Conecte-se conosco

Regional

Pesquisa revela maior medo da mulher brasileira

Autoestima da mulher brasileira está relacionada com a utilidade que elas sentem ter na sociedade

Foto: Divulgação / Freepik

Publicado

em

Sentir-se inútil, incapaz e insegura. Estes são os principais medos que as mulheres brasileiras enfrentam atualmente, segundo mostra uma pesquisa de opinião realizada pela ArtCoco Semijoias. O levantamento ocorreu durante o mês de agosto de 2021 e ouviu cerca de 500 mulheres espalhadas por todo o Brasil.

O objetivo foi explorar questões relacionadas ao campo da autoestima que mais assustam as pessoas. Entre as respondentes, 95,3% eram mulheres e apenas 4,7% estavam divididos entre os demais gêneros. Todas as entrevistadas informaram ter mais de 16 anos de idade.

Ficaram de fora da pesquisa temas já bastante abordados durante a pandemia por outros estudos, como morrer, perder familiares e amigos, ficar desempregado (a), contrair doenças graves e falar em público. O foco consistiu em explorar as queixas ligadas aos sentimentos.

Em relação às opções apresentadas no levantamento, “sentir-se inútil”, com 22,2%, foi a mais assinalada, seguida por “sentir-se incapaz” (21,1%), “ficar sozinho (a)” (11,1%), “sentir-se inseguro (a)” (9,7%) e “envelhecer” (8,2%). As demais respostas apresentaram percentuais abaixo de 8%.

Para a Dra. Anny Karinna, médica psiquiatra e Analista de Comportamento na Comportarte, os medos de inutilidade não necessariamente têm a ver com aspectos relacionados às lutas por direitos.

Eles são medos universais. “Eles são  medos universais, que dizem  respeito à ocupação de espaços dentro dos nossos grupos sociais e à  nossa capacidade de corresponder às  expectativas que nós  e os nossos pares temos de nós.  Em algumas instâncias isto pode estar relacionado, sim, ao desempenho de papéis atribuídos ao homem ou à mulher e à  ocupação de espaços reservados a um ou outro.

Mas antes disso precisamos pensar que mulheres diferentes partem de lugares diferentes. O significado de utilidade às  vezes passa pela ideia de provisão e sustento; às  vezes está na possibilidade de ser ouvida, amada, vista como importante emocionalmente e valorizada como pessoa ou segundo a sua importância afetiva. A necessidade e até mesmo a demanda social de exercer bem múltiplos papéis  têm deixado, na verdade, quase todos nós com a impressão de não estarmos preenchendo bem algum espaço ou papel social. O quanto aquele papel é  importante para cada um determina quão grande será a sensação ou ameaça de nos sentirmos inúteis ou incapazes.

A família e o trabalho, por exemplo, podem demandar atenção e oferecer reconhecimento diferente para mulheres solteiras que morem com os pais, divorciadas que morem com os filhos, casadas sem filhos ou casadas com filhos. Consequentemente, a importância e grandeza do que fará cada uma delas dar mais importância ao tipo de trabalho, tempo disponível ou salário variará muito.

A mulher de formação sócio-econômica privilegiada, executiva e que tem auxílio de babás pode se sentir menos útil e valorizada se estiver inserida em um contexto machista, sem amigos e num casamento infeliz do que a solteira com um filho pequeno, de classe média – baixa, trabalho subordinado, valorizada pela família e que tem vários amigos. O círculo social individual contribui muito para o quanto estas ameaças parecem mais presentes em nosso dia-a-dia.’- aponta.

Mulheres no mercado de trabalho

As questões abordadas na pesquisa não são isoladas, elas têm relação com o contexto socioeconômico da sociedade brasileira. As respostas mais apontadas, por sua vez, também retratam traços de uma população em que o mercado de trabalho é cada vez mais ocupado pelas mulheres.

Nesse sentido, os anseios e receios entre elas são diferentes quando comparados com outras épocas. O cuidado com o lar e com os filhos – tarefa historicamente delegada às mulheres – passou a disputar espaço com as preocupações com a carreira, com o desemprego, além das necessidades de se qualificar e ascender socialmente.

Os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) sobre Estatísticas de Gênero, divulgados em 2019, revelam que a taxa de participação feminina na força de trabalho era de 54,5% à época do levantamento. Desde 2012, quando do início da série histórica da pesquisa, esse índice cresceu 2,9 pontos percentuais.

Ou seja, nunca houve tanta mulher trabalhando no Brasil e, correlacionando essa informação com a pesquisa da ArtCoco Joias, compreende-se porque os sentimentos de inutilidade e incapacidade foram as alternativas mais assinaladas.

