Conecte-se conosco

Regional

Dez empregos que surgirão até 2030 com o Metaverso

O impacto do Metaverso no mundo do trabalho e na área de Aprendizagem Corporativa

Publicado

em

Foto: Divulgação / Freepik

Foto: Divulgação

*Tatiany Melecchi

Desde que o Facebook anunciou o investimento estrondoso nesta tecnologia, o que ocasionou a mudança do nome da empresa para META, o Metaverso se tornou “o grande hype do momento”, as pessoas passaram a se interessar pelo assunto e a se questionar: “O que é?”, “Como funciona?”

Depois da leitura de alguns artigos e entendimento mínimo do que se tratava, vieram outras inquietações:

  • Como essa tecnologia irá impactar o mundo do trabalho?
  • Como revolucionará a área de treinamento e desenvolvimento?
  • Quais são as empresas que já estão liderando projetos de aprendizagem com foco nesta tecnologia?

Mas, antes de tentar responder estas perguntas e compartilhar as pesquisas e insights, vamos entender melhor o que tudo isso representa?

O que é esse tal de Metaverso?

“Metaverso” é uma junção do prefixo “meta” (que significa além) e “verso”  (universo). O termo é normalmente usado para descrever uma espécie de mundo alternativo digital.

Um mundo onde os usuários poderão criar seus próprios avatares, que serão suas representações nesse ambiente digital e, por meio deles, poderão aprender, comprar, trabalhar, socializar e se conectar com colegas de trabalho, amigos e familiares. Ou seja, essa tecnologia replica o que fazemos no mundo real, só que de forma 100% digital.

Sue Young, diretora de produtos do Facebook, fala que “ao invés de apenas olhar para a tela dos dispositivos, você estará nela”.

E qual o impacto do Metaverso para o mundo do Trabalho?

Faço um convite para você usar a sua imaginação. Feche os olhos e visualize-se usando um óculos de realidade virtual. Com seu próprio avatar, você começa a interagir com todo o ambiente corporativo da sua empresa: anda pelo corredores, cruza com os colegas quando vai tomar água, tirar dúvidas e trocar ideias nos corredores, pausa para um cafezinho ou conversa com outros colegas no almoço, tudo isso de forma virtual. Ou imagine outro cenário: você está na sua casa, usando seu óculos de realidade virtual e participando de feiras, eventos ou entrevistas de emprego dentro do Metaverso, onde praticamente todo o processo seletivo acaba acontecendo via realidade aumentada.

A Samsung e a Hyundai são bons exemplos de companhias que mesmo antes do lançamento do Facebook e todo o buzz do assunto, já se valiam da estratégia de adotar realidade aumentada nos processos de recrutamento e seleção de novos profissionais.

E aí, qual o seu sentimento?

Você pode estar sentindo um certo fascínio, curiosidade e vontade de vivenciar tudo isso logo, ou quem sabe sentindo algum tipo de insegurança sobre o futuro do seu trabalho e da sua profissão. Todos esses sentimentos e outros são completamente normais e esperados, pois o Metaverso propõe mudanças significativas e pode representar ameaças às nossas necessidades básicas como segurança, estabilidade e pertencimento.

Por outro lado, os especialistas comentam que essa tecnologia visa recriar o ambiente presencial no digital e proporcionar uma experiência de maior proximidade relacional, na qual o trabalho virtual será menos solitário e com relacionamentos mais espontâneos e naturais.

Como o Metaverso irá impactar a aprendizagem corporativa?

Durante a pandemia vimos muitas empresas criarem seus estúdios para gravação de minivídeos, lives e afins. Atualmente, já temos algumas empresas criando espaços de aprendizagem imersivos, nos quais os participantes e instrutores interagem uns com os outros com os seus avatares, navegando em simuladores de desempenho hiper-realistas por meio de headsets de realidade virtual, telefones, iPads e PCs com RV (realidade virtual), onde eles aprendem uns com os outros em simulações práticas.

As farmacêuticas Pfizer, Novartis e Bristol Myers Squibb são algumas das empresas que estão usando essa tecnologia para praticar habilidades essenciais, voltadas a salvar vidas em laboratórios de realidade virtual seguros.

Além disso, os profissionais da área comercial terão a possibilidade de percorrer o universo digital e aprender sobre seus produtos, fazer simulações de controle de objeção, interagir com os clientes, treinar abordagens, compartilhar os benefícios dos produtos, apresentar soluções e recursos adicionais sem custos de deslocamento e de forma realista.

O uso crescente destas tecnologias vai exigir muita adaptação e resiliência dos profissionais e das empresas, além de demandar uma série de novos conhecimentos, habilidades, condutas e dinâmicas sociais nos próximos anos. E nós profissionais de T&D temos de estar na vanguarda desta nova maneira de aprender, trabalhar e interagir. A Cult já publicou as novas profissões que já estão surgindo e irão ganhar espaço com o Metaverso. https://cult.honeypot.io/reads/10-metaverse-jobs-that-will-exist-by-2030/

10 empregos que existirão até 2030 no Metaverso

  • Cientista de pesquisa do Metaverso
  • Estrategista de Metaverso
  • Desenvolvedor de ecossistemas
  • Gerente de segurança do Metaverso
  • Construtor de hardware do Metaverso
  • Storyteller do Metaverso
  • Construtor de mundos
  • Especialista em bloqueio de anúncios

O Facebook Brasil anunciou seis vagas para trabalhar com Metaverso, ou seja, essa profissão já é uma realidade.

