Conecte-se conosco

Notícias

Gestantes e mães encarceradas enfrentam dificuldades em acessar direitos e recebem punições mais severas por seus crimes

Estudo mostra que política de desencarceramento é impactada por falta de informações e questões de gênero

Publicado

em

Curitiba, PR 26/2/2021 –

Estudo mostra que política de desencarceramento é impactada por falta de informações e questões de gênero

As questões de gênero afetam as mulheres nas mais variadas situações, inclusive, no acesso a direitos e decisões e acordos como no cumprimento da política de desencarceramento, o Habeas Corpus Coletivo 143.641/SP, que propunha prisão domiciliar às gestantes e mães com filhos de até 12 anos de idade ou deficientes. O desconhecimento de dados sobre a população feminina carcerária e a dupla condenação recebida por mulheres que cometem crimes – pelo que praticaram e em função do gênero -, foram identificadas na análise de 177 processos referentes a 190 mães encarceradas na Penitenciária Feminina de Piraquara.

O resultado desse trabalho integra uma pesquisa desenvolvida junto ao Centro de Pesquisa Jurídica e Social (CPJUS) da Universidade Positivo (UP), com 11 pesquisadores, coordenados pelas professoras Maria Tereza Uille e Olívia Pessoa. Da análise das informações obtidas, constatou-se que o Habeas Corpus Coletivo 143.641/SP foi insuficiente para promover o desencarceramento de mães e gestantes e que muitos dados relacionados à gestação e maternidade não são informados ao longo dos autos processuais, dificultando a visibilidade e o cumprimento dos direitos destas mulheres. Prova disso é que em 31% dos processos não há informações nem sobre essas mulheres terem ou não filhos. “Se não tem essa informação, como o Estado se responsabiliza por essa criança que teve a mãe aprisionada?”, questiona a professora Olívia Pessoa, coordenadora do CPJUS/UP.

Nos autos de prisões estudados que continham essa informação, dentre a totalidade de presas, a média de cada mãe, à época da prisão, era de dois filhos, sendo que 19% tinham apenas um filho, 21% tinham dois filhos, 17% possuíam três e 6% tinham a prole constituída por cinco ou mais. Sobre a faixa etária, 34% possuem filhos de até 6 anos, 28% com filhos de até 12 anos incompletos, 15% com até um ano incompleto, 7% foram presas ainda gestantes e 16% com filhos entre 13 e 18 anos. Ainda, em 60% dos processos, não há informações sobre quem eram os principais responsáveis pelos filhos, antes ou após o aprisionamento. “É como se o Estado não olhasse para essa criança, eximindo-se de prover os cuidados mínimos, como designar um responsável para olhar por esse menor, uma vez que essas informações não estão no processo”, avalia.

Embora a maternidade seja circunstância que autoriza a prisão domiciliar desde o ano de 2016, a pesquisa constatou que, em quase metade dos processos, não há pedido de liberdade provisória ou prisão domiciliar e, entre eles, apenas 66% mobilizaram o argumento da maternidade. Em 52% dos casos, a liberdade provisória foi concedida, sendo que entre eles, em mais de dois terços o juiz sequer mencionou a presença de filhos ou da gestação e apenas 12% dos pedidos de prisão domiciliar foram deferidos. A conclusão é que, apesar dos esforços legislativos e da decisão proferida no Habeas Corpus Coletivo, a ausência de informações e a baixa mobilização da maternidade e da gestação no curso do processo judicial têm atuado como obstáculos ao exercício de direitos às mães presas.

Penalizadas pelo gênero

Dos dados existentes foi possível traçar que o perfil socioeconômico destas mulheres, em sua maioria, é de jovens, com ensino fundamental incompleto. Quase metade delas são brancas e, entre aquelas para as quais havia essa informação, tinham, em média, dois filhos e renda de até dois salários mínimos.