“A insegurança e o medo são possibilidades humanas; cada um de nós pode senti-las de formas diferentes ao longo da vida. Também, o que é  ameaçador para cada um de nós  depende muito da nossa realidade e história de vida.

A mulher que vive na periferia tem uma realidade diferente da mulher que reside em uma região mais privilegiada, por exemplo, mas se ambas forem pretas e lésbicas, por exemplo, alguns medos as aproximam mais do que alguns podem imaginar. Por outro lado, a mulher que tem filhos ou que auxilia no sustento dos pais lida e sente o machismo e o assédio rotineiros de forma diferente do que ocorre com a mulher solteira que mora com os pais. A mulher que já  foi estuprada ou abusada teme ficar ou relacionar-se com homens de um jeito que mulheres que nunca passaram por esta experiência não conseguem nem imaginar.

O medo de se sentir insegura, portanto, não significa a mesma coisa para mulheres diferentes. Não  é  medo em si. É  medo de ter medo.”- Afirma a Dra. Anny.

Autoestima e saúde mental da mulher

O terceiro maior medo indicado no levantamento está relacionado com a insegurança, conceito bastante abrangente que pode dialogar com diversas variáveis, como autoconfiança, violência doméstica e urbana, entre outras.

Como o foco da pesquisa é o campo da autoestima, é importante considerar os fatores que podem fazer com que uma mulher se sinta insegura.

A Dra. Anny aponta ainda que “A saúde mental tem sido cada vez mais discutida e a pandemia e a realidade contemporânea trouxeram problemáticas próprias para esta área das nossas vidas.

A competitividade está  globalmente maior, as pessoas se veem inseguras e confusas e os valores e conceitos sociais estão mudando de forma frenética e muitas vezes irracional. Há um forte  patrulhamento do outro, com o desrespeito às  diferenças travestido de defesa de valores, associado a muito egocentrismo e individualização nas relações interpessoal. De forma interessante, quanto mais nos aproximamos através da globalização e mídias sociais, mais nos afastamos e deixamos de lado os que estão próximos de nós. Quanto mais nos conhecemos, mais nos apegamos ao conhecimento que tínhamos e mais valorizamos a nossa ignorância com a intolerância. As mulheres, que já tinham suas próprias lutas a travar e espaços a conquistar, se veem imersas nesta realidade, com necessidade de ainda assim não parar de lutar.

Além  disso, mulheres e homens se veem envolvidos em um momento no qual a luta e o reconhecimento de um requer aprendizado e segurança do outro, o que potencialmente pode fazer ambos adoecerem, se não houver diálogo.

A saúde mental, diante disso tudo e somada às ameaças e perdas reais que a pandemia trouxe, está  seriamente ameaçada. Muitos, se não adoecem, funcionam em um estado limítrofe, “por um fio”, que não cede, mas também não permite gozar de saúde plena ou bem-estar. Precisamos urgentemente de informação e educação a este respeito, para que as pessoas possam investir em tratamento e prevenção.”

Envelhecer, eis a questão

O medo de envelhecer foi apontado por 8% das pessoas entrevistadas. Além  da questão estética, a ideia de envelhecimento envolve abandono, vulnerabilização, redução das capacidades e forças, menor capacidade produtiva, etc. O medo inicial pode não ser da velhice, mas desta redução ou perda do poder e vulnerabilidade reais que a juventude traz.

Além disso, infelizmente, o medo de envelhecer tem como base preconceitos presentes na sociedade que fazem com que as pessoas mais vulneráveis ou com valores/necessidades mais superficiais façam esta busca incessante pela aparência mais jovem.

Quando envelhecemos, não somos mais paquerados (nem mesmo pelos nossos contemporâneos), as pessoas não nos dão mais a mesma atenção (nem os familiares), não temos mais oportunidades de trabalho como antes (ou não temos nenhuma oportunidade) e, nem mesmo os prestadores de serviço têm o mesmo interesse ou desenvolvem os produtos da mesma forma que faziam quando éramos mais velhos.

