Conecte-se conosco

Notícias

Saber como calcular os custos de uma loja e-commerce ainda é um desafio

Entender todos os custos que envolvem uma operação de e-commerce é algo fundamental para empreendedores digitais.

Publicado

em

São Paulo, SP 29/1/2021 – Tecnologia, marketing, logística e tudo o que compreende o e-commerce. Quanto pagar para vender?

Entender todos os custos que envolvem uma operação de e-commerce é algo fundamental para empreendedores digitais.

Calcular os custos do e-commerce é uma tarefa desafiadora. Da mesma maneira que as vertentes físicas, as lojas on-line possuem custos operacionais e investimentos que, se feitos de forma correta, podem alavancar as operações, ou finalizá-las de maneira terminal.

O crescimento do e-commerce no Brasil já era visado em 2020, tomando proporções ainda maiores com os efeitos causados pela pandemia ao longo do ano.

Setores que antes eram mais comedidos com as vendas on-line, como eletrodomésticos e games, por exemplo, cresceram de forma extraordinária ao longo do ano, e a tendência para 2021 é que se expanda para outros setores do varejo, inclusive com vendas para o exterior.

Os custos do e-commerce de forma prática

Um dos principais argumentos para abrir uma loja virtual são os custos operacionais básicos, especialmente com instalações e estoque. Alguns dos cases de sucesso tiveram suas origens nas residências de seus fundadores, por exemplo.

Entretanto, as exigências e a evolução do mercado como um todo, especialmente após o Marco Civil da Internet e a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), pedem por ainda mais cautela, e um nível de planejamento que nada difere de uma loja física.

Para abrir um e-commerce, é necessária uma série de investimentos como:

  • plataforma de e-commerce;
  • estoque e armazenagem;
  • sistemas de pagamento e segurança de dados;
  • identidade visual e marca etc.

Isso sem contar os custos formais de abertura de empresa, que podem variar de acordo com o segmento escolhido. Por fim, ainda existem fatores fundamentais para o alcance do e-commerce que não geram lucro imediato, mas são vitais para o crescimento da loja virtual como um todo.

Entre eles, estão os custos de marketing digital, sistemas de gestão de loja, contabilidade, serviços de entrega, todos de acordo com a legislação.

A questão dos marketplaces

Sabendo de todos os custos operacionais para abrir uma loja virtual, a falta de recursos, ou mesmo de conhecimento mais aprofundado das ferramentas de gestão, acaba por incentivar novos empreendedores a buscar por soluções mais simplificadas no marketplace.

Segundo o relatório Webshoppers, realizado pela Ebit | Nielsen, os marketplaces movimentam cerca de R$ 73,4  bilhões com produtos novos e usados. Mesmo grandes redes varejistas, como o Grupo B2W (que engloba Americanas.com, Submarino e Shoptime) e Amazon, possuem suas próprias plataformas de marketplaces, atraindo novos vendedores.

Já este estudo, publicado recentemente pela Rock Content, mostra que 75% dos varejistas que optam ou expandem suas operações on-line através dos marketplaces o fazem para aumentar as vendas, dada a popularidade das plataformas, e principalmente pelas facilidades burocráticas.

Se os marketplaces funcionam como um facilitador e amplificador de vendas, especialmente ao diminuir os custos do e-commerce, o que seria um fator determinante para não permanecer neles?

Limitação: todo marketplace tem. Suas diretrizes e regras, especialmente ao não dar aos vendedores que se associam a eles identidade e personalidade limitadas. Embora tenham toda uma estrutura pronta para uso, incluindo para segurança de dados e pagamentos, essas mesmas plataformas tornam-se um limitante ao crescimento.

Para os que possuem experiência no ramo, é evidente que chega um momento no qual os marketplaces podem ser mais limitantes do que eficientes, o que pede por uma plataforma própria.

As vantagens ao investir em um e-commerce próprio

Em resumo, com um e-commerce em uma plataforma própria é mais interessante ao buscar por identidade, trazer preços mais competitivos e produtos originais, além de outras ferramentas específicas. Tudo para destacar-se em um mercado cada vez mais concorrido são apenas algumas das vantagens no investimento de um e-commerce particular.