Sobre as circunstâncias do crime e da apreensão, quase metade das mulheres foram presas em razão de crimes relacionados ao tráfico, com quantidade de droga muito baixa. Contudo, as penas aplicadas são, em sua maioria, superiores a 4 anos, e o regime inicial fechado. A pesquisa revelou, ainda, que em quase 80% dos casos a prisão se deu em flagrante e sem a realização de diligências posteriores em 45% dos casos, o que pode sugerir que são mulheres que atuam como pequenas traficantes. Apesar disso, em apenas 25% dos casos houve a tipificação pelo tráfico privilegiado. Outro indicador de disfuncionalidade do sistema é a ausência da realização da audiência de custódia em quase metade dos casos (47%). A audiência é um ato do Direito Processual Penal em que o acusado por um crime, preso em flagrante, tem direito a ser ouvido por um juiz, de forma a que este avalie eventuais ilegalidades em sua prisão.

Olívia explica que as implicações dessa carência de informações são várias. “O Estado não saber quem é aquela mulher que está encarcerada é tornar aquela pessoa apenas um número e não utilizar a fonte tão importante que é um processo para identificar quem são aquelas pessoas e, a partir desse dado, poder trabalhar em ações de políticas públicas para que tenham um impacto na vida daquela mulher encarcerada. Saber qual é a ocupação dessa mulher para dar uma alternativa financeira que não seja o crime”, defende. A pesquisa mostra que, para 80% das mulheres, não há dados sobre a ocupação – e não constam informações sobre a renda de 85% delas. “É olhar para a pessoa em um aspecto normativo de aplicação da lei, sem entender o contexto socioeconômico em que ela está inserida. Sem essas informações, o Estado não consegue desenhar ações efetivas”, avalia.

Universidade Positivo

A Universidade Positivo é referência em ensino superior entre as IES do estado do Paraná e uma marca de reconhecimento nacional. Com salas de aula modernas, laboratórios com tecnologia de ponta, mais de 400 mil m² de área verde no campus sede, a Universidade Positivo é reconhecida pela experiência educacional de mais de três décadas. A instituição conta com três unidades em Curitiba (PR), uma em Londrina (PR), uma em Ponta Grossa (PR) e mais de 70 polos de EAD no Brasil. Atualmente, oferece mais de 60 cursos de Graduação, centenas de programas de especialização e MBA, sete programas de mestrado e doutorado, além de cursos de educação continuada, programas de extensão e parcerias internacionais para intercâmbios, cursos e visitas. Além disso, tem sete clínicas de atendimento gratuito à comunidade, que totalizam mais de 3.500m². Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric. Desde março de 2020 integra o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional. Mais informações em universidade.up.

Website: https://www.up.edu.br/

Continuar Lendo
Anúncio
Clieque para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias

Ferramentas com baterias intercambiáveis ganham força no mercado

Mais leves e mais práticas de serem manuseadas e acondicionadas, equipamentos são opção cada vez mais levadas em consideração por adeptos do “faça você mesmo”; especialista fala sobre funcionalidades destes utensílios

Publicado

em

por

12/8/2022 – Com essa tecnologia, é possível comprar um aspirador de pó e também ter uma furadeira ou uma serra tico-tico que compartilham a mesma tecnologia de baterias

Mais leves e mais práticas de serem manuseadas e acondicionadas, equipamentos são opção cada vez mais levadas em consideração por adeptos do “faça você mesmo”; especialista fala sobre funcionalidades destes utensílios

A praticidade proporcionada pelo uso de baterias em ferramentas é algo que tem sido cada vez mais levado em consideração por usuários que se valem do conceito do “faça você mesmo” para realizar reparos ou construções, sobretudo no ambiente doméstico. Mais leves e mais práticas de serem manuseadas e acondicionadas, as ferramentas à bateria também podem representar maior eficiência, visto que dispensam o uso constante da energia elétrica para seu funcionamento. 

Dentro desta lógica, a economia de energia elétrica e a praticidade podem ser ainda maiores quando as baterias destas ferramentas são intercambiáveis, ou seja, podem ser utilizadas em diversos equipamentos. Desta maneira, uma única bateria pode servir para ferramentas compatíveis, como parafusadeiras, furadeiras, marteletes, serras tico-tico, esmerilhadeiras, sopradores e aspiradores, entre outras.

