DoS), em diferentes formatos. Cerca de 86% disseram ter sofrido esse ataque, com um terço deles relatando ocorrências semanais e 5% observando eventos diariamente. A negação de serviço na camada de aplicação ocorre frequentemente na forma de inundações HTTP/S. Quase 60% das organizações experimentam uma inundação HTTP pelo menos uma vez por mês ou mais.

Metodologia
A Radware contratou a Osterman Research para realizar uma pesquisa com 205 tomadores de decisão e influenciadores em organizações que possuem pelo menos 1.000 funcionários. A média dos funcionários entrevistados nas organizações foi de 2.200. As funções primárias dos indivíduos pesquisados incluem segurança de rede, DevOps/DevSecOps, operações de rede e funções relacionadas, desenvolvimento de aplicações, segurança de aplicações e várias outras funções relacionadas à TI. A maioria dos entrevistados está em cargos de alta gestão, incluindo cargos executivos.

O relatório completo está disponível em: https://www.radware.com/resources/complete-protection/

Continuar Lendo
Anúncio

Notícias

Slovak Telekom escolhe a solução Converged Packet Core da Mavenir em parceria para suprimentos de núcleo

Publicado

em

por

BARCELONA, Espanha 22/2/2024 –

A Mavenir, fornecedora de infraestrutura de rede nativa na nuvem que está construindo o futuro das redes, anunciou hoje que a Slovak Telekom escolheu a solução Converged Packet Core totalmente conteinerizada a ser implementada na sua rede, fazendo agora da Mavenir sua parceira completa de tecnologia de núcleo de rede.

A Mavenir já está fornecendo serviços de voz e mensagens para a operadora eslovaca e agora proverá serviços de dados na área de núcleo de pacote para “todas as Gs”, realizando a implementação na plataforma de contêiner como serviço (CaaS, Container-as-a-Service) privada na nuvem da Slovak Telekom. Com o novo acordo, a Mavenir integrará recursos de próxima geração para 5G autônoma (SA, standalone) nativa na nuvem.

Esse maior fornecimento para a subsidiária da Deutsche Telekom na Eslováquia é uma adiçãoàimplementação da solução Converged Packet Core anunciada anteriormente para subsidiárias na República Tcheca (T-Mobile Czech Republic) e na Hungria (Magyar Telekom). Essa substituição simultânea em vários países das tecnologias existentes dos fornecedores amplia a presença dos fornecedores de tecnologia de ponta a ponta da Mavenir na Europa e fortalece uma parceria bem sucedida de longo prazo com a Deutsche Telekom na Alemanha.

A solução Converged Packet Core da Mavenir acelera a mudança para 5G e a introdução de novas aplicações e serviços empresariais que aproveitam os recursos essenciais da 5G, incluindo baixa latência e fatiamento de rede. A arquitetura nativa na nuvem, na qual aplicações e serviços são construídos com propósito para o modelo na nuvem, oferece fatiamento fácil, desacoplamento de hardware, agilidade, portabilidade e resiliência em nuvens públicas, privadas e híbridas.

Ao comentar sobre a nova implementação, o diretor de inovação tecnológica e CEO interino da Slovak Telekom, Vladan Peković, afirmou: “A Mavenir é parceira tecnológica comprovada e confiável da Slovak Telekom, e sua competência técnica, seus recursos nativos na nuvem e sua abordagem interoperável são a plataforma de lançamento ideal para a nossa jornada de inovação contínua. Estamos entusiasmados em avançar com a solução Converged Packet Core da Mavenir como o pilar do nosso futuro mapa de serviços”.

Ashok Khuntia, presidente de Redes de Núcleo da Mavenir, acrescentou: “Estamos contentes de ampliar nossa cooperação com a Slovak Telekom, em um acordo que é construído com base nos pilares sólidos da nossa parceria de longo prazo. Ao integrar a solução Converged Packet Core da Mavenir em sua rede existente, a Slovak Telekom está criando uma base ágil, escalonável e robusta para o fornecimento de serviços transformadores e diferenciados para seus clientes empresariais”.

