Conecte-se conosco

Regional

Romeu Zema lança Plano Estadual de Desenvolvimento da Cozinha Mineira

Publicado

em

Romeu Zema lança Plano Estadual de Desenvolvimento da Cozinha Mineira

O Governador de Minas Gerais Romeu Zema participa do lançamento do Plano Estadual de desenvolvimento da cozinha mineira / Foto: Pedro Gontijo / Imprensa MG

Ação dá início ao reconhecimento da culinária de Minas como patrimônio cultural do Estado.

Cozinha mineira: sinônimo de acolhimento, afeto, hospitalidade e diversidade, mas também de desenvolvimento socioeconômico para Minas Gerais. Com objetivo de fomentar e promover um dos mais importantes atrativos turísticos do estado como vetor de crescimento econômico e desenvolvimento social, o governador Romeu Zema e a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) lançaram, nesta sexta-feira (19/2), o “Plano Estadual de Desenvolvimento da Cozinha Mineira”.

O “Plano Cozinha Mineira” integra o Programa Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia Mineira (PEGM) e propõe a implantação de políticas públicas e privadas voltadas para a gastronomia mineira. São 72 iniciativas, com o valor total estimado em R$ 163 milhões, para serem executadas de 2021 a 2024.

Desenvolvimento

Zema destacou a importância do fomento à gastronomia para o desenvolvimento econômico e social do estado. “Tenho certeza de que empregos serão gerados. Ficamos entre os dez destinos mais hospitaleiros. E muito disso se deve a gastronomia.  Com certeza o plano vem pra sacramentar mais ainda esse destino turístico interessante que é o nosso estado. Que este projeto frutifique, em todos os cantos de Minas, trazendo mais turistas, divulgando a nossa cultura. Pra mim é um orgulho termos algo que é da nossa terra e que nos distingue de outros estados”, disse.

Entre as iniciativas estão a criação de uma linha de financiamento, via BDMG, para micro e pequenas empresas com condições e recortes específicos para o setor de gastronomia, a criação de um atlas da gastronomia e o reconhecimento de registro da Cozinha Mineira como Patrimônio Cultural de Minas pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG), entre outras ações.

O secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, também ressaltou que o plano posiciona a cozinha mineira como um setor que pode alavancar o crescimento do estado. “Em 2019, foram gerados R$ 20 bilhões a partir da cozinha mineira, e não só aqui no estado. Nós temos mais de 4 mil restaurantes fora de Minas dedicados a nossa cozinha. 30% do nosso turismo vem da gastronomia. É interessante porque é possível entrelaçar Minas Gerais por todos os circuitos, a partir da cozinha mineira, mostrando o modo de fazer, o modo de comer, o modo de estar, as festas, enfim, todo o aparato que é a cozinha mineira”, afirmou.

Também participaram do lançamento o  secretário-geral, Mateus Simões; a secretária de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Maria Valentini; o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio; o deputado estadual Professor Irineu; o chefe da Coordenadoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais, promotor de Justiça Marcelo Azevedo Maffra; entre outras autoridades.

O “Plano Cozinha Mineira” é resultado de construção coletiva, debate e troca de informações feitos ao longo do ano de 2020 para cumprir a tarefa de revisar a primeira versão do Plano Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia, cujo prazo compreende os anos de 2018 a 2021. O documento foi elaborado pelo grupo gestor do PEGM.

Patrimônio cultural imaterial

Durante a cerimônia, o presidente da Frente da Gastronomia Mineira, Ricardo Rodrigues, afirmou que o plano reconhece a comida mineira como patrimônio do estado. “Nós somos o estado da gastronomia. A importância desse plano é que foi feito a várias mãos, um trabalho em conjunto com 20 entidades públicas e do poder privado. A gente reconhece, com esse projeto, a cozinha mineira como patrimônio. A gastronomia é um dos principais pontos que Minas”, comentou

Cultura

A riqueza da cultura alimentar em Minas Gerais, com seus aromas, produtos, técnicas e sabores, faz parte dos extensos estudos realizados pelo Iepha-MG. Basta lembrar do reconhecimento do modo de fazer do Queijo Minas Artesanal da região do Serro, um dos primeiros registros de patrimônio cultural imaterial realizados no Brasil, em 2002. Outros passos importantes foram o inventário das Farinhas de Mandioca e de Milho e o Atlas da Cultura Alimentar de Minas Gerais.