Com isso, desenvolvemos a clareza de que valemos mais para este grupo quando mais jovens. Naturalmente, envelhecer traz um peso atrelado ao fato. As pessoas precisam estar maduras e cientes de si para se sentirem seguras e valiosas apesar do envelhecimento. Acredito que é  daí  que a busca incessante pela juventude vem. Do desejo de continuarmos a ter o que tínhamos antes, ou da dificuldade de buscarmos outros objetivos e desenvolvermos novos valores, já que o que tínhamos antes não  está mais disponível. O mercado apenas estimula isso criando e valorizando o consumo de determinados produtos voltados para esta busca. As pessoas que investem mais nela são  aquelas que podem e querem  fazer este investimento ou que têm  mais dificuldade de abrir mão dele. E como em todas as situações, os menos preparados ou mais vulneráveis tendem a extremos e se sentem inseguros diante de tais ameaças. Nós todos, se fragilizados, podemos sentir mais estas ameaças em certas épocas das nossas vidas ou diante de certos problemas.

Em todos estes casos, a ameaça sobre a saúde mental depende muito da predisposição genética e do ambiente de vida e trabalho de cada uma. Às  vezes a pessoa não adoece mentalmente, mas não consegue ser feliz ou sentir-se satisfeita com a vida que constrói,  fantasiando segundo critérios falsos impostos pelos grupos sociais aos quais ela pertence ou aos quais quer pertencer.

Foto: Divulgação

 

Por | Carolina Peres – Hedgehog Digital

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Regional

E-book gratuito ajuda quem deseja mudar de carreira

Publicado

em

Margarete Chinaglia / Foto: Divulgação

TRANSIÇÃO DE CARREIRA / Foto: Divulgação

“Transição de carreira: O que tem mais a minha cara?”, esse é o novo e-book da escritora, consultora e coach de carreira Margarete Chinaglia. A proposta do livro é ajudar quem está desanimado com o trabalho e não sabe o que fazer na vida. O material pode ser obtido gratuitamente pelo site www.margaretechinaglia.wordpress.com.

Segundo Chinaglia, todas as pessoas partem de um sonho. Porém, com o tempo surgem perguntas sobre qual profissão combina mais ou o que se alinha ao perfil. Para dificultar, há os desafios do mercado, o limitado número de oportunidades em determinadas áreas, além de outros fatores. “Em alguns casos, a pessoa é ‘obrigada’ a aceitar o quem vem. É a lei da sobrevivência! Mas nem sempre isso é algo que traz a felicidade”.

Margarete lembra que há muitas pessoas que enfrentam a síndrome do domingo à noite. É um sentimento de angústia, misturado com desânimo ou de pânico por saber que a segunda-feira está próxima e, em poucas horas, vai estar no trabalho novamente. “É uma sensação ruim, com vontade zero para encarar o chefe”.

– Porém, chega um momento da vida que temos um ‘estalo’ e vemos a necessidade de mudar a direção na vida. A pandemia provocou muita reflexão sobre isso. No entanto, ficam as dúvidas, os medos de trocar o certo pelo duvidoso. Transição de carreira é coisa séria, pois pode mudar totalmente a vida! Esta decisão é difícil e demanda confiança e certeza – ressalta.

Para Chinaglia, a pessoa precisa identificar um propósito ou objetivo no trabalho para que seja mais feliz com o que faz. Ela diz que é fundamental começar com pequenos passos, com pequenos planejamentos. “Não é preciso sair do que faz de maneira abrupta, ou afobada, e ficar sem uma renda. Porém, quando se elabora com cuidado cada passo que irá executar para chegar aonde quer, é natural se sentir mais seguro para voar alto”.

– A proposta do livro é mostrar que é possível buscar o protagonismo na própria vida, mas de forma estratégica. É aconselhável também que se busque ajuda de um profissional para auxiliar no direcionamento, até que a pessoa possa visualizar e vislumbrar o sentido do propósito chegando à realização – comenta.

Sobre a autora

Margarete Chinaglia é profissional com mais de 30 anos no mercado de trabalho. Com atuação forte, consistente e consolidada, passou por vários modelos, experiências e oportunidades. Atuou como atendente, analista, coordenadora, gestora, empresária, consultora e coach.

Ficha Técnica do e-book

Título: Transição de carreira: O que tem mais a minha cara?”,

Gratuito

Gênero: Carreira

Autora: Margarete Chinaglia

Revisão e Diagramação: Tiberius Drumond/Agência Drumond

Páginas: 30

Preencha o formulário no link do site e receba o e-book por e-mail.

Site: www.margaretechinaglia.wordpress.com

 

Por | Joyce Nogueira – Drumond Assessoria de Comunicação

Continuar Lendo

Regional

Higienização dos itens de decoração: de cortinas à almofadas, saiba de quanto em quanto tempo a lavagem deve ser feita

Publicado

em

Foto: Divulgação / Freepik

É indispensável para o bem-estar de qualquer lar, a limpeza e organização dos ambientes, incluindo as peças decorativas. Se é comum a lavagem de roupas, toalhas e lençóis, os itens que compõem a decoração também merecem a mesma atenção especial. O CEO da Lavô, maior rede de lavanderias self-service do país, Angelo Donaton, listou alguns cuidados para essa etapa  e como a prática traz benefícios tanto para o ambiente quanto para a saúde.