Os desafios são muitos. Além de pensar em todo o negócio do zero, a transparência da loja é um dos fatores mais visados pelo público. De forma prática, ele precisa de uma experiência que transmita segurança e facilidade desde a entrada no site.

Além disso, é fundamental que seus gestores tenham uma visão de mercado ampla, atenta às mudanças. Um exemplo recente é o Pix, nova modalidade de pagamento que tem recebido ampla aceitação do público pela facilidade e rapidez nas transferências bancárias, o que para os meios on-line é importantíssimo.

A calculadora de e-commerce

Produzida com base em um modelo anterior da calculadora de e-commerce, a SinalizeWeb oferece uma versão otimizada de sua calculadora de e-commerce. Antes, o modelo era focado nos valores para ROI, o que englobava um fator importantíssimo nos investimentos on-line, porém que não contemplava outras áreas importantes do e-commerce atualmente.

Agora, a versão atualizada da calculadora de e-commerce traz outras novidades bem importantes para o crescimento da loja virtual. Por exemplo: definir as opções atuais e desejadas de faturamento,  o tipo de segmento comercial que atua, qual o ticket médio e o markup desejado… Com todos esses dados, sabe-se o quanto e como deseja investir.

A calculadora de e-commerce da SinalizeWeb expande suas funcionalidades sem perder a aplicação simples e eficiente para novos empreendedores e veteranos. Suas funções podem ser acessadas gratuitamente por gestores e empreendedores digitais, que podem começar ou manter o seus negócios com os melhores recursos e boas práticas à sua disposição.

Fontes:

Website: https://www.calculadoradeecommerce.com.br/

Continuar Lendo
Anúncio

Notícias

Brasil: 44% das empresas pretendem contratar no 3º trimestre

O Brasil ocupa a 10ª posição no ranking global entre os países que mais pretendem contratar. Isso representa um crescimento de 4 posições em comparação com o 3º trimestre de 2023.

Publicado

em

por

São Paulo, SP — Brasil 22/7/2024 – “É importante que as lideranças apoiem o aprendizado e o desenvolvimento das equipes, com um olhar atento.”

O Brasil ocupa a 10ª posição no ranking global entre os países que mais pretendem contratar. Isso representa um crescimento de 4 posições em comparação com o 3º trimestre de 2023.

A Pesquisa de Expectativa de Emprego – Q3 2024, estudo exclusivo e preditivo desenvolvido trimestralmente pelo ManpowerGroup, líder global em soluções de força de trabalho, revelou que 44% das empresas no Brasil pretendem contratar no 3º trimestre de 2024. 

O levantamento mostra que a expectativa de emprego no país para o período – calculada subtraindo-se empregadores que planejam fazer reduções na equipe daqueles que pretendem contratar – é de +27%, um crescimento de nove pontos percentuais no comparativo com o trimestre anterior, que foi +18%. 

Entre os setores com maior expectativa de demanda de posições no país, estão os de Finanças & Imobiliário (36%), Tecnologia da Informação (32%), Energia & Serviços de Utilidade Pública (27%) e Bens de Consumo e Serviços (26%). 

Já no cenário global, o setor de TI lidera o ranking de expectativa de contratações pelo sétimo trimestre consecutivo, seguido pelo setor de Finanças & Imobiliário (27%), Saúde & Ciências da Vida (27%), Indústria & Materiais (24%) e Bens de Consumo e Serviços (21%). 

O levantamento traz ainda a intenção de contratação por regiões do Brasil. O destaque ficou para o estado do Rio de Janeiro, com o melhor índice (27%), à frente de São Paulo (25%), Paraná (22%) e Minas Gerais (21%). 

Brasil ocupa 10ª posição no ranking global 

Na análise global do estudo, os empregadores continuam prevendo a contratação de mais trabalhadores no terceiro trimestre de 2024, relatando uma expectativa líquida de emprego ajustada sazonalmente em +22%. 

Entre os países analisados, as intenções de contratação mais fortes estão na Costa Rica (35%), Suíça (34%), Guatemala (32%), México (32%), África do Sul (31%), Índia (30%), EUA (30%), China (28%), Países Baixos (28%) e Brasil (27%).  

