Conecte-se conosco

Notícias

Pesquisa mostra que Rússia, China, EUA e Brasil são os países que mais atacaram a América Latina no segundo semestre de 2020

Levantamento feito por experts em segurança mostra que a acelerada digitalização da região aumentou a superfície de ataque sem que a maturidade de segurança também avançasse; ransomware cresceu 220% em comparação com 2019, phishing invade redes sociais e gangues digitais globais contam com um data leak de 3 bilhões de credenciais vazadas, dados essenciais para realizar violações

Publicado

em

São Paulo, SP 1/2/2021 –

Levantamento feito por experts em segurança mostra que a acelerada digitalização da região aumentou a superfície de ataque sem que a maturidade de segurança também avançasse; ransomware cresceu 220% em comparação com 2019, phishing invade redes sociais e gangues digitais globais contam com um data leak de 3 bilhões de credenciais vazadas, dados essenciais para realizar violações

A pesquisa “LATAM Security Threats 2020”, levantamento realizado por experts em segurança partir de incidentes mapeados nos últimos seis meses de 2020, em toda a América Latina, mostra que Rússia, China, EUA e Brasil são os países que mais atacam a região. Fazem parte desse grupo, também, o Chile e a Argentina. Alemanha, Ucrânia, Polônia e Taiwan são outras fontes de ataques contra a região. É importante destacar, porém, que os experts responsáveis pelo estudo não afirmam que os ataques são gerados nesses países. O que é possível confirmar é que os endereços IP da infraestrutura digital desses países estão sendo utilizados por criminosos digitais para servir de bots de onde são disparados ataques contra a América Latina. Não é possível indicar o país onde está localizada a pessoa que controla esses bots.

 

Esse relatório foi construído pelos experts do F5 Labs. Sediado em Seattle, EUA, o F5 Labs é uma divisão da F5 Networks que identifica ameaças que atingem empresas do mundo todo; o conhecimento construído pelos experts do F5 Labs é disponibilizado gratuitamente no portal https://www.f5.com/labs.

 

A acelerada digitalização da América Latina ao longo de 2020 intensificou as ameaças contra a região. “Ambientes digitais foram se expandindo sem, no entanto, serem acompanhados das corretas políticas de segurança – isso faz da América Latina e do Brasil universos cada vez mais digitalizados, mas com pouca maturidade em segurança”, ressalta Beethovem Dias, Solutions Engineer da F5 Brasil. “Com isso, a superfície de ataque da região aumentou muito em 2020”.

 

Trabalho remoto ampliou a vulnerabilidade do mundo digital brasileiro

 

Um dos ataques mais frequentes é realizado por bots hackers, que fazem, de forma massiva, o scanning de vários tipos de portas de comunicação – a meta é encontrar uma porta que apresente vulnerabilidades. Uma vez identificada, a vulnerabilidade será explorada pelos criminosos digitais, que buscam penetrar em sistemas corporativos e governamentais. “Entre as 20 portas mais visadas pelas gangues digitais estão portas dedicadas ao acesso remoto de usuários”, detalha Dias. “Com o crescimento do teletrabalho na América Latina e no Brasil, essas portas tornaram-se mais críticas do que nunca, sendo responsáveis por criar acessos de usuários remotos a grandes aplicações de negócios”.  O F5 Labs aponta a forte incidência de invasões na América Latina realizadas por portas Telnet e por portas MS RDP, que abrem acesso ao trabalho remoto e a dispositivos na rede interna.

 

Outra descoberta realizada pelos experts do F5 Labs é o quanto as operadoras de Telecom dos países de onde saem os ataques estão comprometidas. “Mapeamos os IPs associados aos links de comunicação usados pelos criminosos digitais para configurar suas bots e disparar ataques – tudo passa por operadoras de Telecom localizadas nos países atacantes”, explica Dias. Cinco operadoras russas e quatro chinesas fazem parte desse quadro.

