Conecte-se conosco

Regional

56 projetos de Poços são contemplados nos editais da Lei Aldir Blanc do Estado

Publicado

em

Companhias de Reis representam o município no Edital de Culturas Populares e Tradicionais

Recursos recebidos somam R$ 1.454.000,00.

A excelência da produção cultural de Poços de Caldas ficou evidente nos editais da Lei Aldir Blanc do Estado de Minas Gerais. No total, 56 projetos do município foram contemplados, em diversas linguagens artísticas, somando R$ 1.454.000,00 injetados na economia local.

Dos 27 editais de emergência cultural lançados pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, 15 contaram com artistas residentes em Poços selecionados, nas seguintes áreas: Credenciamento de Pareceristas; Cultura Alimentar e Gastronomia; Cidadania Audiovisual; Premiação de Filmes de Curta-metragem, Média-metragem e Longa-metragem; Profissionais da Cadeia Produtiva do Audiovisual; Seleção de Bolsistas para as Áreas Artísticas Técnicas e de Produção Cultural; Espaços Culturais de Apresentação Artística; Mostras e Festivais Artísticos e Culturais; Seleção de Propostas para Espaços e Grupos de Circo; Pesquisa e Criação para Espetáculos de Dança; Música para Gravação ou Finalização de Single ou Álbum; Seleção de Bolsistas: Exposições Virtuais Fotográficas e de Arte Urbana; Premiação Pesquisas Artístico-culturais; Seleção de Propostas de Publicações Literárias; e Credenciamento: Culturas Populares e Tradicionais.

“Enquanto agente cultural atuando, desde 2010, diretamente na construção de políticas públicas para a Cultura em nosso município, preciso destacar o quanto a classe artística e cultural local está organizada. A mobilização popular contínua na estruturação da legislação municipal para a Cultura e no âmbito do Conselho Municipal de Política Cultural vem mostrando reflexos extremamente positivos, como é o caso dessa ‘ocupação’ estratégica nos editais da Lei Aldir Blanc Estadual”, avalia o músico, compositor e produtor Pedro Cezar Carvalho de Moraes, que é presidente do Conselho Municipal de Política Cultural desde 2018.

A equipe da Secretaria Municipal de Cultura prestou apoio técnico aos artistas interessados em participar dos editais em âmbito estadual, na articulação junto aos canais da Secretaria de Estado de Cultura e auxiliando na obtenção da documentação necessária.

“Para nós, a seleção de 56 projetos locais nos editais do Estado demonstra a qualidade da nossa produção artística, nas mais variadas linguagens, incluindo o credenciamento no edital de culturas populares e tradicionais. Tanto no Sul de Minas como em todo o Estado, a produção cultural poços-caldense tem grande destaque no cenário mineiro. Neste sentido, é natural a expressiva participação dos agentes culturais locais e seus projetos, tamanha é nossa produção em quantidade e qualidade, o que evidencia essa representatividade”, destaca o secretário municipal de Cultura, Gustavo Dutra.

LAB em Minas
Minas Gerais recebeu um total de R$ 155.030.608,55 da Lei Aldir Blanc, parte usada para pagar os auxílios emergenciais e parte destinada ao pagamento dos 27 editais, contemplando diferentes segmentos, como música, dança, circo, teatro, performance, fotografia, literatura, culturas populares e tradicionais, artes visuais e digitais, pesquisas artístico-culturais, audiovisual, cultura alimentar e gastronomia, produção cultural, mostras e festivais, pontos de cultura, museus, centros de memória e bibliotecas comunitárias, arte urbana, história em quadrinhos, coletivos e espaços culturais, entre outros. O objetivo é abarcar a diversidade da cadeia produtiva cultural mineira e assegurar a efetividade do socorro ao setor.

Confira a íntegra da entrevista com o presidente do Conselho Municipal de Política Cultural (2018-2022), Pedro Cezar Carvalho de Moraes.

[AICS] Como presidente do Conselho, que avaliação você faz da participação dos fazedores de cultura locais nos editais LAB da Secretaria de Estado de Cultura?

Pedro Cezar: Enquanto agente cultural atuando, desde 2010, diretamente na construção de políticas públicas para a Cultura em nosso município, preciso destacar o quanto a classe artística e cultural local está organizada. A mobilização popular contínua na estruturação da legislação municipal para a Cultura e no âmbito do Conselho Municipal de Política Cultural vem mostrando reflexos extremamente positivos, como é o caso dessa ‘ocupação’ estratégica nos editais da Lei Aldir Blanc Estadual.

