Conecte-se conosco

Notícias

Safári em território nacional pode ser uma opção de viagem para brasileiros

Mais de 80% dos entrevistados têm predileção por voos nacionais. Dessa forma, tal dado indica que o cenário está mais propício ao turismo em território brasileiro.

Publicado

em

São Paulo 30/10/2020 –

Mais de 80% dos entrevistados têm predileção por voos nacionais. Dessa forma, tal dado indica que o cenário está mais propício ao turismo em território brasileiro.

Os reflexos do novo coronavírus no Brasil não só afetam a área da saúde, mas também a economia – sobretudo o turismo, o qual vem se restabelecendo com a flexibilização das medidas de isolamento social.

De acordo com uma pesquisa realizada pela empresa MaxMilhas, 83% dos entrevistados têm predileção por voos nacionais. Dessa forma, tal dado indica que o cenário está mais propício ao turismo realizado dentro do próprio território brasileiro.

Levando-se em consideração as medidas de restrição que foram adotadas no cenário atual, as aglomerações devem ser evitadas. Diante disso, o interesse dos viajantes pelo ecoturismo aumentou, visto que há o distanciamento dos conglomerados formados nas cidades grandes. Um desses destinos é o Jalapão, que possui um trajeto dotado de beleza natural.

O ecoturismo no Jalapão

Localizado em meio à paisagem do cerrado de Tocantins, o Jalapão se encontra cercado por cachoeiras, dunas, chapadões e outros elementos que compõem a diversa fauna local.

Sendo uma região recém-descoberta e pouco explorada, ela conta com uma vasta riqueza natural, a qual se mantém preservada por meio de instrumentos de conservação, como o Parque Estadual do Jalapão e o Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba.

Trata-se, portanto, de uma área que permite a conexão direta com a natureza, sobretudo em tempos de pandemia, quando é necessário se desligar de toda a confusão causada pelos grandes centros urbanos.

Desse modo, é evidente que tal território consiste em um lugar para vivenciar os inúmeros benefícios gerados pelo contato com a natureza: o equilíbrio da saúde física e mental, a redução do estresse e da hipertensão, maior estímulo para a concentração e criatividade, entre outras vantagens.

No entanto, por ser uma região de difícil acesso, com estradas mal sinalizadas e a ausência de conexão com a Internet, é indispensável garantir os serviços de alguma agência.

Explorar a região com o Safári Camp Korubo

Com a retomada das atividades presenciais, o Safári Camp Korubo é uma opção para quem deseja explorar o Jalapão com tranquilidade e segurança. Ele fica situado à margem do Rio Novo, dispondo de tendas e instalações fixas. Também é possível observar as paisagens por meio dos passeios em veículos 4×4 apropriados para as estradas do lugar. Outras atividades, como a Canoagem no Rio Novo e o Trekking na Serra do Espírito Santo, estão inclusas nos pacotes.

Além disso, a Korubo não só segue um turismo sustentável, como também seguro, principalmente quanto às medidas de prevenção contra o novo coronavírus. Assim, a empresa segue os protocolos de higiene e segurança em todas as atividades, incluindo tendas e veículos com ventilação natural.

A Korubo está há 20 anos no mercado, sendo pioneira no ramo do ecoturismo no Jalapão e oferecendo oportunidades de diferentes jornadas tanto para quem quer relaxar quanto para quem deseja alimentar o espírito aventureiro. Por conta da pandemia, suas atividades ficaram estagnadas; entretanto, esse segundo semestre contou com a reabertura do Safári Camp, possibilitando ao viajante garantir uma experiência prazerosa no local.

Website: https://www.korubo.com.br/

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias

Ferramentas com baterias intercambiáveis ganham força no mercado

Mais leves e mais práticas de serem manuseadas e acondicionadas, equipamentos são opção cada vez mais levadas em consideração por adeptos do “faça você mesmo”; especialista fala sobre funcionalidades destes utensílios

Publicado

em

por

12/8/2022 – Com essa tecnologia, é possível comprar um aspirador de pó e também ter uma furadeira ou uma serra tico-tico que compartilham a mesma tecnologia de baterias

Mais leves e mais práticas de serem manuseadas e acondicionadas, equipamentos são opção cada vez mais levadas em consideração por adeptos do “faça você mesmo”; especialista fala sobre funcionalidades destes utensílios

A praticidade proporcionada pelo uso de baterias em ferramentas é algo que tem sido cada vez mais levado em consideração por usuários que se valem do conceito do “faça você mesmo” para realizar reparos ou construções, sobretudo no ambiente doméstico. Mais leves e mais práticas de serem manuseadas e acondicionadas, as ferramentas à bateria também podem representar maior eficiência, visto que dispensam o uso constante da energia elétrica para seu funcionamento. 

Dentro desta lógica, a economia de energia elétrica e a praticidade podem ser ainda maiores quando as baterias destas ferramentas são intercambiáveis, ou seja, podem ser utilizadas em diversos equipamentos. Desta maneira, uma única bateria pode servir para ferramentas compatíveis, como parafusadeiras, furadeiras, marteletes, serras tico-tico, esmerilhadeiras, sopradores e aspiradores, entre outras.