 

Criminosos possuem 3 bilhões de credenciais pessoais em seu poder

 

Se esses dados apontam as vulnerabilidades da infraestrutura digital da América Latina e do Brasil, é importante refletir, também, sobre os ganhos que os criminosos digitais têm conquistado em relação a dados. “A eficácia das gangues digitais globais é tal que, hoje, contam com um Data Leak de informações estratégicas sobre pessoas, empresas e países – nossos experts apontam que os criminosos terminam 2020 com 3 bilhões de credenciais pessoais em seu poder”. Trata-se de um quadro crítico diante do fato de que boa parte do acesso às aplicações depende de senhas muitas vezes repetidas e já expostas na rede. Dias explica que a soma das vulnerabilidades das portas de acesso a essa enorme base de dados habilita as gangues digitais a, de forma automatizada e com recursos de inteligência artificial, identificar a senha do usuário e, a partir daí, invadir aplicações e realizar operações ilícitas.

 

“A pesquisa mostra que o ransomware cresceu 220% em 2020 em comparação com 2019 – as verticais mais atacadas foram governo, educação e saúde”, detalha Dias. Há uma estreita relação entre ransomware e phishing, que também avançou em 2020. “As gangues digitais constroem armadilhas de grande impacto emocional: em 2020, o grande tema foi a COVID-19 e, agora, avançamos para a fase do phishing baseado em notícias sobre a vacina contra essa doença”.

 

Para Dias, é importante compreender que o phishing vai muito além de um e-mail com um link para uma página falsa ou uma mensagem que traga um falso arquivo PDF anexado. “O phishing é uma porta aberta ao crime – do phishing passa-se ao ransomware – e avança, hoje, para redes sociais”. A falta de maturidade do ambiente digital latino-americano potencializa a eficácia dessas novas estratégias dos criminosos digitais.

 

Gangues digitais inovam e evoluem de forma contínua

 

Todo esse contexto mostra que, enquanto as gangues digitais inovam e evoluem continuamente, pessoas, empresas e países seguem reagindo com atraso à importância de se adicionar, desde o início, segurança em todos os processos. “Acabam acontecendo saltos de inovação, mas não conseguimos, ainda, vivenciar um mundo digital em evolução constante”, avalia Dias. “Internet das Coisas, cloud e edge computing e a explosão das APIs continuam se expandindo sem, por exemplo, a imposição de regras multifatores de autenticação do usuário”.  Outro diferencial competitivo dos criminosos digitais é o alto grau de compartilhamento de informações entre eles. “86% das bots são configuradas a partir de códigos compartilhados entre gangues”.

 

Para Dias, a solução para esse quadro passa por várias frentes de batalha. “A pesquisa do F5 Labs deixa para nós um grande ensinamento: segurança não pode mais ser uma opção a ser pensada depois que a infraestrutura foi criada. Temos, hoje, de considerar que todos os sistemas foram vazados e estão vulneráveis. E trabalhar a partir daí para redesenhar ambientes baseados nas melhores práticas em segurança, de modo a promover a maturidade digital da economia brasileira em 2021”.

Continuar Lendo
Anúncio

Notícias

Uma em cada cinco mulheres sofre de enxaqueca crônica

A enxaqueca menstrual é um dos principais gatilhos para crises da doença no sexo feminino. Fator que prejudica muito a qualidade de vida de quem convive com a dor de forma crônica.

Publicado

em

por

Guarulhos, SP 21/5/2024 – A enxaqueca tem um alto custo pessoal e profissional, não pode ser tratada como uma simples “frescura”, como ainda é erroneamente encarado em diversas situações

A enxaqueca menstrual é um dos principais gatilhos para crises da doença no sexo feminino. Fator que prejudica muito a qualidade de vida de quem convive com a dor de forma crônica.

Se estima que 15% da população mundial tem enxaqueca. É a segunda forma mais comum de cefaleia, atrás somente da dor de cabeça tensional. Apesar de ser comum em ambos os sexos, mulheres são 3 vezes mais propensas a ter enxaqueca do que homens, fator que influencia no sub-tratamento da doença. A campanha Maio Bordô, uma colaboração da CDD com a farmacêutica Amgen e busca conscientizar a respeito da importância de um diagnóstico correto para a enxaqueca, de forma a ter tratamento adequado para esta condição.