Essa ocupação é um exemplo claro de como a produção poços-caldense é volumosa e qualificada, e já se compara à de grandes centros urbanos. Para além do que é produzido, a maneira de planejar e fazer a gestão dos projetos e produtos culturais também evoluiu muito, e posso dizer que somos referência no estado. Nesse aspecto, a avaliação é totalmente positiva.

Ao mesmo tempo, enquanto classe, sabemos que o Governo Federal e o Estado de Minas Gerais precisam criar programas de investimento permanente na Cultura dos municípios para além do período impactado pela pandemia.

Em resumo, a classe cultural de Poços de Caldas sabe acessar com excelência esse tipo de mecanismo, o que falta é recurso suficiente para garantir e potencializar a produção local e a democratização dos bens culturais.

[AICS] Como artista, qual a relevância do acesso a esses recursos?

Pedro Cezar: Fui aprovado no edital ‘Seleção de Bolsistas para as Áreas Artísticas, Técnicas e de Produção Cultural – Criação em Música’. Isso vai possibilitar que eu me aprofunde na minha obra autoral, a partir do repertório de canções compostas ao longo da minha carreira de compositor. Estou preparando um mini documentário registrando a pesquisa e a catalogação de minhas músicas e também uma apresentação ao vivo do repertório selecionado. Sem dúvida é uma ótima oportunidade.

Os recursos provenientes do Fundo Nacional de Cultura, disponibilizados por meio da Lei Aldir Blanc, são imprescindíveis para o artista, sobretudo diante da impossibilidade de atuar, e sobreviver, com os meios tradicionais de produção em tempos de distanciamento social. Além de um suporte para os artistas, os recursos se revertem em benefícios para a população, uma vez que todo material gerado chega aos mais diversificados públicos, e é consumido tanto enquanto lazer como enquanto formação.

No entanto, cabe uma reflexão sobre o formato dos editais. Naturalmente, é exigido contrapartida por parte dos artistas. Porém, o peso da contrapartida acaba por fazer com que um recurso que deveria ter caráter emergencial, visando a sobrevivência desses profissionais e de suas famílias, fique atrelado principalmente aos gastos para a produção do conteúdo. Em linhas gerais, a contrapartida exigida dos agentes culturais em meio à pandemia do COVID-19 é desproporcional em relação à responsabilidade dos governos.

Eu acredito também que é obrigação do Estado (em todas as instâncias) garantir o bem estar da nossa sociedade, inclusive dos profissionais do setor cultural, historicamente marginalizados, e afetados por relações trabalhistas muito vulneráveis. Ou seja, nossa classe trabalha muito sem nenhuma garantia. Assim, os recursos da Lei Aldir Blanc trazem um alívio apenas momentâneo a esses profissionais uma vez que a maioria de nós está sem fontes de renda desde março de 2020.

[AICS] De forma geral, como você analisa a aplicação da Lei Aldir Blanc, do ponto de vista cultural (produção) e econômico?

Pedro Cezar: Os artistas e produtores poços-caldenses contemplados pela Lei Aldir Blanc Estadual trarão para o município aproximadamente R$1.450.000,00; mérito da nossa classe que está organizada. Sendo bem direto: todo dinheiro investido em Cultura é imediatamente injetado na economia local, seja no pagamento de impostos, aluguéis, mensalidades, compras de itens essenciais e de produtos especializados e aquisição de todo tipo de serviços, impactando positivamente toda a comunidade.

Por isso, é necessário que a população de Poços de Caldas, bem como os representantes do Executivo e Legislativo municipais, e os empresários e as lideranças da Iniciativa Privada, entendam a relevância do setor cultural no desenvolvimento real de nossa cidade. A Cultura está – ou deve estar – conectada a todas as outras áreas como a Educação, o Esporte, a Promoção Social, o Turismo, a Segurança, etc. Mas ela ainda carece de investimentos, não só do Poder Público mas também do setor empresarial por meio de parcerias junto a essa cadeia produtiva que, além de criativa, não polui, gera emprego, gera renda e gera cidadania. A Cultura é um dos pilares para pensarmos um futuro sustentável para Poços, para nós que aqui vivemos e para as próximas gerações.

 

Por | Secretaria Municipal de Comunicação Social – Prefeitura de Poços de Caldas/MG

Regional

Higienização dos itens de decoração: de cortinas à almofadas, saiba de quanto em quanto tempo a lavagem deve ser feita

Publicado

em

Foto: Divulgação / Freepik

É indispensável para o bem-estar de qualquer lar, a limpeza e organização dos ambientes, incluindo as peças decorativas. Se é comum a lavagem de roupas, toalhas e lençóis, os itens que compõem a decoração também merecem a mesma atenção especial. O CEO da Lavô, maior rede de lavanderias self-service do país, Angelo Donaton, listou alguns cuidados para essa etapa  e como a prática traz benefícios tanto para o ambiente quanto para a saúde.