Vagner Tinte, cofundador da empresa Qual Ferramenta Comprar?, pontua que a adoção de ferramentas com baterias intercambiáveis possibilita a redução do custo de investimento, “pois uma vez adquirida juntamente com a primeira ferramenta, você não precisará de uma nova bateria para as demais”. Para ele, trata-se de “uma excelente opção para aqueles que buscam economia e são fiéis a uma determinada marca”.

O profissional explica, porém, que há um limite na “intercambialidade” das baterias, já que cada marca possui sua própria tecnologia. “O usuário deve atentar-se sempre antes de adquirir um produto, pois mesmo sendo do mesmo fabricante, pode haver incompatibilidade de tecnologia entre as linhas”, diz Tinte. “Cada fabricante emprega detalhes de construção e tecnologia que limitam o uso para a marca e até mesmo de uma linha específica”, completa. 

O cofundador da empresa Qual Ferramenta Comprar? explica que a praticidade proporcionada pelas ferramentas com baterias intercambiáveis tem atraído os usuários do “faça você mesmo”, que veem neste modelo de equipamento um custo-benefício atrativo. “Com essa tecnologia é possível, por exemplo, comprar um aspirador de pó e também ter uma furadeira ou uma serra tico-tico que compartilham a mesma tecnologia de baterias”, diz.

Além de pequenas ferramentas que podem ser utilizadas em ambiente doméstico, as baterias intercambiáveis, aos poucos, vão sendo utilizadas em outros tipos de equipamentos. Recentemente, por exemplo, cinco grandes empresas japonesas (as montadoras Honda, Kawasaki, Suzuki e Yamaha e a petrolífera ENEOS) se juntaram para criar a Gachaco, empresa com foco no desenvolvimento de um sistema para compartilhamento de baterias intercambiáveis para motocicletas elétricas.

Para saber mais, basta acessar: https://qualferramentacomprar.com.br/

Website: https://qualferramentacomprar.com.br/

Continuar Lendo

Notícias

Estratégias de marketing para redes sociais influenciam novos negócios

É interessante acompanhar a evolução dos brasileiros que adoram curtir, comentar, visualizar e compartilhar conteúdo na web. E o impacto das redes sociais não se restringe somente ao perfil pessoal. As empresas também têm marcado presença nos canais para interagir com os consumidores

Publicado

em

por

Rio de Janeiro, RJ 12/8/2022 – A relevância de uma empresa nas redes sociais está mais ligada ao engajamento do perfil com o público do que com o volume de seguidores

É interessante acompanhar a evolução dos brasileiros que adoram curtir, comentar, visualizar e compartilhar conteúdo na web. E o impacto das redes sociais não se restringe somente ao perfil pessoal. As empresas também têm marcado presença nos canais para interagir com os consumidores

É interessante acompanhar a evolução dos brasileiros que adoram curtir, comentar, visualizar e compartilhar conteúdo na web, e o impacto das redes sociais não se restringe somente aos perfis pessoais. As empresas também têm marcado presença nos canais para interagir com os consumidores. Muitas marcas precisaram se esforçar e mudar a direção, estando presentes na web, para manter a visibilidade e garantir as vendas.

De acordo com a 9ª edição da pesquisa “O Impacto da Pandemia de Coronavírus”, elaborada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), sete em cada dez empresas já atuam nas redes sociais, aplicativos ou internet para impulsionar as vendas. Em maio, bem no início da pandemia, esse percentual era de 59%.

“Com as restrições de isolamento, de acordo com o Sebrae, os micros e pequenos negócios se viram obrigados a inovar e principalmente mudar a forma de venda e de divulgação do seu negócio. A internet se tornou uma aliada na sobrevivência de inúmeros negócios no Brasil”, afirma Tarsila Moratelli, CEO da empresa TriLike Marketing e Tecnologia.

