Conecte-se conosco

Notícias

Empreendedorismo cresce no Brasil pós-pandemia

Tronar-se empreendedor é mais do que buscar uma atividade profissional, é mudar o estilo de vida pós – pandemia.

Publicado

em

Campinas, SP 27/10/2020 –
“Sonho sem ação gera frustração” – Aline Salvi, empreendedora.

Tronar-se empreendedor é mais do que buscar uma atividade profissional, é mudar o estilo de vida pós – pandemia.

Pesquisas apontam para uma avalanche de busca pelo próprio negócio já durante 2020, com aumento para 2021. Segundo o IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – a economia brasileira manteve, ao longo do terceiro trimestre, a trajetória de recuperação após o choque da pandemia da Covid-19 de março-abril. A queda do PIB estimada em 6% foi revisada para 5% em outubro e para 2021, o crescimento projetado foi mantido em 3,6%. Bons sinais, considerando que a vacina para o vírus está a caminho e pode modificar o rumo dessa história, oferecendo com o crescimento do País, novas oportunidades de negócios e sonhos.

Mas e o que fazer para encontrar o caminho da prosperidade/felicidade após um ano turbulento que para maioria da humanidade foi um divisor de águas? Muitas pessoas tiveram seus empregos dizimados pela pandemia, suas famílias reunidas e também ameaçadas, perdas, ganhos, incertezas que causaram reflexões profundas e transformadoras. Uma grande parte está em busca de um caminho para retomar, porque é preciso reaprender, é preciso alcançar novas maneiras de realização por meio de habilidades, propósitos de vida e valores, caminhando paro o sonhado equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

Segundo o Sebrae, se os períodos de recessão já apontavam no início desse ano para aproximadamente 23% da população adulta envolvida na abertura de um novo negócio ou com um negócio com até 3,5 anos de atividade, os resultados para final de 2020 estimam que o Brasil alcance a marca de 25% de sua população adulta de empreendedores iniciais.

De acordo com pesquisas do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), o Brasil está em posição de destaque entre os 55 países que participaram do levantamento. O país apresenta a 4ª maior Taxa de Empreendedorismo Inicial – negócios de até 3,5 anos de existência – (TEA=23,3%) entre os países incluídos da pesquisa. Essa marca é superior às registradas, por exemplo, nos países do BRICS, EUA, Colômbia, México e Alemanha.

Se o brasileiro já traz consigo o dom de empreender, está na hora de aprender a organizar esse novo modelo profissional para não cometer erros básicos que levam ao fracasso das micro e pequenas empresas antes do terceiro ano. Todos os requisitos para o sucesso podem ser aprendidos, testados, treinados incansavelmente para que o trabalho faça parte da alegria e traga prazer ao dia a dia. Não existe fórmula mágica, mas existem hoje bons exemplos de empreendedores que ensinam passos para aumentar as chances de sucesso.

Mas por que o nosso mundo será diferente a partir de agora? O que o empreendedor que buscava como principal motivo uma nova fonte de renda, estará buscando a partir de 2020? A maioria das pessoas percebeu que precisa alinhar seus interesses profissionais aos pessoais e que esse é um caminho sem volta. É aí que a mentoria de Aline Salvi virou livro, para mostrar e provar que isso é possível, hoje, amanhã e sempre.

“Sonho sem ação gera frustração”, afirma Aline Salvi, empreendedora, autora do livro Viva Sua Melhor Versão.

Sobre Aline Salvi

Empreendedora, mentora, palestrante e treinadora, ALINE SALVI é a idealizadora do Instituto de Desenvolvimento Profissional – Mentoria 360º, instituto que já impactou mais de 200 mil pessoas. Formada em Direito, pós-graduada em Comunicação com o Mercado, especialista em PNL, graduou-se pela Escola de Atores Wolf Maya, tornou-se analista comportamental, técnica em Psicologia Positiva, web influencer, palestrante (com certificado internacional pela FCU), mentora (com curso de mentoring pelo IBC).
Para alcançar tal nível profissional e mercadológico, Aline foi primeiramente empresária, iniciando sua carreira aos 19 anos. Mas aos 14 anos já empreendia informalmente, fazendo jus às suas habilidades de comunicação e empatia pelo próximo.