Pesquisas mostram que a prevalência de enxaqueca em meninas e meninos é equivalente, porém estes dados se alteram a partir da puberdade, quando a enxaqueca passa a ser parte da vida de 20% da população feminina. Isto ocorre especialmente por conta da influência do ciclo hormonal das mulheres. O estrogênio, hormônio responsável pelo desenvolvimento e regulação do sistema reprodutivo da mulher, também tem ligação com os reguladores químicos neurológicos que afetam nossa sensação de dor. Portanto a oscilação e queda hormonal podem se transformar em gatilhos para a enxaqueca. O que acontece é que esta oscilação é comum durante a vida reprodutiva das mulheres. Podendo ocorrer na gravidez e puerpério, na perimenopausa ou reposição hormonal, e principalmente no ciclo menstrual.

Quando a mulher está prestes a menstruar, o nível do estrogênio está em seu momento mais baixo. Isto faz com que o período pré menstrual seja um dos principais desencadeadores de crises de enxaqueca nas mulheres. A enxaqueca menstrual geralmente ocorre entre dois dias antes até três dias após o início da menstruação, e os sintomas não diferem da enxaqueca comum: dor, náusea e vômito, fotofobia, entre outros. O tratamento pode envolver o uso de anti-inflamatórios, triptanos, mas também é bastante comum a prescrição de determinados tipos de anticoncepcionais hormonais, por isso é importante buscar auxílio médico em caso de suspeita de enxaqueca. 

Um dos grandes problemas relativos à enxaqueca é a percepção da dor de cabeça, mesmo crônica, como algo comum, ou um simples sintoma de estresse, particularmente ligado ao sexo feminino. Ainda que estresse possa também ser um gatilho para enxaqueca e outros tipos de cefaleia, é importante ter a compreensão de que “essa patologia pode gerar um grande impacto diretamente na vida em diversos âmbitos, incluindo o profissional, não se tratando de uma simples “frescura”, como ainda é erroneamente encarado em diversas situações” conforme explica a vice-presidente da CDD, Giulia Gamba. 

SOBRE A CDD – A associação Crônicos do Dia a Dia é uma organização sem fins lucrativos. Desde 2018, tem como missão apoiar todo o potencial humano para ampliar as perspectivas das pessoas que convivem com condições crônicas de doença.  A partir dos pilares de trabalho de Responsabilidade social, Qualidade de vida, Políticas Públicas, Pesquisa e Informação, desenvolve projetos e campanhas para fortalecer o diagnóstico precoce, conscientizar sobre sintomas, contribuir com a construção de políticas públicas efetivas, tratamentos e vivências com os diagnósticos. A campanha de conscientização Maio Bordô tem o apoio social da Amgen. 

Website: https://cdd.org.br/

Continuar Lendo

Notícias

Acesso a medicamentos de alto custo demanda ações judiciais

Irregularidades no fornecimento no primeiro trimestre mostram que o direito às medicações não é o suficiente para superar barreiras ao acesso

Publicado

em

por

Belo Horizonte (MG) 21/5/2024 – É importante que o paciente não hesite em entrar com a ação judicial

Irregularidades no fornecimento no primeiro trimestre mostram que o direito às medicações não é o suficiente para superar barreiras ao acesso

O acesso de cidadãos brasileiros aos chamados medicamentos de alto custo – aqueles que só podem ser obtidos através de receita especial – obedece a uma prerrogativa legal, prevista na própria Constituição. São vários os artigos constitucionais que atestam para o direito dos cidadãos de terem acesso à saúde, e isso inclui medicamentos muitas vezes indisponíveis nas farmácias convencionais.

Para o uso desse direito acontecer de forma monitorada, existem as chamadas farmácias de alto custo, por meio das quais o paciente pode obter remédios necessários gratuitamente, desde que obedeça às determinações da lei. Mas, no 1º trimestre deste ano, houve um problema recorrente sobre a obtenção desses medicamentos, de modo que a legislação não foi suficiente para garantir o benefício.

O Movimento Medicamento no Tempo Certo (MTC) recebeu somente entre nos primeiros 90 dias do ano 12.680 reclamações de pacientes e de cuidadores quanto ao fornecimento. Houve irregularidades em 44 medicamentos, dos quais 35 são do chamado grupo 1 – no qual se enquadram aqueles cuja compra e disponibilidade é realizada pelo próprio Ministério da Saúde. Outros nove rótulos têm a distribuição sob responsabilidade das secretarias estaduais de saúde.