O WhatsApp se mantém como a plataforma preferida pelos empreendedores que se inseriram no mundo virtual para realizar negócios. Instagram e Facebook ficaram como segundo e terceiro lugar, respectivamente.

Mas porque as empresas precisam estar nas redes sociais?

Ganhar visibilidade, autoridade e interagir com o público-alvo são alguns dos motivos mais relevantes. Além disso, conta ponto na tomada de decisão o fato de a concorrência já estar nesse meio.

Afinal, estar presente nos canais de comunicação serve como um termômetro de como o público enxerga a marca divulgada. Quando o leitor está satisfeito, usa o espaço para divulgar espontaneamente o produto ou serviço.

“Uma estratégia eficaz e assertiva nas redes sociais faz com que a sua empresa tenha credibilidade frente a concorrência. É possível converter leads em clientes pelas mídias sociais”, afirma a CEO da TriLike Marketing e Tecnologia, Tarsila Moratelli.

O marketing é a alma do negócio

O marketing bem estruturado gera potenciais clientes e fideliza os já existentes. Isso acontece porque, quando se cria estratégias de divulgação e elabora mecanismos que engaja a empresa, surtirá informações valiosas de potencialização dos resultados.

Mas, entender que não é só criar uma conta no Instagram, Facebook e LinkedIn e sair postando, já é um grande passo. É preciso elaborar todo um planejamento estratégico e posicionar a empresa de forma efetiva.

É necessário pensar em conteúdo de qualidade e relevância para os consumidores, fazer um acompanhamento de métricas e um gerenciamento eficaz.

“Quando presente nas redes sociais, o engajamento com a marca aumenta, consequentemente. Com isso, as pessoas entendem que podem ter um relacionamento diferenciado com a empresa, começam a interagir, reagindo, opinando, elogiando ou até mesmo criticando as ações daquela empresa. Isso é ótimo para perceber o que está ou não agradando as pessoas para que mudanças sejam feitas”, afirma Tarsila Moratelli.

Riscos e erros das empresas nas redes sociais

Dentre os diversos erros mais comuns, no marketing, cometidos pelas empresas, o principal é a falta de constância na produção, publicação e compartilhamento de conteúdo nas mídias sociais. É preciso considerar e comparar a atuação nas redes como uma rotina de exercícios físicos: deve haver constância e regularidade para alcançar resultados.

A marca precisa trabalhar com um planejamento estratégico de conteúdo. E é aí que as empresas cometem outro erro: não realizam o planejamento e não trabalham estrategicamente a produção de conteúdo. Com isso, a constância e a coerência da marca podem ser afetadas.

Outro erro, que comumente acontece, é a falta de adequação da linguagem ao público, pois muitas delas não pesquisam sobre os seus potenciais clientes, muito menos estreitam interações assertivas com eles.

E como atuar bem nas redes sociais?

Primeiro, estar antenado como a mudança nas redes acontece e atuar na velocidade que elas estão. Se essa atuação e atendimento ao cliente não forem rápidas, o consumidor irá buscar a solução de suas demandas na concorrência.

Traçar estratégias que pretende, seja no planejamento de conteúdo, na organização de processos ou nas operações e conhecer o público-alvo, é fundamental para vender corretamente o produto ou serviço, identificando seus medos e necessidades para que o posicionamento seja assertivo.

Não utilizar somente conteúdos institucionais, faz parte da estratégia. Gerar valor ao produzir uma postagem, fazendo com que agregue autoridade ao estilo de vida do consumidor.

A estratégia é focar na melhor rede social, que é onde o cliente ideal está. “A relevância de uma empresa nas redes sociais está mais ligada ao engajamento do seu perfil com o público do que com o volume de seguidores”, afirma Tarsila Moratelli.

O sucesso de uma marca na internet pode ser medido por meio do engajamento que a empresa mantém com a persona, pois é esse engajamento qualificado que elevará as taxas de vendas.