Um dos objetivos é criar instrumentos técnicos que auxiliem no reconhecimento da Cozinha Mineira como patrimônio cultural do estado de forma ampla e participativa. A elaboração do atlas permitirá o mapeamento, a identificação e valorização de produtos, alimentos, pessoas e modos de fazer de uma infinidade de bens culturais que compõem os sabores e as práticas da cultura alimentar mineira.

Por meio desta iniciativa, a gastronomia dialoga com turismo, pesquisa, inovação, tecnologia, desenvolvimento territorial, geração de emprego e renda, preservação e valorização cultural, saúde, bem-estar, qualidade de vida, políticas públicas e desenvolvimento econômico.

Programa Estadual

Para a condução do PEGM, foram criados cinco grupos de trabalho divididos entre os temas: Plano Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia; Fortalecimento Institucional da Cadeia Produtiva; Inovação e Pesquisa; Gastronomia Social e Cultura Alimentar; Promoção, Divulgação e Internacionalização da Gastronomia Mineira.

Participam destes grupos as secretarias estaduais de Cultura e Turismo, de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa); e de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Sede); Iepha-MG; Fundação João Pinheiro (FJP); Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG); Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge)Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig)Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig); o Serviço Social Autônomo (Servas)Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG); Frente Mineira da Gastronomia (FMG); Fiemg;  Sebrae-MG; Sistema da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Sistema Fecomércio-MG); Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais (Abrasel-MG) e Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg).

 

Por | Agência Minas

Regional

Higienização dos itens de decoração: de cortinas à almofadas, saiba de quanto em quanto tempo a lavagem deve ser feita

Publicado

em

Foto: Divulgação / Freepik

É indispensável para o bem-estar de qualquer lar, a limpeza e organização dos ambientes, incluindo as peças decorativas. Se é comum a lavagem de roupas, toalhas e lençóis, os itens que compõem a decoração também merecem a mesma atenção especial. O CEO da Lavô, maior rede de lavanderias self-service do país, Angelo Donaton, listou alguns cuidados para essa etapa  e como a prática traz benefícios tanto para o ambiente quanto para a saúde.

Cortinas-  A maioria pode ser lavada de duas a três vezes por ano, dependendo do tecido e da necessidade. Em locais de muita exposição à poeira, a lavagem deve ocorrer a cada três meses, pois o acúmulo de pó pode trazer riscos à saúde. “Para lavagem em máquinas, é importante atentar-se ao material em questão. O ciclo delicado é o mais recomendado e o uso de sabão neutro também. Além disso, vale conferir a temperatura no uso de secadoras”, explica Angelo.

Capas de almofada- Peças chave na decoração, as almofadas também são grandes acumuladoras de poeira. “No caso do uso de capas, recomendamos a lavagem a cada três meses. Isso vai depender, é claro, da exposição que esse material sofre. Em casas com crianças e animais, por exemplo, essa higienização pode ser feita mensalmente. Outra dica bacana é não desperdiçar a oportunidade de deixar as janelas e portas abertas. Quanto mais arejado o ambiente, melhor”, completa.

Travesseiros- A higienização dos travesseiros exige pouca manutenção durante o ano, já que a atenção é maior com as fronhas. “A lavagem dos travesseiros deve ser feita a cada seis meses, dessa forma evita-se o acúmulo de poeira e aparição de mofo. Deixar as peças no sol sempre que possível também auxilia nesse processo de higienização. Já as fronhas devem ser trocadas semanalmente, pois são elas que entram em contato com o rosto e resquícios de células mortas, um processo natural do corpo, o que leva ao acúmulo de  mais sujeiras”, aponta Angelo. Outra dica do CEO nesse caso é o uso de sabão líquido para a lavagem, já que é fácil remoção.

