Conecte-se conosco

Notícias

A Transformação digital do varejo veio para ficar

O tema aborda como será a retomada do varejo pós-COVID-19.

Publicado

em

São Paulo/SP 29/10/2020 – Nestes tempos, a velocidade com que aparecem novas tecnologias e modelos de negócio é alta, e cada uma oferece benefícios ao ser adotada.

O tema aborda como será a retomada do varejo pós-COVID-19.

Após meses de confinamento e restrições geradas pela pandemia, não é novidade que o comportamento de compra do consumidor mudou. Afinal, ele passou a ser extremamente dependente do comércio eletrônico para alguns segmentos do varejo.

Segundo estudos realizados pela Ebit/Nielsen em parceria com a Elo, somente no primeiro semestre de 2020, o e-commerce brasileiro registrou um crescimento de 47%, alcançando a sua maior alta em 20 anos. Isso comprova como os esforços e iniciativas digitais estão ajudando as empresas a equilibrarem os riscos ao se aproximarem dos clientes e atenderem suas demandas, sem deixar de manter uma distância social ainda necessária.

Claro que muitos varejistas seguem focados em suas necessidades imediatas. Afinal, a pandemia do novo coronavírus sobrecarregou as cadeias de suprimentos por meio de grandes mudanças na demanda e escassez de estoque, além de se tornarem um desafio logístico e de custo para serem realizados por meio de uma parceria ou com recursos próprios.

Vale ressaltar que muitos profissionais do setor conseguiram enfrentar a situação melhor do que tinham previsto. Isso ocorreu, sobretudo, por dois fatos: estavam melhor preparados digitalmente; e não hesitaram em adotar iniciativas de marketplace que impulsionaram as vendas, ajudando em especial os varejistas de pequeno e médio portes.

Embora o impacto a curto prazo da Covid-19 tenha sido extremo, não há dúvidas de que os varejistas terão que ser criativos para garantir o futuro de seus negócios.

Para tanto, eles devem definir sua visão e alinhar estratégias para continuar melhorando as experiências dos clientes por meio dos diversos pontos de contato. Lembrando que para isso será fundamental implementar soluções táticas que precisarão estar inseridas no contexto de uma estratégia digital mais ampla.

Uma estratégia que deverá proteger a cultura organizacional, desafiar sua evolução, estar conectada aos clientes, orientada por dados e que transcenda valores de colaboração para além de suas fronteiras.

 

Cultura corporativa aberta e colaborativa

Nestes tempos em que surgem novas tecnologias e modelos de negócio de forma cada vez mais rápida, cada uma delas oferece benefícios ao serem adotadas. Dificilmente as empresas conseguirão aprender e desenvolver sozinhas os recursos necessários para transformação do negócio e ao mesmo tempo imprimir velocidade nos processos de inovação.

Desse modo, é importante que a cultura seja mais aberta, permeável e colaborativa. Ela deve envolver diversas partes que incluam fornecedores (de produtos, serviços e tecnologia), concorrentes, clientes, empresas estabelecidas e startups.

Na China, por exemplo, o crescimento foi exponencial para grupos como Alibaba e Tencent, com impacto transformador para o varejo, e-commerce e meios de pagamento. Ele foi possível por meio de modelos de negócio caracterizados, como ecossistemas de origens distintas, mas convergentes em seu desenvolvimento.

Tais ecossistemas conseguem ter sucesso por alguns motivos:

  • uma base de clientes sólida com capacidade de captura e análise de dados;
  • crescimento exponencial e diversificado;
  • e plataformas de negócio abertas, com ampla possibilidade de expansão em rede, seja integrando parceiros, seja incorporando outros negócios, ativos ou até mesmo colaborando com seus competidores.
 

No Brasil, há um caso em que o conceito de store-within-a-store começou a ser praticado com um varejista especializado no segmento de mercadorias gerais.

Cabe ressaltar que tais ecossistemas adotam ainda tecnologia de última geração baseada em nuvem, com domínio de Inteligência Artificial, capacidade de processamento e análise de grandes volumes de dados, soluções de pagamento proprietárias e carteiras digitais.

Uma vez livres do isolamento social, muitos clientes voltarão com entusiasmo às lojas físicas. Porém, já estarão acostumados à uma experiência digital impulsionada durante a pandemia. Por isso, aqueles que conseguirem participar deste cenário — no qual as lojas tenham a capacidade de atrair, engajar e criar conexões emocionais com seus clientes — ganharão espaço e destaque no mercado. Irão projetar junto aos consumidores a percepção de que são únicos, e não apenas um alvo de metas a serem cumpridas.

 

 

Rafael Vargas – Com experiência de 30 anos no segmento de Varejo, atuando no Brasil, México e Estados Unidos, teve uma longa passagem no Walmart e hoje é Executivo de Negócios para Varejo na Softtek Brasil.