Cortinas-  A maioria pode ser lavada de duas a três vezes por ano, dependendo do tecido e da necessidade. Em locais de muita exposição à poeira, a lavagem deve ocorrer a cada três meses, pois o acúmulo de pó pode trazer riscos à saúde. “Para lavagem em máquinas, é importante atentar-se ao material em questão. O ciclo delicado é o mais recomendado e o uso de sabão neutro também. Além disso, vale conferir a temperatura no uso de secadoras”, explica Angelo.

Capas de almofada- Peças chave na decoração, as almofadas também são grandes acumuladoras de poeira. “No caso do uso de capas, recomendamos a lavagem a cada três meses. Isso vai depender, é claro, da exposição que esse material sofre. Em casas com crianças e animais, por exemplo, essa higienização pode ser feita mensalmente. Outra dica bacana é não desperdiçar a oportunidade de deixar as janelas e portas abertas. Quanto mais arejado o ambiente, melhor”, completa.

Travesseiros- A higienização dos travesseiros exige pouca manutenção durante o ano, já que a atenção é maior com as fronhas. “A lavagem dos travesseiros deve ser feita a cada seis meses, dessa forma evita-se o acúmulo de poeira e aparição de mofo. Deixar as peças no sol sempre que possível também auxilia nesse processo de higienização. Já as fronhas devem ser trocadas semanalmente, pois são elas que entram em contato com o rosto e resquícios de células mortas, um processo natural do corpo, o que leva ao acúmulo de  mais sujeiras”, aponta Angelo. Outra dica do CEO nesse caso é o uso de sabão líquido para a lavagem, já que é fácil remoção.

Sobre a Lavô

A Lavô é a maior franquia de lavanderias self-service do Brasil. Inaugurada em 2018, entrou para o franchising em 2020 e já conta com mais de 520 unidades pelo Brasil. Com a missão de democratizar e simplificar o serviço, a franquia dispensa funcionários e pode ser gerenciada à distância, através do sistema online. Em 2021, a rede faturou R$ 8 milhões de reais e para 2022 a expectativa é alcançar R$ 10 milhões e 750 lojas.

 

Por | Jullia Nascimento – Markable Comunicação

Continuar Lendo

Regional

Como turbinar as vendas da sua loja virtual no Dia dos Pais?

Éder Medeiros, fundador e CEO do Melhor Envio, explica as principais tendências do mercado e dá dicas de como os lojistas podem se preparar para a data

Publicado

em

Éder Medeiros é CEO e fundador do Melhor Envio / Foto: Divulgação

São Paulo, agosto de 2022 – O comércio eletrônico cresce cada vez mais no Brasil e datas comemorativas, como o Dia dos Pais, movimentam ainda mais o setor. De acordo com a Neotrust, em 2021, o volume de vendas das empresas virtuais aumentou 4,2% no período. Já o faturamento chegou a R$ 6,2 bilhões, um crescimento de 15,9% em relação a 2020. Esses dados mostram uma mudança significativa no comportamento dos consumidores nos últimos anos, revelando o potencial que essa data sazonal tem para impulsionar o varejo online. A expectativa é que os números aumentem ainda mais em 2022.

Éder Medeiros, fundador e CEO do Melhor Envio – plataforma de intermediação de frete entre vendedores virtuais e transportadoras – separou algumas dicas de como os empresários podem impulsionar as vendas das lojas virtuais. Confira:

 

  1. Cuide da parte técnica do seu site. 

Verifique se o seu e-commerce está preparado para aguentar o aumento repentino de acessos. Se não estiver, providencie um serviço de hospedagem capaz de atender a demanda.

 

  1. Coloque as categorias mais procuradas em destaque

É muito importante estar atento aos produtos que mais atraem os consumidores. Segundo o relatório da All in, as categorias mais procuradas pelos consumidores durante o Dia dos Pais em 2021 foram: Moda e acessórios (30,2%); Beleza (16%); Farmácia e Saúde (13,8%); Alimentos e Supermercado (10,1%) e Outros (12,4%).

A tendência é que estes segmentos continuem em alta em 2022. Logo, se a sua loja virtual é focada em produtos dessas categorias, é hora de destacá-los dentro do site e, assim, estimular o aumento dos acessos.