Vagner Tinte, cofundador da empresa Qual Ferramenta Comprar?, pontua que a adoção de ferramentas com baterias intercambiáveis possibilita a redução do custo de investimento, “pois uma vez adquirida juntamente com a primeira ferramenta, você não precisará de uma nova bateria para as demais”. Para ele, trata-se de “uma excelente opção para aqueles que buscam economia e são fiéis a uma determinada marca”.

O profissional explica, porém, que há um limite na “intercambialidade” das baterias, já que cada marca possui sua própria tecnologia. “O usuário deve atentar-se sempre antes de adquirir um produto, pois mesmo sendo do mesmo fabricante, pode haver incompatibilidade de tecnologia entre as linhas”, diz Tinte. “Cada fabricante emprega detalhes de construção e tecnologia que limitam o uso para a marca e até mesmo de uma linha específica”, completa. 

O cofundador da empresa Qual Ferramenta Comprar? explica que a praticidade proporcionada pelas ferramentas com baterias intercambiáveis tem atraído os usuários do “faça você mesmo”, que veem neste modelo de equipamento um custo-benefício atrativo. “Com essa tecnologia é possível, por exemplo, comprar um aspirador de pó e também ter uma furadeira ou uma serra tico-tico que compartilham a mesma tecnologia de baterias”, diz.

Além de pequenas ferramentas que podem ser utilizadas em ambiente doméstico, as baterias intercambiáveis, aos poucos, vão sendo utilizadas em outros tipos de equipamentos. Recentemente, por exemplo, cinco grandes empresas japonesas (as montadoras Honda, Kawasaki, Suzuki e Yamaha e a petrolífera ENEOS) se juntaram para criar a Gachaco, empresa com foco no desenvolvimento de um sistema para compartilhamento de baterias intercambiáveis para motocicletas elétricas.

Para saber mais, basta acessar: https://qualferramentacomprar.com.br/

Website: https://qualferramentacomprar.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Meios de pagamentos digitais ganham destaque no Dia dos Pais

Segundo dados da Central Sicredi Norte/Nordeste, cerca de 90% da base de associados ativos utilizam alguma das novas ferramentas para pagamento. No comércio, cerca de 13 mil máquinas de cartões estão ativas na região, distribuídas nos nove estados do Nordeste e no estado do Pará.

Publicado

em

por

12/8/2022 – Com o aumento do comércio no Dia dos Pais, consumidores e comerciantes usam tecnologia para facilitar as transações de compra e venda de forma segura e prática

Segundo dados da Central Sicredi Norte/Nordeste, cerca de 90% da base de associados ativos utilizam alguma das novas ferramentas para pagamento. No comércio, cerca de 13 mil máquinas de cartões estão ativas na região, distribuídas nos nove estados do Nordeste e no estado do Pará.

A procura pelo presente para o Dia dos Pais sempre movimenta o comércio neste mês, e em 2022, primeiro ano após as restrições causadas pela pandemia, estima-se que haja um aumento nas vendas comparado a 2021. Por isso, os consumidores devem estar atentos às melhores formas de pagamento, taxas de juros e segurança na hora de suas compras, uma vez que existe um mundo de opções ofertadas pelas instituições financeiras.

O Sicredi, por exemplo, Instituição Financeira Cooperativa presente em todos os estados e Distrito Federal e com mais de 6 milhões de associados no país, conta com diversas ferramentas digitais para atender os associados que buscam as melhores formas de fazer suas compras. Entre elas estão o  Internet Banking (IB) e aplicativo mobile, usados para transferências – TED e DOC, e Pix; carteiras digitais, que permitem o uso do smartphone/smartwatch em substituição ao cartão de crédito em suas transações, além dos tradicionais cartões de crédito e débito.

“Sabemos que em datas comemorativas, o fluxo no comércio aumenta bastante e esses meios de pagamentos digitais permitem aos nossos associados mais segurança, comodidade e autonomia na hora de realizar suas transações financeiras”, destaca Raquel Viana, analista de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi Norte/Nordeste.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS), no segundo trimestre de 2021 foram movimentados R$ 34,4 bilhões via pagamento por aproximação, um aumento de 694% no uso desta solução, sendo cartão de crédito R$ 19 bi (+548,8%); cartão de débito: R$ 10,6 bi (+904%); e cartão pré-pago: R$ 4,8 bi (+1.283%). Seguindo essa mesma linha de crescimento e de adesão, tudo indica que os novos meios digitais de pagamento vieram para ficar.

Segundo os dados da Central Sicredi Norte/Nordeste, os associados têm uma ótima adesão às ferramentas digitais, com cerca de 90% da base de ativos utilizando alguma dessas ferramentas, seja o Internet Banking, carteira digital ou app mobile. Em junho deste ano, a Central possuía 130.031 associados com cadastro no IB e 148.080 com cadastro no app mobile.