Sobre a Lavô

A Lavô é a maior franquia de lavanderias self-service do Brasil. Inaugurada em 2018, entrou para o franchising em 2020 e já conta com mais de 520 unidades pelo Brasil. Com a missão de democratizar e simplificar o serviço, a franquia dispensa funcionários e pode ser gerenciada à distância, através do sistema online. Em 2021, a rede faturou R$ 8 milhões de reais e para 2022 a expectativa é alcançar R$ 10 milhões e 750 lojas.

 

Por | Jullia Nascimento – Markable Comunicação

Continuar Lendo

Regional

Como turbinar as vendas da sua loja virtual no Dia dos Pais?

Éder Medeiros, fundador e CEO do Melhor Envio, explica as principais tendências do mercado e dá dicas de como os lojistas podem se preparar para a data

Publicado

em

Éder Medeiros é CEO e fundador do Melhor Envio / Foto: Divulgação

São Paulo, agosto de 2022 – O comércio eletrônico cresce cada vez mais no Brasil e datas comemorativas, como o Dia dos Pais, movimentam ainda mais o setor. De acordo com a Neotrust, em 2021, o volume de vendas das empresas virtuais aumentou 4,2% no período. Já o faturamento chegou a R$ 6,2 bilhões, um crescimento de 15,9% em relação a 2020. Esses dados mostram uma mudança significativa no comportamento dos consumidores nos últimos anos, revelando o potencial que essa data sazonal tem para impulsionar o varejo online. A expectativa é que os números aumentem ainda mais em 2022.

Éder Medeiros, fundador e CEO do Melhor Envio – plataforma de intermediação de frete entre vendedores virtuais e transportadoras – separou algumas dicas de como os empresários podem impulsionar as vendas das lojas virtuais. Confira:

 

  1. Cuide da parte técnica do seu site. 

Verifique se o seu e-commerce está preparado para aguentar o aumento repentino de acessos. Se não estiver, providencie um serviço de hospedagem capaz de atender a demanda.

 

  1. Coloque as categorias mais procuradas em destaque

É muito importante estar atento aos produtos que mais atraem os consumidores. Segundo o relatório da All in, as categorias mais procuradas pelos consumidores durante o Dia dos Pais em 2021 foram: Moda e acessórios (30,2%); Beleza (16%); Farmácia e Saúde (13,8%); Alimentos e Supermercado (10,1%) e Outros (12,4%).

A tendência é que estes segmentos continuem em alta em 2022. Logo, se a sua loja virtual é focada em produtos dessas categorias, é hora de destacá-los dentro do site e, assim, estimular o aumento dos acessos.

 

  1. Crie listas de presentes para o Dia dos Pais. 

De um lado, temos os lojistas querendo descobrir o que mais vende no Dia dos Pais para destacar na loja virtual. Do outro, consumidores que ainda não decidiram o que vão comprar. Por isso, faça uma lista com ideias de presentes para seus clientes. Montar combos ou “kit Dia dos Pais” é uma excelente estratégia para movimentar seu estoque. Você pode incluir produtos menos procurados com outros queridinhos do público, e assim “desencalhar” os itens que estão parados.

 

  1. Acerte na divulgação: não cometa o erro de cair em estereótipos

Quer fazer diferente neste Dia dos Pais? Então, comece quebrando os estereótipos que cercam a imagem paterna. Por diversas vezes, os pais são representados nas publicidades de maneira estereotipada como super heróis ou perfeitos. Mas sabemos que na realidade não é bem assim, né? Por isso, fuja desse tipo de representação na hora de divulgar suas campanhas de Dia dos Pais. Pelo contrário, aproveite a data para inovar a publicidade do seu e-commerce e desconstruir esses padrões. Você pode ainda explorar temas como: paternidade solo, trans, homoafetiva e socioafetiva.