 

  1. Crie listas de presentes para o Dia dos Pais. 

De um lado, temos os lojistas querendo descobrir o que mais vende no Dia dos Pais para destacar na loja virtual. Do outro, consumidores que ainda não decidiram o que vão comprar. Por isso, faça uma lista com ideias de presentes para seus clientes. Montar combos ou “kit Dia dos Pais” é uma excelente estratégia para movimentar seu estoque. Você pode incluir produtos menos procurados com outros queridinhos do público, e assim “desencalhar” os itens que estão parados.

 

  1. Acerte na divulgação: não cometa o erro de cair em estereótipos

Quer fazer diferente neste Dia dos Pais? Então, comece quebrando os estereótipos que cercam a imagem paterna. Por diversas vezes, os pais são representados nas publicidades de maneira estereotipada como super heróis ou perfeitos. Mas sabemos que na realidade não é bem assim, né? Por isso, fuja desse tipo de representação na hora de divulgar suas campanhas de Dia dos Pais. Pelo contrário, aproveite a data para inovar a publicidade do seu e-commerce e desconstruir esses padrões. Você pode ainda explorar temas como: paternidade solo, trans, homoafetiva e socioafetiva.

 

  1. Fique de olho na entrega

Ações promocionais já não são mais suficientes para estimular o consumidor a comprar pela internet. A pesquisa da All in revelou que 45% dos entrevistados desistiriam de uma compra por causa do preço do frete, enquanto 38% responderam que um prazo de entrega ruim é um fator decisivo para a desistência.

Nesse sentido, avalie a possibilidade de oferecer frete grátis durante o Dia dos Pais de 2022. Como é praticamente inviável manter a entrega gratuita para todo o seu estoque, a dica é disponibilizar o frete grátis apenas em itens selecionados. Isso acaba prevenindo situações como frete mais caro que o produto.

Outra solução é estipular um valor mínimo de compras. Por exemplo: “Dia dos Pais com frete grátis nas compras acima de R$ 200”. Essa prática é muito útil para aumentar o ticket médio do seu e-commerce, pois incentiva o consumidor a gastar um pouco mais para receber a isenção do envio.

Não consegue arcar com os custos do frete grátis? Uma alternativa é adotar o frete fixo. Para não comprometer o lucro, escolha regiões onde o envio é mais barato e estabeleça um valor que seja vantajoso para você e seu cliente.

 

  1. Remarketing: traga de volta clientes que já compraram na sua loja virtual

Se você acha que está muito tarde para tentar atrair novos leads, que tal tentar trazer de volta consumidores que já compraram no seu e-commerce em outras ocasiões? Ou que já demonstraram interesse em finalizar uma compra?

Para atrair novamente esse público, aposte no remarketing, uma estratégia de Marketing Digital que serve justamente para impactar consumidores que já tiveram uma experiência de compra ou passaram pela sua loja, mas acabaram abandonando o carrinho.

Você pode criar anúncios destacando produtos que essas pessoas pesquisaram dentro do seu site ou enviar promoções e descontos via e-mail marketing.

 

  1. Garanta a satisfação do cliente no pós-venda

Um tópico que alguns lojistas não dão a devida atenção é o pós-venda. Portanto, se sua intenção é fidelizar os clientes, sugerimos a criação de um canal de atendimento ou autoatendimento para melhorar a experiência do consumidor após a compra.

Certifique-se de ficar à disposição ou possuir uma equipe treinada para solucionar eventuais problemas. O ideal é diversificar ao máximo o atendimento, seja via e-mail, chat, telefone, WhatsApp ou redes sociais.

 

Sobre a empresa

O Melhor Envio é uma plataforma de intermediação de fretes para quem vende online, onde é possível cotar, gerar etiquetas de frete e realizar o rastreamento de pedidos. Atualmente, a empresa conta com 6 transportadoras integradas, que são: Correios, Jadlog, Latam Cargo, Azul Cargo Express, Via Brasil e Buslog. O Melhor Envio foi fundado em 2015, por Éder Medeiros, quando o empresário, que vendia seus produtos em e-commerce, sentiu na pele a dificuldade que um lojista enfrenta ao tentar encontrar um valor acessível de frete, além dos complexos de gestão de logística. Por conta disso, o fundador e atual CEO da companhia decidiu criar a empresa para oferecer fretes competitivos para lojistas de todo o Brasil.