O levantamento do MTC mostra que o medicamento mais demandado foi o Leflunomida, indicado para o tratamento de artrites. Nos casos em que faltam esses medicamentos, o caminho é um só: a justiça. “O uso de remédios dessa natureza é, em geral, essencial para a qualidade de vida do paciente. E é isso que é necessário ressaltar através da ação judicial. A extrema necessidade é um quesito fundamental para a aquisição no curto prazo”, alerta Matheus Bessa, do escritório de advocacia Grossi & Bessa.

Segundo ele, pelo caráter emergencial, é importante que o paciente não hesite em entrar com a ação judicial, justamente para garantir que a reposição ocorra em tempo hábil. No estudo do MCT, identificaram-se casos de mais de dois meses de interrupção do tratamento devido à falta de abastecimento. “O pedido que levamos aos órgãos judiciários é pela tutela antecipada, para que o medicamento seja fornecido rapidamente, sob pena de multa em caso de descumprimento”, explica.

“Há um reconhecimento público de que a interrupção do uso controlado do fármaco configura um risco para a saúde do indivíduo, e isso reforça a importância para que o órgão de saúde tome providências o mais rápido possível, no sentido de solucionar o problema”, pontua o advogado da Grossi & Bessa.

Entretanto, ele ressalta que a emergência só serve para os casos de medicamentos registrados junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “No caso dos remédios que não estejam inseridos na lista, é necessário fornecer algumas informações a respeito, como a responsabilização da própria Anvisa em não ter registrado a fórmula e a documentação que comprove que há seu registro em órgãos reguladores de outros países. É um processo que será mais rápido quanto mais célere for a decisão do paciente ou do responsável de ingressar na justiça”, finaliza.

Website: https://grossiebessa.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Cursos gratuitos online da Nakata oferecem conhecimento técnico para reparadores

EADs destacam dicas de funcionamento, aplicação e manutenção dos diferentes componentes dos sistemas de suspensão, direção e transmissão

Publicado

em

por

21/5/2024 –

EADs destacam dicas de funcionamento, aplicação e manutenção dos diferentes componentes dos sistemas de suspensão, direção e transmissão

O sistema de suspensão, composto por diversos componentes, entre eles, amortecedores, molas, braço oscilante, pivô, coxim, barra estabilizadora, batente e coifa, atua em tempo integral ao rodar com o veículo e, por isso, é bastante exigido, especialmente, em vias esburacadas e em curvas.  É o sistema de suspensão que auxilia na hora de absorver os impactos, ajuda na estabilidade e dirigibilidade e também proporcionar conforto aos ocupantes do veículo. Por isso, é fundamental para o bom desempenho do veículo. Os reparadores devem dedicar especial atenção à capacitação desse sistema já que está entre os principais motivos pelos quais os motoristas levam o veículo à oficina.

O curso de EAD de suspensão da Nakata é gratuito e possui abordagem ampla de todo o sistema de amortecimento dos veículos leves. Distribuído em oito videoaulas, o curso aborda: introdução – história da suspensão, conceitos, tipos de suspensão, componentes, diagnóstico, introdução – manutenção de suspensão, passo a passo com procedimentos para a substituição dos amortecedores e passo a passo da troca do pivô e bandeja e dicas de manutenção. No curso sobre amortecedores, os participantes terão acesso função, componentes, tipos, características e evolução do amortecedor, tipos, consequências da perda de ação do amortecedor, problemas de campo que geram falhas nos amortecedores, correlação com outros componentes da suspensão e certificação e garantia dos amortecedores.

Já o EAD Transmissão linha leve, recém-lançado, aborda a evolução da transmissão, projeto, configurações das trações, características dos componentes, avaliação e substituição da junta homocinética, manutenção do cardan e do diferencial.

O EAD sobre direção linha leve apresenta os tipos do sistema (hidráulicas e elétricas), bem como ensina a fazer o diagnóstico preciso, dicas para garantir durabilidade dos componentes e também informações que possibilitam saber como utilizar a geometria Ackermann (conjunto geométrico do sistema de direção criado para compensar a diferença entre arcos gerados pela roda interna e externa em uma curva).

Os cursos online contribuem para a capacitação e atualização dos profissionais da reparação, proprietários de oficina e centros automotivos, estudantes de mecânica automotiva e profissionais de autopeças e estão disponíveis no link: https://nakata.com.br/capacitacoes.

Website: http://www.nakata.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...