Para mais informações, basta acessar: www.trilike.com.br

Website: https://trilike.com.br

Continuar Lendo

Notícias

Meios de pagamentos digitais ganham destaque no Dia dos Pais

Segundo dados da Central Sicredi Norte/Nordeste, cerca de 90% da base de associados ativos utilizam alguma das novas ferramentas para pagamento. No comércio, cerca de 13 mil máquinas de cartões estão ativas na região, distribuídas nos nove estados do Nordeste e no estado do Pará.

Publicado

em

por

12/8/2022 – Com o aumento do comércio no Dia dos Pais, consumidores e comerciantes usam tecnologia para facilitar as transações de compra e venda de forma segura e prática

Segundo dados da Central Sicredi Norte/Nordeste, cerca de 90% da base de associados ativos utilizam alguma das novas ferramentas para pagamento. No comércio, cerca de 13 mil máquinas de cartões estão ativas na região, distribuídas nos nove estados do Nordeste e no estado do Pará.

A procura pelo presente para o Dia dos Pais sempre movimenta o comércio neste mês, e em 2022, primeiro ano após as restrições causadas pela pandemia, estima-se que haja um aumento nas vendas comparado a 2021. Por isso, os consumidores devem estar atentos às melhores formas de pagamento, taxas de juros e segurança na hora de suas compras, uma vez que existe um mundo de opções ofertadas pelas instituições financeiras.

O Sicredi, por exemplo, Instituição Financeira Cooperativa presente em todos os estados e Distrito Federal e com mais de 6 milhões de associados no país, conta com diversas ferramentas digitais para atender os associados que buscam as melhores formas de fazer suas compras. Entre elas estão o  Internet Banking (IB) e aplicativo mobile, usados para transferências – TED e DOC, e Pix; carteiras digitais, que permitem o uso do smartphone/smartwatch em substituição ao cartão de crédito em suas transações, além dos tradicionais cartões de crédito e débito.

“Sabemos que em datas comemorativas, o fluxo no comércio aumenta bastante e esses meios de pagamentos digitais permitem aos nossos associados mais segurança, comodidade e autonomia na hora de realizar suas transações financeiras”, destaca Raquel Viana, analista de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi Norte/Nordeste.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS), no segundo trimestre de 2021 foram movimentados R$ 34,4 bilhões via pagamento por aproximação, um aumento de 694% no uso desta solução, sendo cartão de crédito R$ 19 bi (+548,8%); cartão de débito: R$ 10,6 bi (+904%); e cartão pré-pago: R$ 4,8 bi (+1.283%). Seguindo essa mesma linha de crescimento e de adesão, tudo indica que os novos meios digitais de pagamento vieram para ficar.

Segundo os dados da Central Sicredi Norte/Nordeste, os associados têm uma ótima adesão às ferramentas digitais, com cerca de 90% da base de ativos utilizando alguma dessas ferramentas, seja o Internet Banking, carteira digital ou app mobile. Em junho deste ano, a Central possuía 130.031 associados com cadastro no IB e 148.080 com cadastro no app mobile.

Máquinas de cartões são opção prática e segura

Se de um lado a segurança está garantida com as novas formas de pagamento, do outro, a gestão das vendas também pode ser feita com a ajuda das novas tecnologias. Em 2021, as máquinas de cartões do Sicredi já eram utilizadas por mais de 180 mil associados microempreendedores individuais (MEI), pessoas jurídicas (PJ) e pessoas físicas (PF). As máquinas também contam com pagamento via Pix, que permite ao dono do negócio receber e transferir valores a qualquer hora do dia, inclusive nos fins de semana.

De acordo com a base de dados de junho deste ano, a Central Sicredi Norte/Nordeste tem 13 mil máquinas de cartões ativas, distribuídas nos 9 estados do Nordeste e no estado do Pará, no Norte, e mais de 10 mil associados Pessoa Jurídica que possuem comércio atacadista e/ou varejo na região. Desta forma, também são mais de 10 mil comerciantes que garantem a segurança e a praticidade na hora de vender seus produtos e/ou serviços.

Website: https://www.sicredi.com.br/home/

Continuar Lendo

Em Alta

...