Em uma abordagem única, a tecnologia da Mavenir une o núcleo macro com o núcleo empresarial, abrangendo cenários que vão desde implementação central com localizações remotas adicionais até soluções de núcleo 5G implementadas no local. Ao integrar tecnologia de rede empresarial que pode receber upgrade em campo nas instalações empresariais com distribuição de dados locais, a UPF (função do plano do usuário) remota da Mavenir acelera o tempo até o início das operações para soluções em campus, sendo que os dados do usuário são transmitidos diretamenteàUPF e disponibilizados aos servidores de aplicativos para latência reduzida e maior segurança dos dados sigilosos.

Notas aos editores:

Sobre a Mavenir

A Mavenir está moldando hoje o futuro das redes com soluções nativas da nuvem e habilitadas para IA que são ecológicas por design, capacitando as operadoras a aproveitar os benefícios do 5G e obter redes inteligentes, automatizadas e programáveis. Como pioneira em Open RAN e comprovadamente disruptiva no setor, as soluções premiadas da Mavenir fornecem automação e monetização em redes móveis a nível global, acelerando a transformação de redes de software para mais de 300 provedores de serviços de comunicação em mais de 120 países, que atendem mais de 50% dos assinantes do mundo. Para mais informações, acesse www.mavenir.com

Visite a Mavenir no Mobile World Congress 2024 (Barcelona, 26 a 29 de fevereiro de 2024)

Para explorar nossas mais recentes inovações, conferir os anúncios do MWC e saber mais sobre como a Mavenir está moldando o futuro das redes, visite nosso estande 2H60 no Hall 2.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Contato de RP da Mavenir:

Emmanuela Spiteri

pr@mavenir.com

Fonte: BUSINESS WIRE

Continuar Lendo

Notícias

Startup Tuvis foi selecionada para participar do Scale-Up

Líderes de grandes empresas mundiais registram o maior crescimento em todo o mundo através do Scale-Up Endeavor

Publicado

em

por

Campinas, SP 21/2/2024 – Líderes de grandes empresas mundiais registram o maior crescimento em todo o mundo através do Scale-Up Endeavor.

Líderes de grandes empresas mundiais registram o maior crescimento em todo o mundo através do Scale-Up Endeavor

 

A Tuvis, startup israelense e brasileira especializada em permitir que grandes empresas utilizem o WhatsApp de forma segura e em compliance através da integração do seu software com grandes plataformas do mercado, foi escolhida entre as  3 mil  empresas avaliadas para participar do Scale-Up Endeavor 2024. 

Desde o ano 2000, a Endeavor, uma rede global composta por empreendedores líderes de empresas de rápido crescimento em todo o mundo, tem desempenhado um papel ativo no cenário empreendedor brasileiro. Concentrando-se na aceleração de scale-ups, ou seja, empresas com grande potencial de crescimento, a organização impulsiona transformações significativas no ecossistema empreendedor e inovador do país. Ao longo de mais de duas décadas de atuação, a Endeavor contribuiu para o desenvolvimento de 12 empresas que alcançaram avaliações superiores a US$ 1 bilhão, incluindo nomes como MadeiraMadeira, Méliuz, Unico e VTEX.

Em 2021, o programa Scale-Up Endeavor passou por mudanças significativas, consolidando o processo de seleção que anteriormente ocorria de forma regional. Essa reestruturação promove a troca de experiências entre empreendedores de diversas partes do país que compartilham o mesmo setor ou modelo de negócios. Este novo formato também proporciona às empresas acesso a toda a rede de colaboradores, não se limitando apenas aos patrocinadores de eventos regionais. “Acelerar as empresas significa acelerar o país: são elas que geram oportunidades, inserem o Brasil no mapa global de inovação e tecnologia, mostram novos caminhos para lidar com problemas cada vez mais complexos, sistêmicos e globais e criam um ambiente mais diverso e inclusivo”, afirma Camilla Junqueira, Diretora Geral da Endeavor. 

O crescimento das scale-ups é impulsionado pela troca de experiências e conexões com a rede global da Endeavor, proporcionando acesso a mercados, capital e talento. O impacto se amplia à medida que os empreendedores geram empregos, promovem a inovação, mentoram, inspiram e investem na próxima geração de scale-ups.

Para a Tuvis, essa é uma conquista e um passo enorme para a empresa israelense. “Esse novo passo nos leva a fortalecer nosso compromisso de crescer e levar com a gente todo o Brasil! Estou muito feliz com essa conquista e agradeço em nome da Tuvis pela oportunidade Endeavor Brasil!”, finaliza a presidente e cofundadora da Tuvis, Deborah Palacios Wanzo.