“Globalmente, 55% dos empregadores projetam um aumento no número de colaboradores devido ao uso da Inteligência Artificial e do Machine Learning nos próximos dois anos. Para impulsionar a eficácia, a inovação e os resultados proporcionados pelas novas tecnologias, é importante que as lideranças apoiem o aprendizado e o desenvolvimento das equipes, com um olhar atento à cultura organizacional, à gestão da mudança e às necessidades de upskilling e reskilling dos colaboradores”, comenta Nilson Pereira, Country Manager do ManpowerGroup Brasil. 

Para visualizar os resultados completos da Pesquisa de Expectativa de Emprego do ManpowerGroup do terceiro trimestre, incluindo dados regionais e nacionais, clique aqui. A próxima pesquisa será divulgada em setembro e reportará as expectativas de contratação para o quarto trimestre de 2024. 

Sobre a pesquisa 

A Pesquisa de Expectativa de Emprego do ManpowerGroup é a mais abrangente e prospectiva desse tipo, usada globalmente como um importante indicador econômico. A Expectativa Líquida de Emprego é obtida tomando-se o percentual de empregadores que preveem aumento na atividade de contratação e subtraindo-se dele o percentual de empregadores que esperam uma diminuição na atividade de contratação. 

Ao todo, foram 40.374 empregadores, públicos e privados, entrevistados em 42 países e territórios, para medir as tendências de emprego previstas a cada trimestre. No Brasil, foram entrevistados 1.050 empregadores.

Website: https://blog.manpowergroup.com.br/pesquisa-de-expectativa-de-emprego-q3-2024

Continuar Lendo

Notícias

Golpes em marketplaces serão abordados pela Expolux 2024

Em 2023, o número de vítimas de fraudes ou vazamento de dados aumentou 70%

Publicado

em

por

São Paulo, SP 22/7/2024 –

Em 2023, o número de vítimas de fraudes ou vazamento de dados aumentou 70%

Em 2023 e 2024, as compras em marketplaces aumentaram significativamente, conforme pesquisa da Adyen, em parceria com o Centro de Pesquisa Econômica e de Negócios (Cebr). No entanto, com esse crescimento, houve também um aumento nos golpes, principalmente a itens para design de interiores, em ambientes virtuais.

O estudo revelou que, em 2023, 65% dos consumidores fizeram compras em marketplaces, um aumento de 10% em relação ao ano anterior. Em 2024, esse número subiu para 70%. O levantamento também apontou que 25% dos compradores on-line já foram vítimas de algum tipo de golpe em marketplaces, com itens de iluminação representando 15% desses casos.

No mesmo período, os golpes em marketplaces cresceram 8% em comparação com 2022. Em 2024, o aumento foi de 5% em relação ao ano anterior. Esses dados indicam a necessidade de maior atenção dos consumidores ao realizar compras on-line, especialmente nestas plataformas. Ao todo, no Brasil, o setor sofreu com fraudes equivalentes a, em média, R$8,5 milhões por empresa somente no ano passado. Em âmbito global, o prejuízo seria equivalente a R$15 milhões por empresa.

“Já sabemos, como consumidores, sobre a importância de verificar a reputação dos vendedores e ler atentamente as avaliações de outros compradores antes de finalizar compras. Também devemos utilizar métodos de pagamento seguros e desconfiar de ofertas com preços muito abaixo do mercado. Mas, para além dos consumidores, a cadeia do setor precisa estar atenta e em alerta e, pensando nisso, a Expolux abordará o impacto do comércio eletrônico e marketplaces para a indústria de iluminação”, afirmou Tatiana Rassini, gerente da Expolux.

Expolux aborda os impactos dos marketplaces para a indústria da iluminação

A 18ª edição da Expolux se posiciona como um espaço com oportunidades para discutir os impactos do comércio online na indústria de itens de iluminação. Com a crescente incidência de fraudes em marketplaces, é fundamental abordar a transversalidade do varejo e tecnologia, que compõe a programação do evento.

“Um mundo conectado e globalizado é um ambiente de facilidades e possibilidades, mas também de desafios. Os golpes têm impacto no consumidor, na ponta, mas causam um prejuízo enorme para a indústria na totalidade. E se mexe com o mercado, é claro que é algo que fará parte das discussões durante os dias de evento”, completa a executiva.