Cortinas-  A maioria pode ser lavada de duas a três vezes por ano, dependendo do tecido e da necessidade. Em locais de muita exposição à poeira, a lavagem deve ocorrer a cada três meses, pois o acúmulo de pó pode trazer riscos à saúde. “Para lavagem em máquinas, é importante atentar-se ao material em questão. O ciclo delicado é o mais recomendado e o uso de sabão neutro também. Além disso, vale conferir a temperatura no uso de secadoras”, explica Angelo.

Capas de almofada- Peças chave na decoração, as almofadas também são grandes acumuladoras de poeira. “No caso do uso de capas, recomendamos a lavagem a cada três meses. Isso vai depender, é claro, da exposição que esse material sofre. Em casas com crianças e animais, por exemplo, essa higienização pode ser feita mensalmente. Outra dica bacana é não desperdiçar a oportunidade de deixar as janelas e portas abertas. Quanto mais arejado o ambiente, melhor”, completa.

Travesseiros- A higienização dos travesseiros exige pouca manutenção durante o ano, já que a atenção é maior com as fronhas. “A lavagem dos travesseiros deve ser feita a cada seis meses, dessa forma evita-se o acúmulo de poeira e aparição de mofo. Deixar as peças no sol sempre que possível também auxilia nesse processo de higienização. Já as fronhas devem ser trocadas semanalmente, pois são elas que entram em contato com o rosto e resquícios de células mortas, um processo natural do corpo, o que leva ao acúmulo de  mais sujeiras”, aponta Angelo. Outra dica do CEO nesse caso é o uso de sabão líquido para a lavagem, já que é fácil remoção.

Sobre a Lavô

A Lavô é a maior franquia de lavanderias self-service do Brasil. Inaugurada em 2018, entrou para o franchising em 2020 e já conta com mais de 520 unidades pelo Brasil. Com a missão de democratizar e simplificar o serviço, a franquia dispensa funcionários e pode ser gerenciada à distância, através do sistema online. Em 2021, a rede faturou R$ 8 milhões de reais e para 2022 a expectativa é alcançar R$ 10 milhões e 750 lojas.

 

Por | Jullia Nascimento – Markable Comunicação

Continuar Lendo

Regional

Como turbinar as vendas da sua loja virtual no Dia dos Pais?

Éder Medeiros, fundador e CEO do Melhor Envio, explica as principais tendências do mercado e dá dicas de como os lojistas podem se preparar para a data

Publicado

em

Éder Medeiros é CEO e fundador do Melhor Envio / Foto: Divulgação

São Paulo, agosto de 2022 – O comércio eletrônico cresce cada vez mais no Brasil e datas comemorativas, como o Dia dos Pais, movimentam ainda mais o setor. De acordo com a Neotrust, em 2021, o volume de vendas das empresas virtuais aumentou 4,2% no período. Já o faturamento chegou a R$ 6,2 bilhões, um crescimento de 15,9% em relação a 2020. Esses dados mostram uma mudança significativa no comportamento dos consumidores nos últimos anos, revelando o potencial que essa data sazonal tem para impulsionar o varejo online. A expectativa é que os números aumentem ainda mais em 2022.

Éder Medeiros, fundador e CEO do Melhor Envio – plataforma de intermediação de frete entre vendedores virtuais e transportadoras – separou algumas dicas de como os empresários podem impulsionar as vendas das lojas virtuais. Confira:

 

  1. Cuide da parte técnica do seu site. 

Verifique se o seu e-commerce está preparado para aguentar o aumento repentino de acessos. Se não estiver, providencie um serviço de hospedagem capaz de atender a demanda.

 

  1. Coloque as categorias mais procuradas em destaque

É muito importante estar atento aos produtos que mais atraem os consumidores. Segundo o relatório da All in, as categorias mais procuradas pelos consumidores durante o Dia dos Pais em 2021 foram: Moda e acessórios (30,2%); Beleza (16%); Farmácia e Saúde (13,8%); Alimentos e Supermercado (10,1%) e Outros (12,4%).

A tendência é que estes segmentos continuem em alta em 2022. Logo, se a sua loja virtual é focada em produtos dessas categorias, é hora de destacá-los dentro do site e, assim, estimular o aumento dos acessos.