Website: https://www2.softtek.com/pt/servicos-vendas-digitais

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias

Monitoria de qualidade melhora relacionamento entre financeiras e clientes

Com uma solução avançada de gestão de qualidade do relacionamento com o cliente e análise de sentimento, as instituições financeiras conseguem identificar como o cliente está se sentindo no momento do contato e oferecer a melhor solução para o seu problema durante o atendimento.

Publicado

em

por

São Paulo (SP) 10/8/2022 – Soluções com tecnologia de Inteligência Artificial (IA) e análise de dados ajudarão as organizações a reduzirem multas por mau atendimento

Com uma solução avançada de gestão de qualidade do relacionamento com o cliente e análise de sentimento, as instituições financeiras conseguem identificar como o cliente está se sentindo no momento do contato e oferecer a melhor solução para o seu problema durante o atendimento.

As instituições financeiras estão entre as organizações com um grande número de reclamações de consumidores. No início do ano, o Banco Central divulgou uma lista com as organizações com maior número de reclamações registradas no órgão no último trimestre de 2021. O objetivo é auxiliar os consumidores a escolher qual instituição prestará os serviços financeiros que ele busca. O ranking “Top 10” expandiu a lista para “Top 15”, incluindo as 15 maiores em número de clientes.

Entre os principais motivos de reclamações identificados pelo levantamento estão irregularidades sobre operações e serviços de cartão de crédito, cartão de débito, internet banking, ATM, oferta ou prestação de serviço sobre crédito consignado, contas de pagamento pré-pago, abertura de contas de forma irregular, transações não reconhecidas pelo titular da conta, prestação inadequada de informações sobre produtos e serviços, entre outros.

No dia 18 de julho, o Ministério da Justiça anunciou a suspensão por tempo indeterminado das atividades de telemarketing de 180 empresas ligadas a bancos e instituições financeiras. O valor da multa pode chegar a R$ 13 milhões e R$ 1.000 de multa diária para as que descumprirem a regra. O principal motivo é o telemarketing ativo abusivo para oferta de produtos e serviços sem consentimento prévio do consumidor. 

A situação econômica, agravada pela pandemia de Covid-19, colaborou para o aumento das reclamações contra as instituições financeiras. Isso reflete a insatisfação do cliente com algum serviço ou produto oferecido.

“Com uma solução avançada de gestão de qualidade do relacionamento com o cliente e análise de sentimento, as instituições financeiras conseguem identificar como o cliente está se sentindo no momento do contato e oferecer a melhor solução para o seu problema. Isso é essencial para reduzirem seus respectivos índices de reclamações”, diz Danilo Curti, fundador e Diretor de Operações da Evollo.

Monitoria de qualidade do atendimento ao cliente como aliada

Diversos motivos levam o consumidor a ter uma experiência de atendimento ruim com uma determinada organização: atendentes despreparados, falta de entendimento da sua necessidade, demora para ser atendido, dificuldade de entrar em contato com a empresa, entre outros.

Utilizar uma solução com tecnologia de Inteligência Artificial (IA) e análise de dados (analytics) pode ser a saída para as instituições financeiras reduzirem a quantidade de reclamações recebidas e o custo com multas. Muitas vezes, com uma equipe bem treinada e uma ferramenta com tecnologia avançada, é possível solucionar a solicitação do cliente em apenas um contato.

“Nas áreas de relacionamento das empresas, gestores e coordenadores conseguem analisar, em média, cerca de quatro chamadas por mês por agente. Essa análise por amostragem é demorada e não permite visualizar um panorama real de como está a qualidade de atendimento ao cliente da empresa. Com a utilização de Inteligência Artificial e análise de dados é possível analisar e extrair informações estratégicas de forma precisa a partir de atendimento omnichannel (telefone, e-mail, WhatsApp). Isso permite gerar valiosos insights e inteligência para a tomada de decisão dos gestores”, explica Eduardo Ribeiro, sócio e Business Development da Evollo. 

Website: http://www.evollo.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Inflação sobe 10,07% em 12 meses; especialista dá dicas para proteger economias

Além do encarecimento dos preços de bens básicos, um cenário como esse torna ainda mais difícil a missão de poupar dinheiro e corrói essas reservas, diz Edson Teixer, da IRKO

Publicado

em

por

São Paulo, SP 10/8/2022 –

Além do encarecimento dos preços de bens básicos, um cenário como esse torna ainda mais difícil a missão de poupar dinheiro e corrói essas reservas, diz Edson Teixer, da IRKO

Influenciada pela redução nos preços dos combustíveis e da energia, a inflação oficial do país caiu 0,68% em julho, de acordo com o IBGE. Foi a primeira redução de preços desde maio de 2020. 