Discussões a respeito do impacto do comércio eletrônico e marketplaces para a indústria de iluminação serão oferecidas na programação de conteúdo da Expolux 2024 e, para participar, basta se credenciar como visitante pelo link https://bit.ly/CredenciamentoExpolux.

Serviço

Expolux 2024

Data: 17 a 20 de setembro

Local: Expo Center Norte – SP

Informações: www.expolux.com.br

Sobre a Expolux

Com 18 edições, a Expolux é um dos principais eventos voltados para o mercado da iluminação no Brasil e na América Latina, reconhecido como um dos locais para atualização, visão estratégica, inovação e contato direto com os players do mercado.

RELX

A RELX é uma provedora global de ferramentas de análise e decisão baseadas em informações, atendendo clientes profissionais e empresariais em mais de 180 países, com escritórios em aproximadamente 40 países. As ações da RELX PLC, empresa controladora, são negociadas nas Bolsas de Valores de Londres, Amsterdã e Nova York, sob os símbolos: Londres: REL; Amsterdã: REN; Nova York: RELX.

*Nota: A capitalização de mercado atual pode ser encontrada em http://www.relx.com/investors. 

Informações para imprensa

KB!COM | Comunicação Corporativa

11 4332.9808 | 11 99211.7420

Rogério Porto – roger@kbcomunicacao.com.br

Nicole Defillo – nicole@kbcomunicacao.com.br

Website: https://www.expolux.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Vendas de cotas somam 2,1 mi e consorciados chegam a 10,7 mi

No sistema de consórcios, a somatória dos negócios supera R$ 170 bi, no primeiro semestre, 18,4% acima do totalizado no mesmo período de 2023, enquanto o Índice de Confiança do Setor de Consórcios de julho sobe 4,2 pontos e sinaliza boas perspectivas para os próximos meses

Publicado

em

por

Atibaia, SP 22/7/2024 – Ao optar pelo consórcio como investimento econômico, o brasileiro tem evitado arcar com o ônus dos juros, comuns às outras modalidades de aquisição parcelada

No sistema de consórcios, a somatória dos negócios supera R$ 170 bi, no primeiro semestre, 18,4% acima do totalizado no mesmo período de 2023, enquanto o Índice de Confiança do Setor de Consórcios de julho sobe 4,2 pontos e sinaliza boas perspectivas para os próximos meses

O sistema de consórcios encerrou o primeiro semestre deste ano cravando 2,10 milhões de cotas vendidas, recorde histórico nas mais de seis décadas da modalidade para seis meses, contra 1,99 milhão atingidos no mesmo período do ano passado. Em doze meses, houve crescimento de 5,5%.

Na comparação de junho último com o mesmo mês do ano passado, o mecanismo anotou avanço de 10,7% em participantes ativos. Foram 10,70 milhões sobre os 9,67 milhões de um ano antes, informou a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC).

Ao longo do primeiro semestre, os negócios realizados, a partir das vendas de cotas, alcançaram R$ 170,43 bilhões, 18,4% maior que os R$ 144,00 bilhões do mesmo semestre de 2023.

Com a entrada de mais participantes, contratando créditos maiores, o tíquete médio do Sistema de Consórcios em junho chegou a R$ 81,18 mil, 4,3% acima dos R$ 77,85 mil obtidos naquele mês em 2023.

Entre outros fatores, o progresso nominal de 55,1% do tíquete médio pode ser creditado ao crescente conhecimento do brasileiro sobre educação financeira, agregado à gestão das suas finanças pessoais. Porém, o principal input continua sendo a renda. Em abril, o valor médio real foi de R$ 3.222,00, 6,8% superior ao valor atingido naquele mesmo mês no ano passado, R$ 3.017,00, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua.

No semestre, o acumulado de consorciados contemplados somou 865,22 mil, 7,5% superior às 804,49 mil, contabilizado nos mesmos seis meses do ano passado, o que propiciou aumento de liberações de créditos para potenciais aquisições.

A concessão de créditos relativos aos consorciados contemplados, ocasião em que os objetivos podem ser concretizados, somou R$ 49,48 bilhões, potencialmente injetados nos segmentos da economia onde o mecanismo está presente, 23,8% maiores que os anteriores R$ 39,98 bilhões.