 

  1. Crie listas de presentes para o Dia dos Pais. 

De um lado, temos os lojistas querendo descobrir o que mais vende no Dia dos Pais para destacar na loja virtual. Do outro, consumidores que ainda não decidiram o que vão comprar. Por isso, faça uma lista com ideias de presentes para seus clientes. Montar combos ou “kit Dia dos Pais” é uma excelente estratégia para movimentar seu estoque. Você pode incluir produtos menos procurados com outros queridinhos do público, e assim “desencalhar” os itens que estão parados.

 

  1. Acerte na divulgação: não cometa o erro de cair em estereótipos

Quer fazer diferente neste Dia dos Pais? Então, comece quebrando os estereótipos que cercam a imagem paterna. Por diversas vezes, os pais são representados nas publicidades de maneira estereotipada como super heróis ou perfeitos. Mas sabemos que na realidade não é bem assim, né? Por isso, fuja desse tipo de representação na hora de divulgar suas campanhas de Dia dos Pais. Pelo contrário, aproveite a data para inovar a publicidade do seu e-commerce e desconstruir esses padrões. Você pode ainda explorar temas como: paternidade solo, trans, homoafetiva e socioafetiva.

 

  1. Fique de olho na entrega

Ações promocionais já não são mais suficientes para estimular o consumidor a comprar pela internet. A pesquisa da All in revelou que 45% dos entrevistados desistiriam de uma compra por causa do preço do frete, enquanto 38% responderam que um prazo de entrega ruim é um fator decisivo para a desistência.

Nesse sentido, avalie a possibilidade de oferecer frete grátis durante o Dia dos Pais de 2022. Como é praticamente inviável manter a entrega gratuita para todo o seu estoque, a dica é disponibilizar o frete grátis apenas em itens selecionados. Isso acaba prevenindo situações como frete mais caro que o produto.

Outra solução é estipular um valor mínimo de compras. Por exemplo: “Dia dos Pais com frete grátis nas compras acima de R$ 200”. Essa prática é muito útil para aumentar o ticket médio do seu e-commerce, pois incentiva o consumidor a gastar um pouco mais para receber a isenção do envio.

Não consegue arcar com os custos do frete grátis? Uma alternativa é adotar o frete fixo. Para não comprometer o lucro, escolha regiões onde o envio é mais barato e estabeleça um valor que seja vantajoso para você e seu cliente.

 

  1. Remarketing: traga de volta clientes que já compraram na sua loja virtual

Se você acha que está muito tarde para tentar atrair novos leads, que tal tentar trazer de volta consumidores que já compraram no seu e-commerce em outras ocasiões? Ou que já demonstraram interesse em finalizar uma compra?

Para atrair novamente esse público, aposte no remarketing, uma estratégia de Marketing Digital que serve justamente para impactar consumidores que já tiveram uma experiência de compra ou passaram pela sua loja, mas acabaram abandonando o carrinho.

Você pode criar anúncios destacando produtos que essas pessoas pesquisaram dentro do seu site ou enviar promoções e descontos via e-mail marketing.

 

  1. Garanta a satisfação do cliente no pós-venda

Um tópico que alguns lojistas não dão a devida atenção é o pós-venda. Portanto, se sua intenção é fidelizar os clientes, sugerimos a criação de um canal de atendimento ou autoatendimento para melhorar a experiência do consumidor após a compra.

Certifique-se de ficar à disposição ou possuir uma equipe treinada para solucionar eventuais problemas. O ideal é diversificar ao máximo o atendimento, seja via e-mail, chat, telefone, WhatsApp ou redes sociais.

 

Sobre a empresa

O Melhor Envio é uma plataforma de intermediação de fretes para quem vende online, onde é possível cotar, gerar etiquetas de frete e realizar o rastreamento de pedidos. Atualmente, a empresa conta com 6 transportadoras integradas, que são: Correios, Jadlog, Latam Cargo, Azul Cargo Express, Via Brasil e Buslog. O Melhor Envio foi fundado em 2015, por Éder Medeiros, quando o empresário, que vendia seus produtos em e-commerce, sentiu na pele a dificuldade que um lojista enfrenta ao tentar encontrar um valor acessível de frete, além dos complexos de gestão de logística. Por conta disso, o fundador e atual CEO da companhia decidiu criar a empresa para oferecer fretes competitivos para lojistas de todo o Brasil.

 

Por | Giulia Martins – NR7

Continuar Lendo

Em Alta

...
Sair da versão mobile