 

  1. Fique de olho na entrega

Ações promocionais já não são mais suficientes para estimular o consumidor a comprar pela internet. A pesquisa da All in revelou que 45% dos entrevistados desistiriam de uma compra por causa do preço do frete, enquanto 38% responderam que um prazo de entrega ruim é um fator decisivo para a desistência.

Nesse sentido, avalie a possibilidade de oferecer frete grátis durante o Dia dos Pais de 2022. Como é praticamente inviável manter a entrega gratuita para todo o seu estoque, a dica é disponibilizar o frete grátis apenas em itens selecionados. Isso acaba prevenindo situações como frete mais caro que o produto.

Outra solução é estipular um valor mínimo de compras. Por exemplo: “Dia dos Pais com frete grátis nas compras acima de R$ 200”. Essa prática é muito útil para aumentar o ticket médio do seu e-commerce, pois incentiva o consumidor a gastar um pouco mais para receber a isenção do envio.

Não consegue arcar com os custos do frete grátis? Uma alternativa é adotar o frete fixo. Para não comprometer o lucro, escolha regiões onde o envio é mais barato e estabeleça um valor que seja vantajoso para você e seu cliente.

 

  1. Remarketing: traga de volta clientes que já compraram na sua loja virtual

Se você acha que está muito tarde para tentar atrair novos leads, que tal tentar trazer de volta consumidores que já compraram no seu e-commerce em outras ocasiões? Ou que já demonstraram interesse em finalizar uma compra?

Para atrair novamente esse público, aposte no remarketing, uma estratégia de Marketing Digital que serve justamente para impactar consumidores que já tiveram uma experiência de compra ou passaram pela sua loja, mas acabaram abandonando o carrinho.

Você pode criar anúncios destacando produtos que essas pessoas pesquisaram dentro do seu site ou enviar promoções e descontos via e-mail marketing.

 

  1. Garanta a satisfação do cliente no pós-venda

Um tópico que alguns lojistas não dão a devida atenção é o pós-venda. Portanto, se sua intenção é fidelizar os clientes, sugerimos a criação de um canal de atendimento ou autoatendimento para melhorar a experiência do consumidor após a compra.

Certifique-se de ficar à disposição ou possuir uma equipe treinada para solucionar eventuais problemas. O ideal é diversificar ao máximo o atendimento, seja via e-mail, chat, telefone, WhatsApp ou redes sociais.

 

Sobre a empresa

O Melhor Envio é uma plataforma de intermediação de fretes para quem vende online, onde é possível cotar, gerar etiquetas de frete e realizar o rastreamento de pedidos. Atualmente, a empresa conta com 6 transportadoras integradas, que são: Correios, Jadlog, Latam Cargo, Azul Cargo Express, Via Brasil e Buslog. O Melhor Envio foi fundado em 2015, por Éder Medeiros, quando o empresário, que vendia seus produtos em e-commerce, sentiu na pele a dificuldade que um lojista enfrenta ao tentar encontrar um valor acessível de frete, além dos complexos de gestão de logística. Por conta disso, o fundador e atual CEO da companhia decidiu criar a empresa para oferecer fretes competitivos para lojistas de todo o Brasil.

 

Por | Giulia Martins – NR7

Continuar Lendo

Regional

Principais vacinas e reações em bebês

Publicado

em

Principais vacinas e reações em bebês / Foto: Divulgação/Freepik

Dr. Clay Brites é pediatra, neurologista infantil e um dos fundadores do Instituto NeuroSaber/Foto: Divulgação

Ao nascer, o bebê tem poucas defesas para combater infecções e as vacinas são muito importantes pois ajudam a estimular o sistema de proteção do organismo. Com isso, diminui o risco de a criança ficar doente pois ela passa a ter menos chances de adquirir infecções severas as quais afetariam seu neurodesenvolvimento.