 

Por | Giulia Martins – NR7

Continuar Lendo

Regional

Principais vacinas e reações em bebês

Publicado

em

Principais vacinas e reações em bebês / Foto: Divulgação/Freepik

Dr. Clay Brites é pediatra, neurologista infantil e um dos fundadores do Instituto NeuroSaber/Foto: Divulgação

Ao nascer, o bebê tem poucas defesas para combater infecções e as vacinas são muito importantes pois ajudam a estimular o sistema de proteção do organismo. Com isso, diminui o risco de a criança ficar doente pois ela passa a ter menos chances de adquirir infecções severas as quais afetariam seu neurodesenvolvimento.

A vacinação infantil protege de inúmeras doenças e faz parte dos cuidados básicos. Durante o primeiro ano, o bebê tomará mais vacinas do que ao longo de toda a sua vida e historicamente esta medida demonstrou ser a mais eficaz para reduzir a mortalidade. Entretanto, alguns podem apresentar reações adversas, mas que costumam ter pouca intensidade e permanecem por um curto período de tempo.

Ao nascer, em 15 dias, deve-se tomar a BCG em dose única. Ela pode resultar em efeitos que podem ser locais e regionais, como úlcera local, uma ferida que pode demorar para cicatrizar e ter a presença de linfadenopatia regional (gânglios). A BCG quase sempre deixa uma cicatriz característica no local em que foi aplicada.

A vacina da Hepatite B deve ser aplicada ao nascer, aos 2 e aos 6 meses de vida. Suas reações mais comuns são dor, enduração local, febre nas primeiras 24 horas, fadiga, irritabilidade e desconforto gastrointestinal leve. Raramente ocorrem reações alérgicas graves. Na tríplice bacteriana, aplicada com 2, 4 e 6 meses, pode ocorrer febre baixa a moderada, irritabilidade, vermelhidão, dor e inchaço no local da aplicação.

Com 2, 4 e 6 meses, o bebê deve tomar a vacina contra a Haemophilus influenzae tipo B (HiB). Ela é dada em uma vacina combinada, a pentavalente. Sua aplicação pode levar aos mesmos efeitos colaterais da tríplice bacteriana, febre de até 39 graus e desconforto no local da aplicação. Com o mesmo tempo de vida, o bebê deve tomar a do Rotavírus. Essa pode trazer os mesmos sintomas da vacina da poliomielite. Também pode levar a febre, fraqueza, irritabilidade, perda de apetite e vômitos.

A Poliomielite é aplicada com 2, 4 e 6 meses. Nesse caso pode ser o vírus atenuado, oral, e a VIP, de vírus inativo, injetável. Na injetável pode ocorrer vermelhidão, endurecimento e dor no local da aplicação e raramente febre moderada. Já a vacina oral, em geral, é bem tolerada, mas há chances do bebê ter reações alérgicas, como urticária e erupções na pele com coceira. A Pneumocócica conjugada deve ser aplicada com 2, 4, 6 e 12 meses. Pode causar dor, edema, vermelhidão, nódulo no local da injeção e irritabilidade.

Aos 3, 5, 7 e 12 meses são aplicadas as vacinas antimeningocócicas. Na meningocócica conjugada as reações são edema, endurecimento, dor e vermelhidão no local; perda de apetite, irritabilidade, sonolência, febre e dor muscular. Na meningocócica B, as reações mais comuns são sensibilidade e eritema no local, febre e irritabilidade. As reações mais incomuns a essas vacinas são as de caráter neurológico, já a Síndrome de Guillain-Barré, neuropatias e crises convulsivas são ocorrências raras. Outros efeitos que podem acontecer são choro inconsolável, convulsões febris e anafilaxia. Caso tenha alguma dúvida, procure o pediatra da criança.

Para prevenir ou amenizar as reações faça compressa gelada na região por 5 minutos, 3 vezes ao dia, no dia da aplicação da vacina. Não faça massagem nem comprima a região da aplicação e hidrate o bebê.

Lembre-se que por mais desconfortável que possa parecer, as reações são passageiras. A não vacinação pode resultar em doenças com consequências irreversíveis para a criança, inclusive graves sequelas neurológicas e problemas permanentes de locomoção e deficiências diversas. É um direito da criança ser vacinada. E vacinar também é um ato de amor. Vacinem seus filhos!

(*) Dr. Clay Brites é Pediatra e Neurologista Infantil (Pediatrician and Child Neurologist); Doutor em Ciências Médicas/UNICAMP (PhD on Medical Science); Membro da ABENEPI-PR e SBP (Titular Member of Pediatric Brazilian Society); Integrante e palestrante do Instituto Neurosaber.

 

Por | Joyce Nogueira – Drumond Assessoria de Comunicação

Continuar Lendo

Em Alta

...