Sobre Tatiany Melecchi

Tatiany Melecchi é mestre em Marketing pela Massey University, Nova Zelândia,  a primeira brasileira certificada como Professional in Talent Development pela ATD (Association for Talent and Development) nos EUA, Coach ACC pela ICF pela International Coach Federation e Facilitadora Internacional Certificada pela LTEN (Life Sciences Trainers & Educators Network) nos EUA e facilitadora Internacional certificada em Neurociência da Gestão da Mudança pela 7th Mind, Inc nos EUA.

Top performer em Vendas na indústria farmacêutica no Brasil e Nova Zelândia, Tatiany Melecchi reúne mais de 20 anos de experiência nas áreas de vendas, marketing e treinamento e desenvolvimento de times comerciais em empresas globais com resultados expressivos no Brasil, Nova Zelândia & Estados Unidos.

Atualmente é autora da ATD Sales Enablement Community of Practice e CEO Fundadora da Consultoria Transforma People & Performance, onde dedica a sua carreira à pesquisa e desenvolvimento de metodologias e soluções inovadoras de aprendizagem. que visam facilitar a transferência do aprendizado para prática nas organizações e consequentemente maximizar a performance e resultados.

 

Por | Carolina Lara Comunicação

Regional

A importância do trabalho em equipe para o desenvolvimento da empresa

Publicado

em

A importância do trabalho em equipe / Foto: Divulgação / Freepik

*Leonardo Chucrute, Gestor em Educação e CEO do Colégio e Curso Zerohum / Foto: Tiberius Drumond

Para uma empresa dar certo, é essencial que reúna profissionais com diferentes habilidades. Isso ajuda a ter uma visão mais ampla dos negócios e a enxergar melhor oportunidades e desafios do mercado. Sem falar que são diferentes formas de pensar e agir. No entanto, para o trabalho fluir bem, é fundamental promover um ambiente de troca, onde todos se expressam e contribuem para melhores resultados.

Algumas atitudes são importantes para que se tenha um trabalho em equipe satisfatório. Em primeiro lugar, tratamos da comunicação. É importante dar feedbacks instantâneos, manter as expectativas claras e alinhadas, ajudar todo mundo a ganhar e trabalhar para construir confiança mútua. Com uma equipe motivada e com uma comunicação clara, é possível resolver melhor conflitos e ter proatividade para buscar novas soluções.

Outro detalhe valioso é saber delegar as tarefas de forma estratégica e adequada. Para isso, avalie se as habilidades propostas para fazer a atividade condizem com quem vai executar. Depois certifique-se de que a comunicação, ou orientação, está sendo clara. Então, explique de forma simples e eficiente para que a pessoa entenda da melhor maneira possível a sua função. Isso faz toda a diferença.

Não se esqueça também de estabelecer metas e prazos para poder mensurar o progresso e ver o que é preciso ajustar. E, por último, dê sempre um feedback construtivo. Por exemplo, caso a tarefa não tenha sido executada da melhor maneira, não olhe só para o lado negativo. Comente sobre o que o funcionário possa ter aproveitado de bom da experiência e o incentive a melhorar. Explique os erros e mostre as soluções. Elogie as partes que foram bem-sucedidas. Lembre-se: o propósito é ajudar as pessoas a evoluírem dentro da empresa.

Também não se esqueça de que o tempo é valioso, escasso e precisa ser respeitado. Uma das melhores formas de economizá-lo e usá-lo ao seu favor é se organizando e se comunicando. Procure fazer uma agenda e incentivar que seus colaboradores também tenham uma. Dessa forma, todos terão horários marcados e pré-estabelecidos. Sendo assim, o trabalho será ainda mais produtivo, evitando desgastes e pausas desnecessárias. Aplicando algumas dessas dicas no seu ambiente de trabalho, eu te asseguro que será um sucesso!

 

Por | Joyce Nogueira – Drumond Assessoria de Comunicação

Continuar Lendo

Regional

Quando a única opção é reinventar-se! O que faço?

Publicado

em

Reinventar-se / Foto: Divulgação / Freepik

Consultora e Coach de Carreira, Margarete Chinaglia* / Foto: Divulgação

Tudo na vida se resume às escolhas que fazemos. Por exemplo, com 58 anos, uma carreira sólida na área da saúde, faltando pouco tempo para aposentadoria, surgiu uma oportunidade de escolha de vida que ia contra todas as minhas circunstâncias profissionais: mudei de estado, cidade, deixei um cargo alto e muitos anos de empresa. Isto tudo no início de uma pandemia.