Website: https://www.alinesalvi.com.br/home

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Reforma tributária altera tributação do mercado imobiliário

Como fica a tributação do mercado imobiliário com o texto do projeto de lei complementar aprovado pela Câmara dos Deputados

Publicado

em

por

Rio de Janeiro, RJ 18/7/2024 – O custo tributário final máximo do setor, hoje fica em 9%. Já pelas novas regras o custo tributário do setor fica em 15,9%, sem considerar o IRPJ e a CSLL

Como fica a tributação do mercado imobiliário com o texto do projeto de lei complementar aprovado pela Câmara dos Deputados

No último dia 10 a Câmara dos Deputados aprovou com 336 votos favoráveis e 142 contrários o texto base do projeto de lei complementar que regulamenta a reforma tributária (PLP 68-A/2024) o qual impactará em diversos segmentos econômicos, inclusive no mercado imobiliário, se for aprovado pelo Senado Federal como se encontra.

O Governo Federal afirma que “a reforma tributária será positiva para o setor imobiliário” e que “não haverá nenhum aumento relevante de custos em comparação à situação atual; além disso, os imóveis populares serão menos tributados que os de alto padrão”.

Na Câmara dos Deputados foram aprovadas alterações benéficas aos contribuintes como, a majoração de 20% para 40% da redução das alíquotas em operações com bens imóveis, o aumento do o desconto para 60% dos tributos sobre a receita obtida com aluguéis e a não incidência do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e da Contribuição Social sobre Bens e Serviços (CBS), nas operações de venda, locação e arrendamento de imóvel pertencente a pessoa física que esteja sujeita ao regime regular do IBS e da CBS mas não tenha como atividade preponderante a imobiliária.

Ricardo Vivacqua, sócio fundador da Vivacqua Advogados, lembra que “após a aprovação pelo Senado Federal, a reforma tributária não será implantada imediatamente, a transição do atual modelo para o novo irá acontecer de forma paulatina, entre os anos de 2026 e 2033”.

“Considerando a alíquota máxima de 26,5%, sendo 8,8% da CBS e 17,7% do IBS, para as operações com bens imóveis e o redutor de 40% se tem uma alíquota efetiva de 15,9% para estas operações, enquanto para os aluguéis como o desconto aprovado foi de 60%, a alíquota acaba ficando em 10.6%. Além disso como o IBS e o CBS vieram para substituir o PIS, a Cofins, o IPI, o ICMS e o ISS, tributos incidentes sobre as receitas das empresas, na avaliação da carga fiscal do setor se deve considerar ainda os tributos incidentes sobre o lucro, que são o imposto de renda (IRPJ) e a contribuição social (CSSL), além da contribuição previdenciária, que incide sobre o custo da mão de obra”, explica Ricardo

E conclui “pela atual legislação as construtoras e incorporadoras imobiliárias podem se beneficiar de regime especial que limita em 4% a tributação sobre a receita na venda de frações de terreno ou construção de condomínios, estando contemplado nesta alíquota o IRPJ, a CSLL, o PIS e a Cofins, ficando de fora somente o imposto sobre serviço (ISS), que tem como alíquota máxima 5%, de forma que o custo tributário final máximo do setor, hoje fica em 9%. Já pelas novas regras o custo tributário do setor fica em 15,9%, sem considerar o IRPJ e a CSLL, de forma que não se pode negar que haverá sim uma elevação da carga tributária das operações imobiliárias, seja para os imóveis populares ou os de alto padrão”.

Luiz França, presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC), alerta para os efeitos adversos que o aumento da carga tributária pode desencadear, dentre estes aumento dos custos das obras e, consequentemente, dos preços dos imóveis, ao expor. “O mercado imobiliário funciona como um termômetro da economia. Qualquer aumento na carga tributária pode resultar em desestímulo a novos investimentos, impactando diretamente os consumidores finais, que enfrentarão preços mais altos para comprar ou alugar imóveis”.