No acumulado dos últimos 12 meses, contudo, a inflação segue acima de dois dígitos, a 10,07%. Em 2022, a variação é de 4,77%. De acordo com a pesquisa Focus, do Banco Central, o índice deve fechar o ano em 7,11%, acima do teto da meta oficial, de 5,0%.

“Além do encarecimento dos preços de bens básicos, que limita o poder de compra dos brasileiros, um cenário como esse tem ao menos dois outros efeitos negativos: ele torna ainda mais difícil a missão de poupar dinheiro; e corrói essas reservas”, afirma Edson Teixer, sócio-diretor da IRKO no Rio de Janeiro e professor do IBMEC-RJ.

De acordo com ele, os investimentos podem ajudar a combater esse efeito sobre a renda das famílias. “Com a taxa básica de juros a 13,75% ao ano, há opções que valem a pena para todos os perfis de investidor, e com prazos diversos”, diz.

Abaixo, o especialista lista recomendações para poupar mesmo diante da inflação alta e escolher o melhor investimento para seus objetivos.

  • Como poupar no atual cenário?

O sócio da IRKO afirma que, embora a corrosão da renda torne mais difícil o exercício de poupar, algumas dicas podem ajudar. A primeira delas é acompanhar de perto as  finanças familiares, colocando na ponta do lápis o que entra e sai da conta todos os meses. 

“Há duas receitas possíveis para que sobre dinheiro no fim do mês. Uma delas é aumentar as entradas (obtendo, por exemplo, uma segunda fonte de renda); a outra, reduzir os gastos. Para quem não tem condições de optar pela primeira, o ideal é calcular todos os ganhos e despesas para entender onde é possível cortar”, afirma.

Sempre que possível, ele ressalta, deve-se separar a quantia a ser poupada já no início do mês, quando receber o salário. “Defina quanto quer economizar por mês e exclua essa quantia do dinheiro disponível. Aliás, de preferência, não o deixe visível – separe em outra conta ou invista.”

Ele lembra que as instituições financeiras são obrigadas a oferecer opções de conta corrente sem tarifas, o que pode ajudar no esforço de separar as reservas do restante do salário.

  • A poupança é uma boa opção?

A resposta curta, segundo o especialista, é não. Com rendimento de 6,17% ao ano mais a variação da TR (Taxa Referencial), a poupança não oferece nem metade da taxa Selic como ganho  – além de não compensar a inflação do período, fazendo com que, na prática, o investidor perca dinheiro.

“Isso porque é preciso descontar a inflação de qualquer rendimento para entender qual foi o ganho real daquela aplicação. Se a poupança rende cerca de 6,2% ao ano, e a inflação prevista é de 7,11% em 2022, isso significa que, ao final de 12 meses, as economias do investidor perderam 0,91% de valor”, afirma.

No caso de famílias que prefiram deixar o dinheiro em conta, permitindo a utilização dos recursos no momento em que ela for necessária, é possível escolher instituições que ofereçam rendimento acima da poupança na conta corrente. 

“Hoje, já há bancos que oferecem a rentabilidade do CDI [taxa de juros bancária que acompanha a Selic] na conta – subtraindo os percentuais de Imposto de Renda e IOF”, diz Teixer.

Se a opção for por uma instituição financeira de pequeno ou médio porte, o investidor deve fazer um aporte dentro do limite coberto hoje pelo Fundo Garantidor de Crédito, o FGC, de até R$ 250 mil por CPF.

  • Onde, então, aplicar o dinheiro?

Teixer explica que, embora os investimentos de renda fixa estejam bastante atrativos, em razão da alta dos juros, a escolha pelo tipo de aplicação deve levar em conta dois fatores: o perfil do investidor e o prazo no qual pretende utilizar a quantia.

“A primeira coisa a ter em mente é: o que serve para um familiar ou amigo não é necessariamente bom para você. Leve em consideração os seus objetivos e seu nível de tolerância ao risco para escolher onde aplicar”, afirma.

Mas existe um investimento mais propício? Ele afirma que sim. “Hoje, em razão do cenário que estamos vivendo, os investimentos em renda fixa são mais propícios, uma vez que pagam rendimentos bastante atrativos com baixo risco.”

Atualmente, os mais procurados são os títulos (privados ou públicos) pós-fixados, ou seja, que pagam uma taxa fixa mais um indicador, como a Selic ou o IPCA. “Os papéis do Tesouro Direto ou CDBs vinculados ao índice de inflação são os mais indicados para quem quer garantir sempre um rendimento real, já que compensam a inflação e ainda oferecem uma taxa fixa”, diz.

Além disso, é preciso também pensar no que o investidor pretende fazer com o dinheiro, e quando. “Obviamente, todo e qualquer investimento pagará maiores rendimentos em prazos mais longos. Mas isso nem sempre é vantajoso para todos.”