Escolhas mexem com você, mas também com quem está a sua volta. Muitos comentavam, “você é louca, como vai fazer?”. Naquele momento, não imaginava que encontraria dificuldade para me recolocar no mercado de trabalho. Afinal, eram quase trinta anos ininterruptos trabalhando.

Ledo engano! Enfrentei muitas tentativas frustradas, erros, ajustes, centenas de currículos enviados e muito poucas entrevistas. Cheguei a pensar que minha carreira não era tão sólida assim, mas logo vi que não era eu, mas, sim, um preconceito velado contra minha idade. Foi quando conheci o etarismo.

Quando meu perfil era aderente a vaga e chegava até a entrevista, recebia aquele comentário: “não vi aqui no seu currículo a sua idade. Qual é?” Depois da resposta, vinha a fase do silêncio total junto com a ausência de feedback e a sensação de invisibilidade. Situação rotineira e chocante!

Busquei forças e fui à luta. Enxerguei que não era somente comigo. Coloquei em prática o networking e vi excelentes profissionais vivendo e passando por momentos difíceis no desemprego, até que encontrei um caminho através de um mentoramento de coaching, divisor de águas na minha carreira.

Passei por um empoderamento de mim mesma, localizei uma capacidade escondida que colocou meu medo no lugar dele, um passo atrás do meu caminhar. Pratiquei o autoconhecimento por meio deste processo, o que propiciou fazer uma transição de carreira. Consegui me reinventar e descobri habilidades adquiridas com a experiência profissional, mas que estavam adormecidas.

Abracei a oportunidade, me encontrei para ser encontrada! Hoje, coloco em prática o que eu mais gosto de fazer: ajudar profissionais a se encontrarem e se desenvolverem através do autoconhecimento, segurança e confiança. Quando sempre buscamos nos aperfeiçoar, atingimos a excelência. Portanto, confie na sua capacidade, enfrente seus medos e faça o seu melhor.

(*) Margarete Chinaglia é Consultora e Coach de Carreira, palestrante sobre Diversidade e Inclusão Etária, Qualidade, além de ser especialista e pesquisadora sobre TDAH- Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. Linkedin: https://www.linkedin.com/in/margarete-chinaglia/

 

Por | Joyce Nogueira – Drumond Assessoria de Comunicação

Continuar Lendo

Regional

Wanessa e Zezé Di Camargo Lançam Clipe Exclusivo Do Projeto “Pai & Filha”

Daqui a 20 anos é o single escolhido para dar início ao lançamento de videoclipes do projeto que une a paixão familiar pela música.

Publicado

em

Foto: Divulgação

O encontro das vozes marcantes e únicas de Wanessa Camargo e Zezé Di Camargo resulta em um clipe inédito chamado “Daqui aos 20”, que será lançado na próxima quinta-feira, dia 19. A união de estilos, o sertanejo e o pop, garante diversidade musical que promete agradar a todos os fãs, de diferentes faixas etárias.

A ideia do vídeo se materializou durante a pandemia a partir do momento em que a parada obrigatória trouxe ainda mais convívio familiar entre pai e filha e ambos puderam rever suas raízes e essências musicais para juntos, criarem algo único e lendário para suas carreiras

 

“Com certeza, esse foi o período em que mais eu e meu pai convivemos nos últimos anos. E assim eu descobri o Zezé em mim. Posso afirmar que enxerguei nele traços da minha personalidade e do meu jeito.”, revela a cantora.

Dirigido por Daniel Zee e produzido por Seven Zee Dop e Rafael Malta, o clipe é em referência ao primeiro single do álbum “Pai & Filha”, lançado em dezembro do ano passado.

A música “daqui a 20 anos” traz uma melodia romântica e ao mesmo tempo pop, moderna, com arranjos bem pensados e que celebra a união dessas duas gerações, Wanessa e Zezé, que estavam sempre um ao lado do outro.

“Eu tinha no meu repertório a música ‘Daqui a 20 anos’, dos compositores Samuel Deolli e Rapha Lucas, e na hora pensei que seria uma emoção muito grande gravar com Wanessa. Foi mais do que um encontro de pai e filha, foi um encontro de almas. É um trabalho de muito respeito.”, finaliza Zezé Di Camargo.

Repleto de histórias, a nova aposta dos cantores celebra o momento de união familiar e consagra a carreira de Wanessa e Zezé, onde ambos tiveram a grande honra de trabalhar juntos e se dedicarem a um projeto que promete conectar gerações através da música.

Link para o clipe: Wanessa e Zeze

 

Instagram: Wanessa

Facebook: Wanessa

Twitter: Wanessa

Tiktok: Wanessa

Ficha Técnica: A Film by Seven Zee Direção : Daniel Zee aka Seven Zee Diretor de Fotografia : Rafael malta Assistente : Bruno Pereira Gaffer: Frank closel – Trakitana Color grading: Cora Post Cenografia: Diseno & design Lighting Designer Vinicius Costa/Flow Lighting Lighting Programmer Rodrigo Prado/Flow Lighting Tecnologia: Wolf produções Edição : Seven Zee

 

Por | James Scher – ACCESS MÍDIA

Continuar Lendo

Em Alta

...