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), defende “a manutenção da carga tributária sobre a moradia. E essa manutenção só é garantida com o redutor de 60% da alíquota, conforme demonstram os estudos”.

“Que as empresas repassarão a aumento do custo tributário para os preços dos imóveis não há duvidas, esta é uma regra seguida por todo gestor, mas agora a atenção se volta para o Senado Federal que poderá ainda implementar alterações neste projeto de lei complementar”, afirma Ricardo.

Website: https://www.vivacquaadvogados.com/

Continuar Lendo

Notícias

Como a Elevar implementa compliance no mercado de energia

No mercado livre de energia, práticas transparentes e éticas são cruciais. Compliance e governança são fundamentais para operações sustentáveis e responsáveis. A Elevar Energia implementa essas práticas com a tecnologia Lesui, que oferece monitoramento em tempo real, relatórios automatizados, gestão de riscos e integração de dados por meio da inteligência coletiva

Publicado

em

por

Barueri/SP 18/7/2024 – Compliance e governança são cruciais no mercado livre de energia, assegurando práticas éticas e sustentáveis alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentá

No mercado livre de energia, práticas transparentes e éticas são cruciais. Compliance e governança são fundamentais para operações sustentáveis e responsáveis. A Elevar Energia implementa essas práticas com a tecnologia Lesui, que oferece monitoramento em tempo real, relatórios automatizados, gestão de riscos e integração de dados por meio da inteligência coletiva

No cenário em constante transformação do mercado de energia, a Elevar tem implementado práticas de compliance e governança desde o desenvolvimento da tecnologia Lesui. Essas medidas buscam assegurar a transparência e a integridade entre todos os participantes do mercado. Ao adotar políticas que visam o alinhamento com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), a empresa contribui de maneira sustentável e responsável. Através dessas práticas, é possível estabelecer um ambiente de confiança necessário para sua atuação em um mercado competitivo e regulado.

Compliance é a base que sustenta a ética corporativa, referindo-se à adesão rigorosa a leis, regulamentos e diretrizes estabelecidas por órgãos reguladores e pela própria organização. Segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), um programa de compliance eficaz envolve a implementação de políticas e procedimentos para prevenir, detectar e responder a violações legais e éticas. Os elementos essenciais de um programa de compliance incluem:

  • Código de Conduta: define claramente os valores e expectativas de comportamento para todos os colaboradores.
  • Treinamento Contínuo: capacita os funcionários sobre as normas e práticas de compliance, garantindo alinhamento com os princípios éticos da empresa.
  • Monitoramento e Auditoria: sistemas robustos para verificar a conformidade e identificar áreas de risco, assegurando operações transparentes.
  • Canais de Denúncia: mecanismos seguros e confidenciais para relatar condutas inadequadas, promovendo um ambiente de transparência.

No campo da governança corporativa, conforme o IBGC, um conjunto de processos, políticas e práticas orientam a gestão de uma empresa. No contexto ESG (Environmental, Social, and Governance), uma governança eficaz é vital para garantir que as ações corporativas estejam alinhadas com os princípios de sustentabilidade e responsabilidade social. De acordo com a Deloitte, empresas que implementam práticas sólidas de governança tendem a apresentar melhor desempenho financeiro e maior valorização no mercado.

No mercado livre de energia, a governança corporativa se traduz na adoção de medidas que garantam a transparência e a conformidade em todas as operações. Isso inclui as regras da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que estabelecem normas para a operação e liquidação das transações no mercado de energia, e a legislação ambiental, que assegura que as operações respeitem os padrões de sustentabilidade e proteção ao meio ambiente. Além disso, contratos de energia detalhados devem ser cumpridos integralmente para evitar litígios e penalidades.

O mercado livre de energia oferece aos consumidores a liberdade de escolher seus fornecedores, negociando preços e condições contratuais diretamente. Este ambiente competitivo traz benefícios como redução de custos e maior flexibilidade, mas também apresenta desafios regulatórios e operacionais que exigem rigorosas práticas de compliance.