 

Website: https://tuvis.com/pt-br/

Continuar Lendo

Notícias

Receita líquida do setor de máquinas e equipamentos diminuiu

Dados apontam que a receita líquida de vendas do setor de máquinas e equipamentos diminuiu. O valor foi 13,2% menor que o mês anterior e 22,4% menor que o mesmo mês do ano de 2022

Publicado

em

por

Brasil 21/2/2024 – As empresas podem aproveitar as informações fornecidas para identificar áreas de melhoria

Dados apontam que a receita líquida de vendas do setor de máquinas e equipamentos diminuiu. O valor foi 13,2% menor que o mês anterior e 22,4% menor que o mesmo mês do ano de 2022

Dados sobre o mês de dezembro de 2023, apontam que a receita líquida de vendas do setor de máquinas e equipamentos diminuiu. O valor foi 13,2% menor que o mês anterior e 22,4% menor que o mesmo mês do ano de 2022. O estudo divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), apontou também dados sobre o mercado interno, que encolheu 25,3%, e também sobre as exportações, que registraram uma queda de 5%. O relatório mostra que entre os segmentos do mercado, apenas o setor fabricante de máquinas e equipamentos para a produção de bens de consumo não duráveis apresentou crescimento na receita total, com uma expansão de 15,2% em relação ao mesmo período de 2022, juntamente com o setor fabricante de componentes para bens de capital, que registrou um aumento de 1,4%. Todos os outros setores enfrentaram redução nas receitas.

O relatório divulgado pela Abimaq aponta dados sobre as exportações, que, segundo o documento, apresentou um desempenho positivo, crescendo 14,6% em dólares ou 5,8% em reais, representando agora 24,7% da receita total do setor. O relatório afirma que apesar desse crescimento nas exportações, a receita total de máquinas e equipamentos, considerando mercado doméstico e exportação, registrou uma queda de 11% em 2023.

Ainda sobre os números apresentados no estudo, é possível observar que após uma queda de 31% em novembro de 2023, houve um crescimento de 14,5% nas exportações em dezembro, totalizando US$ 1,12 bilhão no mês. No entanto, em comparação com dezembro de 2022, as exportações ainda ficaram 5% abaixo. No acumulado do ano (jan/dez), as exportações atingiram a marca de US$ 14 bilhões, um resultado 14,6% superior ao observado em 2022. Sobre dados de importação, nota-se que os números apresentaram uma nova queda em dezembro de 2023, contribuindo para uma desaceleração no crescimento acumulado do ano, que passou de 8% em novembro para 7,2%. As importações totalizaram US$ 2,194 bilhões em dezembro, contra US$ 2,22 bilhões em dezembro de 2022. No ano (jan/dez), as importações superaram em 7,2% o resultado de 2022, atingindo US$ 26,77 bilhões, refletindo a desaceleração do mercado doméstico, segundo apontado pela publicação.

José Antônio Valente, diretor da empresa de franquia Trans Obra, comentou sobre o relatório afirmando que nas exportações, apesar das dificuldades enfrentadas no mercado doméstico, vê a importância da visão global para a indústria. José Antônio continuou dizendo que compreender como o setor se posiciona internacionalmente não apenas diversifica as fontes de receita, mas também permite que as empresas se adaptem a condições econômicas variáveis em diferentes regiões. “As empresas podem aproveitar as informações fornecidas para identificar áreas de melhoria, explorar novos mercados e ajustar suas estratégias de produção”.

O relatório, que pode ser lido na íntegra através do link informado no início da matéria, aponta dados sobre o consumo aparente nacional de máquinas e equipamentos, que também sofreu uma queda em dezembro, agravando o desempenho acumulado em 2023. Com um consumo de R$ 24,5 bilhões, o menor do ano, houve uma redução de 13,1% em relação a novembro de 2023 e de 20,4% em comparação com dezembro de 2022. No acumulado do ano, o consumo nacional alcançou R$ 356,92 bilhões, ante R$ 403,42 bilhões do ano anterior.

Website: https://franquiatransobra.com.br/

Continuar Lendo

Em Alta

...