Máquinas de cartões são opção prática e segura

Se de um lado a segurança está garantida com as novas formas de pagamento, do outro, a gestão das vendas também pode ser feita com a ajuda das novas tecnologias. Em 2021, as máquinas de cartões do Sicredi já eram utilizadas por mais de 180 mil associados microempreendedores individuais (MEI), pessoas jurídicas (PJ) e pessoas físicas (PF). As máquinas também contam com pagamento via Pix, que permite ao dono do negócio receber e transferir valores a qualquer hora do dia, inclusive nos fins de semana.

De acordo com a base de dados de junho deste ano, a Central Sicredi Norte/Nordeste tem 13 mil máquinas de cartões ativas, distribuídas nos 9 estados do Nordeste e no estado do Pará, no Norte, e mais de 10 mil associados Pessoa Jurídica que possuem comércio atacadista e/ou varejo na região. Desta forma, também são mais de 10 mil comerciantes que garantem a segurança e a praticidade na hora de vender seus produtos e/ou serviços.

Website: https://www.sicredi.com.br/home/

Continuar Lendo

Notícias

IBGE aponta queda de 1,4% nas vendas do varejo em junho

Segundo a Instituto, é o segundo mês seguido de queda. O setor acumula retração de 0,8% em relação aos meses de março e abril. O resultado representa maior variação negativa para o comércio desde dezembro de 2021. Para quem atua no setor, o planejamento financeiro é essencial para segurar as contas em tempos de economia em baixa.

Publicado

em

por

São Paulo 12/8/2022 – É preciso prever baixas e altas de preços, em decorrência, respectivamente, de aumentos ou diminuição na oferta de bens de consumo.

Segundo a Instituto, é o segundo mês seguido de queda. O setor acumula retração de 0,8% em relação aos meses de março e abril. O resultado representa maior variação negativa para o comércio desde dezembro de 2021. Para quem atua no setor, o planejamento financeiro é essencial para segurar as contas em tempos de economia em baixa.

Pelo segundo mês consecutivo, as vendas no comércio varejista apresentaram queda. De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta semana, as vendas em junho recuaram 1,4% em relação ao mês de maio. É a segunda variação negativa do setor, que acumula retração em 0,8% em dois meses, na comparação com o bimestre anterior.

Segundo o IBGE, é a maior variação negativa desde dezembro de 2021, quando foi registrada uma queda nas vendas de 2,9%. Os setores que mais impactaram no dado negativo foram o de tecido, vestuário e calçados, com queda de 5,4%; e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que apresentaram recuo de 0,5% no período.

Apesar da variação negativa, o comércio registrou alta também de 1,4% no primeiro semestre, na comparação com os primeiros seis meses do ano passado. Mesmo com o acumulado positivo, os números ainda estão instáveis e mostram a necessidade de as empresas do varejo segurarem custos e apostarem em um planejamento financeiro que as permitam passar pelo período com mais segurança.

De acordo com o administrador de finanças Anderson Alvarenga Farias, o planejamento financeiro dentro do mercado varejista é capaz de garantir uma gestão equilibrada, com capacidade de antecipar qualquer tipo de imprevisto. “Esse tipo de planejamento no setor de varejo é o responsável por determinar as diretrizes de uma empresa e é capaz de solucionar as decisões a serem tomadas dentro de um contexto realista de mercado”, atesta.

Ele complementa que os planejamentos financeiro e orçamentário são os principais instrumentos que ajudam a estabelecer um roteiro para atingir os objetivos de uma organização empresarial. “Os dois planos refletem em todos os setores, funcionando como mecanismo de controle para as demais atividades do setor varejista, como o de supermercados, por exemplo”, diz.

Outro fator que deve estar presente no planejamento financeiro é o conhecimento da área de atuação no mercado. Farias explica que a capacidade de liquidez garante o cumprimento de todos os compromissos financeiros da empresa. “Podemos colocar como exemplo o capital de giro, que é o recurso financeiro existente na empresa capaz de suprir as necessidades do dia a dia. Estas necessidades determinam que sejam cumpridas as metas estabelecidas para a sobrevivência da empresa no mercado varejista”, informa.

Ciclo Operacional – E para conseguir fazer o capital de giro dar conta de todas as obrigações da empresa, o profissional lembra que as empresas precisam saber como funciona o ciclo operacional da organização.

“Uma análise errada do ciclo operacional pode fazer com que a empresa perca dinheiro, deixando de utilizar o capital em alguma atividade que proporcione melhor remuneração. É preciso analisar o custo de oportunidade de cada tomada de decisão para poder maximizar os resultados e analisar a rentabilidade do negócio no varejo em geral”, destaca o profissional, que tem mais de 18 anos de experiência na área.

Outro fator que deve ser considerado é a sazonalidade específica do negócio. Anderson Farias explica que ela precisa fazer parte do planejamento financeiro para que este possa ser compatível com a realidade varejista nos períodos sazonais.

“É preciso prever baixas e altas de preços, em decorrência, respectivamente, de aumentos ou diminuição na oferta de bens de consumo. É preciso também se ater às condições de cálculo de margem de lucro para os produtos, para que os preços sejam repassados ao consumidor final de uma forma correta para compra e consumo”, conclui o profissional.

Continuar Lendo

Em Alta

...