Para enfrentar esses desafios, a Elevar Energia desenvolveu a tecnologia Lesui, uma plataforma que integra soluções de compliance e eficiência operacional para o mercado de energia, através de funcionalidades, como:

  • Monitoramento em Tempo Real: Acompanhamento contínuo das operações para garantir a conformidade com as regulamentações.
  • Relatórios Automatizados: Geração de documentos e análises detalhadas para auditorias e avaliações de desempenho.
  • Gestão de Riscos: Ferramentas para identificar, avaliar e mitigar riscos de compliance.
  • Integração de Dados: Consolidação de informações de diversas fontes para uma visão abrangente e precisa das operações.

A importância do compliance no contexto ESG é reforçada por estudos que mostram que empresas com práticas de governança sólidas tendem a ser mais resilientes e a ter um desempenho superior a longo prazo. A tecnologia Lesui da Elevar Energia se posiciona como uma das opções para empresas que buscam otimizar seus programas de compliance, oferecendo ferramentas para monitoramento, auditoria e gestão de riscos.

De acordo com Ieda Harika, Head de Energia e ESG na Elevar Energia: “Compliance e governança são cruciais no mercado livre de energia, assegurando práticas éticas e sustentáveis alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

A Elevar Energia, com a tecnologia de gestão integrada Lesui, contribui para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 7, 9 e 16. Esses objetivos visam garantir acesso à energia limpa e acessível, promover a inovação e a infraestrutura sustentável, e fortalecer instituições com governança e compliance, certificadas pela SGS, destacando o compromisso da Elevar Energia com a sustentabilidade e a responsabilidade corporativa.

Adotar práticas de compliance e utilizar tecnologias permite que as empresas não apenas evitem penalidades, mas também construam uma reputação sólida e sustentável no mercado. Segundo a International Chamber of Commerce (ICC), empresas que implementam programas de compliance robustos têm maior chance de serem vistas como confiáveis pelos consumidores, aumentando sua reputação no mercado. Além disso, a ICC destaca que práticas eficazes de compliance ajudam as empresas a estabelecer uma cultura organizacional de transparência e responsabilidade, o que é fundamental para sua sustentabilidade e competitividade a longo prazo​​​. 

Ao utilizar tecnologia e práticas de ética corporativa a Elevar Energia contribui para a gestão de compliance e governança.

Website: http://www.elevarenergia.com

Continuar Lendo

Notícias

Varejo brasileiro enfrenta alta na inadimplência em junho

Inadimplência no crediário de junho aumenta, alertando para mudanças no comportamento do consumidor

Publicado

em

por

Rio do Sul – SC 18/7/2024 –

Inadimplência no crediário de junho aumenta, alertando para mudanças no comportamento do consumidor

O mercado varejista brasileiro continua enfrentando desafios no cenário de inadimplência. Os dados mais recentes do índice de inadimplência do Meu Crediário, referentes às vendas no crediário realizadas em março de 2024 e vencidas em junho baseadas em cerca de 200 redes varejistas do Brasil, revelam uma taxa de inadimplência de 10,10%.

Esse índice representa um aumento em relação ao mesmo período do ano anterior, quando a taxa foi de 9,84%, e um aumento ainda mais expressivo em relação ao mês anterior, maio de 2024, que registrou uma inadimplência de 9,00%.

Os dados mostram que a inadimplência no varejo está crescendo, refletindo possíveis dificuldades econômicas enfrentadas pelos consumidores brasileiros. O aumento observado de 0,26 pontos percentuais em relação ao ano anterior e de 1,10 pontos percentuais em relação ao mês anterior sugere a necessidade de uma análise cuidadosa e de medidas proativas por parte dos varejistas para diminuir os impactos da inadimplência.

Para Jeison Schneider, especialista em crediário próprio e CEO do Meu Crediário, este aumento na inadimplência pode estar relacionado a diversos fatores, incluindo a inflação que reduz o poder de compra dos consumidores.

Jeison ainda comenta: “É crucial que os varejistas adotem estratégias eficazes para concessão de crediário, principalmente identificando potenciais inadimplentes, e ofereçam condições de pagamento mais flexíveis, visando reduzir a inadimplência e melhorar o fluxo de pagamento do cliente”.

Website: http://www.meucrediario.com.br/

Continuar Lendo

Em Alta

...