A vacinação infantil protege de inúmeras doenças e faz parte dos cuidados básicos. Durante o primeiro ano, o bebê tomará mais vacinas do que ao longo de toda a sua vida e historicamente esta medida demonstrou ser a mais eficaz para reduzir a mortalidade. Entretanto, alguns podem apresentar reações adversas, mas que costumam ter pouca intensidade e permanecem por um curto período de tempo.

Ao nascer, em 15 dias, deve-se tomar a BCG em dose única. Ela pode resultar em efeitos que podem ser locais e regionais, como úlcera local, uma ferida que pode demorar para cicatrizar e ter a presença de linfadenopatia regional (gânglios). A BCG quase sempre deixa uma cicatriz característica no local em que foi aplicada.

A vacina da Hepatite B deve ser aplicada ao nascer, aos 2 e aos 6 meses de vida. Suas reações mais comuns são dor, enduração local, febre nas primeiras 24 horas, fadiga, irritabilidade e desconforto gastrointestinal leve. Raramente ocorrem reações alérgicas graves. Na tríplice bacteriana, aplicada com 2, 4 e 6 meses, pode ocorrer febre baixa a moderada, irritabilidade, vermelhidão, dor e inchaço no local da aplicação.

Com 2, 4 e 6 meses, o bebê deve tomar a vacina contra a Haemophilus influenzae tipo B (HiB). Ela é dada em uma vacina combinada, a pentavalente. Sua aplicação pode levar aos mesmos efeitos colaterais da tríplice bacteriana, febre de até 39 graus e desconforto no local da aplicação. Com o mesmo tempo de vida, o bebê deve tomar a do Rotavírus. Essa pode trazer os mesmos sintomas da vacina da poliomielite. Também pode levar a febre, fraqueza, irritabilidade, perda de apetite e vômitos.

A Poliomielite é aplicada com 2, 4 e 6 meses. Nesse caso pode ser o vírus atenuado, oral, e a VIP, de vírus inativo, injetável. Na injetável pode ocorrer vermelhidão, endurecimento e dor no local da aplicação e raramente febre moderada. Já a vacina oral, em geral, é bem tolerada, mas há chances do bebê ter reações alérgicas, como urticária e erupções na pele com coceira. A Pneumocócica conjugada deve ser aplicada com 2, 4, 6 e 12 meses. Pode causar dor, edema, vermelhidão, nódulo no local da injeção e irritabilidade.

Aos 3, 5, 7 e 12 meses são aplicadas as vacinas antimeningocócicas. Na meningocócica conjugada as reações são edema, endurecimento, dor e vermelhidão no local; perda de apetite, irritabilidade, sonolência, febre e dor muscular. Na meningocócica B, as reações mais comuns são sensibilidade e eritema no local, febre e irritabilidade. As reações mais incomuns a essas vacinas são as de caráter neurológico, já a Síndrome de Guillain-Barré, neuropatias e crises convulsivas são ocorrências raras. Outros efeitos que podem acontecer são choro inconsolável, convulsões febris e anafilaxia. Caso tenha alguma dúvida, procure o pediatra da criança.

Para prevenir ou amenizar as reações faça compressa gelada na região por 5 minutos, 3 vezes ao dia, no dia da aplicação da vacina. Não faça massagem nem comprima a região da aplicação e hidrate o bebê.

Lembre-se que por mais desconfortável que possa parecer, as reações são passageiras. A não vacinação pode resultar em doenças com consequências irreversíveis para a criança, inclusive graves sequelas neurológicas e problemas permanentes de locomoção e deficiências diversas. É um direito da criança ser vacinada. E vacinar também é um ato de amor. Vacinem seus filhos!

(*) Dr. Clay Brites é Pediatra e Neurologista Infantil (Pediatrician and Child Neurologist); Doutor em Ciências Médicas/UNICAMP (PhD on Medical Science); Membro da ABENEPI-PR e SBP (Titular Member of Pediatric Brazilian Society); Integrante e palestrante do Instituto Neurosaber.

 

Por | Joyce Nogueira – Drumond Assessoria de Comunicação

Continuar Lendo

Em Alta

...