“Durante o primeiro semestre, o sistema de consórcios apresentou ligeiras oscilações nos meses iniciais, motivadas pelas férias escolares, carnaval, fins de semana prolongados e menos dias úteis trabalhados. Na retomada, nos meses subsequentes, o ritmo repetiu o desempenho dos anos anteriores. A performance reagiu de forma gradativa e consolidada”, avaliou Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da ABAC.

Ao anotar dois recordes históricos: vendas de cotas e volume de participantes ativos, a modalidade reafirmou sua importância no planejamento dos consumidores que desejam ampliar patrimônio ou dar um upgrade na qualidade de vida. “Ao optar pelo consórcio como investimento econômico, o brasileiro tem evitado arcar com o ônus dos juros, comuns às outras modalidades de aquisição parcelada. Procurou manter seu orçamento equilibrado e gerir suas finanças para concretizar objetivos pessoais, familiares e profissionais, com custos finais menores”, completa. “O comportamento do consorciado, apoiado basicamente na essência da educação financeira, vem evidenciando que as decisões pela não realização de compras com imediatismos, sempre com pés no chão, ratificam maior responsabilidade no respeito aos compromissos financeiros assumidos”, particulariza Rossi.

A presença dos consórcios nos elos da cadeia produtiva

O porte dos consórcios na economia brasileira pode ser comprovado pelos totais de créditos concedidos e potencialmente inseridos, como nos mercados de veículos automotores e imobiliário. Nas liberações acumuladas de janeiro a junho, o sistema de consórcios atingiu 31,7% de potencial frequência no setor de automóveis, utilitários e camionetas. No de motocicletas, houve 40,3% de provável participação, e no de veículos pesados, a relação somente para caminhões foi de 33,2%, no período.

No segmento imobiliário, somente nos cinco primeiros meses deste ano, as contemplações representaram potenciais 19,1% de participação no total de 243,84 mil imóveis financiados, incluindo os consórcios. Aproximadamente ocorreu um imóvel por consórcio a cada cinco comercializados.

No primeiro semestre do ano a economia brasileira seguiu buscando se ajustar em diversas áreas, visando expandir o cenário de desenvolvimento. Medidas vem sendo tomadas para tentar controlar a dívida pública, inclusive a grande pressão para redução da taxa básica de juros, na expectativa de aceleração de crescimento de diversos segmentos.

“Com os bons resultados contabilizados nos primeiros seis meses, o sistema de consórcios, face às suas características e peculiaridades exclusivas, deverá continuar tendo desempenho crescente nos diversos setores onde está presente, sempre apoiado no comportamento consciente e planejador exercido pelos consumidores”, conclui Rossi.

ICSC sinaliza boas perspectivas para os próximos meses

Divulgado há dois meses pela ABAC, o Índice de Confiança do Setor de Consórcios – ICSC visa referenciar o consumidor sobre a confiança das associadas da ABAC para o futuro da modalidade como realizador de objetivos e contribuição para a economia brasileira.

Além dos tradicionais indicadores estatísticos, publicados mensalmente, a associação está informando o segundo resultado do ICSC, apontando as expectativas setoriais para curto prazo.

“Ao variar de 0 a 100 pontos, o ICSC, estando acima de 50 pontos indicará a confiança dos empresários. Em contrapartida, abaixo de 50 pontos demonstrará a falta de confiança”, detalha Luiz Antonio Barbagallo, economista da ABAC.

Em sua primeira edição, há dois meses, o ICSC somou 64,0 pontos, reafirmando e mostrando confiança daquelas empresas que responderam o questionário.

Em julho, o resultado das avaliações foi de 68,2 pontos, 4,2 a mais que o anterior, mostrando boas perspectivas para os próximos meses do ano, segundo a assessoria econômica da ABAC. Para Barbagallo, “o índice refletiu um cenário positivo. Enquanto foi observada estabilidade nas avaliações sobre o cenário econômico, com viés de crescimento, para o Sistema de Consórcios houve sinalização de boas expectativas, mesmo com as administradoras demonstrando cautela em suas projeções”.

Website: http://www.abac.org.br

Continuar Lendo

Em Alta

...