Teixer lembra que, para alguns títulos de renda fixa, como o Tesouro IPCA ou Tesouro pré-fixado, a rentabilidade acordada no momento da compra só será mantida se o resgate for feito na data de vencimento do papel. “E se precisar resgatar antes, o que acontece? Esses títulos têm precificação diária, ou seja, seu preço varia dia a dia. E, no momento da venda, a cotação pode estar inferior àquela que o investidor pagou para adquirir aquele título – causando perdas.”

Ainda é preciso considerar a incidência de Imposto de Renda sobre os rendimentos, na modalidade regressiva. Assim, quanto mais longo for o investimento, menor será o imposto.

  • E a renda variável?

O sócio da IRKO afirma que a renda variável sempre será um excelente investimento para quem tem perfil mais arrojado e procura uma aplicação de longo prazo. 

“Atualmente, o investimento em Bolsa ou em outras aplicações dessa modalidade vem sendo menos explorado. Para quem tem um perfil um pouco mais tolerante ao risco, contudo, o cenário está muito bom para a renda variável, já que os ativos estão muito baratos”, diz.

“Na Bolsa brasileira, por exemplo, há muitas ações cujos preços estão bastante descontados em relação ao que a empresa efetivamente vale. Assim, existem grandes oportunidades para aqueles investidores que têm o longo prazo em mente.”

Ele recomenda pesquisar as opções e consultar um especialista antes de iniciar as aplicações, garantindo a segurança dos investimentos e melhores retornos.

Website: http://irko.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Supergasbras anuncia estudo para investimento de R$ 850 milhões na Coamo

Em menos de seis meses, empresa firmou dois contratos que já somam mais de R$ 1,6 bilhão para a construção de dois terminais para importação de GLP, no Nordeste e no Sul

Publicado

em

por

Rio de Janeiro, RJ 10/8/2022 – É uma estocagem adicional muito significativa, que dá garantia de suprimento para a região e beneficia a população.

Em menos de seis meses, empresa firmou dois contratos que já somam mais de R$ 1,6 bilhão para a construção de dois terminais para importação de GLP, no Nordeste e no Sul

A Supergasbras, empresa do Grupo SHV, líder mundial na distribuição de GLP, firmou acordo com a Coamo Agroindustrial Cooperativa, com sede em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná), e maior cooperativa agrícola da América Latina, para estudo de viabilidade para implantação de um terminal marítimo privado para armazenamento de produto no município de Itapoá, em Santa Catarina. Este é o segundo projeto anunciado pela companhia em 2022, que agora já chega a mais de R$ 1,6 bilhão de investimento para a construção de terminais para importação e movimentação de GLP – gás liquefeito de petróleo.

O empreendimento ficará no Porto da Coamo, e terá capacidade para 38 mil toneladas de GLP, com movimentação anual de 425 mil toneladas. A tancagem será utilizada para armazenagem de GLP nacional ou importado. O investimento está estimado em R$ 850 milhões, e, em sua fase de construção, deve gerar 800 empregos diretos e indiretos na região.

A iniciativa faz parte do plano estratégico da companhia para investimento em infraestrutura a fim de garantir o recebimento do GLP, seja importado ou mesmo de outros polos produtores no Brasil.

“É uma estocagem adicional muito significativa, que dá garantia de suprimento para a região e beneficia a população. Este novo acordo que estamos assinando com a Coamo segue em linha com o nosso objetivo de melhorar a infraestrutura primária para a distribuição de GLP de Norte a Sul do país. Em março, anunciamos o projeto no Pecém, no Ceará, e agora esta parceria com a Coamo, que beneficiará a região Sul do país”, ressalta Júlio Cardoso, presidente da Supergasbras.

A Coamo está conduzindo o estudo do terminal portuário privado em Itapoá, que prevê a movimentação de grãos, gás, líquidos e fertilizantes, e contará com parceiros para operação dos produtos que não fazem parte da produção da cooperativa e de seus mais de 30 mil associados, os quais são importantes para acelerar a viabilidade do empreendimento e, principalmente, melhorar a logística desses produtos para o Sul do Brasil. “Neste contexto, a Coamo tem como parceira a Supergasbras para operar gás GLP, por entender que a empresa possui todas as condições necessárias para o sucesso do projeto”, afirma o presidente Executivo da Coamo, Airton Galinari.

O Brasil é um grande mercado para o Grupo SHV, que tem mais de 125 anos de história e conta com um braço global de trading de produtos. “Hoje, o país importa cerca de 20% de todo o GLP consumido nacionalmente e, por isso, vimos a oportunidade de investir numa infraestrutura como está em Itapoá, visando contribuir para aumentar a autonomia no armazenamento do produto em solo nacional”, completa Júlio.

Website: http://www.supergasbras.com.br

Continuar Lendo

Em Alta

...